A casa dos Gritos – Cap 3 2


Anteriormente:

– Nada mal Potter! – me disse a Lily sorrindo.
– E o que aprendemos com tudo isso? – me perguntou o Remo assim chegamos ao salão comunal.

Verifiquei se as meninas não estavam perto o suficiente para ouvir e fui logo respondendo:

– Aprendi que se deve jogar Lily Evans no lago com mais freqüência!

Ela fica linda com a roupa transparente, cabelo colado no rosto e com a seu sutiã de bichinhos aparecendo.

Doce tentação!

Cap 3 – Hogmead I

Narrado por Lílian Evans

Já estamos quase no final da última aula do dia. Só de pensar já fico feliz. Amanhã é sábado! E melhor ainda… Amanhã tem Hogmead.

– O que vamos fazer amanhã? – me perguntou a Dora.

– Você vai agarrar o Remo e confessar seu grande amor. – respondi tentando ficar séria.

– Viu um passarinho verde Lily? – me perguntou a Alice sorridente.

– Não! Só estou feliz por que amanhã é sábado. – respondi ainda sorrindo.

– Acho que ela esta feliz por que jogou o Tiago no lago. – comentou a Lene rindo baixo.

– Minha felicidade não tem nada a haver com o Tiago. – respondi começando a me irritar.

– Como não? Você gosta dele, ele de você… Como sua felicidade pode não estar ligada a dele? – me perguntou a Alice.

Eu não gosto dele. Pelo menos não do jeito que elas vivem dizendo.

– Por que não aproveita que amanhã vamos todos juntos para Hogmead e se aproxima mais do Tiago? – me perguntou a Dora pensativa.

– Mais? Se eu me aproximar mais estaríamos com a língua dentro da boca do outro. – respondi revirando os olhos.

– Mas é essa a intenção. – respondeu a Alice fazendo as meninas rirem.

Eu definitivamente não achei a menor graça.

– Precisamos pensar em alguma coisa útil para fazer por lá ou vamos acabar como em todos os outros passeios. – comentou a Lene pensativa.

– Você quer dizer, você e o Sirius tentando fazer ciúmes um no outro se agarrando com alguém, o Tiago some para agarrar alguém, o Remo fica para cima e para baixo com o Pedro tentando fazer ele parar de comer, a Lily vai para a livraria a Alice some com o Frank e eu fico sozinha? Realmente precisamos pensar em algo. – respondeu a Dora na mesma hora.

– Tenho certeza que se o Remo ficasse com você, você não estaria tão irritada. – comentou a Alice rindo.

– O dia que o Remo quiser ficar comigo vai chover hipogrifos. – respondeu a Dora chateada.

– Como você é exagerada! – respondi revirando os olhos.

O Remo a ama tanto quanto ela o ama. O problema é que ele é um lobisomem e não quer machucá-la. Posso matar o Remo?

– Espero que os meninos tenham alguma idéia. – eu disse chateada olhando para o relógio.

Faltam só cinco minutos para o fim da aula.

Narrado por Tiago Potter

É impressão minha ou essa aula esta mais chata do que de costume?

– Já desmarcou seus encontros? – perguntei para o Almofadinhas.

– Infelizmente sim, mas espero que façamos alguma coisa útil amanhã, afinal tive que desmarcar três encontros. – ele me respondeu carrancudo.

– Para de drama! Nós vamos passar o dia nos divertindo com as meninas. Vai ser divertido. – respondeu o Remo.

– Você diz isso por que a Dora não te dá fora. – respondi.

– Claro que não dá foras… Ele nunca chegou a convidar a coitada para sair. – comentou o Almofadinhas sorrindo maroto.

O Aluado é muito lerdo! Esta na cara que a Dora gosta dele.

– As coisas não são tão simples e mesmo se um de vocês me convencesse de ir falar com a Dora, o que não vai acontecer, ela não aceitaria. – respondeu o Remo dando de ombros.

– Pare de dramas. Você sabe tão bem quanto todo mundo que a Dora gosta de você. – respondeu o Almofadinhas levemente irritado.

– Mas o que vamos fazer amanhã? – perguntei para mudar de assunto.

– Podemos jogar alguma coisa. Que tal um strip poker? – perguntou o Almofadinhas com os olhos brilhando.

Mau sinal!

– Ou quem sabe um jogo menos pervertido. – sugeriu o Aluado. – As meninas não vão quere jogar strip poker Almofadinhas.

– Podemos aproveitar a neve e fazer uma guerra. – eu sugeri.

– E molhar as meninas para que a blusa delas fique molhada e colada no corpo. – completou o Almofadinhas.

Ele só pensa nisso?

– Mas nem sabemos se vai estar nevando. – comentou o Pedro perdido.

– Mas senão estiver nevando ainda sim vai ter neve suficiente no chão. – respondi.

– Espero que as meninas tenham idéias melhores que as de vocês. – respondeu o Aluado.

– Bobagem! – respondeu o Almofadinhas sorrindo.

– E… Estamos livres. – eu disse segundos antes do professor nos dispensar.

Nós nos reunimos com as meninas no corredor e fomos todos juntos para o salão comunal. As meninas se despediram e foram guardar o material, e nós aproveitamos para fazer o mesmo.

Faltando pouco para o jantar nos encontramos de salão comunal, a minha ruiva como sempre esta lá deitada no colo da Alice lendo um livro, Alice e Dora estavam jogando xadrez e a Marlene estava fazendo palavras cruzadas.

Eu fui logo me sentando ao lado da Alice para poder ficar perto da Lily que parece que não reparou a minha presença ainda. Vi o Almofadinhas se sentando com a Lene e espiando por cima do ombro dela para ver as palavras cruzadas, aposto que isso ainda vai dar briga mais tarde. O Pedro sentou no chão e já começou a comer, já o Aluado sentou no chão também do lado das pernas da Dora, aposto que logo ele encosta a cabeça na Dora.

– Cheque! – disse a Alice empolgada.

– Não vai ser tão fácil Lice. – disse a Dora rindo.

– Quem esta ganhando? – a Lily perguntou ainda sem tirar o livro do rosto.

– Eu como era de se esperar. – respondeu a Alice feliz.

– De virada é mais gostoso. – brincou a Dora rindo.

Fiquei observando todos por mais algum tempo até que reparei nos cabelos vermelhos da Lily no meu colo. Essa ruiva quer acabar com a minha sanidade.

– (?) Junior, conjunto de pagode que projeto o cantor Netinho. – disse a Lene.

– Com nove letras. – completou o Sirius.

– O que é pagode? – perguntou o Pedro.

– É uma música muito ruim. – comentou a Dora.

– Não é tão ruim assim Dorinha. – respondeu a Alice.

– Ninguém sabe a resposta? – perguntou a Lene.

– Negritude! – respondeu a minha ruivinha.

– Quem? – perguntou o Almofadinhas.

– Negritude é a resposta Sirius. – respondeu o Aluado.

Eu aproveitei a distração para tocar o cabelo da Lily que estava tão macio como eu me lembrava da última vez que toquei.

Esperei alguma reação negativa dele, mas essa não veio. Sorri cúmplice para a Alice logo em seguida e comecei um bom cafuné na ruiva.

Narrado por Lílian Evans

Será que esse pessoal não conhece nada de música trouxa?

Ainda acho que o Sirius ajudando a Lene em palavras cruzadas não vai dar certo.

Mas afinal cadê o Potter? Será que ele esta aproveitando o tempo para agarrar alguém já que amanhã ele não vai poder fazer isso?

Afinal, ele tem o que aproveitar. Ele consegue qualquer garota da escola… Com aquele corpo perfeito dele…

Mas a mim ele não consegue… Não vou me deixar levar só por um corpo bonito. Ele tinha que ser bem agradável para que eu aceitasse sair com ele. Gentil seria uma boa qualidade para alguém com quem eu aceite sair.

Por que eu estou aqui me preocupando com o que o Tiago esta fazendo ao invés de prestar atenção no meu livro?

Certo… O livro já perdeu a graça há muito tempo. Principalmente agora que o sono esta começando a chegar, também… Com esse cafuné maravilhoso que a Alice esta fazendo… Quem não ficaria relaxada?

Narrado por Tiago Potter

Que maravilha a Lily dormiu!

Acho que esse negócio de cafuné dá sono.

– Estou morrendo de fome. – disse a Alice emburrada. – Sinto muito, mas vou ter que acordá-la.

– Não! – pedi quase suplicante.

A Lily consegue ficar ainda mais linda enquanto dorme.

– Mas eu estou com fome Tiago. E ela vai acordar senão tiver um travesseiro.

– Eu fico no seu lugar. – eu sugeri na mesma hora.

– Claro… E morre assim que ela acordar! – respondeu a Alice rindo.

– Ela não reclamou quando ele estava fazendo cafuné nela. – comentou a Dora.

– Às vezes ela pensou que foi a Alice que fez. – comentou a Lene pensativa.

– Acho melhor pararmos com essa discussão chata e acordarmos logo a dorminhoca para podermos ir dormir. – disse o Pedro na mesma hora.

– Eu insisto em ficar aqui com ela. – eu disse novamente.

– Você sabe que vai acabar sendo morto quando ela acordar? – me perguntou o Sirius.

– Sei. – respondi normalmente.

– Então fique e aproveite os seus últimos minutos de vida. – ele disse já de pé.

– Se vocês demorarem trazemos alguma coisa. – comentou o Remo assim que todos já estavam de pé.

– Cuide dela. – pediu a Alice assim que a Lily se deitou no meu colo e agarrou a minha barriga.

– Ela gosta de dormir abraçada com alguma coisa. – comentou a Lene rindo quando eu olhei espantado para os braços da Lily em volta da minha cintura.

– Não tenho do que me queixar. – respondi sorrindo.

Minutos depois eu já estava sozinho com a ruivinha no salão comunal.

Fiquei observando ela dormir, deitada de lado no meu colo abraçado a mim e com um leve sorriso nos lábios. Só gostaria de saber o que ela estava sonhando.

Peguei o livro que ela estava lendo que estava jogado perto da barriga dela. Um romance! Sei que a Lily é bem romântica, mas nunca pensei que ela gostava tanto de romances assim.

Pelo titulo do livro já imaginei algum terror, mas assim que terminei de ler a breve sinopse já vi que aquilo não passava de um romance, e fui logo abrindo na página que ela deixou o marcador:

“E o lobo se apaixona pelo cordeiro” – Crepúsculo

Ficaria feliz se aquilo estivesse ligado a nossa relação também, mas infelizmente não passava de um livro.

Sinto a Lily se mexer um pouco no meu colo e encostar a cabeça na minha barriga. Seus cabelos ruivos ainda me chamavam atenção ao ponto de eu não conseguir tirar minhas mãos dele.

Seria bom ao menos uma vez poder estar ao lado dela sem que ela se sentisse acanhada ou querendo me matar.

Continuei a ler o livro da Lily. Quem sabe ele não me dava pistas sobre como ela gosta de enxergar o mundo.

Narrado por Lílian Evans

Acho que cai no sono, mas pelo menos não demorei tanto assim, afinal ainda consigo sentir as mãos da Alice no meu cabelo, mas ela parece diferente.

Abri os olhos lentamente para poder ver o que estava acontecendo e dei de cara com alguma coisa branca na minha frente e senti que minha mãos estavam abraçando a cintura da Alice.

Acho que minha amiga deve ter rido muito por eu ter a agarrado desse jeito.

Certo, acabei de perceber que esse perfume não é nem um pouco parecido com o da Alice, e muito menos da Dora ou da Lene. Será que a Alice me deixou dormindo no colo da outra pessoa?

Aí meu Merlin! E se for um sonserino?

Relaxa Lily! Você esta no salão da grifinória impossível um sonserino estar aqui e ainda mais fazendo um cafuné tão gostou.

Certo, melhor não abrir os olhos por enquanto, antes de pelo menos ter certeza do que vou ter que encarar quando abrir meus olhinhos.

– Ela ainda não acordou? – escutei a voz da Lene.

– Pelo visto ela estava bem cansada. – escutei a voz do Sirius bem mais perto.

Pelo visto estou deitada no colo do Sirius.

– Trouxemos comida para os dois. – escutei o Remo bem mais próximo que o Sirius.

Melhor ainda, eu estou no colo do Remo. Pelo menos isso não é tão constrangedor.

Mas se ele trouxe a comida… Como ele estava aqui o tempo todo?

– Não acha melhor destrocarmos de lugar antes que a Lily acorde Tiago? – escutei a Alice perguntando.

Tiago?

Ai meu Merlin! Eu estou no colo do Potter!

Estou agarrando o Potter!

O lado bom é que ele não sabe que estou acordada. E quer saber? Eu não quero sair daqui tão cedo! Ele não precisa saber que eu sei, e quando eu levantar posso dar um escândalo e fingir que não gostei. Ele nunca vai desconfiar.

– Mas ela esta tão bem aqui comigo… – escutei o Potter reclamando.

– Se você ficar aí ela vai te matar quando acordar. Melhor não abusar da sorte. – escutei o Remo dizendo.

– Certo… Vocês venceram… Não quero morrer tão jovem! – ele disse já tentando tirar meus braços da cintura dele.

Certo… Sair ou não do colo dele?

Se eu sair vou acabar levantando e fingindo que nada aconteceu, se eu não sair vou poder aproveitar mais ele e depois posso fingir que nada aconteceu.

Vou ficar!

Agarrei ele com mais força ainda.

– Pelo visto ela gostou de ficar aqui comigo. – ele comentou voltando com as mãos para o meu cabelo.

– Ela esta dormindo… Não sabe o que faz. – escutei o Sirius respondendo e rindo.

– Inconscientemente ela sabe. – ele respondeu presunçoso.

– Ou ela pensa que esta agarrada com a Alice. – comentou a Dora pensativa.

– Gente! A Lily esta virando uma lésbica! – gritou o Sirius com uma voz de apavorado.

– Pare de drama e de gritos! – pediu o Potter parecendo irritado.

– Eu vou subir. Preciso pintas minhas unhas. – disse a Lene.

– Eu vou junto. Quero tomar um longo banho. – disse a Dora já se colocando de pé.

– Eu vou ver o Frank. – disse a Alice também de saída.

– Nos encontramos no café amanhã. – o Potter disse.

– Eu vou subir. Quero terminar a minha lição logo. – disse o Remo.

– Para Aluado! Temos que aproveitar o pouco tempo que temos até amanhã para ficar com alguém. – escutei o Sirius dizendo.

– Vai lá Sirius. E aproveite para passar e deixar a Lene te ver com alguém para você estragar as poucas chances que tem. – escutei a voz do Potter.

– E você? Ao invés de ir lá arrumar alguém para passar a noite você fica aí velando o sono da ruiva. Esta mais veado do que de costume.

– É cervo! Sem contar que eu gosto de ficar perto da Lily.

– Deixe ele em paz Almofadinhas. Não vê que ele quer aproveitar o pouco tempo que tem para ficar com a Lily? – escutei o Remo se intrometendo na conversa.

– Eu sei que a ruiva é bonita, simpática e tudo mais, mas não acha que esta exagerando não? – escutei o Sirius mais uma vez.

– Se fosse com a Lene aposto que você estaria no meu lugar. – escutei o Potter mais uma vez.

– Fiquem os dois discutindo que eu vou fazer o dever. – disse o Remo já se afastando.

A conversa esta ficando interessante.

Será que o Sirius vai confirmar as minhas suspeita de que esta caidinho pela Lene?

– Eu não estaria aí feito um bobo igual você! – respondeu o Sirius.

– Como se você não gostasse da Lene. – respondeu o Potter emburrado.

– Eu posso esquecê-la.

Bingo! Ele gosta da Lene! Ele gosta da Lene!

– Você é uma cabeça de vento Almofadinhas! Quando você vai parar de lutar contra e tentar conquistá-la?

– No dia em que a Lily dizer sim para você, ou seja, nunca!

– O meu caso com a Lily é totalmente diferente.

– Diferente… Claro! Você aceita que ela grite com você a ainda sai babando atrás dela. Eu amo a Lily… Ela é uma ótima amiga, mas você tem que ver que o que ela faz com você não é certo. Só por que ela é um pouco confusa ela não pode te tratar assim.

– É o jeito dela… E o assunto não era você e a Lene?

– Já cansei de falar de um futuro que não vai acontecer eu não vou deixar de ser eu mesmo para ficar com ela. Não vou mudar por ela. Ela tem que me aceitar do jeito que eu sou.

– Mas e se ela já aceitou? E se ela só esta esperando você tomar uma iniciativa? – perguntou o Tiago.

A Lene só não agarra o Sirius por que não sabe que ele gosta dela. Ô povo lerdo!

– Eu tomar a iniciativa e levar um fora igual você? Não obrigado!

– Seu cabeça dura, teimoso! – escutei o Tiago reclamando.

Logo tudo ficou quieto de novo. Pelo visto o Sirius foi embora e senti novamente a mão do Tiago no meu cabelo e logo o sono voltou.

Narrado por Tiago Potter

Assim que o sono começou a chegar eu tive que me levantar.

Peguei a Lily no colo e a levei para o quarto dela.

Pelo menos ser monitor tem essa vantagem: eu posso entrar no quarto das meninas!

Coloquei a Lily delicadamente na cama, tirei seu sapato e sua capa para deixá-la um pouco mais confortável.

Foi bom vê-la dormir tão livremente. Assim que ela se arrumou na cama já agarrou o ursinho marrom que tinha por ali e sorrindo levemente puxou o cobertor e virou para o outro lado.

Sai cuidadosamente do quarto e fui para o meu. Se tudo desse certo o dia seguinte seria muito bom.

Acordei com o Remo me chamando dizendo que eu já estava atrasado.

Resmunguei um pouco, mas logo já estava descendo as escadas para me encontrar com o pessoal.

Sorri para a Lily assim que a vi:

– Bom dia minha ruivinha! – eu disse sorrindo.

– Não enche Potter! – ela respondeu já mal humorada.

Não demorou muito e já estávamos saindo para ir para Hogmead.

Espero que o dia seja muito bom hoje.

– Relaxa Pontas… Eu tenho um plano! – me disse o Almofadinhas assim que descemos da carruagem.

Já vi que isso não vai acabar bem…

Narrado por Lílian Evans

Acordei de ótimo humor.

O dia pelo visto não seria muito agradável, afinal, quando eu acordo de bom humor não é um bom sinal…

– Até que enfim vocês acordaram… Vamos logo tomar café. Hoje tem passeio para Hogmead! – disse a Dora feliz da vida.

– Você só esta tão feliz por que vai ficar o dia inteiro do lado do seu querido Reminho. – brincou a Lene.

– Estou feliz por que vou ficar perto de todos os meus amigos! – retrucou a Dora mostrando a língua.

– Mas você sempre fica do lado dos seus amigos. Afinal nós somos o que? Suas inimigas? – brinquei.

– Não enche Lily. Pensa que não vimos quem te trouxe para o quarto? – me perguntou a Dora.

– Foi a Alice é claro. – eu respondi de imediato.

Elas não precisam saber que eu sei que foi o Tiago.

– Assim como foi a Alice que estava mexendo no seu cabelo ontem… – respondeu a Lene terminando de colocar a calça jeans.

– Mas é claro que foi! – respondi tentando parecer o mais convicta possível.

– Foi o seu querido Tiaguinho. – me disse a Alice saltitante.

– Claro… E eu estou namorando o Sirius. – eu disse revirando os olhos.

Até que namorar o Sirius não seria tão má idéia. Ele tiraria a Lene da cabeça dele e eu o Tiago.

Esquece Lily! Beijar o Sirius seria muito nojento. Ele é meu irmãozinho fofo!

– Esta agarrando o futuro namorado da Lene? Isso não se faz! – reclamou a Dora.

– Como se ela nunca tivesse beijado o Tiago. – respondi já começando a me irritar.

– Aquilo foi um grande acidente! – respondeu a Lene na defensiva.

– Estamos perdendo o rumo da conversa… Não estávamos tentando fazer a Lily ficar feliz da vida por que o Tiago a colocou para dormir? – perguntou a Alice sorridente.

– Ele só fez isso por que não teve muita escolha. – respondi irritada.

Ele não poderia ter me trazido!

As meninas vão ficar me irritando o dia inteiro.

– A outra opção era de levar para o quarto dele. Aposto que você iria gostar mais. Já pensou? Ao invés de agarrar o ursinho você o agarraria. – comentou a Dora pensativa.

– Ou ele me deixaria no salão comunal! – respondi irritada já descendo as escadas ara o salão comunal.

Assim que desci as escadas dei de cara com os marotos.

– Bom dia minha ruivinha! – me disse o Potter sorrindo.

– Não enche Potter! –respondi já mal humorada.

– Bom dia Lil. – me disse o Sirius sorridente.

– Bom dia Six! – respondi sorrindo gentilmente antes de sair do salão comunal.

– O que deu nela? – escutei o Remo perguntando.

Narrado por Tiago Potter

– O que deu nela? – o Aluado perguntou.

– O de sempre. – respondeu a Lene entediada.

– Tiago! – responderam todos, exceto eu.

– Mas eu não fiz nada! – respondi revoltado.

Mas ninguém nem fez questão de me disser o que eu fiz para irritá-la. Eles só se olharam e fomos para o salão principal.

O café da manhã ocorreu normalmente. Pelo visto a Lily já tinha perdido seu mal humor matinal.

– O que vamos fazer de bom em Hogmead? – perguntou a Minha ruiva pulando nas costas do Sirius assim que terminamos o café.

– Vamos derrabar a ruiva na neve. – respondeu o Sirius correndo com a Lily nas costas enquanto ela ria.

– Adoro quando ela sorri! – eu disse ara mim mesmo.

– E eu adoro quando você perde para mim em uma corrida. – me disse a Lene já correndo na minha frente atrás do Sirius e da Lily.

– Ei! Isso não valeu! – eu gritei indo atrás dela.

– E lá vamos nós cuidar dessas crianças. – escutei o Remo dizendo enquanto começava a correr atrás de nós.

Eu estava quase alcançando a Lene quando ela parou e eu cai em cima dela.

– Demorou para beijar. – disse a Alice rindo.

– Não incentiva Lice. – escutei o Frank dizendo e segurando o riso.

– Eles não sabem beijar. Olhem e aprendam. – disse o Almofadinhas jogando a Lily para trás e se inclinando sobre ela.

E eu me desequilibrei e acabei caindo em cima da Lene.

– Ti, você é uma gracinha, mas vai me esmagar. – a Lene me disse me empurrando.

Nisso o Sirius já se aproximou da Lily e grudou seus lábios na mão dele que estava na boca da Lily.

– Um beijo de novela. – brincou a Lily rindo.

– Vocês são malucos! – escutei o Aluado dizendo e rindo.

Aproveitei a deixa e me levantei puxando a Lene.

– Mais um pouco e eu virava geléia. – reclamou a Lene limpando a roupa.

– Por que não vamos indo? – perguntou a Alice já subindo em uma carruagem. – Vem amor. – ela completou já puxado o Frank.

– E cadê o Pedro? – perguntou a Dora.

– Ficou dormindo. Disse que vinha mais tarde. – respondeu o Aluado já subindo na carruagem.

– Nos vemos lá. – disse a Dora subindo também e logo a carruagem deles começou a andar.

– E sobramos de novo! – reclamou a Lene.

– Eu e o Potter estamos sobrando. Você e o Sirius podem ir se agarrando no caminho. – disse a Lily antes de subir correndo na carruagem para fugir do Sirius e da Lene.

Eu adoro essa ruiva!

Durante o caminho fomos conversando sobre coisas banais, a Lily e a Lene estavam realmente empolgadas e o Almofadinhas não me engana… Aquele cara dele mostra que ele esta aprontando alguma coisa!

– Enfim chegamos! – disse a Lene já descendo da carruagem e indo se encontrar com os outros que nos esperavam.

– Para onde vamos primeiro? – perguntou a Dora.

– Eu voto pela livraria. – respondeu a Lily na mesma hora.

– Eu concordo. – comentou o Aluado.

– Pode ser. – eu disse dando de ombros.

Melhor concordar com a ruiva.

– Pode até ser, mas só se prometerem que vamos comprar doces depois. – sugeriu a Alice.

– Eu gostei da idéia. – respondeu o Frank sorrindo.

Claro que ele gostou da idéia… Se ele não concordasse a Alice iria fazer picadinho de Frank.

– Ok! Fechado! – respondeu a Dora.

– Fazer o que… A livraria então… – disse a Lene desanimada.

– E é para o bem da nação… Vamos a Floreios e Borrões. – disse o Almofadinhas fazendo as meninas rirem.

Certo, até que na livraria não foi tão ruim assim. O Aluado e a ruivinha ficaram para lá e para cá procurando livros, já o resto de nós, pessoas normais ficamos olhando a seção de quadrinhos, claro tirando o Almofadinhas que ficou revoltado por que não tinha uma seção de revista de mulher pelada.

– Isso é um absurdo! Como em uma livraria não tem livros educativos sobre as mulheres? – ele perguntou revoltado.

– Educativo sobre as mulheres? Não acredito que ouvi isso! – reclamou a Lene rindo.

– Estamos em um lugar onde podem entrar menores de idade Sirius. – comentou a Alice entediada.

– Mas isso é um absurdo. Só por que aqueles pivetes não podem ver uma mulher sem roupa eu vou ter que me privar disso? – ele perguntou revoltado.

– Pelo menos já sei o que te dar no natal. – reclamou a Lily assim que saímos da loja.

– Você nos fez pagar o maior mico! – reclamou a Dora envergonhada.

– Vocês não viram nada. – eu comentei segurando o riso.

– Pelo menos ele não achou a revista ou aí sim teríamos problemas. – comentou o Remo rindo.

É… Já imaginei o Almofadinhas andando para cima e para baixo com a revista aberta e querendo nos mostrar e comentar sobre cada parte de cada mulher da revista. Seriamos expulsos de lá!

– Loja de doces? – perguntou a Alice empolgada.

– Loja de doces! – afirmou a Lene pulando do meu lado.

– O Pedro iria gostar dessa parte. – comentou a Dora rindo.

– Pegamos um pouco para ele. – sugeriu o Aluado.

Que coisa mais melosa… Por que o Aluado não se declara logo? Que palhaçada!

– Até que concordamos em alguma coisa. – comentou a Lily.

A minha ruivinha estava do meu lado… E por livre e espontânea vontade!

– Claro que concordamos… Nós somos almas gêmeas… Mas com o que você esta concordando comigo? – perguntei lançando o meu melhor sorriso.

– Não começa Potter! – ela reclamou revirando os olhos. – Estou falando quanto ao Remo ser muito lerdo com relação a Dora. Poderíamos ajudar os dois.

– E o que essa cabecinha ruiva esta pensando?

– Não sei. Quem é bom com planos são vocês. – ela disse dando de ombros antes de entrar na loja para comprar doces.

Eu já falei que adoro a “dedos de mel”?

– Estavam se dando bem? – me perguntou o Frank parando do meu lado enquanto olhava as meninas brigando por causa de um pirulito.

– Larguem esse pirulito! Ele é o último e vai ser meu! – reclamou o Sirius entrando na briga também.

– Ela me ama. – respondi para o Frank.

– Sei! – ele respondeu duvidando. – Então… Qual o plano de hoje?

– Devolve Sirius! – escutamos a voz das meninas misturadas.

– Eu consegui! Ele é meu! – o Almofadinhas disse antes de sair correndo pela loja.

– Eles não vão parar tão cedo. – disse o Aluado se juntando a nós.

– É bom… Ela fica linda correndo desse jeito. – respondi observando a Lily ficando vermelha por causa do esforço.

– Frank eu quero aquele pirulito! – reclamou a Alice.

– Acho que você vai ter que arrumar um pirulito para ela. – comentou o Aluado rindo.

– Mas eu sou mais esperto que eles. – disse o Frank rindo e indo até uma funcionária.

– Não vai pegar nenhum doce Pontas? – me perguntou o Aluado.

– Já peguei! – eu disse mostrando a pequena cesta de doces na minha mão.

– Aposto que a maioria é para a Lily. – ele deduziu rindo.

– Esse é. – eu disse mostrando o pirulito que ela queria.

– Como conseguiu? – me perguntou o Aluado espantado.

– Peguei o penúltimo. – respondi dando de ombros.

Não demorou muito e a briga do pessoal terminou. Quem ficou com o pirulito foi o Sirius, que deu para a Lene. O Frank não conseguiu nada com a vendedora, parece que realmente aquele era o último.

Narrado por Lílian Evans

Não acredito que eu não fiquei com aquele pirulito. Ele parecia ser tão bom.

– E aonde vamos agora? – perguntou a Lene já comendo o pirulito dela.

– Já esta na hora do almoço. Podemos ir para o três vassouras. – sugeriu o Remo.

– Deve estar lotado! – reclamou a Dora desanimada.

– Mas estamos com eles, e eles conseguem bons lugares. – a Alice nos disse sorrindo.

– O que estamos esperando? – perguntei abraçando o Sirius pela cintura.

– Você quer que eu morra Lil? – ele me perguntou assim que nos afastamos do resto do pessoal.

– Por quê? A Lene é que vai me matar por que estou agarrando você. – eu respondi sorrindo.

– Ou o Pontas me mata por agarrar você! – ele me respondeu sorrindo malicioso.

– Eu gosto do perigo. – respondi rindo.

– Esse é a minha irmãzinha! – ele respondeu me pegando no colo e saindo correndo para o bar.

– Já tem alguma idéia para a nossa diversão na parte da tarde? – perguntei assim que ele me colocou no chão.

O Six sorriu maliciosamente. É! Ele tem um plano.

Entramos no bar e eu pude ver a bagunça que estava ali. Claro que não tinha ninguém de pé, tinha uma fila do lado de fora que é onde nós resolvemos ficar por um tempo, mas estava muito lotado!

– Vamos arrumar uns lugares. – disse o Sirius puxando o Tiago para dentro de bar.

– Eles não vão flertar com ninguém para conseguir um lugar, não é? – perguntou a Lene.

– Vão. – respondeu o Remo como se isso não fosse nada.

Eles foram flertar!

Como o Potter é cara de pau! Diz que me ama e vai flertar com a primeira vaca que encontra.

– Não acredito que eles vão nos deixar aqui! – reclamou a Lene.

– Eles só foram conseguir bons lugares. – respondeu a Alice sem se importar.

– Eles deveriam conseguir isso honestamente. – respondi cruzando os braços.

– Mas é honestamente! – comentou o Frank.

– Pelo menos o Remo é descente e esta aqui. – disse a Dora dando de ombros.

– Ele só esta aqui por que é tímido de mais para nos ajudar. – respondeu o Sirius já voltando.

– Aposto que não conseguiram lugares. – eu disse vitoriosa.

– Conseguimos, mas o lugar era ruim, então vamos esperar uns cinco minutos para que o lugar que queremos seja desocupado. – respondeu o Sirius me abraçando pelos ombros.

– Conseguiram o lugar e dispensaram?- perguntou a Dora revoltada.

– Claro. O lugar era perto da porta. Muita gente! Todos iriam ficar passando e escutando a conversa. – respondeu o Tiago dando de ombros.

– Mas não foram vocês que ficaram aqui. Não perceberam que esta nevando? – perguntei irritada.

– Vem aqui que eu te esquento ruivinha! – me respondeu o Potter com aquele sorriso safado dele.

– Não começa Potter! – respondi irritada com ele.

Soltei do Sirius e foi abraçar a Lene para me esquentar.

Não vou me esquentar com o Sirius, apesar dele ser bem quentinho, mas é culpa dele que estamos congelando aqui fora.

Não demorou nem cinco minuto e senti alguma coisa na minha nuca.

– Fica com ele. – me disse o Potter sorrindo gentil.

Ele estava sendo gentil!

Percebi que era o cachecol dele que estava no meu pescoço agora. E era muito gostoso, quentinho e com um cheiro maravilhoso.

Sorri em resposta e resolvi não dizer nada.

Se eu agradecesse era capaz dele se sentir e estragar a paz.

– Sirius! Tiago! – apareceu uma moça os chamando na porta do bar.

– Nossos lugares já estão disponíveis. – respondeu o Sirius feliz.

– Eu ainda quero aprender a fazer isso. – comentou o Frank rindo.

– Não queira aprender. – respondeu o Remo.

– Então quer dizer que o nosso Reminho também sabe flertar? – perguntou a Lene rindo.

– Claro que ele sabe. Só o Pedro que ainda não aprendeu! – respondeu o Tiago nos guiando até a mesa.

– O Aluado é pior que nós… Ele com essa carinha de tímido é um imã para mulheres. – respondeu o Sirius sorrindo malicioso.

– Vocês conseguiram os nove lugares e todos aqui? – perguntou o Frank impressionado.

Realmente os lugares eram muito bons. Lá no fundo do bar, onde não tinha quase ninguém, por que era a área privada, tinham duas mesas juntas com nove cadeiras, perto da pequena lareira que aquecia o lugar.

– Isso que é lugar! – comentou a Dora já indo de sentar.

O único problema era a disposição das cadeiras. Estavam todas em duplas. Duas de costas para a janela, duas de costas para a lareira, duas de frente para a janela e mais próximas do corredor, duas de frente para a lareira e uma na quina da mesa.

– Achamos que o Pedro não iria vir tão cedo, então deixamos a cadeira dele ali. – comentou o Sirius quando viu que meus olhos voaram para a cadeira na quina da mesa.

– Se arrumarmos as cadeiras de outro jeito cabe muito bem a cadeira do Pedro. – respondi.

– Não é necessário. – respondeu a Alice não sentando na cadeira de costas para a janela e arrastando o Frank com ela.

– Eu estou com frio! – disse a Lene se jogando na cadeira perto da lareira.

E é claro que o Sirius sentou com ela.

Eu tinha poucas opções. Ou sentava do lado da Dora que ainda estava sozinha na cadeira de frente da Lene, ou me sentava com o Remo ou com o Potter nas duas cadeiras vagas.

É claro que eu corri para a cadeira ao lado da Dora, mas alguma coisa entrou no meu caminho e eu quase cai de cara no chão.

– Cuidado ruiva! – pediu o Tiago me segurando e impedindo a minha queda.

Vi a Lene dando um sorrisinho. Já sei que não era alguma coisa… Eu com certeza tropecei no pé da Lene.

Quando dei mais uma olhada o Remo já estava sentado do lado da Dora e restavam três lugares vagos na mesa. A cadeira que estava excluída e duas cadeiras juntas.

O que é menos pior? Sentar sozinha e em um lugar que vai ficar horrível para comer ou do lado do Tiago?

Narrado por Tiago Potter

Assim que vi os olhos da Lily focando a cadeira ao lado da Dora já vi que teria que sentar com o Remo e aquela seria uma longa tarde!

Mas como eu tenho muita sorte e bons amigos a Lene colocou o pé no caminho da Lily que não viu e quase caiu de cara no chão, mas como bom cavalheiro que sou eu logo tratei de não deixá-la cair a agarrando pela cintura.

A única coisa que me atrapalhou foi à blusa grossa da Lily me impedindo de sentir a pele dela.

Ela corou e deu um sorriso sem graça.

Adoro quando ela fica corada.

E aproveitei que ela estava distraída e fui logo empurrando o Remo para perto da Dora, pelo menos ele entendeu o recado e foi logo se sentando.

Soltei a Lily depois de alguns segundos para que ela pudesse ir se sentar e para que eu não perdesse o pouco de autocontrole que tenho e a beija-se.

Vi seus olhos focando na cadeira que separamos para o Pedro. Ela não pode fazer isso comigo! Depois de tudo que passei para conseguir esses lugares, depois de todo o charme que tivemos que jogar na garçonete para que ela arrumasse as cadeiras assim…

Percebi que todos estavam olhando da Lily para mim. A Lily não pode fazer isso comigo!

Senti um grande alivio ao ver a Lily ir cambaleando para a cadeira vazia e que eu poderia sentar ao seu lado.

Vi a nossa disposição. Eu do lado da Lily, que estava do lado do Sirius, que estava junto com a Lene, que estava do lado do Frank, que estava abraçado na Alice, que estava sorrindo para a Dora que estava olhando timidamente para o Remo que estava do meu lado.

Espero que o Pedro resolva dormir o dia inteiro!

– Já podemos pedir? A comida vai demorar uma eternidade para ficar pronta. – comentou a Dora sorridente.

Aposto que ela esta feliz assim por que esta sentada ao lado do lerdo do Aluado.

– Vou chamar a garçonete. – disse o Sirius já se colocando de pé.

Logo todos já haviam pedido a comida e voltamos às conversas sem fundamento.

– Onde vocês vão passar as férias de Natal? – perguntou o Aluado.

– Aqui com toda a certeza! – respondeu a Lily na mesma hora.

– Por quê? – perguntou o Almofadinhas.

– Petúnia vai se casar. – ela respondeu dando de ombros.

– Com aquele bobo-fofo? – perguntou a Lene horrorizada.

– Isso mesmo. Vou ficar aqui por que eles vão estar muito preocupados com o casamento e eu não pretendo escutar a Petúnia mais histérica do que ela já é normalmente.

– Poderíamos ir ao casamento com você se isso te deixa mais feliz. – sugeriu a Alice sorrindo.

– Até que não é má idéia! – respondeu a ruivinha feliz. – Mas vocês terão que dispensar um final de semana.

– Por mim não tem problema. – respondeu o Almofadinhas sorridente.

– Você não foi convidado Sirius. – respondeu a Lene rindo da cara dele.

– Eu serei o acompanhante da ruivinha. – ele respondeu dando de ombros.

– Mas é claro que o Six vai. Quem mais poderia zoar a Petúnia? – perguntou a minha ruivinha rindo.

– Ei! Eu sempre te ajudo com esse trabalho. – respondeu a Lene fazendo bico.

– Eu já dei várias idéias. – disse a Alice sorrindo maliciosa.

– Mas as suas idéias nunca foram usadas. – reclamou a Dora.

– Mas poderiam ser usadas no casamento. Aposto que ela iria ficar morrendo de inveja. – respondeu a Alice dando de ombros.

– Podemos saber do que se trata? – perguntei curioso.

– Eu dei a brilhante idéia para a Lily dela arrumar um namorado lindo, gostoso, inteligente, e rico para mostrar para a Petúnia que ela não é uma anormal, como a Petúnia diz. – respondeu a Alice.

Um namorado? Onde a Alice esta com a cabeça?

A Lily não pode arrumar um namorado.

– Mas a Lily nunca aceitou. – completou a Dora sorrindo para a Lily suspeitamente.

– E onde ela arrumaria um namorado assim? Alias, onde um cara iria aceitar finguir que é namorado dela? – perguntou o Frank.

– Eu conheço uma pessoa. – respondeu a Aluado.

Ótimo! Estão todos conspirando contra mim. Onde já se viu arrumar um namorado para a Lily? Mesmo que de mentira! Já pensou se ela gosta e resolve ficar com o cara? Não vou deixar isso acontecer!

– Vamos mudar de assunto? – perguntou a Lily irritada.

– E onde o resto das beldades vão passar as férias? – perguntou o Almofadinhas.

– Com a Lily. – respondeu a Lene sorrindo para a ruiva.

– Eu também. – respondeu a Dora também sorrindo.

– Eu vou para a casa do Frank. – respondeu a Alice sorrindo para o namorado.

– Ela vai finalmente conhecer os meus pais. – ela explicou feliz.

– Vai conhecer os sogros? Coitada! – comentou o Almofadinhas.

– Por quê? – perguntou a Dora.

– Eu nunca faria uma maldade dessas com a minha namorada. Minha mãe é uma pessoa que ninguém deveria conhecer.

Eu olhei para ele e logo caímos na risada. Lembro-me claramente dos gritos daquela velha sapa.

– A não ser que eu apresentasse os pais do Pontas ao invés dos meus. – ele completou pensativo.

– Por quê? Os pais do Tiago são tão legais assim? – perguntou a Alice.

– O tio James e a tia Sara são mais que legais. – comentou a Lene sorrindo.

Meus pais são de mais!

– Meus pais também são legais! – reclamou o Aluado.

– Seus pais são engraçados Aluado. Sua mãe é trouxa e seu pai um bruxo. Eles me fazem rir.

– Ei! Eles são só um pouco atrapalhados.

– Claro.. Imagino sua mãe fazendo comprar com o seu pai. – eu disse antes de cair na risada junto com o Sirius.

– Eles devem se amar muito. – comentou a Dora.

Ela realmente ama aquele lobo!

– Igual aos meus pais! – disse a Alice e a Lene ao mesmo tempo.

– Os seus pais só vivem viajando Lene. – eu comentei.

– Mas eles não deixam de ser legais. – ela disse sorrindo.

– Melhor que o pai da Lily que é ciumento. – respondeu a Lene dando de ombros.

– Mas a mãe da Lily é muito legal. – comentou a Dora sorrindo.

Pelo visto vou ter problemas com o meu sogro quando eu for apresentado a ele.

– Mas vocês ainda não falaram onde vão passar as férias de natal. – disse a Lily cortando o assunto sobre os pais.

Pelo visto falar sobre os pais dela não era muito bom.

– Ainda estamos vendo. – respondi olhando para os marotos.

Já que elas vão ficar, nós poderíamos ficar para fazer companhia.

– Estamos pensando… – comentou o Sirius já entendendo o meu olhar.

– Eu ainda não sei. Acho que vou para casa. – disse o Remo pensativo.

– Ele fica se nós ficarmos. – eu expliquei para elas.

– E pelo visto vamos ficar. – respondeu o Sirius sorrindo debochado.

– Eu sou a favor. – respondi sorrindo.

– Já pediram meus amores? – perguntou a garçonete parando ao nosso lado.

– Já sim. – respondi sorrindo galante.

Vi a Lily fechar a cara do meu lado, e revirando os olhos. Aposto que ela ficou com ciúmes!

Narrado por Lílian Evans

O lá vem garçonete com metade dos peitos para fora.

Ela não sabe que se usa o sutiã no tamanho certo e não um número menor?

– Já pediram meus amores? – perguntou a garçonete parando ao nosso lado.

Ela esta sorrindo de mais para o Sirius e para o Tiago. Com todo certeza essa é a garçonete que eles estavam flertando. Que horror!

Ok! Ela é bonita! Cabelos castanhos e ondulados caindo nos ombros, os olhos são bem escuros, ela deve ser poucos centímetros mais alta que eu, tem alguma curvas, mas ela definitivamente não sabe se vestir.

A blusa esta apertada de mais e a saia curta de mais. Se o avental fosse um pouco maior acho que a saia não apareceria. Ridícula!

– Já sim. – respondeu o Tiago sorrindo.

Eu conheço esse sorriso! Ele esta paquerando essa coisa.

Ela deve ter idade para ser a mãe dele. Eca!

– Querem um petisco enquanto a comida não fica pronta? – perguntou ela sorrindo ainda mais.

Olhei para a Lene para ter certeza que ela também viu os olhares que essa coisa esta dando para o Sirius e para o Tiago, e sim ela viu. A cara contorcida dela não me engana.

– Não é necessário! – respondeu a Lene rispidamente.

Eu falei que ela não estava gostando.

Cap anterior – Próximo Cap – Menu


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

2 thoughts on “A casa dos Gritos – Cap 3

  • bruh prongs

    oie!

    amei o cap!

    uia .. os dois ficaram brincando no lago ! k

    nussa o jay tá tão pervo! olhandoas blusas tranparentes da lyly… ai ai…

    k

    amei o cap!
    PLIS PLIS PLIS ! poste logo!
    vc tá me matando de curiosidade viu?
    postapostaposta!

    Bjinhuss

    MFF

    [Responder]

  • Esther Mara

    Gente, que delícia o final desse capítulo!
    No iníco achei que enrolou um pouco, e também faltou falar o quento ela deveria se sentir adulada por ele ter pago o mico por causa dela! Ea realmente devia ter ficado toda empolgada!
    Amei que ele jogou ela no lago!
    Foi uma lindeza!
    Beijos

    [Responder]