Parte IV 2


Páginas 17 à 24

Anteriormente:

Com tudo isso que ele me falou fiquei mais nervosa. Chutei a barriga dele, e depois dei uma cotovelada no nariz dele. Ele caiu no chão e ficou se retorcendo com o nariz sangrando.
Os bandidos que estavam por perto saíram atrás de mim, quando algemei o Charles.
Ainda bem que sou forte. Porque tive que pegar o Charles que estava desmaiado e sair correndo. Não podia com mais de vinte bandidos. E todos estavam armados.

Parte IV

Joguei-me na limusine. Que Graças a Deus era blindada. Fui direto para a agência. Chegando lá encontrei com o Henrique e com o Fábio a minha espera do lado de fora da agência.
– Você está bem Tati? –perguntou Fábio preocupado.
– Estou ótima. Onde você estava? – perguntei irritada.
– Estava resolvendo alguns assuntos. Mas depois eu conto.
– Vamos Tati temos que levá-lo. – disse o Henrique.
– Eu quero matar esse cara. –disse Fábio com muita raiva sem perceber que eu estava ouvindo.
– Por quê? – perguntei sem entender.
– Por que ele te xingou e queria mais do que conversar com você.
– Eu já estou acostumada com isso Fábio. – respondi normalmente.
– Você esta dizendo que não é virgem? – perguntou ele quase gritando e espantado.
– Que pergunta Fábio. Assim você ofende a minha irmã. – disse o Henrique um pouco ofendido.
– Mas é que pelo jeito que ela falou. –disse ele arrependido.
– Fábio, você está ficando abusado. É claro que eu sou virgem. Você pensa que eu sou o quê?
– Me desculpa Tati, foi sem querer, eu não queria ter dito isso. Mas…
– Você é igualzinho ao Gabriel. – respondi sem pensar.
– Como ele era? – perguntou Fábio.
– Esquentado. E muito romântico. Mas você é romântico com a Solange, e o Gabriel era comigo. – respondi pensativa.
– É sobre isso que eu preciso falar com você Tati. – disse Fábio sem jeito.
– Sobre a Solange ou sobre o Gabriel? – perguntei.
– Queria falar sobre os dois, mas primeiramente sobre a Solange.
– O que tem a sua namorada Fábio?
– Ela não é mais minha namorada. –disse Fábio sem jeito e sem me olhar nos olhos.
– Você está dizendo que vocês terminaram? Mas por quê? – disse tentando não parecer feliz.
– Eu não gosto mais dela.
– Você disse isso para ela?
– Disse. – respondeu Fábio ceio de si, pensando que fez o certo.
– Você é louco?
– Por quê? – perguntou inocentemente.
– A Solange vai querer matar essa garota que você esta a fim. Ainda bem que você não disse o nome dela, porque senão é bom você ficar de guarda costas para essa garota.
– Então me empresta uma roupa de guarda costas.
– Você falou o nome da garota que você esta afim? Você é doido?
– Eu não sabia que a Solange ia ficar com tanta raiva. – disse Fábio.
– Onde você deixou o seu cérebro? –perguntei sem pensar.
– Você esta me ofendendo Tatiana. – disse Fábio irritado.
– Me desculpe. Foi sem querer.
– Mulheres, como entendê-las? –dizendo isso entrou na agência.
– Homens! Oh raça imprestável. – e depois eu fui para dentro.
– Ei os dois! Vocês não vão me ajudar a levar o Charles para a cadeia? –mas nós estávamos muito longe para escutar o que o Henrique tinha dito. – Adolescentes! Oh bichos confusos.
Depois de 10 minutos o meu C.A.toca:
– Alô!
– Agente Rouxinol? – perguntou a voz.
– Sim quem fala?
– É o Roger.
– Oi. Espera um minuto. que o Legião esta do meu lado.
– Tudo bem.
E fui para dentro do closet para que o Fábio não ouvisse a minha conversa.
– Pronto. Pegou o negócio para mim? – perguntei.
– Peguei. Onde você está? -disse a voz no telefone.
– Estou aqui na agência.
– Ótimo. Esta na sua sala?
– Praticamente sim. – respondi observando onde eu estava.
– Ótimo estou indo aí para te entregar à encomenda.
– Você vai andar com isso na mão?
– Calma, não sou tão louco.
– E como você vai me entregar à encomenda?
– Vou embrulhar para presente. Então ninguém desconfiará. – respondeu Roger.
– Mas e o Legião?
– Ele não vai saber do que se trata. Pode ficar tranqüila.
– Mas dá para você trazer várias? – perguntei.
– Estou levando a encomenda de várias cores. Tem uma que tem até raio-X.
– Mas da para ver através do quê?
– Somente de metal e alumínio. – respondeu Roger.
– Serve. Mas ainda sim é secreto. – respondi.
– São para você? – perguntou.
– Algumas. Vou dar duas de presente.
– Vai dar uma para o Henrique de aniversário?
– Vou sim. Mas tem certeza essa é a última geração? – perguntei.
– Tenho. Acabou de ser inventada. Mas somente algumas, pois tem simples também.
– Certo. Onde você está?
– Estou no último andar. –respondeu Roger.
– Você esta no 35° andar? – perguntei assustada. – Fazendo o que aí?
– Não, estou no telhado do 35° andar, estava treinando e não queria que ninguém, me encontrasse.
– Certo. Quanto tempo até a minha sala?
– Acho que vinte minutos correndo. E dez pelo elevador.
– Vem o mais rápido possível. Preciso da encomenda para ontem.
– Tanta urgência assim? – perguntou espantado.
– Claro. Tenho negócios.
– O que eu faço com o seu parceiro? – perguntou o rapaz no telefone.
– Não sei. É melhor você deixar a encomenda no meu quarto.
– Tem razão. Encontro-te lá daqui a 30 min.
– Porque meia hora? Você falou que em dez minutos estava aqui.
– É que seu quarto é no subsolo, e eu tenho que pegar um mapa. Porque eu não sei chegar até lá. – respondeu um pouco encabulado.
– Certo então. Não se atrase – respondi.
– Não garanto muito, mas vou tentar.
– Cuidado com a encomenda.
– Pode deixar agente Rouxinol.
Quando voltei para a sala Fábio ficou me olhando:
– O que foi Fábio? – perguntei.
– Pensei que éramos parceiros. – disse ele parecendo ofendido.
– Mas somos.
– Então porque está me escondendo alguma coisa?
– Porque nós não somos namorados. – respondi sem pensar.
– Você acha que só devemos contar as coisas se somos namorados? – perguntou ele surpreso.
– Mas você conta tudo para a sua namorada, ou estou enganada?
– Você esta certa. Contava tudo. – respondeu ele tomando o cuidado de enfatizar a palavra “contava”.
– Então. Conte-me todos os seus segredos que eu te conto os meus. Já que é para falar as coisas para os parceiros.
– Não posso contar tudo.
– Eu também não. Então não precisamos contar tudo.
– É tem razão. – concordou Fábio.
– Fábio eu vou ao meu quarto, mas já volto. Você vai me esperar para ir embora ou vai agora? – perguntei antes de sair.
– Vou te esperar. O Henrique está me ensinando uns negócios. Ou melhor. Vou dormir. E você não dorme não?
– Faz uns 3 dias que não durmo.
– E não está com sono?
– Só um pouco. Durmo amanhã. É que vou precisar dormir umas três horas.
– Você fala como se isso fosse muito.
– Mas para a agência é. Aqui na agência só dorme uma hora por dia.
– Você está dizendo que eu vou dormir só uma hora? – perguntou ele decepcionado.
– Vai ser a primeira vez que você faz isso então você vai dormir de três a quatro horas.
– Então só vou dormir quando você for.
– Tudo bem. Então mais tarde agente se vê. Qualquer coisa eu estou no meu quarto.
– Tudo bem. Não demora que eu estou te esperando.
– Pode deixar. – respondi.
E fui para o meu quarto. Chegando lá…
– Esse Roger pelo visto vai demorar. Vou aproveitar para assistir um filme. (Eu tenho uma tela de cinema no meu quarto, e pelo meu computador eu puxo os filmes que estão em cartaz em qualquer cinema).
– Acho que vou chamar o Fábio para assistir comigo. – disse para mim mesma.
– Com licença. Senhorita Rouxinol? – disse Roger na porta.
– Você demorou um pouco Roger.
– Me desculpe me perdi.
– Trouxe a minha encomenda?
– Trouxe. Mas a senhorita vai pagar como? – perguntou Roger.
– Não sei. Provavelmente em dinheiro.
– Quando?
– Eu vou receber amanhã.
– Resolveu algum caso?
– Resolvi.
– E seu parceiro? – perguntou Roger curioso.
– Fez a parte dele. Ajudou-me.
– Certo. Você vai querer quantos pares?
– Acho que 12. – respondi pensativa.
– Me desculpa a pergunta. Mas para quer 12? – perguntou o rapaz.
– Eu tenho certeza que vou quebrar pelo menos duas. Eu tenho que ter mais de reserva.
– Quantas com raios-X?
– Sete.
– Tem certeza?
– Tenho. – respondi.
– Quais as cores?
– Quero uma preta para o Henrique. Uma azul para o Fábio…
– Essas vão ter raio-X? – perguntou Roger.
– Vão. Pode separar. quero três azuis, duas com e outra sem raio-X.
– Certo.
– Quero três verdes, também duas com e outra sem raio-X. – falei.
– Certo. E as outras seis?
– Todas eu quero pretas. Três com raio-X e três sem.
– Pronto deu doze. Ou a senhorita quer mais?
– Não. Eu quero somente testá-las agora. – respondi chegando perto para examinar.
– Certo. As que têm raio-X, têm também, um chip que serve para localizar coisas e pessoas quando precisar.
– OK! Mas as sem raio-X não são tão normais. Ou são?
– Não. Elas contêm um tipo de binóculos. É só ler o manual. – respondeu o rapaz.
– E como faz para limpar? Limpa com o soro normal?
– Não. Limpa em um soro especial. Por causa dos chips que elas contêm.
– Tudo bem. Onde encontro esse soro? – perguntei. – Agora eu necessito do soro pronto, mas quero os produtos também anotados em um papel.
– Tudo bem. Os produtos estão anotados no manual.
– E quanto fica? – perguntei.
– O chefe soube que você ia comprar então pagou 5.000 para te ajudar, pois ao sabia quantas você iria querer, então fica para pagar só 1 mil. – respondeu ele fazendo algumas contas.
– O soro está embutido?
– Sim. Nesse valor eu coloquei 30 tubinhos de soro. Cada tubinho dura um mês, usando as lentes todos os dias. – me respondeu Roger.
– Certo. Quando você me entregará as minhas novas lentes de contato?
– Na hora que a senhorita pagar.
– Certo. Da para o senhor se retirar por um minuto?
– Sim. Quando a senhorita quiser que eu entre é só me chamar.
– Tudo bem. –respondi.
Então Roger saiu do quarto.
No meu quarto tem um cofre, mas eu não podia mostrar então pedi que ele saísse. Peguei 11.100 no cofre. E chamei o Roger para entrar.
– Pronto aqui tem 1000 reais a mais para que você só comece a vender as lentes daqui a dois meses.
– Mas porque isso senhorita Rouxinol?
– Sem perguntas. Só faça o que estou dizendo. – respondi rispidamente.
– Certo então. Aqui estão as suas lentes. – disse ele me entregando as lentes.
– Muito bem. Pode se retirar.
– Com sua licença.
Quando Roger estava saindo Fábio entrou.
– Então Tati…
– Entra aí que eu quero te dar uma coisa.
– O que Tati? – perguntou curioso.
– Vem aqui que você vai ver.
Quando Fábio viu as lentes…
– Lentes de contato? –perguntou desanimado e sem entender.
– Não são lentes comuns. – respondi.
– O que elas têm de diferentes? – perguntou sem entender.
– A que eu vou te dar não tem grau, tem raio-X, e outras coisas. É só você ler o manual.
– Certo. Mas não é meu aniversário.
– Eu sei. Seu aniversário é daqui a dois meses e meio. – respondi tentando lembrar que dia era.
– Então porque o presente?
– Já disse, meu parceiro tem que ser perfeito.
– Não é só por isso.
– Para de falar besteira. E me ajuda a embrulhar uma, para dar no aniversário do Henrique. – disse entusiasmada.
– Qual você vai dar para o Henrique?
– A preta. E a sua está guardada. Espero que você goste de azul.
– Que bom que é azul. Assim ninguém vai saber quando eu estiver com as lentes.
– É bom, quando você quiser pregar uma peça em alguém.
– Tem razão. – disse ele pensativo, provavelmente imaginando o que poderia fazer com as lentes.
Menos de 10 minutos depois…
– Pronto já embrulhamos tudo. Agora vou dormir ou assistir filme.
– Que filme? – perguntou Fábio.
– Não sei. Tem algum filme que você queira assistir?
– Tem sim, mas ainda está no cinema.
– Então vamos assistir a esse filme. – respondi empolgada.
– Mas está no cinema.
– aí é que está a graça. Eu puxo tudo do meu computador.
Ah tenho que falar do meu quarto: ele é todo branco, só que a cortina, o computador, as roupas de cama, a moldura dos quartos, o gabinete de CD, os detalhes da escrivaninha, a lâmpada, os detalhes do banheiro, tudo era azul bebê (azul claro, para quem não sabe), o guarda roupas, o som, e as outras coisas eram brancos. As únicas coisas que saiam dessas cores eram os bichinhos de pelúcia que tinha em cima da cama, e no canto do quarto.
Ah! Eu tinha muitos bichinhos porque como eu sempre levava um tiro, todos me davam flores e bichinhos de pelúcia.
– Vamos assistir no sábado. É que eu estou realmente caindo de sono. – pediu Fábio.
– Tudo bem. Vou chamar o Henrique pelo computador.
Dez minutos depois nós já estávamos dormindo. Henrique falou que tínhamos que dormir durante quatro horas. Podíamos dormir no máximo cinco horas.
Quando eram 05h17min da manhã nós acordamos. Fomos tomar café, e depois já não tínhamos trabalho fomos treinar.
Mesmo sem o meu concedimento Henrique colocou no chip que tem na cabeça do Fábio que ele sabia mexer em armas, então não precisei treiná-lo.
Com isso ficamos treinando vários tipos de lutas. Mesmo sem necessidade, Henrique colocou em mim e no Fábio um dispositivo de como desfazer bombas. Ele disse assim:
– Vocês têm que estar preparados para tudo. Claro que tem que saber desarmar bombas. Mesmo que vocês nunca desarmem uma. É bom saber.
Também não discuti. Não ia dar em nada mesmo. Henrique tinha, na época, 17 anos. Ele era três anos mais velho que eu. E com essa confusão eu tinha esquecido de falar com o chefe. Mas me lembrei quando era 10h10min da manhã. Então falei:
– Gente eu tenho que fazer um negócio. Já volto.
– Mas aonde você vai Tati? – perguntou Fábio.
– Eu vou falar com o chefe e já volto.
Na sala do meu chefe…
– Posso entrar chefe?
– Claro que pode Rouxinol.
– Eu queria te pagar. – disse me sentando.
– Pagar o quê? Você não me deve nada.
– O senhor pagou as minhas lentes e não precisava. Eu quero pagar o senhor.
– Deixe esse dinheiro para quando você precisar.
– Mas eu preciso te pagar.
– Não precisa Tatiana. Eu paguei por que eu quis, não porque você ou qualquer pessoa me pediu. Aliás, deu para pagar tudo ou faltou?
– Eu pague mais 1.000 reais. – respondi.
– Então vou colocar esse dinheiro no seu salário.
– Eu não quero. –disse me levantando bruscamente.
– Mas eu vou colocar, mesmo se você não quiser. – disse meu chefe.
– Se colocar eu dou tudo para um orfanato.
– Você faz o que quiser Tati o dinheiro vai ser seu.
– Então vou contar para a minha mãe da minha conta no banco da Suíça. – ameacei.
– Você não contaria.
– Quer apostar? –disse lhe estendendo a mão.
– Não. Eu sei que você faz. Mas já que você não quer o dinheiro me deixe fazer uma festa no seu aniversário?
– Faz para o aniversário do Henrique. – corrigi.
– Tudo bem. Eu faço no mesmo dia.
– Mas não fazemos no mesmo dia.
– Mas é como se fosse. Você faz no dia seguinte. –respondeu ele.
– Mas não é o mesmo dia.
– Mas vai ser. Pára de teimar comigo. Eu sou seu…
– Meu chefe.
– Isso. –respondeu ele meio desanimado. –Então eu é que cuido de você quando você estiver na agência.
– Não é bem assim.
– Então é como?
– Você é meu amigo e meu superior. Você não cuida de mim. Não preciso de baba. – respondi irritada.
– Tudo bem. Vou fingir que não ouvi isso. Mas mudando de assunto… E o seu namoro com o Fábio?
– Você parece o Henrique. – disse impaciente.
– Claro eu sou o p… – disse o chefe se levantando.
– O quê? – perguntei o desafiando.
– Nada não eu ia falara besteira. – disse ele se sentando.
– Que tipo de besteira?
– Do tipo que eu não posso falar para uma garota de 14 anos.
– Me considere com 15. Falta só uma semana para o meu aniversário.
– Acho que eu vou ficar louco com uma… Menina de 15 anos.
– Mas eu não sou a única que tem 15 anos.
– Mas é a única que é minha amiga, e a única que eu converso.
– É engraçado dizer que sou amiga do meu chefe. Mas é verdade somos amigos. – disse para mim, me esquecendo que o meu chefe estava escutando.
– Mas Tati eu te fiz uma pergunta. – disse o chefe.
– Qual era mesmo? – perguntei com ar de ironia.
– Você e o Fábio já estão namorando ou não?
– Não, ele terminou ontem com a namorada. E terminou porque estava a fim de uma outra garota. Eu não tenho chances.
– Eu acho que vocês vão namorar. – disse o chefe pensativo.
– O Henrique disse a mesma coisa.
– Ele pensa igualzinho a mim.
– Parece pai e filho. Vocês têm até a aparência igual. –disse para ele distraidamente.

Tati vai finalmente se render a Fábio?

Parte Anterior

Próxima Parte


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

2 thoughts on “Parte IV

  • ana

    eu quero saber do resto da historia

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    Ana você conseguiu receber o email com a sua senha de acesso? Aqui disse que seu email não existe. Espero que curta ainda mais a história, a próxima parte da história já esta postada, esqueci de colocar o link, me desculpe 😀

    bjinhos

    [Responder]