Eu monitor chefe?Não! – Cap 25 2


Anteriormente:

Adeus Lily Evans!

Foi a última coisa que ouvi antes de sentir meu corpo inteiro parecendo que estava sendo rasgado no meio.

Minha cabeça iria explodir a qualquer momento.

Em instantes deixei de sentir meu corpo, pedaço por pedaço e logo não agüentei ficar de pé, meu peso era demais para as minhas pernas que pareciam não receber mais sangue…

Cai desacordada no chão no instante seguinte e só me lembro de chamar desasperadamente para que a Mini voltasse para que a dor fosse embora.

Eu estava morrendo!

Cap 25 – Finalmente nos entendemos!

A dor estava me corroendo por dentro, não escutava nada que se passava ao meu redor. Aquela dor era tão forte que não me deixava nem ao menos respirar direito. Sentia como se eu já estivesse sem vida, ali jogada em algum canto, como se alguém estivesse esquecido de me enterrar ou de me avisar que já podia sair dali que eu estava morta!

Depois de algum tempo, que para mim foram mais que séculos, eu senti a dor diminuir e escutei alguém dizendo para afastá-la de mim… Era ela…

Era a Mini! Haviam achado a Mini… Podia senti-la próxima de mim, mas logo a dor voltou com tanta intensidade que perdi a pouca consciência que eu tinha.

Não sei como descrever o que sentia…

Alguém que já perdeu alguma parte do corpo pode ter uma leve idéia de como eu me sentia, só que ao invés de perder um pequeno pedaço do corpo, parecia que eu não tinha mais corpo, mais vida, mais nada.

Não conseguia falar, não tinha voz e muito menos sentia minha boca para poder abri-la e revelar algum som.

Não escutava nada, pois meus tímpanos haviam se perdido em algum lugar, e meus ouvidos eram pura imaginação… Parece que eles nunca existiram.

Minhas pernas? Lamento amargamente dos dias que reclamava que estava cansada… Minhas pernas são um bem tão precioso que me senti envergonhada de algum dia ter pensado que era melhor viver sem elas para não ter dor de tanta andar. Minhas queridas pernas… Como queria poder senti-las novamente.

Meus braços e pernas? Não sabia o quanto era bom poder pegar as coisas, as pessoas… Como eu queria ter abraçado mais, tocado mais, amado mais…

Quando estamos morrendo é que sentimos o quanto era bom às pequenas coisas que não damos valor.

Por que nós não estamos de bom humor todos os dias? Por que sempre tratamos alguém mal, mesmo que essa pessoal não nos tenha feito nada? Por que temos tanta dificuldade em perdoar as pequenas falhas humanas quando temos tantas que nem ao menos conseguimos vigiar todos os nossos defeitos.

Por que não dizemos para nossos amigos e familiares que os amamos? É tão difícil assim virar para a pessoa que está do seu lado agora e sorrir gentilmente? É tão difícil sorrir com uma piada ridícula? O engraçado é que é fácil chorar por coisas inúteis, coisas que são só culpa nossa…

Em falar em culpa… Por que sempre magoamos alguém colocando a culpa neles… Todos erramos e sempre arrumamos alguém para culpar no nosso lugar, mesmo que inconscientemente.

Agora que estou morrendo percebi que perdi tantas coisas maravilhosas da minha vida por que estava me lamentando por aí…

Por que sempre damos valor para as coisas erradas? Já parou para pensar que quando morremos não levamos nada? Estou eu aqui, com nada mais que meus pensamentos… até que estudar não foi inútil, mas sei que perdi tempo de mais com isso… Estudar é importante sim… só restou eu e meu conhecimento, mas não era para tanto… Cada as minhas lembranças felizes?

Nunca assisti um nascer do sol, assim como nunca assisti o por do sol por inteiro, ou admirei uma borboleta voando, os pássaros cantando ao meu lado, o simples acordar de todas as manhãs, o sorriso de uma criança quando ganha um brinquedo novo… Como nunca parei para reparar na felicidade de um casal de namorados? Eles são tão felizes só de estarem ao lado um do outro que às vezes temos até inveja de tal felicidade…

Veja as mães… É incrível como elas amam incondicionalmente… Amam cada filho como se fosse o único na terra… Realmente coração de mãe sempre cabe mais um, que será amado com tanto amor que nem ao menos percebera que está compartilhando este amor com tantas outras pessoas.

As mães… Nunca vou ser mãe! Nunca vou poder ver meu filho começando a andar ou a falar, sentir o coração apertado quando ele sair com os amigos, ou quando ele se machucar… Querer protegê-lo do mundo, achando que todos querem feri-lo.

Pensando em filhos me lembrei que nem ao menos sei o que é compartilhar o mesmo tempo e espaço com alguém que amamos… Nunca fui amada e vou morrer menina…

Pensando bem, eu nem ao menos namorava… Tanto tempo desperdiçado longe dele… Fui tão cega assim? Como não percebi que estar longe dele iria me fazer perder a única alegria que poderia sentir em tantos momentos de dificuldade?

Como pude nos privar de tamanha felicidade? Perdi a única chance que tinha de tê-lo ao meu lado… Queria ter ouvido ao menos uma vez as palavras “Te amo” da boca dele, mas palavras sinceras, e que em seguida em me jogasse em seus braços e sentiria seu corpo colocado ao meu, seu calor me esquentando. Só queria tê-lo ao meu lado novamente…

Gostaria que antes de morrer tivesse a chance de dizer ao menos uma vez que o amo tanto que a única coisa que consigo pensar nesse momento é que nunca mais vou vê-lo.

Gostaria de ter aproveitado mais a companhia dos meus amigos… Os amo mais pelos defeitos do que pelas qualidades… Agora percebo… Os defeitos que nos fazer diferentes e únicos… As qualidades? Todos as têm… Os defeitos também, mas são com os últimos que aprendemos a viver, e temo que aprendi no momento mais inoportuno que viver é simplesmente amar a vida… Amar o mundo… Amar as pequenas coisas da vida, pois são elas que realmente importam.

Foi quando senti aquela sensação estranha e percebi que a Mini estava próxima novamente…

Queria agarrá-la… Eu estava morrendo e a culpa era nossa… Culpa dela… Minha também… Se eu tivesse aceitado que amo o Tiago mais que tudo, nada disso teria acontecido, mas ela também poderia ter ajudado… Quem sabe sendo mais paciente?

Agora não tem mais volta… Logo nem ao menos meus pensamentos escutarei mais… Já posso imaginar os delírios que devo ter antes que virar em nada no tempo e espaço.

O olha que legal… Já estou tento alucinações, mas pensei que elas me trariam visões e não vozes ao longe…

Esta voz me é tão familiar que tenho certeza que não é real… É a voz do Tiago:

– Se puder me ouvir, Lily… Não conseguiria viver sabendo que você está nesta cama, não saberia viver sem poder olhar para o seu sorriso doce todas as manhãs, sem poder escutar a sua voz, mesmo que gritando comigo todos os dias, ver essas esmeraldas mesmo que me fitando com desdém já é o suficiente para me manter vivo. Viver sem ter você ao meu lado não é vida, é simplesmente manter o corpo reagindo, mas sem ter um coração no peito. Volte para mim, necessito te ver mesmo que de longe, só assim meu coração terá motivo para continuar batendo em meu peito.

Será que imaginei isso? Não importa… Agora sinto que tenho forças para lutar pela vida… Lutar por ele!

Não sei dizer como, mas logo meu corpo já me pertencia e consegui abrir os olhos como se nada tivesse acontecido, e para a minha surpresa ele estava lá, ao meu lado, não consegui dizer nada, apenas sorri quando vi os seus olhos castanhos esverdeados me fitando.

No instante seguinte senti ele quebrando meus ossos com um forte abraço.

– Tiago, mais devagar… – eu pedi quase sem voz.
– Desculpe… – ele se desculpou me soltando e ficou ali olhado para mim encantado.
– Já fiz a minha parte! – foi quando eu reparei que a mala sem alça da Mini estava presente.
– Mini? Volte aqui! – como eu queria acabar com ela… Ninguém sabe o que eu sofri por causa dela… Tentei me sentar na cama, mas ainda não tinha forças suficientes para isso.
– Melhor eu deixar vocês dois conversando… – ela está fugindo de mim. Essa anãzinha!
– Temos que resolver uns assuntos… – eu disse nervosa… Se eu a pego…
– Ele já sabe do que se trata… Eu falei que ele era mais esperto do que você julgava ser… – como ela fala uma coisa dessas na frente dele?
– Obrigado! – o Tiago acabou de agradecer a anãzinha ou foi impressão minha?
– Ah, Lil… Graças a você ele desistiu de nós… – me disse a mala sem alça da Mini.

Como assim ele desistiu?

Como ele vai desistir bem quando eu desisti de resistir a ele?

Isso não pode estar acontecendo!

Logo que a mala sem alça abriu a porta o Sirius caiu de cara no chão, então estava mais do que na cara que ele estava escutando atrás da porta junto com o resto do pessoal.

– Como assim ele desistiu? – perguntou o Remo com a cara fechada.
– Melhor deixá-los conversarem… – disse a Lene puxando todos para fora de novo e mantendo a Mini conosco.
– Eu quero sair… – ela gritou emburrada.

Deixem a mala sair da enfermaria!

– Você fica… Você tem que conversar com eles também… Quem sabe assim você e a Lily se entendem…
– Mas ela não quer me ouvir… – reclamou a pequena ruiva.
– Ela vai ouvir… – disse o Tiago decidido fazendo a mala olhar para ele.

Logo estamos os três frente a frente, eu sentada na cama, a Mini sentada meus pés e o Tiago nos olhando sentado na cadeira ao lado da cama.

– O que ela disse é verdade? – resolvi quebrar o clima e perguntar logo isso para ele.
– Nem sim nem não. Lil, eu… – ele nem ao menos terminou de falar.

Nem sim nem não? Isso é bom ou ruim?

– Você não deveria ter escutado aquela conversa… Não era para você saber! – reclamou a pequena ruiva fazendo um bico como uma criança.

Não entendi nada!

– Que conversa? – perguntei brava
– Ele escutou quando a Lene afirmou que nós duas brigamos por que você não aceita seu amor por ele, o que eu já falei que é uma idiotice. Quantas vezes vou ter que repetir que o amor dele é verdadeiro? – perguntou a Mini revoltada
– Fique quieta! – gritei nervosa.

Ela não pode sair falando essas coisas na frente dele…

– Ficar quieta por quê? Ele já sabe de tudo, Lílian… Sem contar que já está na hora de alguém me escutar… Não é por que eu sou pequena que vão fingir que não existo!

A Mini sempre foi dramática!

– E porque eu deveria acreditar? Você só conta mentiras… – eu disse irritada.
– Só conto mentiras? Quando eu te disse uma mentira? Quando eu falei que o Victor não prestava eu estava mentindo? Quando eu disse que o Remo tinha algum segredo que você tinha que saber, eu menti? Quando eu te falei que a Marlene ama o Sirius e você tinha que ajudar ela a falar com ele, eu menti? Quando eu te falei para estudar mais animagia, eu estava mentindo também?
– Não mentiu, mas quando se refere ao Tiago você fica obcecada. – respondi ainda nervosa.
– Obcecada? Eu te falo a mesma coisa por anos e você não parou nem ao menos para verificar se eu estava dizendo a verdade.

Como ela é mentirosa!

– Lógico que parei para reparar… – já estava gritando de tão irritada.
– Reparou? Então percebeu que ele não fica com ninguém a mais de dois anos… Verificou quando eu disse que ele se preocupava com você? Verificou quando eu disse que ele deve beijar super bem? – indagou a Mini nervosa.
– Verifiquei sim que ele não fica com ninguém… A Lene não para de repetir.

O que não deixa de ser verdade… A Lene não perde oportunidade para falar sobre isso!

– Mas foi preciso a sua melhor amiga lhe falar várias vezes para você começar a reparar.

Obvio! Não iria acreditar em uma parte insana do meu cérebro!

– Não é verdade… Eu fui atrás para saber se era verdade o que a Lene disse. – e fui mesmo
– Não interessa Lílian… E você procurou saber se ele se preocupa com você como eu te disse?
– E você acha que eu insisti tanto em ir à lua cheia por quê? Eu estava com medo do que poderia acontecer, você sabe disso, mas não, eu fui me arriscar para saber se você estava me dizendo à verdade.

O que valeu a pena para falar a verdade!

– E constatou o que? Eu nunca menti para você! – revidou a pequena ruiva já gritando exaltada.
– Você não diz a verdade sempre… – reclamei mais uma vez.
– E quando eu menti? Quando eu disse que ele beija bem? – perguntou a Mini revoltada.
– Não entra no caso… – claro que não… Só pelos beijos roubados já se percebe que ele beija muito bem… Imagine um beijo com amor…

Ele sempre te beijou com amor…

Mas eu nunca retribui com amor.

– O que foi? Está com vergonha de admitir na frente dele que ama quando ele te rouba um beijo no corredor e só bate nele para ele não perceber o quanto você gostou?

E se for? Não se diz uma coisa dessas para um homem… Eles ficam convencidos demais.

– Eu… – comecei, mas não sabia como terminar a frase.
– Vamos Lílian… Admita! – pediu a Mini já quase que com uma ordem.
– Não tenho que obedecer você! – gritei nervosa.

Essa anã pensa que manda em mim!

– Meninas… – escutei o Tiago falando, mas não dei importância.
– Não é obedecer, é seguir o bom senso. – reclamou a Mini.
– Ruivas… – escutei ele falando, mas a briga estava muito mais interessante.
– Bom senso? Você não tem bom senso Mini. E o que eu sinto pelo Tiago só interessa a nós duas…

Verdade! Se eu não disse para ele é porque não tem interesse para ele!

Você não disse por que tem medo da reação dele!

– Lílian Evans… Ele tem o direito de saber… Não vai me dizer que aquela foto dele no seu quarto é para espantar moscas… Você fica olhando para a foto durante horas…

Não vamos exagerar… São só alguns minutos…

– Garotas… – escutei o Tiago falando.
– Não são horas… São minutos… – fiz questão de responder para a Mini.
– Evans! – nossa por que o Tiago esáa gritando? – Finalmente! Por que vocês não pararam de brigar? Ou pelo menos de falar de mim como se eu não estivesse aqui? – ele ficou nervoso… Tudo culpa dessa anãzinha.
– Desculpe! – pedimos juntas
– Diz para ela que você desistiu de nós… – pediu a Mini com os olhos marejados.
– Viu como você mente demais? Não é possível que isso tenha acontecido bem agora… – é impressão minha ou meus olhos estão lacrimejados?

Não quero perder o Tiago… Eu descobri que o amo!

– Não é bem assim… Eu só vi que o melhor para vocês é me ter longe… – como ele diz uma coisa dessas calmo deste jeito?

Obvio que começamos a chorar compulsivamente, eu fui mais discreta, mas a Mini fez o maior escândalo. – Perfeito! Fiz as duas chorarem! – ele reclamou para si mesmo enquanto nos abraçava.

– Me desculpem… – ele pediu – É que por causa da briga de vocês eu me senti culpado e… – que fofinho!
– Que briga? Não estamos brigando… – como nós duas somos cínicas!
– Não estão? – ele perguntou rindo.
– Estamos só discutindo qual o melhor jeito de… – comecei.
– De você tirar essa idéia maluca de nos esquecer da cabeça. – completou a Mini.
– Só vou tirar essa idéia maluca da cabeça quando e se vocês voltarem a ser uma só. – como ele diz uma coisa dessas e levanta para ir embora?

Logo escutamos gritos de saudação atrás da porta… O pessoal nem para disfarçar que estavam escutando atrás da porta… Que coisa mais feia!

O Tiago se levantou para ir embora e quando abriu a porta o Sirius caiu de cara no chão novamente.

– As deixem sozinhas… – ele pediu para todos e logo fechou a grande porta atrás de si, deixando eu e a pequena ruiva lá.

Escutei ele conversando com o pessoal instantes depois:

– Ela ficará bem… Não se preocupem. – escutei ele falando antes da porta ser lacrada de novo e só restarmos eu e a malinha lá dentro.
– O que faremos? – escutei a pequena me perguntando.
– Que tal começarmos com desculpas? – perguntei fitando o chão. – Me desculpe por tudo Mini. Às vezes você estava certa, mas meu orgulho sempre falou mais alto que tudo e vejo que isso foi um erro.
– Me desculpe também, Lily. Sei que não deveria ter chegado às últimas conseqüências antes de pelos menos conversar com você, eu estava obcecada para ter o Tiago.
– Ambas estávamos tão obcecadas por algo que não nos demos conta do que estávamos perdendo…
– Perdemos ele, Lily. Fim de jogo! Ele desistiu, mesmo sabendo que o amamos, ele simplesmente desistiu! – me disse a Mini já com os olhinhos vermelhos prontos para derramar uma lágrima.
– Prometo te escutar e analisar o fato daqui para frente se me ajudar a ter o Tiago de volta. – propus.

A pequena sorriu para mim e veio até a cama onde eu estava.

– O traga de volta que só assim seremos felizes, Lil. – ela me disse ainda sorrindo.
– Farei o possível! – eu disse sorrindo.

Nos abraçamos fortemente e logo perdi a consciência novamente.

Acordei quando o sol já estava se pondo e dei de cara com a Lene me olhando.

– Finalmente acordou! Me conte tudo e não me esconda nada, Lily! – ela me disse empolgada.

Que tal zoar a Lene um pouco?

– O que quer saber? – perguntei inocente.
– Admite agora que ama o Tiago desesperadamente?
– Já lhe disse que não te conto mentiras. – eu disse para ela.

O grande sorriso que minha amiga tinha nos lábios sumiu e logo uma expressão de fúria tomou conta dela:

– Eu vou matar você Lílian Evans. Eu fico anos… Anos, para te fazer entender que o ama… Até doente você fica por causa disso e ainda fica com essa palhaçada? Você consegue ser mais teimosa que o Tiago e o Sirius juntos. Arg! – ela gritou nervosa.

O que eu poderia fazer a não ser rir?

Comecei a gargalhar e ela ficou ainda mais nervosa.

– Se você não estivesse em observação ainda eu juro que matava você! – ela gritou nervosa.

É tão divertido perturbar a Lene.

– Vai me matar se eu disser que vou naquele baile e vou sair de lá tendo Tiago Potter como namorado? – perguntei ainda rindo.
– Sua… – ela começou ainda nervosa. – Namorado? – perguntou confusa. – Já disse que te amo amiga? – ela perguntou pulando de alegria. – Finalmente! Vocês vão namorar… Se amam… Que fofos! – ela disse toda emocionada. – Tenho que contar para o Tiago. Ele está naquela cama todo triste e…
– Não vai contar nada. – eu disse não deixando ela nem ao menos terminar de falar.
– E posso saber por quê? – ela perguntou ficando séria e levando as mãos na cintura.
– Se falar com ele as coisas vão perder o romantismo… Será muito mais romântico se quando eu chegar lá ele me beijar dizendo que me ama e que ficou com medo de me perder…
– Por que vocês mulheres gostam de tudo romântico? – perguntou o Sirius entrando.
– Six? – perguntamos espantadas.
– Sabe… Agora tenho mais do que certeza que o Tiago é um gay… Ele vive falando dessa história de romantismo… Eca! – ele disse fazendo uma careta e abraçando a Lene pela cintura.
– Sério? – perguntei feliz da vida… Meu futuro namorado é romântico!
– Sério o que? Ele ser gay? Você não sabia? Pobre Lily… – o Sirius disse fingindo choro.
– Pare de graça… Ele não é gay. – eu disse emburrada.
– Então explique ele estar naquela cama dele desde que saiu daqui se lamentando por você não amá-lo? Aliás,… Você deveria levantar daí e ir falar com ele logo… Não agüento mais ele me falando de você!
– Não vou… Eu vou estar na festa e ele vai ser romântico como sempre e vamos viver felizes para sempre… – eu respondi sonhadora.
– O que você deu para ela ler? – perguntou o Sirius me olhando incrédulo.
– O único livro que achei… Contos de fadas… – respondeu a Lene entediada.
– Já entendi. – respondeu o Sirius rindo.

Mas eu não entendi a graça!

– Prometam que não vão falar com ele! – pedi suplicante para os dois.
– Se até o final da festa não tiver nem ao menos um beijo eu mesmo me encarrego de agarrar os dois e forçar um beijo. – respondeu o Sirius sorrindo.
– Eu lanço uma Avada em você amanhã de manhã se o Sirius não conseguir o beijo. – me respondeu a Lene.
– Vocês são os melhores amigos que alguém pode ter… – eu disse abraçando os dois.

Logo os dois saíram para namorar por aí e eu fiquei novamente sozinha imaginando como tudo mudaria depois dessa noite…

Já estava vendo a cena na minha frente, eu entrando linda no salão e o Tiago lá sorrindo para mim.

Ele chegaria e me tiraria para dançar. Ele nem precisaria falar nada, só ficaria me olhando, com aqueles lindos olhos castanhos.

Quando a música acabasse ele me falaria: “Me desculpe por tentar desistir de você Lírio, mas não posso, eu amo você!”.

Sim… Ele me chamaria de Lírio… É tão fofo quando ele faz isso…

E nós beijaríamos como nos filmes.

Você está sonhando de mais!

Assim que conclui meus pensamentos sobre a festa de natal o Reminho apareceu:

– Vejo que está melhor… Está até suspirando. – ele me disse rindo.
– Estou melhor do que nunca, Reminho. – eu disse toda feliz.
– Que bicho te mordeu, Lily? – ele me perguntou divertido se sentando na cadeira ao lado da minha cama.
– Foi à flecha do cupido que me acertou… – eu respondi sonhadora. – Não vejo à hora de chegar à festa.
– Minha nossa… Que mudança! – ele completou rindo feliz.
– Mas e você? – perguntei ficando séria.
– Eu o que? – ele perguntou como se não tivesse entendido a pergunta.
– Você e a Tonks! – respondi com a cara mais obvia que consegui fazer.
– Não iria dar certo, Lily. – ele me disse olhando para as mãos.
– E posso saber por quê? – perguntei já ficando nervosa e colocando as mãos na cintura.
– Eu sou um monstro e monstros não namoram lindas moças…
– Então diga isso para a fera, da Bela e a Fera. – eu disse emburrada.
– As coisas não são como nos seus livros, Lil… – ele me disse chateado.
– Pois para mim são! E se você acreditar que as coisas são fáceis, elas vão se tornar fáceis Remo. Olhe para você! O rapaz mais gentil e atencioso que conheço.
– Isso não basta! – ele me disse chateado.
– Deveria bastar! – respondi revoltada. – Você é uma ótima pessoa, amável, lindo, simpático…
– Ela nunca me aceitaria se soubesse da verdade. – ele reclamou.
– Se ela não aceitar é por que nunca gostou de você de verdade. Veja o meu caso… Amo o Tiago mesmo ele sendo um teimoso, desleixado e bagunceiro. – eu disse feliz.
– Que amor… – brincou o Remo rindo.
– Viu só? Você tem que rir das próprias desgraças, assim elas vão embora. O Tiago é tudo que falei, mas ainda sim é bonito, simpático e me faz rir. Se você quer ser perfeito para alguém você nunca vai ter ninguém Remo. As pessoas não são perfeitas… O divertido da vida é contornar os defeitos e as dificuldades. Aprender a ser uma pessoa melhor. Imagine se não tivéssemos defeitos… A vida não teria graça… Iria ser tudo tão certinho que ficaria tediante.
– Obrigado Lily… – ele disse emocionado me abraçando.

Isso foi muito gay da parte dele!

Não liguem… Para o Sirius tudo é gay… Principalmente ele!

Não gostei da piada!

Nem eu!

Mas não foi piada!

Conversei um pouco mais com o Reminho, mas logo ele foi embora para se arrumar.

E fiquei sozinha mais uma vez até a enfermeira resolver que não podia mais me prender naquela cama e me deixou ir.

Corri para o salão e pelo silêncio vi que o Tiago estava dormindo.

Claro que aproveitei para tomar banho… Não queria que ele me visse antes da festa.

Logo que entrei no quarto ouvi a voz do Tiago reclamando que estava atrasado!

Foi bem divertido, e foi quando eu tive a idéia de chegar atrasada na festa, só para criar um clima.

Sabe quando as noivas se atrasam no próprio casamento? Eu acho que não é por que não deu tempo para se arrumar. Acho que é só para fazer o noivo ter um ataque do coração e ficar lá se lamentando pensando que ela desistiu do casamento. A Graça está em quando a noiva chega… O sorriso do noivo é tão lindo que vale a pena ficar lá plantada prontinha para casar e ficar enrolando o máximo.

Então foi o que eu fiz. Assim que escutei o barulho da porta fechando tive certeza que o Tiago já tinha ido para a festa para me encontrar.

Fique ali sentada na cadeira de frente para o espelho pensando na vida até dar um tempo para o Tiago ficar desesperado pensando que eu não iria aparecer.

Quando dei por mim já estava perto das oito da noite. Fiz o pobrezinho esperar de mais… Estava quase uma hora atrasada…

Sai correndo para o salão principal. Queria vê-lo!

Assim que cheguei perto da porta senti um friozinho na barriga. Vi pelo cantinho do olho o Remo conversando com a Tonks. Pelo visto eu tinha feito um bom trabalho com ele lá na enfermaria.

Logo o Remo tirou a Tonks para dançar e pelo visto o Sirius gostou da idéia, levando minha amiga Lene para a pista de dança, mas no meio de tudo isso não vi o meu querido Tiago em lugar nenhum, então teria mesmo que entrar no salão e procurar por ele…

Mas será que eu não fiz ele esperar de mais e ele se cansou e foi embora?

Que Merlin não permita que ele tenha ido embora! – pensei fechando os olhos aflita e dando um passo para entrar no salão.

Assim que abri os olhos vi o Tiago sentado em um canto sozinho e de cabeça baixa aborrecido.

Estava uma gracinha todo tristinho daquele jeito.

Um sorriso involuntário surgiu no meu rosto e fui logo na direção dele.

Ele me olhou primeiramente confuso, mas logo meu plano deu certo e aquele sorriso maravilhoso surgiu nos lábios dele me deixando ainda mais feliz.

O Sirius e a Lene empurraram o Tiago para a minha direção e logo em seguida piscaram para mim e voltaram para a pista de dança.

Ele vinha na minha direção como eu havia imaginado. As coisas estavam acontecendo igual nas minhas fantasias… Agora iríamos dançar e depois dele fazer uma linda declaração iríamos nos beijar…

Paramos de frente um para o outro, ele ficou ali me olhando, sem dizer nada…

Certo a parte de não abrir a boca para falar nada não foi uma boa idéia… Fiquei insegura com aquele olhar dele sobre mim e logo abri a minha boca grande para estragar o clima:

– Não vai dizer nada? – perguntei sorrindo levemente para ele.
– Está melhor? – ele me perguntou se eu estou melhor? O que deu no Tiago hoje? Cadê o “Vamos dançar?”

Ele não é um cara normal, Lily… Sinto te informar.

– Muito melhor. Graças a você! – nossa que indireta eu dei agora…
– Graças a mim que você ficou doente… – não acredito que ele está chateado com isso.

Não é lindo?

– Não fale bobagens… Eu é que não sabia exatamente o que pensar. – não menti para ele… É a mais pura verdade.
– Você está muito linda! – ele disse que eu estou linda? Acho que vou desmaiar de emoção.
– Obrigada! – respondi timidamente – Você também está muito bonito! – completei ainda mais acanhada.

Minha nossa são meus olhos ou ele estava mesmo mais bonito do que de costume?

Ele não estava mais bonito… É que você estava vendo ele como deveria… Como o homem que você ama.

A Lene está filosofa hoje!

– Não quer dançar? – ele me perguntou estendendo a mão.

Finalmente a minha dança… Poderia sentir o doce cheiro dele e sentir o corpo dele colado no meu.

– Adoraria! – respondi sorrindo feliz. Vi a Lene piscando o olho direito para o Tiago, mas não dei importância.

Ficamos ali dançando algumas músicas lentas, mas ele não dizia nada. Não se declarava, não tocava no assunto, até parecia que estava tentando se manter a uma certa distancia.

Fiquei realmente irritada quando ouvi o diretor nos chamando para escutar as músicas natalinas quando deu dez para a meia noite.

O salão estava dividido em alguns casais. O Remo e a Tonks estavam sentados de mãos dadas conversando. A Lene e o Sirius estavam abraçados sorrindo um para o outro. E nós… Nós estávamos ali sentados juntos, mas apenas escutando as músicas, nem ao menos um contato físico nós tínhamos.

O que estava acontecendo com o Tiago que conheço? Ele já teria me agarrado e me beijado há muito tempo.

Logo começamos há contar os segundos para o natal. O Sirius agarrou a Lene e lhe deu um daqueles beijos demorados. O Remo abraçou a Tonks feliz, mas não vi nenhuma aproximação romântica. O que é uma tristeza!

E o Tiago? Nem ao menos tocou em mim… Não pegou na minha mão, não me abraçou… Será que ele desistiu mesmo de mim? Não vou deixar!

Eu tinha que fazer alguma coisa… Não iria deixar quieto… Ele me ama e não vai se afastar de mim como eu fiz… Ou não me chamo Lílian Evans!

Assim que todos começaram a se cumprimentar eu fui cumprimentar a todos primeiro. O Tiago iria ser o último para que não tivéssemos interrupções.

Quando abracei a Lene ela foi logo reclamando:

– Não estou vendo vocês juntos… O que houve? – ela me perguntou ainda abraçada a mim.
– Não se preocupe Lene. Não saio daqui sem ter ele comigo.
– Estou gostando de ver amiga! – ela me disse feliz.
– Lily… – me chamou o Sirius.
– Diga meu cachorrinho fofo! – eu disse rindo.
– Fala com ele. Conheço o Tiago… Ele deve estar confuso! – me disse o Sirius.
– Eu é que deveria estar assim… – respondi rindo e vendo o moreno debruçado na janela vendo a neve cair.

Tomei coragem e me aproximei dele. Senti todos os meus amigos nos observando e fui com a cara e com a coragem. O abracei pela cintura, tocando sua barriga levemente enquanto ele ainda se mantinha apoiado na janela.

Ele se virou para me olhar e ficamos a centímetros um do outro. Senti meus lábios formando um gracioso sorriso enquanto ele me olhava confuso e com desejo.

– Não vai me cumprimentar? – perguntei para disfarçar.

Quem sabe ele criava coragem e tornava meu conto de fadas mais emocionante.

– Feliz Natal, ruivinha! – ele disse finalmente correspondendo ao meu abraço.

A sensação foi maravilhosa… Aquele cheiro que vinha dele me trazia paz. O corpo quente me esquentava ainda mais, e aquela respiração descompassada no meu pescoço estava me deixando embriagada, mas logo ele se afastou receoso.

– O que houve? – perguntei quando ele tirou seus braços da minha cintura e se afastou mais um pouco de mim.
– Ruivinha hoje percebi o quanto você me fará falta, mas já que escolheu assim não vou mais insistir no assunto. – ele me disse já melancólico se virando para sair do salão.

Não acredito que ele estava jogando a toalha assim… Se rendendo sem lutar…

Não iria deixar ele sair dali… Não podia deixar ele ir embora pensando que não o amo, que não o quero.

Toda a coragem do meu sangue grifinoriano tomou conta de mim e agarrei o Tiago pelo pulso para que ele não fosse embora.

– Você não vai desistir assim, vai? – perguntei desapontada com ele.
– Estou fazendo o que você sempre quis. Depois do que houve com você me convenci que mesmo sem querer eu não lhe faço bem, pelo contrário eu te fiz ficar doente, te fiz chorar naquela enfermaria, eu não suporto a idéia de te fazer mal, por isso prefiro me afastar de você!
– Só preciso que me fale olhando nos meus olhos que não me ama mais! – pedi já prestes a agarrá-lo.
– Não posso dizer isso, pois ainda te amo, mas não se preocupe… Com o tempo isso passa, ou espero que passe. – ele me respondeu tristemente se virando para ir embora.

Não me agüentei… Aliás, ainda bem que fiz isso… Eu sou louca!

Logo em seguida puxei o Tiago para mim, eu não iria deixar ele ir embora tão fácil… Estava na hora de agir… Infelizmente nem sempre os contos da fada terminam com o rapaz beijando a mocinha e sim o contrário.

Então o agarrei como queria fazer a muito tempo e selei meus lábios no dele, e sem nem ao menos esperar resposta fui pedindo passagem para explorar sua boca.

Aquele beijo que demorou apenas alguns segundos foi o melhor beijo da minha vida. Ele correspondeu ao beijo tão arduamente que tive mais do que certeza que fiz a coisa certa.

Olha a Lily que comandando a relação dos dois!

As mulheres tem que tomar atitudes quando vocês não tomam!

Aquele gosto que só senti com os curtos e turbulentos beijos roubados era ainda melhor do que naquela época.

A sensação era boa e estranha. As mesmas mãos que antes do repeliam e o empurravam agora estava o trazendo para mais perto.

Nos separamos por escutar aplausos.

– A Lily que teve que te beijar… Que vergonha para os marotos! – brincou o Sirius.
– Olha quem fala! – retrucou o Tiago sorrindo.
– É isso aí garota! – disse a Lene rindo e me cumprimentando.
– Eu não sou o único a perder a aposta! – comemorou o Sirius feliz da vida.
– Podemos saber o que é essa aposta? – perguntamos eu e a Lene curiosas colocando as mãos na cintura.
– Logo vão saber… – eles nos responderam enigmáticos.

***

– E cadê o resto da história? – perguntei quando Lílian ficou calada.
– Oras Vanessa… A história terminou… Acabamos no “Felizes para sempre”. – me respondeu a jovem ruiva que ainda estava deitada no colo do namorado.
– Não posso publicar uma história assim… Ela está sem final! – reclamei.
– Como sem final? O Pontas está finalmente com a ruivinha dele, eu estou com a minha Lenezinha, e Remo está mais CDF do que de costume, e o Pedro… Continua namorando a comida. – me disse o Sirius sorrindo.
– Mas e o resto da história? E o pedido de namoro? E a aposta? Não pode terminar assim… – reclamei mais uma vez.
– Sinto muito, mas a história vai ficar por aqui. – disse o Tiago dando a conversa por encerrada.
– Sou uma repórter e não vou parar a história por aqui. Vocês poderiam pelo menos que contar como pediram as meninas em namoro… Já ajudaria! – reclamei.
– Está bem… Vai ser divertido! – disse o Sirius entediado.

Vi a morena, sua namorada, sorrir feliz.

– Depois da festa de natal… – começou o Sirius a narrar.

Cap Anterior
Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

2 thoughts on “Eu monitor chefe?Não! – Cap 25