O diário de uma agente 3 – Parte 12


Anteriormente:

– Claro que sim. Estão por aí. Acho que foram falar com uma tal de Fabiana. Você conhece? – perguntou Pablo.

– Conheço sim. – respondi rindo. – Ela deu em cima do meu marido.

– Eu sabia que ela não era flor que se cheire, mas Clarice quer se aproximar dela para descobrir os passos.

– Mas por que a Fabiana e não outra pessoa?

– Ora Rosana, Fabiana foi a segunda colocada ano passado. Tanto Clarice quanto eu odiamos ela.

– Mas pretendem fazer alguma coisa contra ela? – perguntei.

Parte 12

– Claro que não. Só queremos ganhar. É que ela chamou uma amiga nossa (a parceira do Victorio) de piranha. Só queremos dar o troco, mas nada muito violento.

– Muito violento? Então quer dizer que tem violência? – perguntei sugestivamente.

– Você realmente viaja. Não viu a nossa apresentação a última etapa do concurso? – perguntou Pablo se divertindo.

– Não.

– Verá hoje. Nossa dança é mais agressiva que as outras elas são mais “violenta”.

– Estou esperando para ver.

– Já que quer tanto… Vamos ensaiar juntos?

– Não podemos. As coreografias são diferentes. – respondi.

– Certo. Antes do almoço aqui no restaurante eles colocam uma música do concurso para todos dançarem. Não precisamos mostrar nossos passos, podemos simplesmente dançar. – disse Pablo.

– Boa idéia. Mas Fabrício não vai gostar muito.

– Em falar no Fabrício… Cadê ele? Pensei que seu marido não iria sair de perto de você.

– A “adorável” mãe dele está aqui em Moscou. – respondi irônica.

– Você não se dá bem com a sua sogra? – perguntou ele.

– Nem um pouco.

– Sei como é. Minha sogra vivia pegando no meu pé.

– Ela não te perturba mais? – perguntei esperançosa.

– Não. – respondeu ele feliz.

– E o que você fez para ela parar de te perturbar?

– Eu me divorciei. – respondeu Pablo rindo.

Enquanto isso Fábio, ou melhor, Fabrício estava tendo uma adorável tarde com sua mãe:

– Por que não voltamos para o hotel? – perguntou Carla.

– É melhor você não ir para o hotel. – respondeu Fábio.

– Por quê? Aquela mulher arrogante vai fazer o quê? – perguntou Carla nervosa.

– Mãe, você tem que fazer um esforço para não brigar com a Tati. – disse Fábio.

– Ela que começou. – disse Carla.

– Não. Você começou como todas as outras vezes falando da Solange. – disse Fábio.

– Mas eu tenho que falar da Solange. Ela foi a melhor coisa que aconteceu na sua vida e você nem deu valor. Se você estivesse com a Solange garanto que ela não teria morrido nas mãos daquela mulher. – disse Carla se referindo a mim.

Depois do almoço Lucas e eu fomos para o hospital ver a mãe dele, Yasmim foi se encontrar com Richard, Fábio voltou para o hotel e foi investigar com Guilherme e Kelly.

Ao chegar ao hospital, demoramos um pouco para poder falar com a mãe do Lucas, mas felizmente conseguimos.

Eu não queria ter que entrar na sala com Lucas, mas o médico não o deixou sozinho na sala. Eu nem ao menos queria ter que entrar no hospital. Odeio hospitais. Mas foi por uma boa causa. Eu me sentiria muito mal se Lucas não visse sua mãe. Lembro-me até hoje quando Thaís me disse que minha mãe havia morrido, só não fiquei pior por que tinha que me controlar por causa do bebê.

Lucas ficou falando, ou melhor, tentando falar com sua mãe, que estava com aqueles tubos, e estava tomando soro, deve ter sido pior ainda para o garoto ter visto a mãe naquele estado, mas ele é mais forte do que pensei. Ao invés de chorar ao ver a mãe doente ele se encheu de alegria ao vê-la viva, tentou animá-la e ficou contando suas aventuras na agência, fazendo a mãe abrir um pequeno sorriso nos lábios.

Foi comovente ver Lucas se esforçar para ver a mãe feliz, mas fiquei impressionada ao ver Yasmim pela janela. Minha filha estava com Richard, os dois sentados no banco da pracinha em frente ao hospital. Eu não me contive e parei a narração do Lucas:

-… Yasmim pegou um dispositivo e jogou longe. Só escutamos o barulho da explosão. Cabrum! E saímos correndo ladeira a baixo… – dizia Lucas

– Lucas querido, desculpa interromper sua história, mas olha aqui pela janela. – disse para ele.

– O que tem na janela Tatiana? – perguntou ele se levantando.

– Você não vai acreditar. – respondi contente.

Depois que Lucas viu Yasmim ele começou a rir.

– Não entendo do que você esta rindo Lucas. – disse para ele.

– Ela é realmente incrível. – disse Lucas.

– Quem está aí filho? – perguntou a mãe de Lucas com uma voz bem fraca.

– A menina mais doce do mundo. – disse Lucas sem tirar os olhos de Yasmim.

– Sua namorada? Por que não a trouxe até aqui? – perguntou a mãe dele.

– Infelizmente ela não… – começou Lucas.

– Ela não pode vir. Está trabalhando. – respondi sorridente.

– Traga ela qualquer dia. – pediu a mãe do Lucas.

– Tudo bem mãe. – disse Lucas ainda olhando para a janela.

– Mas por que ela traria a “missão” até aqui? – perguntei para Lucas.

– Ela disse que iria dar um jeito para eu não ficar preocupado com ela. – respondeu Lucas voltando para junto da mãe.

Enquanto isso alguns metros abaixo Yasmim estava tentando descobrir alguma coisa sobre os pais de Richard Michael e Jenifer:

– Por que queria vir até aqui? – perguntou Richard depois de algum tempo.

– Por que eu gosto desse lugar. – respondeu Yasmim olhando para as janelas.

– Você gosta de hospitais? – perguntou Richard surpreso.

– Não estamos dentro do hospital. Mas então… Você não pretende participar do concurso com seus pais?

– Não posso. O regulamento proíbe familiares.

– Acho isso muito errado. – disse Yasmim pensativa.

– Por quê? – perguntou Richard.

– Por que eles permitem casais e não permitem irmãos, filhos etc.

– Pensando assim até que é muito estranho aceitarem casais. – disse Richard.

– Você sabe por que eles aceitam casais?

– É por que a fundadora do concurso se achava imbatível dançando com o marido.

– E por que impedir o resto dos parentes? – perguntou Yasmim frustrada.

– O primeiro concurso não havia essa regra, mas deu muita briga entre os competidores.

– Como sabe de tudo isso? – perguntou Yasmim.

– Por que os fundadores do concurso eram meus bisavôs.

– Que legal!

– Que legal nada. – respondeu Richard irritado. – Meus pais acham que é dever deles ganhar esse concurso estúpido pelo nome da família e vão fazer de tudo para ganhar.

– Vão fazer de tudo o quê? – perguntou Yasmim curiosa.

– É melhor parar de falar dos nossos pais no nosso encontro Yasmim. Temos que falar de nós.

– Como assim nós? – perguntou Yasmim.

– Quando pedi para sair comigo, falei que era um encontro.

– E o que tem de mais nisso? – perguntou Yasmim.

– Quer dizer que você quer ficar comigo.

– Ficar em que sentido? – perguntou Yasmim se afastando do menino.

– Pensei que você queria namorar comigo. – disse ele se aproximando.

– Eu? No seu país quando as pessoas saem elas já estão aceitando um pedido involuntário de namoro? – perguntou Yasmim se levantando do banco.

– É. No seu país não é assim?

– Mais ou menos. – disse Yasmim.

– O que tem de mal em me dar um beijo? – perguntou Richard abraçando Yasmim.

– Tem tudo de mal. Não posso beijar antes do casamento. – respondeu Yasmim tentando sair dos braços do menino.

– Pára com isso. Sei que essa história de depois do casamento não existe mais. Está assim por causa daqueles meninos?

– Que meninos? – perguntou Yasmim sem se lembrar que Richard conhecia Guilherme e Lucas.

– Aquele seu parceiro e o outro estranho. Os que me bateram só por que estava ensinando você a jogar. Não vai me dizer que gosta de um deles?

– Gosto sim. – respondeu Yasmim.

– Mas irá gostar muito mais de mim assim que me conhecer melhor. – respondeu Richard se inclinando para beijar Yasmim.

– Richard é melhor você não se aproximar mais. – disse Yasmim.

– Por quê? Você iria me aplicar um golpe e iria me jogar longe daqui? – perguntou ele irônico. – Você é tão frágil que nem ao menos conseguiria se soltar dos meus braços.

Quando Yasmim ia se soltar, batendo no menino, eu e Lucas saímos do hospital e vimos a cena. Lucas ficou furioso, e quando ele estava indo para cima do garoto eu o impedi.

– Yasmim! – gritei de longe.

E Richard a soltou.

– Oi Ro. – gritou Yasmim vindo em nossa direção.

Quando os dois se aproximaram:

– Olá senhora, e oi para você também garoto. – disse Richard quando se aproximou.

– Oi. – respondeu Lucas tentando se controlar.

– Estamos atrasados menina. Tínhamos que estar no hotel com os outros para se aprontar para a apresentação. – disse para ela.

– É melhor irmos. – disse Yasmim tentando se livrar de Richard.

– Vamos. Eu chamei um táxi. – respondi.

– Tchau Richard. Depois nos vemos. – disse Yasmim entrando no carro.

– Eu vou com vocês. Estamos indo para o mesmo lugar. – disse Richard entrando no carro depois de Yasmim e impedindo de sentar ao lado de Lucas.

Richard ficou com o braço nos ombros de Yasmim o caminho todo, para infelicidade de Lucas.

– O que seu amigo tem contra mim? – perguntou Richard.

– Nada. Ele só não te conhece muito bem. – mentiu Yasmim.

– Parece que ele tem ciúmes de nós. Só por que estamos namorando. Ele deve estar afim de você. – disse Richard.

– Estão namorando? – perguntou Lucas.

– Estamos. – respondeu Richard.

– Não estamos… – começou Yasmim.

– Yasmim, lembra-se do que conversamos hoje cedo? – perguntei para lembrá-la que falei para não contrariar Richard antes de saber se os pais de eram culpados ou não.

– Lembro. – respondeu ela chateada.

– O que você estava dizendo meu amor? – perguntou Richard.

– Nada. Estava dizendo que não estávamos namorando, mas que começamos a namorar hoje. – disse Yasmim sem ânimo nenhum.

– Bonito casal. – disse Lucas tentando parecer simpático.

– Obrigado. – respondeu Richard contente. – Só faltou o nosso beijo de amor. – disse Richard se virando para beijar Yasmim.

– Meu amor, eu já te falei que só beijo no altar. – respondeu Yasmim se afastando de Richard o máximo possível.

– Ainda essa história? – disse Richard. – Isso é verdade Lucas? Você que é homem entende que eu tenho que beijar muito minha namorada para depois poder avançar um pouco mais. Você sabe como é… Uma mãozinha boba… Essas coisas. – disse Richard ao ouvido de Lucas.

– É verdade. No nosso país só pode beijar depois que casar. – respondeu Lucas.

– Imagine quando vou poder fazer outras coisas! – disse Richard para Lucas.

Um pouco depois no camarim Yasmim contou o que descobriu com Richard. Lucas contou para Guilherme o que Richard estava falando para ele:

– Ele disse isso mesmo? – perguntou Guilherme nervoso.

– Disse. Fiquei com vontade de arrebentar aquilo que ele chama de cara. – disse Lucas.

– Se fosse eu já teria feito. – respondeu Guilherme acabando de se arrumar.

– Infelizmente precisamos dele para ter as informações. – respondeu Lucas.

– Por isso eu disse que você tem que pedir Yasmim em namoro logo. Põe uma aliança enorme no dedo dela e vamos ver se esse garoto não pára de encher… – disse Guilherme.

– Quero que seja algo especial para ela. Sei que ela ira se lembrar com detalhes de tudo depois. – disse Lucas.

– Pára com essa história de agradar a Yasmim e agrada você. – disse Guilherme.

– O que você quer dizer? – perguntou Lucas.

– Beija ela lá no palco e pede ela em namoro. – disse Guilherme. – Aposto que ela não vai esquecer.

– E o nosso acordo? – perguntou Lucas surpreso.

– Esquece o acordo. Se Yasmim tem que beijar alguém que seja você. – disse Guilherme olhando fixamente para Lucas.

– Você não faz idéia de como fico feliz em ouvir isso Guilherme. – disse Lucas abraçando o amigo. – Obrigado!

– Não agradeça. Tire a Yasmim de perto daquele pervertido mirim. – respondeu Guilherme.

– Vou fazer isso. – disse Lucas olhando o celular.

– O que você tanto olha nesse celular? – perguntou Guilherme curioso.

– Meu irmão falou que se acontecesse alguma coisa ele me ligava. O médico ia dar alta para a minha mãe hoje. Na hora que eu vim embora ela iria fazer os último exames.

– Relaxa. Não vai acontecer nada com a sua mãe. Amanhã ela já estará em casa. – disse Guilherme.

Durante a apresentação correu tudo bem, ou melhor, quase toda a apresentação correu tudo bem. Quando já estávamos encerrando a apresentação a mãe do Fábio começou a chamar o Lucas. Esse se distraiu tentando saber o que Carla queria e quase estraga a apresentação quando entendeu o recado de Carla.

Assim que acabou a apresentação Lucas foi correndo falar com Carla, nem ao menos se trocou e foi direto para a rua, pegou um táxi e sumiu.

Todo nós fomos falar com Carla depois:

– O que aconteceu? – perguntei.

– Não te interessa. – respondeu Carla.

– O que aconteceu com ele? – perguntou Yasmim desesperada.

– Sei lá. O irmão dele ligou e ele saiu correndo. – disse Carla sem importância.

– Eu vou atrás dele. – disse Yasmim determinada.

– Não vai mesmo mocinha. – respondeu Fábio.

– Mas… – pediu.

– Filha, sobre e troca de roupa. Já subimos.

Yasmim subiu e Guilherme foi atrás dela, enquanto que Kelly foi verificar a nossa classificação.

– Fabrício, ela precisa ir. – disse para ele.

– Você precisa Ro? Ela não pode se envolver com isso. – disse Fábio.

– Ela vai ajudar Lucas sim. Ele precisa dela. – respondi.

– Pensei que você não gostasse da idéia deles ficarem juntos. – disse Fábio

– Essa mulher além de errar seu nome ainda te desautoriza. – disse Carla.

– Mãe! Não me deixa nem discutir com a minha esposa em paz? – perguntou Fábio para Carla.

– Fabrício, imagina se fosse você ao invés dele. – disse para ele.

– Tudo bem. Ela pode ir, mas Guilherme vai junto.

– E o que você vai fazer com a Kelly? – perguntei.

– Ela irá entender. – respondeu Fábio.

Yasmim e Guilherme se trocaram enquanto Kelly ligava para Lucas:

– Lucas?

– Kelly? – perguntou ele ao atender ao telefone.

– Onde você esta? – perguntou ela.

– Aqui no hospital. Minha mãe piorou.

– Você está sozinho? – perguntou.

– Meu irmão está lá falando com médicos. – respondeu Lucas.

– Yasmim e Guilherme estão indo aí. – disse Kelly.

– Não. Não quero que Yasmim me veja assim. Estou deprimido e Yasmim não pode me ver assim. – disse Lucas.

– Pára com isso Lucas. Ela ama você. Está preocupada com você. – disse Kelly.

– Tem razão. Me desculpa. – respondeu ele. – Tatiana e Fábio vêm junto com eles? – perguntou.

– Acho que não. Só a Yasmim ia, mas parece que Fábio pediu para o Guilherme ir junto. Você conhece a Yasmim. É capaz de ela ficar toda paranóica, e vai precisar de alguém para voltar com ela para o hotel. – disse Kelly rindo.

– Tem razão. – disse Lucas se animando um pouco.

Ainda no hotel antes dos gêmeos saírem:

– Tomem cuidado. – disse para eles.

– Guilherme você esta responsável por sua irmã. – disse Fábio.

– Não sei por que todo esse alvoroço. – reclamou Carla.

– Vovó! – disse Yasmim.

– A sogra da Yasmim esta internada no hospital. Ela só quer ajudar o Lucas. Que mal há nisso vovó? – disse Guilherme.

– Eu nem ao menos sabia que Yasmim namorava quanto mais ter sogra internada em hospital. – respondeu Carla irritada.

– Mãe agora não é hora para reclamar. – disse Fábio.

Algum tempo depois no hospital:

– Oi Lucas. – disse Guilherme se aproximando.

– Olá. – respondeu Lucas. – Cadê a Yasmim?

– Ela está vindo. Foi buscar um café para você. – respondeu Guilherme sentando ao lado do amigo. – Como sua mãe está?

– Está fazendo uma cirurgia.

– E seu irmão? – perguntou Guilherme.

– Não faço idéia. Realmente ele não está ajudando em nada. Em vez de ficar com a minha mãe ele some e sai para beber com os amigos.

– Nossa! E o que você pretende fazer? – perguntou Guilherme preocupado com o amigo.

– Não tenho idéia. – respondeu Lucas pensativo. – E com tudo isso eu nem pude pedir sua irmã em namoro. – respondeu ele cada vez mais chateado.

– Mas tem a oportunidade agora. Olha ela ali. – disse Guilherme vendo Yasmim chegar equilibrando três copos de café.

– Não deu nem tempo deu trocar de roupa. – disse Lucas lembrando que estava com a roupa da apresentação.

– Relaxa! Ela pensou nisso também. – disse Guilherme.

– Pensei no que? – perguntou Yasmim se aproximando. – Trouxe café para todos.

– Obrigado. – disseram os dois.

Minutos depois:

– Você não vai trocar de roupa Lucas? – perguntou Yasmim.

– Não trouxe roupa meu amor. – respondeu ele ainda triste.

– Mas eu trouxe. Peguei algumas roupas na sua mala. – respondeu Yasmim pegando a bolsa que ela havia levado.

– Você mexeu na minha mala? – perguntou Lucas assustado.

– Mexi. Para pegar uma roupa para você. – respondeu ela sem entender o motivo do espanto do amigo.

– E você não achou nada lá?

– Achei um papel. Por quê? Você queria que eu trouxesse para você? – perguntou Yasmim gentilmente.

– Você não leu a carta, ou leu? – perguntou Lucas ficando vermelho.

– Era uma carta? – perguntou Yasmim pensativa. – Era para sua mãe? – perguntou chateada.

– Não, mas tem certeza que não leu? – perguntou Lucas.

– Tenho. – respondeu Yasmim ficando nervosa.

– Lucas fala logo para quem era a carta que a Yasmim está ficando com ciúmes. – disse Guilherme.

– Não estou com ciúmes. – respondeu ela irritada. – Vou ao banheiro. – respondeu ela saindo.

– Por que você não disse que a carta era para ela? – perguntou Guilherme.

– Por que ela iria querer saber o que estava escrito. – disse Lucas.

– Falasse. – respondeu Guilherme.

– Mas não quero falar isso aqui no hospital. – disse Lucas. – Isso não é nada romântico.

– Pára de tentar ser romântico e fala logo. – disse Guilherme. – Do jeito que a Yasmim é paranóica ela deve estar pensando que é para outra menina.

– O ciumento aqui é você Guilherme. – disse Lucas.

– É, mas Kelly me disse que Yasmim estava chateada por que você nem ao menos ficou irritado quando o garoto tentou beijá-la hoje de tarde.

– Claro que fiquei. Só não pude fazer nada. E ainda tive que concordar com o “namoro” dos dois. Só que sua mãe me pediu para ficar na minha. Afinal estávamos a trabalho. – disse Lucas.

– Mas a Yasmim não sabe que minha mãe pediu isso. – respondeu Guilherme. – Vou falar com ela. E você vai trocar de roupa, você está horrível de terno em um hospital… – respondeu Guilherme saindo de perto do amigo.

Lucas apenas riu.

Na porta do banheiro Guilherme tentava falar com a irmã:

– Yasmim sai daí. Precisamos conversar. E eu não posso entrar. – dizia Guilherme sem resposta.

Depois de algum tempo insistindo Yasmim saiu do banheiro.

– Vai querer defender o Lucas agora? – perguntou.

– Defender ele do que?

– Ela esta com outra. Não percebeu? – perguntou Yasmim ofendida.

– Pára com isso maninha. Se ele estivesse com outra eu seria o primeiro a mandar ele para o hospital e ele estaria na cirurgia junto com a mãe dele. – respondeu Guilherme.

– E a mãe dele está bem Gui? – perguntou Yasmim preocupada.

– Espero que sim. Ele me disse que faz duas horas que não recebe notícias.

– Coitado! – disse Yasmim abraçando o irmão. – Apesar de ele estar me traindo ainda tenho dó dele.

– Maninha ele não está te traindo. – respondeu Guilherme abraçando a irmã. – A carta era para você. – respondeu Guilherme. – Mas ele é que deveria ter te contado isso, ou melhor, te entregado a carta, mas ele quer que seja especial para você. Tudo bem que sei que você iria gostar muito que fosse em um restaurante, depois de um dia maravilhoso juntos, mas enfim, se ele não parar com essa história de te agradar nunca vai falar com você a respeito.

– Falar o quê? – perguntou Yasmim sem entender.

– Epa! Acho que falei demais. – disse Guilherme soltando a irmã e se afastando sem que ela percebesse.

– Agora termina Gui. – disse Yasmim antes de Guilherme sumir da sua frente e entrar no banheiro masculino.

– Guilherme sai daí e me conta o que tinha naquela carta. – gritava Yasmim na porta do banheiro.

– Vai falar com ela. – disse Guilherme empurrando Lucas para fora antes do menino acabar de colocar a camiseta.

– Você que falou demais. E a irmã é sua. – disse Lucas entrando no banheiro de novo para pegar o resto das roupas.

– Mas a namorada é sua. E a carta também. – disse Guilherme quando Lucas o empurrou para fora saindo atrás dele.

– Você que abriu sua boca grande. Eu não queria que fosse assim. – disse Lucas. – Fala você. Dá um jeito, mas me tira dessa.

– Dá para os dois me falarem o que está acontecendo? – perguntou Yasmim nervosa saindo da porta do banheiro e indo para a sala de espera.

– Viu só o que você fez? – disseram os dois juntos um para o outro. – Agora vou ter que falar com ela.

Minutos depois os dois chegaram à sala de espera e Yasmim estava conversando com um menino alto, magro, loiro, que aparentava ter uns 15 anos.

-… E está fazendo o que em um hospital? – perguntou Yasmim para o menino.

– Minha mãe está dando a luz. Estou esperando minha irmãzinha nascer, mas espero que ela não seja como você. – respondeu o menino gentilmente.

– E por que não? – perguntou Yasmim ofendida.

– Por que se não irei ter muito trabalho para espantar os meninos de cima dela. Você é realmente muito linda. – respondeu o menino pegando na mão de Yasmim.

– Obrigada. – respondeu Yasmim corando.

– E você está fazendo o quê neste lugar? Ele não combina muito com você.

– Ela está esperando a futura sogra sair da cirurgia. E você o que está fazendo dando em cima da minha garota? – perguntou Lucas chegando.

– Boa pergunta. O que você pensa que está fazendo? – perguntou Guilherme.

– Quantos namorados você têm? – perguntou o garoto para Yasmim.

– Nenhum. – respondeu Yasmim olhando fixamente para Lucas e depois voltando a olhar para o garoto. – O alto é um amigo e o outro meu irmão. – respondeu Yasmim.

– Prazer. – disse o rapaz.

– Prazer que nada. Sai de perto dela. – disse Lucas.

– Nossa! Para um amigo você está muito nervozinho.

– Vai querer que eu arrebente você, ou vai cair fora logo? – perguntou Guilherme nervoso indo para cima do garoto.

– Gata, depois nos falamos. Você é um anjo. – disse ele beijando a mão de Yasmim.

– Não sei o que é pior, minha mãe internada e meu irmão sumir, ou esses idiotas dando em cima de você. – disse Lucas quando o menino se afastou.

– E eu não sei o que faço aqui. Por que você não chama sua namorada para ficar aqui com você? – disse Yasmim pegando suas coisas pra ir embora. – Vamos Gui?

– Não vai dar não. Estou responsável por você e não vou embora enquanto vocês não conversarem. – disse Guilherme. – Vou ver se descubro alguma coisa sobre a mãe do Lucas e já volto. – respondeu Guilherme saindo.

– Ótimo. – disse Yasmim irônica. – Meu irmão está do lado de um traidor e não do meu. – disse Yasmim se sentando.

– Certo. Como eu vou dizer isso? – disse Lucas pensativo andando de um lado para o outro. – Yasmim, meu amor…

– Está querendo terminar o que nem começou? Eu já entendi. Não precisa falar mais nada. E nem vem me chamar de paranóica. Eu não sou. Sei que está gostando de outra. Você até fez uma carta para ela. E você nunca… – começou Yasmim, mas Lucas não deixou a menina terminar.

Lucas abriu a bolsa de Yasmim e tirou um palmtop.

– O que você está fazendo? – perguntou a menina vendo Lucas mexer no computador de mão.

– Estou pegando uma cópia da carta. Eu gravei a carta em um arquivo no computador da agência, vou transferir o arquivo para cá para você poder ler.

– E agora você quer que eu leia a sua carta de amor para outra? Não sabe como me magoa fazendo isso? Eu amo você sabia? E você dizia que me amava. Como eu pude cair nesse papo? – dizia Yasmim.

Minutos depois:

– Esta aqui a cópia da carta. Lê! Mas te aviso que não queria que você soubesse desse jeito. – disse Lucas entregando o computador de mão para Yasmim.

– E o que me garante que essa é a carta? – perguntou Yasmim.

– Liga para a Kelly e fala para ela ler a carta que esta na minha bolsa se você não acreditar no arquivo. – disse Lucas chateado. – Agora vou ver se descubro como minha mãe está.

Yasmim realmente ligou para Kelly antes mesmo de ler o arquivo no computador. Kelly assim que começou a ler a carta Yasmim desligou o foi ler o arquivo. A carta era mais ou menos assim:

“Meu amor, não queria que você soubesse de tudo por um papel, mas realmente não estou arrumando ocasião para falar com você. Eu queria que tudo fosse especial, quem sabe depois de ir ao cinema poderíamos ir comer em um restaurante e então poderíamos conversar.

Cheguei a pedir permissão para sair com você para os seus pais, mas infelizmente sempre acontece alguma coisa que nos impede. Amanhã irei ao hospital ver minha mãe e você irá ter um encontro com aquele idiota do Richard. Realmente não sei como poderei me concentrar em outra coisa sabendo que ele pode estar te tocando, mas não posso fazer nada para impedir você de ir. Afinal escolhi esse emprego e tenho que ser profissional assim como seus pais foram quando sua mãe beijou outro cara na frente do seu pai só para não perder o disfarce, mas não tenho o mesmo senso ético do seu pai para agüentar isso quieto, apesar da sua mãe já ter conversado comigo umas dez vezes sobre o caso.

Sei que não é nada romântico falar esse tipo de coisa por um papel e nada legal da minha parte, mas assim que tiver uma chance faço o pedido de novo, só que será bem melhor que esse. Se você está lendo isso então é por que não tive mesmo como falar pessoalmente e meus planos não deram muito certo, mas enfim… Vou seguir o conselho do Guilherme e te falar logo, mesmo que não seja especial para você, mas para mim será dependendo da resposta é claro.

Então preparada ou não: Yasmim Purpuse Queiroz, minha doce bonequinha, aceita namorar comigo?

Sua mãe autorizou há algum tempo, mas como já disse, eu queria que fosse especial para você, então falei que sua mãe não havia deixado a gente namorar. Espero que a resposta seja sim. Beijos no coração. Te amo, meu anjo.”

Yasmim não pode responder Lucas, e muito menos pedir desculpas, por que quando Guilherme e Lucas voltaram com médico, Lucas não olhou para Yasmim, ele apenas saiu atrás do médico.

– O que houve? – perguntou Yasmim para Guilherme.

– A mãe dele está indo para o quarto e ele vai vê-la. – respondeu Guilherme.

– Mas eu preciso falar com ele. – disse Yasmim.

– Não pode. Só ele e o irmão podem entrar no quarto e temos que voltar para o hotel. Já está tarde.

Menu
Parte Anterior
Próxima Parte


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.

Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.