O diário de uma agente 3 – Parte 3


Anteriormente:

– É que a Kelly acordou depois. Não foi isso Kelly? – perguntou Yasmim.

Foi quando achei melhor interromper a conversa. Entrei na sala bem na hora que Guilherme estava prestes a falar alguma coisa, mas quando me viu desistiu da idéia e Yasmim logo perguntou:

– Tudo bem mãe? Aconteceu alguma coisa?

– Não filha. Vim trazer uma boa noticia para o Lucas e para a Kelly. – fiz uma pausa e voltei a falar. – Estou convidando os dois para morarem lá em casa, já que você não tem família no Brasil e são tão amigos dos meus filhos. O quarto que mandamos fazer para vocês fica pronto amanhã, espero que aceitem o convite e façam a mudança hoje mesmo.

Parte 3

– Obrigada, mas não posso aceitar. – disse Kelly.

– Eu também não devo aceitar senhora Queiroz. – respondeu Lucas.

– Por que não? – perguntaram Guilherme e Yasmim juntos.

– Estou morando na agência. A senhora já fez muito por mim, me deu um emprego, bons amigos, me trata como um filho… Já fez demais por mim. – respondeu Lucas.

– Eu sempre morei em um orfanato e tenho meu emprego agora. Não posso aceitar. – respondeu Kelly.

– Estou oferecendo um lar para os dois. Só não adoto os dois por que Yasmim e Guilherme nunca iriam me perdoar, afina vocês acabariam sendo irmãos e…

– Mãe! – gritaram Guilherme e Yasmim.

Eu realmente não deveria ter dito aquilo. Deixei os dois em uma péssima situação. Eles não queriam que eu adotasse Kelly e Lucas por que não gostavam deles como irmãos e sim de outra forma. Mas tudo bem. Eles logo arrumaram a situação.

– Pensem bem crianças. Estou oferecendo um lar. Pensem e depois falem comigo ou com o Fábio.

Depois que eu saí e fiquei escutando eles conversarem.

– O que sua mãe quis dizer quando disse que vocês nunca iriam perdoar se ela nos adotasse? – perguntou Lucas.

– Não se faça de desentendido Lucas. Você sabe o que é. – respondeu Guilherme.

– Mas eu não sei. – disse Kelly.

– É que… – começou Guilherme.

– É que o Gui go… – começou Yasmim, mas foi interrompida por Lucas.

– É que o Guilherme tem ciúmes. O Guilherme morre de ciúmes da Yasmim, e não quer que vocês duas fiquem muito juntas por que ele tem medo da Yasmim deixar ele de lado. – disse Lucas tentando ajudar o amigo.

– Mas não era isso que eu… – começou Yasmim.

– Maninha você prometeu. – sussurrou Guilherme.

– Tudo bem. – respondeu Yasmim sem que Kelly percebesse.

– Pensei que ele tivesse ciúme, porque você ama a Yasmim. – disse Kelly.

– Eu não amo a Yasmim como você pensa. Amo ela como uma irmã. – mentiu Lucas.

Guilherme ao ver a cara de tristeza da irmã com a mentira, logo mudou o rumo da conversa:

– Vocês vão ou não testar o aparelho Yasmim?

– Já vou Gui. – disse ela saindo da sala.

– Kelly meu amor, não fala mais essas coisas. – pediu Guilherme quando Yasmim saiu da sala.

– Mas era a chance do Lucas de falar que gosta dela. Ele mentiu! Tenho certeza que ele ama a Yasmim. – respondeu Kelly indo pegar o relatório na outra sala.

– Vou falar com ela. – disse Lucas levantando.

– Não. Deixa que depois eu falo com ela. – respondeu Guilherme, mas ao ver a cara do amigo logo acrescentou: – Você não podia contar a verdade. Não se preocupe logo ela estará melhor. Só tente não tocar mais no assunto.

– Guilherme quando vamos poder contar a verdade? – perguntou o amigo chateado.

– Quem sabe se vocês forem morar lá em casa minha mãe mude de idéia com relação a nós. – respondeu Guilherme esperançoso.

– Vai ser uma tortura para nós todos. Você sabe que vamos ficar mais unidos que nunca. – disse Lucas.

– Eu sei. Mas é a chance que temos. Meu tio Henrique disse que ele e papai estão tentando convencer minha mãe. Vai morar lá em casa. Vai ser mais fácil convencê-la.

– Não sei. Vou ajudar sua irmã com o comunicador.

E quando Lucas estava saindo Kelly voltou.

Depois de me trocar eu fui para a sala de treinamento e Yasmim estava conversando com Fábio, mas quando eu ia falar com ela, Lucas a chamou:

– Yasmim! Precisa de ajuda para testar o comunicador?

– Vai lá filha. – disse Fábio.

– Preciso sim. – disse Yasmim mais animada.

Depois que os dois saíram da sala os recrutas começaram a entrar para o teste.

Fábio fez algumas perguntas e depois partiram para o tiro ao alvo.

Muitos foram reprovados. E um foi excelente, e era o que precisávamos para recompor o número de agentes, porque fazia pouco tempo que vários agentes haviam se aposentado.

Fábio deu dez minutos de folga para os agentes poderem beber água e foi quando eu aproveitei para conversar com ele:

– Yasmim está chateada com o quê?

– Com o Lucas. – respondeu Fábio sem muita importância.

– Não falei que não ia dar certo. Eles nem estão juntos e já estão brigando. – respondi para ele.

– Eles não brigaram princesa.

– O que houve então? – perguntei fingindo não ter a menor idéia.

– Lucas disse que ama Yasmim como a uma irmã. – disse Fabio pensativo.

– Mas isso é bom. – respondi animada.

– Yasmim gosta do Lucas de outro jeito. Você sabe disso. – respondeu Fábio pacientemente.

– Eu escutei os quatro conversando. É difícil saber quem defende quem. Um defende o outro, ajuda o outro.

– Eles são como irmãos, e como amigos, deve ser difícil para Guilherme esconder da irmã que Lucas gosta dela, e o mesmo para Yasmim. Enquanto isso Lucas e Yasmim se defendem, como Kelly e Guilherme, ou Yasmim e Kelly. Que pena que quando éramos da idade deles não tínhamos tão bons amigos assim.

– Realmente!

– Ah esqueci de te contar… Minha mãe disse que em pouco tempo ela volta para o Brasil. – disse Fábio.

– Sua mãe vai voltar para o Brasil? Pensei que você e Lucas iriam para a Rússia visitar suas famílias semana que vem. – respondi irritada.

– Eu também pensei. Já tinha até comprado as passagens, mas ela não disse quando volta.

– Fá as crianças não vão para a escola hoje não? – perguntei de repente.

– Não princesa. Perguntaram se podiam faltar e eu deixei. Parece que hoje era prova de recuperação, e como eles têm boas notas deixei que ficassem em casa.

– Trabalhando você quer dizer. – corrigi.

– Só Lucas que precisa trabalhar por que ele esta deixando as folgas acumularem para poder viajar comigo, mas os outros poderiam ter ficado em casa, mas parece que preferiram vir para ver se pegam a próxima missão ainda hoje. – respondeu Fábio.

– E a nossa? Já sabe do que se trata? – perguntei.

– Não. Não deu tempo para ver. Afinal eu teria que ir lá no outro departamento. – respondeu Fábio.

– Senhora Rouxinol! – chamou um recruta.

– O que foi? – perguntei.

– O senhor Henrique está chamando a senhora.

– O que ele quer? – perguntou Fábio.

– Parece que hoje o criminoso Carlos Ferreira Garbial tem julgamento e pode ser solto. – respondeu o rapaz antes de sair.

– Ótimo. Tenho que participar de um julgamento. Quando puder eu volto. – disse para Fábio.

– Tenta chegar a tempo para a jantar. – Fábio pediu.

– Vou tentar. Mas acho que vou me atrasar um pouco. – respondi saindo.

Fui direto para a sala do Henrique e Ricardo também estava lá.

– Porque não me disse antes do julgamento? – perguntei.

– Eu não me lembrava. Ricardo acabou de perguntar se eu estava pronto para levar o Carlos para o tribunal. – respondeu Henrique.

– Falou com JJ? – perguntei.

– Vou falar para ele descongelar Carlos. – disse Ricardo saindo.

– Temos quanto tempo para a audiência começar? – perguntei.

– Uma hora e meia. – respondeu Henrique.

– Certo. Arrume a papelada, que eu vou supervisionar o descongelamento e verificar os reflexos do preso. – respondi saindo.

– Não esquece que você tem que ir de roupa social para o tribunal Tati. – gritou Henrique para mim antes de eu bater a porta atrás de mim.

Eu odeio roupa social. Mas infelizmente tive que usar um blazer.

Na hora de descongelar Carlos ocorreu tudo muito bem. E ele estava com o corpo funcionando perfeitamente.

O julgamento ocorreu tudo muito normal. Carlos nem ao menos tentou fugir, e foi absolvido, e agora está livre para andar pelas ruas, ganha um salário mínimo durante três meses para poder sobreviver enquanto não arruma um emprego.

O julgamento ocorreu no centro da cidade, e imaginem quem estava lá? A Sara… Lembram-se dela? A mãe da Solange, senhora Sara Morais, que estava a pouco internada em um hospício. Só não sei como ela conseguiu sair de lá.

Cheguei um pouco tarde em casa. Cheguei quando todos já haviam subido para o quarto. Passei no quarto do Guilherme e Yasmim estava lá:

– Não fica chateada maninha. – disse Guilherme.

– Mas eu realmente gosto dele Gui. – respondeu Yasmim.

– Quer que eu tire ele de circulação? Tudo bem que é meu amigo, mas se quiser o faço passar alguns dias no hospital. – respondeu Guilherme gentilmente.

– Não precisa vou conquistá-lo. – respondeu Yasmim decidida.

– Não faça isso! – pediu Guilherme.

– Por que não? – perguntou Yasmim sem entender.

– Posso entrar filhos? – perguntei batendo na porta.

– Entra mãe. – respondeu Guilherme.

– Tudo bem com vocês? – perguntei.

– Estamos bem. – respondeu Yasmim.

– E Kelly e Lucas decidiram se vão se mudar para cá?

– Papai os convenceu. Eles estão no quarto da Yasmim conversando. – respondeu Guilherme.

– Tudo bem. Vou vê-los. E não demorem a ir dormir. – respondi dando um beijo em cada um.

Fui para o quarto de Yasmim.

– Posso entrar? – perguntei batendo na porta.

– Claro senhora Queiroz. – respondeu Lucas.

– Vim agradecer por terem resolvido ficar aqui em casa. Vão fazer muito bem para Guilherme e Yasmim. – disse para eles.

– Senhora Queiroz posso falar com há senhora um minuto? – perguntou Lucas.

– Claro. Pode falar.

– Quero dizer, a sós. – disse o menino meio sem jeito.

– Claro. Vamos até o escritório.

Alguns minutos mais tarde no escritório:

– Preciso falar dois assuntos sérios com a senhora. – disse o menino determinado.

– Estou escutando Lucas.

– Quero pagar pela sua hospitalidade. Não acho certo morar aqui da graça. – disse ele me olhando firmemente nos olhos.

– Não posso aceitar seu dinheiro. Sou eu que pago seu salário. Não se preocupe. E quero você aqui como alguém da família e não como um hóspede.

– Obrigado, mas me sentirei mal se não aceitar.

– Me sentirei mal se me pagar. – respondi. – Então o que vamos fazer? Parece que um dos dois vai ficar chateado. – respondi para ele.

– Então é melhor eu continuar morando na agência. – respondeu ele sem me olhar.

– Você quer deixar Guilherme e Yasmim chateados também? – perguntei.

– Não. A última coisa que quero é magoar Yasmim. – respondeu o menino corando levemente.

– Então aceite a minha oferta. Fique conosco, pelo menos um tempo. Se não se sentir bem, pode ir embora. Ninguém irá te prender aqui. – respondi calmamente. – Você não reparou como Yasmim ficou feliz com a notícia de você e Kelly virem morar aqui?

– Quero falar sobre a Yasmim também. – disse o menino ainda mais corado. – A senhora sabe que gosto da sua filha, e com todo respeito, quero ter Yasmim perto de mim e gostaria de saber…

– Lucas, não tenho nada contra você namorar Yasmim, o problema é que Yasmim é muito novinha para namorar. Sei que você gosta dela. Mas espere um pouco.

– Senhora Tatiana, a senhora tem que entender que Yasmim também gosta de mim, e sofre por pensar que não gosto dela. E não posso demonstrar meus sentimentos para não magoá-la ainda mais. – disse o menino cada vez mais corado.

– Lucas, Guilherme fala comigo quase todo dia sobre isso, ele está apaixonado por Kelly, e vou te dizer a mesma coisa que disse para ele: Tenha paciência, logo vocês irão crescer, logo deixarei namorarem, só espere um pouco.

Não acredito que tive que falar aquilo para um garotinho.  Mas meus pequeninos namorando…

Fui para o quarto com Fábio que para nenhum espanto estava no computador ficamos namorando até tarde.

Já no quarto das crianças:

– O que você queria com a mãe da Yasmim? – perguntou Kelly quando Lucas voltou.

– Agradecer por nos convidar para morar aqui. – mentiu Lucas.

– Que bom! Lucas você mentiu quando disse que gostava da Yasmim como irmã, não é? – perguntou Kelly.

– Não Kelly. Não menti. – mentiu novamente Lucas..

– Lu, posso te perguntar uma coisa?

– Pode.

– Vai me responder com sinceridade? – perguntou Kelly.

– Claro. Pode perguntar.

– Guilherme gosta de mim? Às vezes, eu acho que sim, mas quando está tudo bem, ele começa a me tratar assim como trata a Yasmim, e aí parece que ele gosta de mim como irmã. – disse a garota tristemente.

– Kelly, não sei o que te falar.

– Já fiz de tudo para ele gostar de mim. Já quase o beijei, para ver se ele toma a iniciativa, mas…

– Oi. – disse Yasmim entrando.

– Oi meu anjo. – disse Lucas ao ver Yasmim de mini saia.

– Maninha vai colocar uma roupa para o Lucas parar de babar. – zoou Guilherme do outro lado da sala.

– Vem comigo Kelly? – perguntou Yasmim ainda rindo.

– Claro.

Depois que as duas entraram no banheiro:

– Por que disse aquilo? – perguntou Lucas.

– Para descontrair. Yasmim está um pouco chateada por você não gostar dela. E cuidado, ela disse que quer te conquistar, e vai fazer de tudo para conseguir. – disse Guilherme rindo.

– Fui falar com a sua mãe. – disse Lucas seriamente.

– Você o quê? – gritou Guilherme.

– Está tudo bem? – perguntou Kelly colocando a cabeça para fora do banheiro.

– Tudo muito bem. Só estávamos discutindo umas coisas do computador. – respondeu Lucas.

Quando a menina entrou novamente no banheiro Guilherme continuou:

– Sério? Você falou com a minha mãe? E o que ela disse?

– Disse que Yasmim é muito nova. – respondeu Lucas tristemente.

– Sinto muito cara. Mas pelo que meu pai disse minha mãe logo muda de idéia. – respondeu Guilherme tentando animar o amigo.

– E o que faço com a sua irmã se ela vir jogando charme para mim? – perguntou Lucas.

– Resiste, assim como eu fiz com a Kelly.

– Em falar na Kelly, ela disse que já tentou te beijar. Como você conseguiu resistir para não beijá-la? – perguntou Lucas.

– Eu…

Mas Guilherme parou de falar quando viu Yasmim saindo do banheiro.

– Yasmim! – exclamou ele.

– Gui! – disse Kelly correndo para abraçar Guilherme. – Preciso de uma ajuda aqui Gui. – disse Kelly.

– O que foi? – perguntou Guilherme preocupado sem tirar os olhos da irmã.

– O que acha que possa ser essa bolinha aqui no meu pescoço? – perguntou Kelly.

Mas tarde demais. Guilherme esqueceu a irmã por alguns minutos.

– Oi Lucas. Então… Vamos treinar um pouco? – perguntou Yasmim.

– Claro. Yasmim você está… Está muito linda. – disse Lucas

Lucas nem chegou perto da Yasmim e ela fingiu se machucar.

– O que aconteceu? – perguntou Lucas preocupado abaixando para ver Yasmim.

– Torci o tornozelo. – Yasmim fez manha.

Quando Lucas chegou perto o suficiente Yasmim se aproximou, mas quando Lucas ia beijá-la Guilherme voltou a si:

– Yasmim!

Lucas se assustou com o amigo e se afastou rapidamente da menina.

Parte Anterior
Próxima Parte


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.

Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.