Sr e Sra Potter – Cap 7 14


Anteriormente:

– Se tudo correr bem na segunda. – respondeu a Lene. – O Tiago vai estar bom amanhã para ensaiar, não vai? – ela me perguntou.

Olhei para o Potter na dúvida e ele estava quase implorando para falar que não.

– Espero que sim! – respondi tentando sorrir.

– Perfeito! – comentou a Lene empolgada.

Pelo menos vamos ter um dia de folga.

Cap 7 – É dificil estar casada

Tem alguma coisa extremamente errada comigo! Novamente não sei onde estou e até estou com medo de descobrir, definitivamente essa pessoa do meu lado não é meu bichinho de pelúcia e nem uma das minhas amigas.

Tentei me lembrar de alguma coisa de ontem, e claro que eu me lembrava de tudo, mas não me lembro de ter ido dormir junto com os meninos, literalmente falando.

Talvez reconstituir meus passos ajude. Me lembro que depois do ensaio ficamos conversando, até a Alice e o Frank apareceram. Acho que o clima ficou realmente pesado perto das seis da tarde que foi quando a Alice resolveu ir namorar e o Sirius resolveu arrastar o Pedro para ajudarem o Remus, enquanto o Potter ainda estava proibido de sair da cama, não que ele não pudesse. Ele já estava bem melhor, mas… Não era nada aconselhável, principalmente para ele ir atrás de um lobisomem.

Me lembro até da bagunça e da briga que foi para manter o Potter na cama.

– Eu quero e vou ir junto! – ele disse já tentando se colocar de pé.

– Você não esta bem ainda. – eu disse irritada.

– Eu estou ótimo Lily! – ele me respondeu sem dar importância.

– Não discute Pontas. Você não pode ir. – disse o Sirius enquanto caçava uma blusa de frio no guarda roupas.

– Até parece que vou deixar vocês irem sem mim. – ele reclamou.

– Até parece que você vai levantar dessa cama. – comentei.

– Nós cuidamos dele. – disse a Lene quando o Sirius parou na porta do quarto. – Ele não vai fugir.

– Você é que pensa. – disse o Sirius voltando e pegando a capa do Potter. – Isso é só para garantir que vai ficar mais difícil você nos seguir. – comentou.

– Eu não sou uma criança. Parem de me tratar como uma. Eu estou bem! – ele disse revoltado.

– Amanhã você vai estar bem para ir. Hoje não! Desculpe Pontas. – o Sirius disse antes de sair do quarto.

– Melhor ficarmos com ele. – comentou a Dora.

– Eu não vou fugir de noite. – comentou o Potter emburrado.

– Até parece que acreditamos em você. – comentou a Lene rindo.

– Podem ir para o quarto. Eu fico aqui. Vou querer saber quando os meninos voltarem. – comentou a Dora.

– Dora… Todas as luas cheias você é a primeira a tentar ir atrás deles. Não vamos deixar dois fugitivos juntos. – comentei.

– Ei! Não somos dois fugitivos! – reclamou o Potter.

– Que seja! Mas vamos dormir aqui com vocês. – disse a Lene dando um ponto final na discussão.

Ainda me lembro que brigamos para ver quem Iria dormir em que cama, eu acabei dormindo na cama do Sirius com a Lene e a Dora na cama do Remus. Ninguém quis dormir na cama do Pedro, o colchão não é muito confortável, e claro que as meninas queriam que eu dormisse agarrada com o Potter, mas convenhamos… Isso não é lá uma coisa muito certa.

Como eu vou dormir com a Lene e acordo com um homem?

Ah! Eu realmente estou dormindo com um homem… Essa não é a Lene!

– O que houve? – Escutei a voz do Potter junto com mais quatro varinhas em cima de mim.

É! Eu gritei quando descobri que não estava com a Lene. Qualquer um na minha situação iria fazer a mesma coisa.

– Se acalme Lily! O que aconteceu? – Perguntou o Potter.

– Cadê a Lene? – Perguntei não conseguindo distinguir as varinhas na minha cara.

– Aqui! – Escutei ela respondendo.

– E quem esta do meu lado? – Perguntei ainda receosa.

– Sou eu ruiva! – Escutei o Sirius respondendo.

– Esse escândalo foi só por que você estava dormindo agarrada no Sirius? – Perguntou a Dora descrente.

– Eu realmente não precisava de detalhes. – Comentou o Potter.

– Desculpem! – Pedi morrendo de vergonha quando todos voltaram a se deitar.

– Se você esta aqui. Onde a Lene esta dormindo? – Perguntei para o Sirius.

– Com o Pontas. Chegamos cedo e a Lene acordou. Ela disse que me deixava dormir na minha cama e foi dormir com o Pontas.

– Não era mais fácil ela ter ido dormir com a Dora? – perguntei não vendo lógica nisso tudo.

– Ciúmes? – Ele me perguntou rindo.

Ainda bem que eu não conseguia ver o rosto dele, por que tenho certeza que ele estava sorrindo e eu iria ficar com mais raiva ainda.

– Não começa Six. Só achei estranho. – comentei.

– Sei… – ele respondeu desconfiado.

– Vamos dormir! – pedi já deitando no peito dele.

Acordei novamente já passava das nove da manhã. Era domingo, então todos provavelmente estavam dormindo. Aproveitei para ir para o meu quarto tomar um banho e ir para a biblioteca fazer alguns trabalhos.

Fiquei praticamente a manhã inteira na biblioteca, só voltei para o quarto quando o Sirius passou na biblioteca falando que o pessoal estava indo comer.

O almoço também não foi tão agitado. O Sirius e o Pedro estavam caindo de sono, o Potter ainda estava emburrado por ter ficado na cama enquanto os meninos se “divertiam”.

Ensaiamos a cena durante a tarde, mas dessa vez fizemos os movimentos corretos. Não foi lá grande coisa, afinal, a cena só tem meia dúzia de falas e nenhum contato físico, o que realmente começava a me deixar nervosa era que a cada ensaio mais curiosos apareciam, e isso não é nenhum pouco agradável. Claro que ninguém sabe que realmente é esse o problema. Todos acham que é por causa das minhas cenas com o Potter, o que é claro que me preocupa, mas para que eu possa realmente me preocupar com elas eu preciso primeiro conseguir ficar em um palco com tanta gente em volta sem desmaiar ou coisa parecida.

Eu estava sentada no salão comunal tentando ler um livro perto da lareira. Tentando é realmente a palavra certa. Eu estou apavorada sobre ter que apresentar.

As meninas estavam no quarto dormindo, e os meninos estavam com o Remus. E a única pessoa que posso falar sobre isso é com a Lene, mas ela esta empolgada de mais com o teatro para se preocupar com meu “medo de palco”.

– Esta tudo bem com você? – me perguntou o Potter.

– O que esta fazendo aqui? – perguntei depois de me recuperar do susto com a presença dele.

Não me entendam mal. Ele não é feio ou coisa parecida, mas ele não pode aparecer assim do nada.

– Esquecemos o mapa no quarto. – ele respondeu dando de ombros.

– Já começou a fará? – perguntei sorrindo.

– Quando sai o Sirius estava tentando convencer o Pedro de jogar Verdade ou Conseqüência sem a perda da verdade. – ele respondeu sorrindo ainda mais. Acho que se lembrando da cena.

– Faz tempo que não jogamos todos juntos. – comentei pensativa.

– Vou me lembrar disso. – ele comentou rindo. – Mas por que esta aqui sozinha?

– Não consegui dormir. – respondi sem importância.

– Sentiu falta de alguém para abraçar? Posso ficar com você se for esse o seu problema. – ele comentou malicioso.

– Não se preocupe. O Sirius faz esse papel muito em. – respondi o irritando.

– Tem certeza que esta bem? – ele me perguntou depois que paramos de rir e o silêncio reinou.

– Estou bem Potter. Não precisa se preocupar. – menti rezando para ele não perceber.

– Se o problema é sobre nossas cenas na peça Lily… – ele começou a falar um pouco atrapalhado.

– Eu não tenho nada juro. Pode ir tranqüilo! Quando precisarmos discutir sobre a peça, tenha certeza que vai escutar meus gritos de longe. – brinquei.

– Tudo bem então! – ele disse se dando por vencido. – Tchau ruivinha. – ele me disse me dando um leve beijo no rosto e indo embora. – Se precisar eu estou aqui. – ele comentou já saindo. – Ah! – ele disse parando antes de fechar o retrato. – Obrigado por cuidar de mim. – ele disse com um grande sorriso.

Esse é o Potter que eu tenho como amigo. – isso pelo menos é a última coisa que me lembro do domingo.

Segunda feira amanheceu chuvosa e gelada, eu estava na cama do Remus no quarto dos meninos quando acordei e pelo visto atrasada já que o dia lá fora já estava claro.

Corri para me arrumar e para a minha sorte todas as meninas já tinham tomado banho.

Enquanto eu me arrumava a Lene tratou de acordar os meninos e arrastá-los para tomar café da manhã.

– Eles não deveriam ir com o Remus quando tem aula. – escutei a Lene reclamando quando o Potter voltou a dormir a aula.

Os dois estavam sentados juntos, assim como de costume eu estava sentada com o Sirius, o que convenhamos não ajudava em nada já que ele só acordava para se arrastar para a outra sala.

– Eles nunca deveriam ir com o Remus, principalmente quando tem aula. – respondi entediada.

A aula mais uma vez passou incrivelmente devagar, e para piorar recebi um bilhetinho nada agradável:

“Lily,

Você sabe o que o Tiago tem? Disseram-me que ele estava doente esses dias.

Emy Jones”

Como é que eu iria saber o que o Potter tem? A Lene que esta sentada com ele e não eu! Alias, por que ela não perguntou para o Sirius? Ele que é o melhor amigo do Potter.

Tudo bem… Eu sei o que ele tem, mas e dai? Não era para eu ter essa informação.

Depois de ficar xingando a Emy por uns cinco minutos eu resolvi responder o bilhetinho chato dela. Mas é claro que eu não contei a verdade, falei que ele estava com gripe.

Eu não poderia contar que ele foi arremessado em uma árvore pelo melhor amigo que é um lobisomem, não é?

Eu sei que ele já esta melhor, mas ainda esta tomando as poções para dor que fiz e para piorar ele não me escuta quando eu digo que é para ficar na cama e dormir. Não! Ele tem que ir para a casa dos gritos. Moleque teimoso!

– Quem morreu? – perguntou o Sirius com a cara inchada e amassada de sono.

– Ninguém. Volte a dormir! A aula ainda não terminou. – respondi emburrada.

Eu não estava reclamando tão alto assim para ele acordar, não é? Não é?

– Não vai me contar o que houve? – ele me perguntou já aparentemente desistindo de dormir e apoiando a cabeça no cotovelo.

– Não houve nada. – eu disse da maneira mais calma que consegui.

Olhei para o lado e vi a Emy olhando o Potter preocupada. Oi! Eu falei que ele esta gripado não que ele esta morrendo!

– E eu vou acreditar que você esta resmungando há uns dez minutos sem parar por que gosta de falar sozinha? – ele me perguntou com uma sobrancelha erguida.

– Eu sempre falo sozinha. – rebati.

O que não deixa de ser verdade!

– Ok! Mas você geralmente não fica tão revoltada assim. – ele comentou pensativo.

Ergui a sobrancelha pensativa. Eu sempre estou revoltada comigo, senão eu não iria ficar falando sozinha.

– Tudo bem… Você sempre tem um ataque, mas geralmente tem um motivo. Geralmente um motivo que me faz rir muito.

– Volte a dormir Sirius. – eu disse irritada.

Eu não sou a palhaça do circo para ele ficar rindo da minha cara!

– O que você tanto olha para a Emy? Ela é bonita, mas pensei que você torcesse pelo outro time. – ele comentou rindo de própria piada sem graça.

– Não sou lésbica Sirius. – respondi irritada.

– Eu sei, mas eu gosto das lésbicas. Elas são sexy se agarrando. – ele comentou pensando em alguma coisa pervertida.

Preferi não responder, afinal o Sirius não estava tão bem da cabeça já que estava precisando de horas de sono.

– Então? Não vai me contar o que a Jones te fez? – ele me perguntou quando viu que eu dei o assunto por encerrado.

– Me fez algumas perguntas idiotas ao invés de perguntar para você ou para a Lene. – respondi tentando não dar importância para isso.

Eu sei que o Sirius não vai parar de perturbar até descobrir o que aconteceu, mas na verdade não é nada de mais. Só não entendo por que ela perguntou isso para mim ao invés de qualquer outra pessoa.

– Que tipo de perguntas? Sobre a peça? – ele me perguntou já curioso.

Às vezes eu odeio essa curiosidade do Sirius, eu sempre tenho que contar tudo nos mínimos detalhes para que ele não fique perturbando ou não fique pensando besteiras.

– É sobre a peça. Por que ela não foi falar com você ou com a Lene?Não era mais fácil? – perguntei revoltada.

Ele deu de ombros.

– Vai ver ela tem medo da Lene. – ele comentou pensativo.

– E por que alguém teria medo da Lene? – perguntei sem entender a dedução dele.

– Não percebeu que a Lene esta um pouco agressiva com tudo isso de peça? – ele me perguntou quase cochichando.

– Não diria agressiva… – comentei pensativa. – Talvez obcecada. – respondi sorrindo.

– Enfim… Falar qualquer coisa com a Lene ultimamente esta sendo cometer suicídio. – ele comentou bem baixo no meu ouvido.

– Exagerado… – cantarolei rindo.

– Mas é verdade. Esses dias eu fui fazer uma sugestão e ela simplesmente quase me estuporou. – ele disse revoltado.

– Aposto que sua sugestão não era lá muito boa. – comentei.

– Claro que era boa. Era excelente. Perfeita!

– O que você sugeriu gênio? – perguntei já curiosa para saber o tamanho da besteira que o Sirius tinha inventado.

– Só sugeri que ela cortasse algumas cenas chatas e criasse mais cenas de agarração. Aposto que todo mundo iria gostar mais do que você e o Pontas discutindo. Isso tudo mundo vê o tempo todo, mas os dois se pegando ninguém nunca vê.

Para a sorte da Jones e do Sirius o professor dispensou todo mundo.

Corri para a última aula do dia para quem sabe me sentar com a Dora ao invés do Sirius. Ou quem sabe do lado da Jones para saber o que se passou na cabeça de titica dela.

Me senti com a Dora e a aula passou rápido, não conversamos muito, mas a aula estava até que legal.

Tentei não olhar para a Jones durante a aula, mas se eu me encontrar com ela por ai não vou perder a oportunidade de ir tirar satisfação. Eu não sou amiga do Potter para ela ficar me perguntando coisas sobre ele.

Tivemos nosso primeiro dia de folga dos ensaios e eu aproveitei para dormir. Ninguém é de ferro!

Dois dias depois as coisas já estavam melhores, afinal, no dia anterior tinha sido o último dia de lua cheia da semana, o que significa que os meninos estão um pouco mais acordados, a Dora mais contente e temos o Aluado de volta para a turma e doido para pegar a matéria atrasada.

Eu estava com o Remo repassando a matéria na hora no almoço enquanto os outros terminavam de comer.

– Lily! Precisamos conversar. – comentou o Potter.

É claro que eu estranhei aquilo. “Precisamos conversar”, não temos nada tão sério para conversar para ter uma frase de efeito assim.

Claro que todos os nossos amigos nos olharam interrogativos, até claro o Sirius soltar uma piada:

– Esse negócio de discutir a relação é coisa de mulher Pontas, pensei que você tinha tomado jeito e tivesse deixando a Lily fazer o papel dela nessa relação.

– Muito engraçado! – reclamou o Potter para o Sirius. – Então Lily…

– Eu realmente não acho que temos nada tão importante para conversar. – comentei.

– Quando você ler a próxima cena eu tenho certeza que vai querer conversar. – ele me disse jogando o roteiro.

– Podemos ver isso mais tarde? – perguntei tentando não pensar no que pode ter de tão ruim no roteiro agora. Eu realmente não me lembro de agarração no começo do filme.

– Temos a aula de Trato de criaturas mágicas. – ele respondeu.

– Afinal por que fazemos essa aula ridícula? – perguntou o Pedro de cara amarrada.

– Você não se lembra que combinamos? – perguntou a Dora.

– Preferia ter o tempo livre. – ele resmungou.

– Na verdade é nosso tempo livre para conversarmos com a turma inteira junta, afinal a Lily faz mais matérias do que todos nós juntos, vamos faz matérias totalmente diferentes e o Remus também. – comentou o Sirius.

– Eu não faço tanta matéria assim. – respondi emburrada.

– A Lily é inteligente! – comentou o Potter sorrindo.

– Você poderia desistir de algumas. Você nunca tem tempo para nada. – comentou a Dora.

– Ela ainda não decidiu se quer ser curandeira ou aurora. – respondeu a Lene dando de ombros.

– Não decidiu ainda? – perguntou o Sirius. – Acho que você tem problemas sérios Lily. Está explicado por que sua vida amorosa é tão precária.

Não resisti e joguei meu livro de transfiguração na cabeça do Sirius.

– Só disse a verdade ruiva. – ele disse massageando a cabeça.

– Vocês ouviram falar que o Professor dessa matéria esta de licença? – perguntou o Remus antes que eu tacasse outro livro no Sirius.

– Acho que o professor esta doente. Pelo menos foi o que ouvi o pessoal comentando. – disse a Dora pensativa.

– Eu acho que ele esta fazendo alguma coisa para o diretor. – respondeu a Lene.

– Seja o que for, teremos outro professor na aula, o que pode acabar com há nossa hora feliz do dia. – comentou o Pedro chateado.

– Me falaram que a professora substituta é muito simpática. – comentou o Remus.

– Vamos descobrir logo. – comentei dando de ombros.

– Preciso pegar alguns livros na biblioteca. Encontro vocês na aula. – comentou o Remus.

– Vou com você. Preciso devolver esse. – eu disse indicando um dos livros.

– Deve ter alguma coisa na biblioteca que só os nerds gostam, por que esses dois não saem da biblioteca. – escutei o Sirius comentando quando estávamos saindo.

– Pare de falar besteira Sirius! – a Lene reclamou.

Fomos caminhando em silêncio por algum tempo, mas eu não sou uma pessoa que gosta de ficar calada.

– Esta melhor? – perguntei.

– Estou normal. Sabe como é. Cansado, mas bem. – ele me respondeu com um sorriso simpático.

– Estou falando sobre o probleminha que vocês tiveram. – comentei.

– Se refere que eu quase matei um dos meus melhores amigos? Não fiquei muito feliz sabendo que o Pontas quebrou algumas costelas. Isso só comprova que eles estão sendo muito burros que acompanhando e eu um idiota aceitando a companhia.

– Não é bem assim Remo. Você não fez de propósito. – comentei chateada.

Eu definitivamente deveria aprender a ficar de boca fechada!

– Eu poderia ter o matado. – ele grunhiu em resposta.

– Na verdade não poderia você nunca faria isso. Disso eu tenho certeza. – comentei sorrindo. – Sem contar que a culpa foi deles por ter que levado para fora da casa.

– Eu é que não deveria ter os deixado ir comigo. – ele comentou revoltado.

– Deixando ou não eles iriam. – respondi. – Sabe Remus… Você realmente deveria parar de e culpar por todo que acontece.

– É um pouco difícil Lily! – ele comentou depressivo.

– Aposto que se você tivesse um passatempo… – comentei sorrindo com a minha brilhante ideia.

– Já tenho um passatempo! – ele disse indicando o grosso livro nas mãos.

– Estou falando de alguma coisa que realmente te faça bem e te gaste bastante tempo.

– Por exemplo? Sabe… Não sou muito fã de quadribol. Depois da primeira hora o jogo fica muito chato.

– Quem sabe uma namorada? Dora é perfeita para isso. – comentei empolgada.

– Lily… Podemos não falar sobre isso? – ele me perguntou já vermelho de vergonha.

– Na verdade não podemos. Você sempre foge do assunto. – eu disse parando no corredor cruzando os braços.

– É claro que eu fujo do assunto. A Dora e eu juntos esta fora de cogitação.

– Mas você ficou com a Chang mês retrasado. Qual o problema de tentar com a Dora? – perguntei.

– Chang eu sabia que não iria dar certo. Só estava curtindo um pouco.

– Você pode curtir com a minha amiga. Aposto que ela não se importaria.

– Lily… – ele começou a falar bem deprimido.

Não gosto desse tom. Já ouvi isso muitas vezes nesse último ano e não pretendo ouvir de novo.

– Tentar não mata Remus. – comentei. – Sem contar que ela sabe sobre você e assim como todos nós te aceita, alias, te aceita até bem mais do que nós. Por que você simplesmente não para de se esconder atrás desse seu medo e encara as coisas como devem ser?

Ele ficou me olhando de boca aberta.

Eu sei que geralmente vou indo devagar e tentando as coisas aos poucos, mas já esta na hora desses dois saírem desse vai não vai.

– Olha Lily… – ele começou.

Mas infelizmente não pode terminar, pois o Gabriel, goleiro da grifinória nos interrompeu.

– Desculpem atrapalhar a conversa. – ele disse sem graça.

– Sem problemas Gabriel. – comentou o Remus com um sorriso simpático e forçado.

Claro que o menino nem percebeu que o sorriso do Remus era mais forçado que a sonserina ganhando a copa de quabridol.

– Como vão as coisas? – perguntou o Remus.

– Bem. Só um pouco frustrado por não ter quadribol esse ano. – ele comentou dando de ombros.

– Quadribol seria melhor que essa peça chata. – comentei.

– Preferi que não tivesse a peça. As coisas não estão bem para o nosso time sem metade dos titulares – ele comentou dando de ombros de novo.

Acho que a grifinória tem chances de perder o campeonato esse ano.

– Mas vim perguntar se você pode dar um recado para o Tiago, Lily.

– Eu? – perguntei sem entender.

Olhei para o Remus. Ele que é o melhor amigo do Potter e não eu.

– Estão brigados? – ele perguntou apreensivo.

– Não. – respondi sem entender a pergunta.

– Ótimo! Então… Avisa o Tiago que precisamos de uma força nos treinos do apanhador reserva. O próximo treino é amanhã antes do café. Faz esse favor para mim Lily?

– Claro! – eu disse meio sem entender.

– Tchau Remus. Obrigado Lily. A gente se vê. – ele disse antes de sair.

Encarei o Remus confusa.

– Por que ele não pediu para você dar o recado? – perguntei sem entender.

– Não faço idéia. – ele respondeu dando de ombros.

Logo já estávamos na porta da sala esperando o professor chegar parta a aula de DCAT.

O Potter e a Lene estavam em uma conversa animada em um canto enquanto a Dora estava lendo um livro e o Sirius estava flertando com uma garota loira.

É impressão minha ou só eu estou um pouco deslocada?

Certo… Minhas opções eram atrapalhar o Sirius, terminar uma conversa que nem eu nem o Remos queríamos ou atrapalhar o Potter e a Lene.

Quer saber? Eu tenho mesmo que falar com o Potter.

– … Eu não faço à menor ideia. – comentou o Potter dando de ombros.

– Atrapalho? – perguntei me aproximando.

– Claro que atrapalha Lily. Estávamos aqui discutindo como iríamos fugir e nos casar em Las Vegas. – brincou a Lene.

– Acho que vocês podem ir de vassoura. Seria romântico. – brinquei.

– Eu sugeri Flu. – comentou a Lene antes de começar a rir.

– Vassoura é romântico? – me perguntou o Potter rindo.

– Para qualquer um que não seja eu, acho que é. – respondi dando de ombros.

– Mas é claro que é romântico. Vocês ficam juntinhos e agarrados, sentindo o vento bater nos cabelos… – comentou a Lene.

– Desse jeito vou pensar que esta apaixonada. – brinquei.

– Eu concordo com a Lene. Voar é muito bom! – comentou o Potter.

– Não gosto de nada que não esteja ligado ao chão. – brinquei. – Antes que eu esqueça Potter. Pediram para te avisar que estão precisando de ajuda com os treinos do apanhador reserva do time. Parece que tem ensaio amanha cedo.

– Eles não vivem sem mim! – ele comentou passando a mão pelos cabelos.

Acho que esse foi o jeito de dizer: “Obrigado pelo recado Lily.”

– De nada! – respondi revirando os olhos.

– Por que o Remus está ali emburrado? – perguntou a Lene depois de alguns segundos.

– Tivemos uma conversa que para ele não foi nada agradável. – comentei dando de ombros.

– O que você aprontou ruiva? – me perguntou o Potter sorrindo desconfiado.

– Só disse a verdade. Para ele largar de ser teimoso e agarrar a Dora logo. Claro que não com essas palavras. – comentei rindo.

– Eu que o diga! Tem casais de mais enrolados por aqui. – comentou a Lene.

Logo em seguida entramos na sala junto com o professor.

E devo dizer que a aula foi muito boa.

Assim que a aula terminou fui arrastada para um corredor deserto por ninguém menos que o Potter.

– Precisamos conversar. – ele me disse mais uma vez.

– Podemos fazer isso outro dia? – perguntei desanimada.

– Você não vai gostar se adiarmos muito essa conversa. – ele comentou.

– Ok! Quem morreu? – brinquei.

Eu não estava querendo ter nenhum tipo de conversa séria com ninguém agora. Só queria deitar na minha cama e ficar olhando para o teto. Quem sabe esquecer que tenho vários deveres para fazer.

– Amanhã teremos ensaio. – ele começou parecendo escolher bem as palavras.

– Sei que temos ensaio. Alias, temos ensaio quase todos os dias. – comentei deprimida.

– Hoje concluímos a cena dos dois no trabalho Lily. – ele disse mais uma vez.

– Espero que sim. Não aguento mais fingir procurar os dados do suspeito em um computador que nem existe.

– E eu de ficar falando com uma maquina que não existe, ou seja, falando sozinho. – ele comentou.

Dei de ombros. As coisas provavelmente iriam ficar um pouco piores.

– Logo chegaremos em cenas que você não vai gostar. – ele comentou apreensivo.

– Tenho tempo para convencer a Lene ou apelar para a professora Minerva sobre isso. – comentei sem importância.

– Então esta tudo bem sobre as cenas que os dois estão em casa? – ele me perguntou parecendo aliviado.

Do que ele estava falando?

– Potter estamos ensaiando a cena que os dois vão de novo para ao consultório da Alice. – comentei encostando-me a parede.

– Tudo bem… Vamos começar essa cena hoje. – ele comentou passando novamente a mão pelo cabelo.

– Você vai começar a cena hoje. – comentei alegre.

– Na verdade nós vamos. Se você não deu uma olhada direito no roteiro, tiraram a cena intermediária, então nós dois vamos ter ensaio com a Alice hoje. – ele comentou dando de ombros.

– E eu pensando que tinha à tarde de folga. – reclamei cruzando os braços no peito.

– Tiago eu estava te procurando. – disse um menino se aproximando. – Oh! Desculpe! – ele disse todo sem graça assim que me viu.

– Sem problemas. Depois conversamos. – eu disse para o Potter antes de sair andando rumo ao meu dormitório.

Eu precisava urgente de um banho antes de enfrentar a Lene e o Sirius em mais um ensaio.

– Onde você se meteu? – perguntou a Dora quando cheguei ao dormitório.

– Estava conversando com o Potter.

– Sabe Lily… Não esta na hora de chamá-lo de Tiago? Vocês são amigos há algum tempo e estão se dando bem. – ela comentou distraída.

– Eu gosto de chamá-lo assim. – respondi dando de ombros.

– Estou tão empolgada! – comentou a Alice saindo do banheiro.

– Perdi alguma coisa? – perguntei sem entender a animação.

– Temos ensaio hoje. – ela respondeu pulando de felicidade.

Eu realmente não sei como ela pode ficar feliz com isso.

– Há Dora… Conversei com o Remus semana passada. – comentei enquanto pegava uma roupa descente na mala.

– Não! – ela gemeu.

– Não fale assim! Eu estava tentando te ajudar. – comentei.

– É mais complicado do que parece Lily! – ela me disse chateada.

– Eu vou te mostrar que é bem fácil. – comentei sorrindo confiantes antes de entrar no banho.

Realmente as coisas são fáceis. Esses dois que complicam tudo. Não é só por que o Remus te um probleminha qualquer que vai impedir os dois de serem felizes. E eu vou dar um jeito nisso!

Fui para o ensaio e não foi espanto quando vi o Snape me esperando na porta da sala.

– Já teve tempo para pensar melhor? – ele me perguntou quando me aproximei.

– Tive tempo suficiente para pensar e descobri que estou fazendo a coisa certa. – respondi dando de ombros.

– Você não esta sendo racional. – ele disse aflito.

– Realmente não quero ter essa conversa de novo. – reclamei cansada.

– Lily? – escutei a Lene me chamando, acho que ela escutou a minha voz.

– Tenho que ir Severo. – respondi sem olhá-lo.

– Lily? – ela perguntou já saindo da sala. – Ah! – ela exclamou quando viu o Snape.

– Tchau! – eu disse antes de entrar.

– Lily! – ele me chamou, mas não olhei para trás.

– Você fica Snape. Precisamos conversar. – escutei a Lene falando.

– Como você consegue se atrasar se estávamos todas juntas no dormitório? – perguntou a Alice despreocupada já com aqueles óculos.

– Isso aí tem grau? – perguntei ignorando a pergunta dela.

O Potter me olhou estranhamente, mas não disse nada.

Se passaram longos minutos antes que a Lene voltasse.

– Desculpem a demora. Já podemos começar. – ela disse sorridente.

Não entendi por que ela estava toda contente. Ela tinha acabado de ter uma conversa com o Snape, depois que ele se juntou com os “amiguinhos” da sonserina é quase impossível ter uma conversa agradável com ele.

– Aproveita que a primeira cena é dos dois e vem ver as fotos das opções de roupa que conseguimos. – disse a Dora já me arrastando para o outro lado da sala.

– Isso foi vingança pela minha conversa com o seu lobinho? – perguntei enquanto ela me arrastava.

– Vingança? Imagina Lily! – ela respondeu toda irônica.

Ok! Definitivamente foi uma boa ideia ver aquelas roupas. Ela queria que eu usasse um vestido minúsculo na cena que estou fugindo dos policiais.

– Eu nunca vou vestir isso. – comentei horrorizada.

– Seja razoável Lily. – pediu o Remus vendo a Dora chateada com o que eu falei.

– Me desculpe Dora, mas não vou usar esse vestido. Ele não cobre nada. – reclamei.

– Claro que cobre. Sem contar que logo de cara vamos ter toda atenção da população masculina do colégio. – ela disse empolgada.

– E como vai conseguir atenção do resto da população? – perguntei ingenuamente.

– Com isso. Escolhi pessoalmente! – ela disse me mostrando uma foto de uma roupa masculina.

Tenho que admitir que a baixinha tem bom gosto. Uma calça social e uma camisa branca aberta, isso iria ficar bom na maioria dos meninos.

– Quem vai usar isso? – perguntei.

– Claro que o Tiago. Vocês vão fazer inveja em qualquer casal. – ela comentou empolgada.

– Acho que ideia não é tão ruim. – comentou o Remus dando de ombros quando olhei pedindo auxilio para ele.

– Potter não pode usar isso por aí. Se de uniforme as meninas já ficam perseguindo o coitado. – comentei.

– Senti um pouquinho de ciúmes? – me perguntou a Dora com o seu maior sorriso.

– Eu… – comecei a negar, mas a Lene me chamou.

Me juntei a Alice e ao Potter para o ensaio. Parece que eles já tinham lido a cena o suficiente e iriam encenar e logo eu entraria também.

– Bom parte dois aqui estamos. Mas você voltou sozinho. – a Alice disse toda séria.

– Olha eu não sei direito. Deixa eu explicar. Eu amo a minha mulher, eu quero que ela seja feliz, eu desejo o bem dela, mas é que tem certas vezes… – e ele fez um gesto parecendo que estava me estrangulando.

Enfim terminou a longa cena do Potter com apenas duas falas.

– Como os dois vão estar no palco só vamos mudar a iluminação para a Lily. Esqueçam a cena do filme que ela esta lendo na cama e ele quer dormir. – comentou a Lene.

– Tem um espaço enorme entre nós. – eu disse demonstrando com as mãos. – E ele continua aumentando, com cada coisa que não dizemos um para o outro. Como se chama isso? – perguntei.

– Casamento. – respondeu a Alice segurando o riso.

– O que não dizem um para o outro? – ela me perguntou.

– É… – eu disse meio constrangida.

– Podemos emendar a próxima cena. – comentou o Sirius depois que ensaiamos a mesma cena umas 10 vezes.

E lá vamos nós para a próxima cena…

– As ação subiram em 0,3%. – disse o Potter. – Parece gostoso. – ele disse se referindo a comida.

– Colocou alguma coisa diferente?

– Coloquei. – eu disse.

– É? O que? – ele me perguntou.

– Ervilhas. – respondi.

– Ah. Ervilhas? É… ficou verde!

Sorrimos um para o outro.

– Querida me passa o sal! – ele me pediu.

– Esta no meio da mesa. – eu respondi dando de ombros.

– Ah! Esta no meio da mesa. – ele comentou me olhando levemente irritado.

– Esta entre você e eu. – respondi.

– Aproveitem que a Alice esta aqui e já vai para a próxima cena Lily. – me disse a Lene.

Ela não vai terminar esse ensaio nunca?

– Você é honesta com ele? – me perguntou a Alice.

– Muito honesta! – respondi rapidamente. – Quer dizer… Eu não mento para ele. A senhora entende? È que… Eu tenho segredinhos! – comentou rindo levemente. – Todo mundo tem segredos.

E lá se foi mais uma cena.

– Terminamos por hoje. A próxima cena ainda estou vendo os detalhes já que vocês vão para a missão. – disse a Lene sorrindo.

– Mas cadê o Sirius? – perguntou o Potter.

Realmente… Desde que comecei a ensaiar ele sumiu e não voltou mais.

– Foi buscar chá. – respondeu a Lene dando de ombros.

– Chá? O Sirius não toma chá. – eu disse sem entender.

– O chá era para mim e para você. – ela respondeu dando de ombros.

– Eu gosto de chá. – comentou o Potter.

– Quando ele chegar mandamos buscar para você também. – comentou a Lene já pegando as coisas dela para sair da sala de transfiguração.

– Não vamos esperá-lo? – perguntei sem entender.

– Ele demorou de mais. – ela comentou dando de ombros.

– O que deu em você? – perguntei alarmada.

– O que você quer dizer? – ela me perguntou parecendo inocente.

A Lene esta muito estranha! Nem parece a minha melhor amiga.

– Vai mesmo deixar o Sirius trazer o seu chá sem que você esteja aqui? – perguntei irritada. – Alias, por que você mandou ele buscar chá? Você odeia chá!

– Ela não gosta de chá? – perguntou o Potter sem entender.

– Não sei do que você esta falando. – ela disse não me olhando.

– Marlene! O que deu em você? – perguntei a puxando pelo braço.

– Menos Lily. Acabei de te livrar do Snape pelos próximos meses. – ela disse desafiadora.

– Você esta instável. Só pensa nessa peça ridícula. Não conversa mais no dormitório. Agora começou a tratar o Sirius como empregado. O que aconteceu?

– Eu vou ali e já voto! – disse o Potter alarmado e praticamente saiu correndo para perto da Dora e do Remus.

– Instável? Eu que estou instável? – ela perguntou furiosa.

– Claro que esta!

– Eu não penso só na peça! – ela reclamou.

– Como não? Sábado o Potter não estava nem conseguindo levantar da cama e você só pensava em ensaiar. – reclamei furiosa.

– Esta com pena do Potter agora? – ela perguntou furiosa. – Eu estou ótima Lílian. E não estou tratando o Sirius mal. Só do jeito que ele quer ser tratado. – ela disse antes de sair da sala batendo a porta.

Acho que fiquei pelo menos uns cinco minutos olhando irritada para a porta que ela saiu.

– Voltei e trouxe chá. – disse o Sirius com um sorriso nos lábios enquanto entrava na sala com uma bandeja.

Eu realmente quis matar a Lene!

– Lily… – começou o Potter.

– Agora não! – eu disse tentando manter a calma.

Sai da sala incrivelmente irritada com a Lene e fui atrás dela.

Achei a Lene chorando no quarto, e bom… Achei melhor não brigar com ela de novo.

– Desculpe Lily! Eu não queria… É que… Sirius esta namorando a Parvati. – ela disse aos prontos. – Eu precisei me concentrar em outra coisa. Eu não pude evitar. Não fiz nada disso por mal, mas você entende, não é?

– Sirius não esta namorando Lene. – eu disse convicta.

Eu sei que ele não esta namorando. Primeiro por que é óbvio. Sirius Black não namora e depois… Sirius nunca falou da Parvati a não ser um comentário “Ela é gostosa, mas é muito grudenta”.

– Esta sim! – ela gritou.

– Não esta! Eu saberia se estivesse. Sem contar que o Sirius disse que ela é grudenta.

– Verdade? – ela perguntou esperançosa. Pude até ver os olhos dela brilhando

– Claro que é! – eu disse.

– Esta mentindo! – ela disse voltando a chorar.

Sai do quarto batendo o pé e desci para o salão comunal. Sabia que a gangue inteira estaria lá discutindo sobre a minha briga com a Lene e como a Lene fez o Sirius de bobo.

Andei decidida na direção do Sirius e parei na sua frente cruzando os braços irritada:

– Você esta namorando a Parvati ou não? – perguntei.

– De onde você tirou isso? – ele me perguntou incrédulo.

Não respondi. Só voltei para o quarto ainda batendo o pé irritada.

Eu sabia que era impossível o Sirius estar namorando!

– Ele não esta namorando sua louca! – eu disse batendo a porta do quarto.

– Você não perguntou para ele, não é? – ela perguntou receosa.

– É claro que eu perguntei! – eu disse revirando os olhos. – Caí na real Lene! Ele gosta de você, mas é burro de mais para assumir isso. E você para de se fazer de boba e vai lá conquistar ele.

– Mas Lily… – ela começou a inventar desculpas.

– Você sempre foi a mais atirada e decidida com relação a isso Lene. Se você não fizer a Dora nunca vai ter coragem. – eu disse antes de sair do quarto.

Diga se eu não sou um gênio. Matei dois coelhinhos com uma paulada só. Sem contar que a minha saída do quarto foi triunfal.

Joguei-me no sofá entre o Sirius e o Potter que me olhou de uma forma bizarra.

– Já acabou a crise? – perguntou a Dora.

– Um chocolate deve bastar. – brinquei.

– Tem chá verde. Server? – perguntou o Sirius.

– Obrigada! – eu disse já tomando metade do chá em um gole.

– O que aconteceu? – perguntou o Remus.

– A Lene estava dando uma de Dora e tendo uma crise. – comentei dando de ombros.

– Por que de Dora? A dramática aqui é você! – ele rebateu fazendo bico.

– Nisso eu tenho que concordar ruiva. – comentou o Sirius bagunçando meu cabelo.

– Eu não sou dramática Sirius. Sou só realista. – comentei.

– Eu não fiz o trabalho! Eu vou morrer! Morri! – disse a Dora com uma falha tentativa de me imitar.

Eu definitivamente não sou dramática!

– Você esta bem? – perguntei para o Potter depois de alguns minutos com todos me zoando e ele não ter aberto a boca.

– Só cansado. – ele disse dando de ombros. – Vou me deitar. – completou antes de sair andando para o quarto.

Todos demos de ombro. O Potter tinha treinado a manhã inteira com o time, teve aula e ainda teve muito ensaio, não era de se espantar que estivesse cansado, alias, eu estava exausta.

Cerca de dos dias se passaram e nada muito útil aconteceu. Finalmente eu iria matar a minha curiosidade sobre o novo professor de trato das criaturas mágicas.

A Lene estava um pouco menos mandona e relaxada quanto a tudo, acho que ela não esta muito recuperada sobre o suposto namoro do Sirius, mas logo vai voltar a ser a minha grande amiga.

Não saímos do lugar quanto aos ensaios, alias, hoje teoricamente iríamos começar a próxima cena, sabe aquela que ela se veste como uma vaca e vai matar o cara.

Eu ainda estava tentando fazer o Remus parar de ser teimoso e ir logo atrás da Dora, alias o contrário também é válido, mas infelizmente percebi que sou um péssimo cupido.

– Adoro essa aula! – disse a Lene empolgada enquanto caminhamos todos juntos para a aula de Trato de criaturas mágicas.

– Eu realmente não sei como vocês me convenceram de largar um período inteiro de folga para essa aula chata. – comentou o Pedro emburrado.

– Combinamos no começo do ano de ter uma aula com todos juntos. – comentou o Sirius.

– Mas temos praticamente todas as aulas juntos. – respondeu o Pedro ainda emburrado.

– A Lily faz aula de medicina e o Remus para dar aula. – respondeu a Dora.

– Na verdade eu curso todas as aulas com vocês, eu faço dois cursos. – comentei me referindo a minha carga horária de medicina bruxa e auror.

– Eu realmente não sei como você dá conta de tudo isso. Eu mal faço os trabalhos de um curso só. – comentou o Sirius rindo.

Dei de ombros, nem é tanta coisa assim.

– Mas essa aula não é legal… Tirando a parte que não fazemos nada a não ser conversar. – comentou a Dora.

– Na verdade sempre conhecemos algum animal estranho e damos comida. – comentou o Remus.

– Quem será o professor novo? – perguntei mudando o rumo da conversa.

– Até onde eu fiquei sabendo é só um amigo do diretor que vai ficar aqui alguns dias. – respondeu a Lene.

– Espero que ele seja tão legal quanto o que esta de licença. – comentou o Potter.

A aula foi incrivelmente boa. Ficamos cuidando de vários bichos. Para falar a verdade nos dividimos em grupos e cada um ficava um tempo com bichinhos diferentes, eu não posso falar que prestei atenção nos bichos realmente, só nos que eram bonitinhos, mas seus nomes nem faço idéia.

O Potter e o Sirius ficaram tentando fazer a Lene e eu chegarmos perto de alguns bichos feios e asquerosos, e já pode imaginar a confusão quando o Sirius pegou a Lene no colo para jogá-la na caixa do bicho.

Eu obviamente sai correndo quando o Potter tentou me pegar, e ficamos rindo quando cai em cima do Remus e o Potter em cima de mim, o que não foi muito confortável, já que ele é um pouco pesado de mais para a minha pobre pessoa, mas fiquei com dó do Remus, imagine ter que agüentar nós dois!

É… A Aula foi muito boa! Nos divertimos muito, mas nem tudo são flores.

As coisas começaram a ficar ruins quando a aula terminou e escutamos o professor substituto dizendo:

– Todos estão dispensados, exceto senhorita Evans e senhor Potter.

Acho que as coisas estavam ficando ruins!

Nos olhamos sem entender, obvio que eu não tinha feito nada de errado, e o Potter nem tinha conseguido me jogar dentro de umas das caixas, e nem estávamos fazendo tanta bagunça. Tem gente que usa essa aula para ficar se agarrando com o namorado.

– Ouvi muito falar de vocês. – disse o professor assim que todos se afastaram.

Olhamos-nos mais uma vez sem entender nada. Acho que toda Hogwarts já ouviu falar das minhas brigas com o Potter isso é meio obvio.

– Mas chamei vocês para falar sobre o comportamento na minha aula. – ele comentou quando viu que não fazíamos ideia de onde ele queria chegar com aquele discurso.

– Me desculpe senhor, mas estávamos bem comportados. Tudo bem que teve uns cinco minutos que saímos correndo, mas foi por que a Lily estava fazendo graça e não quis participar ativamente da aula. – comentou o Potter.

– Ei! Eu estava participando da aula – reclamei.

– Estava, mas não ativamente. Que graça tem conhecer os bichos e não passar a mão neles? – ele me perguntou com um sorriso. – Que seja, mas não estávamos fazendo bagunça. O Sirius estava até gritando e tinham aqueles dois casais, não se o senhor viu, mas eles estavam aos beijos ali no canto. – ele disse indicando um lugar mais afastado de onde estávamos tendo aula.

– O Potter esta certo professor. Não estávamos fazendo bagunça e nem atrapalhando a aula. Peço desculpas se o senhor… – comecei, mas ele me interrompeu.

– Calma meninos. Não vim dar uma bronca em vocês. – disse o Professor rindo. – Pelo contrário, vim parabeniza-los. Pelo que escutei de vocês pensei que teria uma aula perturbadora.

– Deixamos de brigar faz algum tempo. – comentei dando de ombros.

– Eu sei disso. Não se fala em outra coisa na sala dos professores, mas alguns professores pensaram que vocês ficariam se agarrando pelos cantos, mas fiquei contente quando vi que vocês souberam se comportar, ao contrário de outras pessoas. – ele comentou parecendo bem feliz com o seu discurso confuso e sem noção.

Como assim o Potter e eu somos o assunto na sala dos professores? E que história é essa de ficar se agarrando? Não é só por que fizemos as pazes que estamos tendo um caso!

– Acho que o senhor entendeu errado professor. – escutei o Potter comentando e passando as mãos novamente pelos cabelos.

– Eu ainda não entendi. Por que iríamos ficar nos agarrando por ai? – perguntei para o Potter.

– Melhor que você continue sem entender. – comentou o Potter parecendo preocupado.

– Não estou entendendo meninos. O bolão foi até encerrado. E se eu fosse vocês ficaria longe do professor Horácio.

– Que bolão? – perguntou o Potter.

– E o que tem o professor Horácio haver com tudo isso? – perguntei agora não entendendo realmente mais nada.

– Acho que falei de mais. Pensei que vocês sabiam do bolão. – ele comentou dando de ombros. – Mas enfim… Águas passadas. O bolão já foi encerrado. Se eu soubesse teria participado.

– Ainda não entendi por que ficar longe do professor Horácio! – comentei.

– É que ele perdeu uma fortuna com esse bolão. Ele foi um dos poucos que apostou contra. – respondeu o professor dando de ombros.

– Acho que vocês vão ter que reabrir o bolão. – comentou o Potter.

– Eu não estou entendendo senhor Potter! – comentou o professor pensativo.

– Professor? – chamou uma menina perto de nós.

Pelo visto a próxima aula já estava começando e eu estava atrasada.

– Tenho que ir crianças. Juízo! – ele disse antes de ir para próximo das crianças do segundo ano.

Claro que eu não entendi nada dessa maluquice toda. Que bolão? E por que nos parabenizar por nos comportarmos? Eu sempre sou comportada! Sou monitora, tenho que ser comportada! E o que o professor Horácio tem haver com tudo isso?

Obvio que o Potter não me deixou em paz para pensar e foi logo me arrastando para a próxima aula e devo acrescentar que foi falando sobre muitas coisas no caminho, não me deixando me concentrar.

– Quer ficar quieto dois minutos? Estou tentando entender tudo que aconteceu há cinco minutos. – comentei quando já estávamos chegando na sala.

– Pare de penar nisso Lily. Aquele professor é maluco! – ele me respondeu ainda me puxando para a aula. – Desculpe a demora professora, mas o professor de trato de criaturas mágicas estava querendo falar conosco depois da aula. – comentou o Potter.

– Sentem-se. – escutei a voz da Mcgonacal.

Ótimo! Uma aula difícil. Como vou pensar em tudo que aquele maluco falou?

Tivemos que nos sentar juntos na aula e devo acrescentar que não prestei atenção em nada, ainda estava tentando decifrar tudo que o professor disse.

Acho que eu sou bem lerda, gastei uma aula inteira para descobrir…

E para a minha revelação o professor estava realmente maluco. De onde ele tirou que eu e o Potter estamos tendo um caso? Alias, de onde todos os professores tiraram isso?

Pelo menos o professor Horácio acreditou em mim e que eu nunca iria ficar com o Potter. Tudo bem que ele é bonito, inteligente e fofo, alias, um bom amigo também, forte… Enfim… Não é só por causa disso que eu iria namorar ele, não é?

Eu demorei mais ate a hora do jantar para perceber que não era só os professores que estavam pensando essa besteira. O castelo inteiro estava pensando que estou tendo um caso com o Potter.

E realmente estou impressionada com a minha burrice. Isso faz muito sentido, afinal, por que o pessoal iria vir me dar recadinhos para o Potter? As pessoas estão nos tratando como se fossemos uma pessoa só, um casal nesse caso!

As coisas podem piorar? Claro que podem, por que pensando bem quem seria a única pessoa favorecida com isso tudo? È claro que foi o Potter que inventou tudo isso para tirar proveito da situação. E claro que eu não deixei barato tudo isso, fui logo tirara satisfação.

Depois de gritar muito com o Potter e de muitos “Eu te odeio!” Eu finalmente me cansei e fui para o meu quarto um pouco mais leve, mas não menos irritada.

– O que foi isso lá em baixo? – me perguntou a Dora assim que abri a porta do quarto.

– O que foi aquilo na janta? – perguntou a Dora.

– Fiquei sabendo do escândalo. O que houve? – perguntou a Alice chegando logo depois de mim.

– Não quero falar sobre isso ou vou acabar lançando uma maldição imperdoável no Potter. – reclamei.

– Por que você brigou com o Tiago? – perguntou a Dora.

– Alias, por que ele ficou quieto e agora esta lá emburrado conversando com os meninos? – perguntou a Alice.

– Que fique emburrado! – reclamei irritada.

– Ainda estamos querendo saber o que aconteceu. – comentou a Lene.

– O que aconteceu? Aconteceu que eu descobri que o Potter esta espalhando por ai que estamos tendo um caso. – quase gritei de tão irritada.

– Você não sabia que todo mundo pensa que vocês estão juntos? – perguntou a Alice parecendo chocada.

– Você sabia? – perguntei sem acreditar, pela cara delas, todas sabiam menos eu. – Por que ninguém me contou? Por que ninguém matou o Potter ainda? Aquele traidor! Eu pensando que ele estava querendo ser meu amigo e que eu podia confiar nele… – reclamei andando de um lado para o outro do quarto.

– Acorda Lily. Por que você pensou que estavam tratando vocês como se fossem mais amigos que o Tiago e o Sirius? – perguntou a Dora.

– Por que você acha que o Snape esta enchendo o saco todos esses dias? – me perguntou a Lene.

– Vocês são umas traidoras. Por que ninguém me contou? – perguntei irritada.

– Por que era bem obvio? – perguntou a Alice.

– Sem contar que o Tiago já estava tentado reverter tudo isso. – comentou a Dora dando de ombros.

– Mas foi ele que inventou tudo isso. Quem mais seria? – perguntei.

– Quem foi eu não sei ainda e não vai fazer diferença agora. O importante é que não foi o Tiago. Ele esta tentando acabar com o boato já faz alguns dias. – comentou a Lene.

– Como vocês sabem disso? – perguntei.

Por que eu sou sempre a ultima, a saber, das coisas?

– Por que ele pediu nossa ajuda para acabar com isso antes que você ficasse sabendo e tivesse um chilique.

– Eu não iria ter um chilique se alguém tivesse me alertado disso tudo. – reclamei.

– Até parece! – comentou a Alice rindo. – Não era piada? – ela perguntou quando viu que olhei para ela de cara feia.

– Como tudo isso aconteceu? – perguntei alarmada.

– Acho que é bem obvio Lily. – comentou a Dora. – Vocês estão fazendo um casal romântico na peça, não se desgrudam e são bons amigos. O que acha que o pessoal vai pensar sendo que sabem que o Tiago te ama? – ela me perguntou.

– Primeiro de tudo ele me disse que superou essa quedinha por mim. E sem contar que o que tem haver nós sermos amigos com tudo isso? Eu sou amiga do Sirius e ninguém diz que estou tendo um caso com ele. – reclamei.

– Acredite no que quiser, mas o Tiago não em nada haver com tudo isso. – comentou a Lene.

– Acho que você deve desculpas a alguém. – comentou a Dora.

– Ok! Se o Potter não tem nada haver com isso e estava até tentando acabar com o boato, isso quer dizer que fui um pouco injusta com ele. – comentei.

– Um pouco? – perguntou a Lene. – Acho que você realmente pisou na bola Lily.

– Ele está realmente chateado com tudo isso sabe. – comentou a Dora.

– Se eu fosse você iria falar com ele. – comentou a Alice.

– Vou tentar. – eu disse já descendo para falar com os meninos no salão comunal.

Os quatro estavam conversando quase aos sussurros, mas quando cheguei perto eles fecharam a boca como se eu fosse o assunto principal, alias, não duvido realmente que eu fosse.

– Posso ficar aqui com vocês? – perguntei dando um pequeno sorriso.

Eles não responderam, só abriram um espaço para que eu me sentasse.

– Então… O que estão aprontando? – perguntei tentando puxar assunto.

– Nada! – respondeu o Remus dando de ombros.

– E vão fazer o que hoje? – perguntei depois que ninguém mais abriu a boca.

– Provavelmente trabalho. – comentou o Sirius.

– Eu já fiz o meu de poções. – comentei dando de ombros, como se alguém tivesse perguntado.

– Vou subir. – disse o Potter de cara fechada já subindo e nem olhando para a minha cara.

– O que deu nele? – perguntei assim que ele saiu de vista.

– Você é que deveria responder. – disse o Remus me olhando estranhamente.

– O que eu fiz? – resolvi mudar a pergunta.

– Se eu fosse você descobriria rápido. Ele está bem chateado. – comentou o Sirius antes de sair do salão com a Dora e o Remus.

– E me deixaram sozinha! – reclamei para o nada.

Eu sei que gritei com ele e tudo mais, mas pensei que ele não iria ficar chateado, não é? Eu sempre fazia isso antes. Melhor eu pedir desculpas!

– Potter? – perguntei quando cheguei ao quarto e a porta estava aberta.

Ele olhou para mim, mas logo desviou os olhos para o livro.

Exatamente… Ele estava lendo deitado na cama dele. O Potter nunca lê!

– É o Potter ou um E.T. fez uma lavagem cerebral em você? – perguntei entrando no quarto e tentando inutilmente fazer ele me olhar.

– Eu leio às vezes sabe… – ele comentou dando de ombros.

– Livro legal? – perguntei.

E ele simplesmente deu de ombros.

– Ok! Eu vim pedir desculpas, mas já que você resolveu me ignorar… – eu disse revoltada.

– Você nem sabe por que precisa pedir desculpas. – ele resmungou.

– Claro que sei! – eu disse ofendida!

E ele fechou o livro e ficou me olhando. Sabe… Qualquer um poderia confundir o Potter com o John do filme facilmente, principalmente com aquela camisa aberta.

Certo… Ignorem esse pensamento, por um minuto fui abduzida, mas já recuperei o controle do meu cérebro.

– Quer me olhar de um jeito mais Potter e menos Snape, por favor? – perguntei irritada com o olhar dele.

– Por que realmente você esta aqui Lily? – ele me perguntou parecendo realmente chateado.

– Para pedir desculpas pelo meu comportamento lá na sala. Eu estava irritada com toda essa história e realmente não queria saber realmente como tudo chegou a esse ponto, mas pensei que você tivesse começado isso. Eu sei que não começou, mas eu estava irritada de mais para pensar direito, sem contar que todo mundo sabia o tempo todo e ninguém veio me contar, e você era o único que saia ganhando nisso tudo, tudo bem que é mentira e você tecnicamente não ganhou nada, mas se parara para pensar minha lógica vai fazer sentido. E poxa! Mal estamos amigos e o castelo inteiro já pensa que estamos tendo um caso? A coisa ficou tão grande que até o professor veio falar conosco? Isso é de enlouquecer qualquer um.

– Ei! Mais devagar. – ele pediu rindo.

Foi quando percebi que eu estava falando todas as palavras grudadas e rápido, precisei até parar para respirar.

– Me Desculpe! – choraminguei.

Ele simplesmente riu. Isso mesmo! Eu aqui toda magoada e me xingando por ter tratado o cabeçudo mal e ele rindo da minha cara.

– Ri da desgraça alheia. – reclamei.

– Desculpe Lily. É que você é tão dramática.

– Você que não olhou mais para a minha cara só por que eu gritei com você. Eu sempre gritava com você e você nunca me ignorou, o que devo considerar que eu realmente muito gentil da sua parte, já que eu realmente era insuportável com você e tudo mais.

– Para e respire Lily! – ele comentou rindo.

– Mas… – eu comecei a dizer.

– Eu não estava te ignorando ou qualquer coisa parecida que a sua cabecinha tenho imaginado. – ele me disse rindo. – Só estava cansado e vim descansar um pouco.

– É? – perguntei parecendo uma retardada. Lerda…

– Claro que sim. Eu nunca iria deixar que uma coisa como essa ficasse entre nós. – ele comentou com um sorriso gentil. – Estavam pensando em um jeito de te fazer enxergar que eu não tinha nada haver com isso.

Sorri de volta e a coisa mais louca passou pela minha cabeça. Já pensou se alguém entra e não sabe que somos só amigos? Iria pensar que isso é uma briga de casal.

– Já que esta tudo bem entre nós acho que não vou mais precisar te dar um presente de desculpas. – comentei.

– Eu ainda estou muito bravo com você Lily! Nunca mais quero falar com você de novo. – ele disse na mesma hora.

Claro que rimos logo em seguida. Ele não é tão bom mentiroso quanto todo mundo pensa, alias, acho que ele mente pior que eu mesma, e olha que eu minto muito mal!

– Desculpe por tudo! – eu pedi novamente lhe esticando o chocolate.

Claro que deu uma dor imensa no coração dar meu ultimo chocolate reserva, e olha que vai demorar muito para poder conseguir mais, acho que falta mais umas duas semanas para o próximo passeio.

Ele sorriu e deu uma mordida gigantesca no chocolate, pude até sentir minha boca enchendo de água.

– Lily… Deita aqui. – ele pediu me dando espaço na cama dele.

Obvio que eu sai correndo e me joguei ao lado dele e do Chocolate!

Fiquei incrivelmente feliz quando ele quebrou a barra no meio e me deu metade, devo acrescentar que enquanto fazia isso, me dar o chocolate, quero dizer, ele passava o braço nos meus ombros me fazendo ter um bom travesseiro.

Preciso pedir mais alguma coisa além de chocolate, um lugar confortável e um bom amigo para conversar? Acho que por enquanto está ótimo!

Cap Anterior
Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

14 thoughts on “Sr e Sra Potter – Cap 7

  • Bru Potter

    AH MEU DEUS!!
    esses dois são tãão fofos juntos!
    quando você posta o proximo CAP?
    preciso saber o que vai acontecer assim como preciso de ar para sobreviver!
    😉
    você arrasa!
    todas as suas ficssão otimas!

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    Acho que essa semana, estou vendo se consigo postar agora na segunda, senão só na sexta.

    [Responder]

  • Pietra Evans Potter

    Carak, vi que não sou só eu que to louca para ler o tão esperado beijo deles! Vanessa pelo jeito você vai ter que arrasar por que esse beijo ta sendo MTO esperado! Estou esperando ansiosamente o proximo capitulo……

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    rsrsrs vou fazer o máximo possivel. Mas não vai ser no próximo cap, já aviso

    [Responder]

  • Bia Black Potter

    você querida ja tem previsão pro proximo cap, eu sei que to meio apressadinha mas é que essa fic foi a única que eu gostei que fala do Tiago e a lily;
    Você sabe outras que presta Vanessa?

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    rsrs conheço algumas muito boas, na minha comunidade no orkut tem várias indicações… Estou pensando em fazer indicações aqui no blog também. Mas passa no orkut que´lá deve ter algumas que você vai gostar 😀

    Qto ao cap eu estou escrevendo ainda… Estou mais ou menos na metade… Estout entando terminar até domingo, mas pode chutar mais uma semana pelo menos para o cap 🙁

    bjinhos

    [Responder]