Cap 2) O plano 1


Hoje faz exatamente uma semana que voltamos para Hogwarts e estamos começando o último ano na escola… Isso não é bom? Estou nas nuvens!

Meu dia não começou muito bem. Remo me acordou como de costume, só que dessa vez ele foi mais esperto que eu, sinto admitir isso, mas ele foi…

Acontece que ontem eu coloquei um feitiço na minha cama, para quando o Remo fosse me acordar o feitiço rebatesse nele, como geralmente ele tenta me acordar com um balde de água fria ou com o feitiço levi corpus, quem ia sair molhado ou ia ficar de ponta cabeça ia ser ele, mas meu plano perfeito foi por água a baixo.

Eu acordei com um troço tocando no meu ouvido. Remo disse que se chama desprevador…

Despertador Pontas…

Esse troço aí… Ele ficou fazendo um barulho infernal que só parou quando eu levantei, mas pude ouvir o tal do despertador na cama do Almofadinhas, que tentava abafar o som com um travesseiro, e um na cama do Rabicho que já estava com a bunda no chão, do tombo que levou com o susto.

Eu amei a minha idéia

Fingindo que o Remo não me interrompeu… Fui já de mau humor para o banheiro e tomei um longo banho, só sai do chuveiro quando escutei o Almofadinhas quase derrubando a porta…

– Abre logo essa porta Pontas… Eu quero tomar banho! – gritava meu amigo cachorro.

– Já vou… – gritei de volta, mas não desliguei o chuveiro.

– Se não sair logo vou falar para a Lily que você dorme abraçado a um ursinho de pelúcia que tem o nome dela.

Abri a porta no instante seguinte e vi um sorriso se formar nos lábios daquele cachorro.

– Eu não durmo com ursinho nenhum. – respondi assim que abri a porta.

– Eu sei, mas ela não sabe! – respondeu o Almofadinhas me empurrando e entrando no banheiro. – Você fez do banheiro uma piscina… Está virando um veado aquático? – gritou ele já de dentro do banheiro.

– Veado aquático! – repetiu Rabicho se acabando de rir na cama dele.

Eu virei à cara e nem me dei ao trabalho de responder.

Terminei de me arrumar e ficamos esperando o Rabicho se aprontar.

– O que vamos fazer para o Ranhoso essa ano? Precisamos bolar algo bem legal de despedida. – disse Almofadinhas pensativo.

– Tem que ser algo muito bom… Algo que ele nunca se esqueça… – completei com um dos meus famosos sorrisos marotos.

– Parem os dois… O ano mal começou e vocês já querem aprontar… Não se esqueçam que agora eu sou monitor chefe e não vou facilitar para vocês… – disse o Remo sério.

Dá para acreditar que ele disse isso? Quando eu digo que ele é a desgraça dos marotos ninguém acredita…

– Você deveria é os ajudar… Com a influência que você tem, nós nunca mais levaríamos detenção… – eu disse feliz da vida, quem sabe ele não me escutasse.

– Ficou maluco Pontas? Eu nunca vou encobertar uma mentira de vocês… Principalmente tendo a Lily como parceira.

– Já estão assim? Parceiros? – perguntou Almofadinhas zombando. – Cuidado Pontas… Logo ele vai querer roubar a ruiva de você!

– Não é bem assim… Eu nunca ia querer tirar a Lily do Pontas… – começou Remo meio atrapalhado enquanto que eu fechava a cara. – Você sabe não é?

– Confio em você Aluado. – respondi simplesmente, mas o sorriso do Sirius não murchou.

– Nunca confie num lobo meu caro Pontas…

Nesse instante o Rabicho já estava quase pronto…

– Vamos descer… Estou morrendo de fome e não quero perder o café da manhã.

– Antes eu preciso dar uma noticia para vocês… – disse o loiro olhando apreensivo para nós.

– Pois fale logo Aluado… – eu disse já me levantando para descer.

Remo ficou enrolando, então fomos descendo as escadas.

– Cadê o meu anjo ruivo? – perguntei assim que não vi aqueles cabelos ruivos no salão comunal.

– Era exatamente sobre isso que eu queria falar…  – se pronunciou Remo.

– Pois diga logo e pare de enrolar! – pediu Sirius sem tirar os olhos da Lene que lia um livro em uma das poltronas.

– A Lily,assim como eu, ganhou um outro dormitório, então ela, assim como eu não vamos mais dormir lá em cima e sim no dormitório dos monitores aqui em baixo. – disse ele mostrado uma porta escondida em baixo das escadas

Ficamos em choque alguns minutos. Só percebi o que se passava quando vi o Aluado sacudir a mão freneticamente na nossa frente…

– O que? – perguntamos eu e Sirius no mesmo instante já gritando e chamando a atenção de todos os presentes.

– Isso mesmo. Não vou mais dormir no dormitório com vocês… Vou ter que ficar no dormitório dos monitores.

Rabicho deu de ombros. Ele nem parecia saber o que estava acontecendo, estava mais concentrado na rosquinha de uma primeiroanista do que na conversa.

– Você não vai nos abandonar, vai? – perguntou o Sirius.

– Não vou abandonar. Só vou mudar de dormitório. Só posso dormir lá com vocês nas minhas noites de folga, resumindo, duas vezes por semana. – respondeu Remo ainda nos encarando.

– Você e essa maldição. Como você foi virar monitor? Por que não renuncia? Por que não diz a Dumbledore que não quer ser monitor? – perguntei já gritando de raiva.

– Além de ser um tonto de um monitor ainda por cima não vai mais ficar no dormitório. Quem vai me acordar na hora? Quem vai me passar às respostas? Quem vai ficar atrapalhando os nossos planos contra o ranhoso dizendo que não vai dar certo? Quem? – perguntou Sirius irritado andando de um lado ao outro gritando.

– Vou continuar fazendo tudo isso. Só não vou mais dormir no mesmo dormitório que vocês. Parem de drama… Não é tão mal assim.

– Não é tão mal? Renuncia logo Remo. Não agüentamos mais. – eu disse irritado.

– Não vou renunciar Tiago, e nem vem Sirius. – disse ele quando Sirius abriu a boca para protestar. – Nada vai mudar. Vamos continuar sendo amigos do mesmo jeito. Parem com isso.

– Por que não contou antes? – perguntei.

– Por que sabia que vocês iriam dar esse escândalo, então fui adiando…

– Você deveria ter contado! – gritamos Sirius e eu.

– Mal acordaram e já estão fazendo escândalos? Potter, Sirius… Querem deixar o coitado do Remo em paz? – perguntou Lily surgindo da porta em baixo da escada.

– Agora não é hora para sermão Lily! – disse Sirius irritado.

– Bom dia para você também ruivinha! – eu disse com um sorriso que encanta todas as mulheres.

Exceto a ruiva

– Eu estou com fome! – a voz do Rabicho se fez presente pela primeira vez.

– Vamos comer. Deixem esse traidor monitor-chefe aí. – disse o Sirius realmente aborrecido.

– Como você agüenta isso? – ouvi a voz da Lily perguntar para o Remo antes que nós saíssemos do salão comunal.

Sérios, fomos Sirius e eu de cara fechada tomar o café. O único barulho entre os marotos era o som do Rabicho comendo, ele come feito um porco, mas enfim…

Ainda não acredito que o Remo vai nos abandonar…

Eu estava pensando nisso quando o Sirius resolveu cortar o silencio:

– Não acredito que o Aluado vai fazer isso…

– Nem eu. Aquele lobo passou dos limites… – eu disse e vi Sirius concordar com a cabeça.

– Vamos falar com a Mcgonagall agora mesmo! – eu disse já me levantando.

– Melhor falar com o Dumbledore. – disse o Sirius decidido.

– Não acham que estão indo longe de mais? – perguntou o Rabicho parando de comer por alguns segundos.

– Não! – respondemos juntos antes de sairmos andando.

Passamos pelo Remo que estava conversando animadamente com a minha ruiva e com a Lene. Passei de vagar e escutei um pedacinho da conversa:

– Mas eles não podem agir assim com você só por causa disso… – disse Marlene parecendo irritada.

– Os dois são assim. Logo eles voltam ao normal. – respondeu Remo.

– Você deveria parar de andar com eles… Eles são muito crianças Remo! – disse a minha ruiva… Tenho a leve impressão que falavam de mim.

– Eles são ótimos amigos Lily. E confio muito neles e…

Não escutei o resto. Por mim eu teria ficado ali escutando a conversa, mas ficaria muito obviou, então deixei a curiosidade lá, e fiz uma anotação pessoal: perguntar por Remo que fim deu aquela conversa quando voltássemos a nos falar.

Fomos até a sala do diretor, ou melhor, até a entrada a sala. Quando nos deparamos com a gárgula que marca a entrada nós lembramos que não tínhamos a senha para entrar.

– Você sabe a senha? – perguntei para o Sirius que parecia ainda mais aborrecido.

– Não e você? – perguntou ele irritado.

– Também não… – respondi tentando deixar o nervosismo de lado.

– Vocês não deveriam estar na aula? – nos perguntou um senhor de óculos em um dos quadros.

– Ai meu Merlin! É aula da Mcgonagall, ela vai nos matar! – gritamos antes de sair correndo rumo à sala de transfiguração.

Chegamos à sala e como de costume, nos atrasamos. Todos já estavam sentados. Pelo visto a aula ainda não tinha começado, mas a professora já estava rabiscando algo no quadro.

Entramos de fininho tentando não fazer barulho, mas nada escapa aos ouvidos da nossa querida vice-diretora.

Puxa saco!

Sirius adora interromper os meus pensamentos…

Mcgonagall virou e nos viu, fez aquela cara como quem diz: “Estão encrencados”.

– Atrasados de novo! Entra ano e sai ano e vocês dois não mudam. Quando vão aprender?

Ficamos calados. Não somos doidos ainda para responder a fera.

– Já é a terceira vez nesse ano e só tivemos quatro dias de aulas. O que estavam fazendo? Não vão dizer que perderam a hora por que os senhores Lupin e Pediggrew estavam aqui na hora.

– Não nos acostumamos ainda com o novo horário e acabamos indo para a sala de poções, como era a nossa primeira aula na segunda feira ano passado. – respondeu o Sirius com a maior cara de pau.

Como ele pode acreditar que a Mcgonagall ia cair nessa?

E o pior… Ela caiu…

– Podem se sentar, mas espero que tenham mais cuidado da próxima vez. Olhar o horário antes de sair do dormitório é uma boa opção.

A sala inteira se matou de rir. A não ser a minha ruiva que olhava indignada para a professora e o Remo que balançava a cabeça negativamente. Ele sabia que aquilo do horário era pura invenção.

Pelo menos um pouco de sorte eu tive. Só restavam dois lugares… Ao lado da minha ruivinha que infelizmente estava na primeira carteira (como sempre) e ao lado da Lene que estava na ultima batendo papo com um garoto da Grifinória que estava na frente dela.

Já olhei para o Sirius pedindo ajuda. Ele abriu um sorriso pelo canto dos lábios e correu para sentar com a Lene, murmurou um:

– Prefiro a maluca da Lene do que a esquentada da Lily! – murmurou antes de correr e sentar com a Marlene que o recebeu com um sorriso.

Tentei disfarçar o sorriso que surgiu ao ver que o único lugar vago era ao lado da ruiva. E melhor ainda… Ela não poderia gritar comigo durante a aula.

– Posso me sentar contigo Lírio? – perguntei o mais gentil que consegui.

– Infelizmente não tem outro lugar para você s sentar Potter. – respondeu ela depois de constatar que não havia mesmo outro lugar.

– Obrigado.

– E é Evans para você Potter. – ela me disse em um cochicho irritado.

– E para você é Tiago. – respondi.

Como eu adoro irritá-la.

Isso todos sabem… Pare de enrolar e continue contando a história…

Pela primeira vez vou ter que concordar com o Almofadinhas…

– Não enche Potter! – disse visivelmente tentando não gritar, mas sua voz ainda assim não passou despercebida pela professora que falava sem parar.

– Senhor Potter, será que pode parar de perturbar sua colega e nos dizer como qual feitiço usamos para transformar objetos de madeira em objetos de ferro?

Entrei em pânico… Finalmente a Minerva tinha perguntado alguma coisa que eu não sabia responder e eu não poderia admitir isso. Então olhou suplicante para a Lily, que estava com um sorriso enorme no rosto, moveu os lábios sem emitir som “Quero ver você responder essa”, foi o que ela me disse, e ela tinha razão eu não tinha o que responder, então apenas sorri para a professora e passei as mãos no cabelo.

– Estamos esperando a resposta senhor Potter! – disse a severa a minha frente.

Olhei mais uma vez pra Lily, ela murmurou algo como: “Se não me perturbar na aula eu te conto”, fiz que sim com a cabeça e logo já sabia a reposta da lição e todos já estavam me aplaudindo e eu fazendo sinal de vitória. A Mcgonagall me olhou com um olhar do tipo: “Como você conseguiu?”, eu não disse nada, só voltei a me sentar ao lado da Lily de boca fechada e a professora voltou a dar a aula…

– Como nosso amigo Potter nos disse…

Daí em diante não escutei mais, por que pela primeira vez na minha vida a Lily foi falar comigo por livre e espontânea vontade:

– Você deveria prestar atenção nessa aula, ela vai cair nos NIEN’s. – ela me disse com um leve sorriso.

Eu simplesmente sorri. Nada me veio na mente para responder.

Se você respondesse poderia estragar o momento!

Esses marotos não me deixam escrever minha história em paz… Agora é o Remo me atrapalhando… Voltando… A aula foi até que interessante, tirando a parte que eu tive que ficar calado prestando atenção. Dá para acreditar que prestei atenção na aula inteira? O que eu não faço por aquela ruiva…

Só espero que ela tenha notado meu esforço para prestar atenção por que ela me pediu…

Ela percebeu… Ela me disse algum tempo depois

Viu como é bom ter um amigo que também é amigo dela?

Só fala comigo por que sou amigo dela? Bom saber…

Esse Remo não tem jeito… Será que dá para me deixarem escrever em paz?

Não consigo evitar Pontas… É tão legal te atormentar… Por que você não pula essa parte chata a história e vai direto ao nosso plano?

Você é muito intrometido Almofadinhas… Vou contar o que eu acho que devo contar…

Mas ninguém quer saber se você prestou atenção na aula ou não… Eles querem saber sobre o plano… Você reparou que o nome do capitulo é “O plano?”

Certo… Vocês venceram… Vou pular um pouco a minha narrativa. Todos já sabem mesmo sobre as minhas brigas e da Lily, mas eu tinha que contar o primeiro sorriso que a Lily me dirigiu em toda a minha vida não é? É uma coisa inédita… Geralmente eu só recebo “elogios”, mas nunca um sorriso e…

Fica quieto Pontas! Não queremos saber o que você acha. Queremos saber da história…

Esses marotos me odeiam… Esta bem… Não precisam me interromper de novo. Voltando a minha narrativa:

Ficamos naquela mesma história de sempre por toda a semana. Sirius e eu só voltamos a falar com o Remo na quarta feira, batemos o nosso recorde de brigas… Dois dias e meio sem se falar!

Foram os piores dias desse ano… Eu não tinha de quem pegar as anotações…

Quando eu disse que vocês não vivem sem mim a Lily não acreditou…

As coisas voltaram a ficar interessante na quinta feira, quando nos encontramos com Ranhoso em um tempo vago:

– Olha o nosso amigo Ranhoso ali! – disse o Sirius se levantado rapidamente com um sorriso que dizia: “Vamos aprontar?”

– Coitado do Seboso… Ele esta sozinho hoje… – eu zoei, falei alto o suficiente para que ele escutasse.

– Deixem ele quieto gente… – pediu Remo, eu até estranhei, ele geralmente não faz objeção quando vamos zoar o Ranhoso.

– O que acha Rabicho? – perguntou Sirius sem tirar os olhos do alvo.

– Seria legal zoar o Ranhoso! – respondeu nosso amigo rato.

– Então faça as honras… – disse Remo quase que desafiando Rabicho.

– Pára com isso Remo. Você sabe que ele não vai fazer nada. – eu disse me levantando já com a varinha nas mãos.

– Ranhoso… Aonde vai com tanta pressa? – perguntou Sirius me acompanhando em direção ao nosso “querido amigo”.

– Sai da minha frente Black. – disse o pedaço de ranho na nossa frente.

– Que maus modos são esses Ranhoso… – eu disse fazendo sinal de negação. – Só fizemos uma pergunta inocente. E quando você vai seguir meu conselho e lavar esse cabelo? Tem medo de água? – perguntei rindo.

– Não precisa ter medo de água Seboso… Ela não faz nada. Quem faz alguma coisa é a lula gigante se você resolver tomar banho no lago dela. Quer experimentar? – perguntou Sirius já com a varinha pronta.

– Me deixem em paz. Potter e Black, vocês são uns arrogantes. Pensam que mandam na escola…

– Acho melhor não falar mal deles Ranhoso. – disse Remo se juntando a nós também com a varinha em punho.

Preciso dizer que tinha metade da escola no jardim a nossa volta vendo a confusão? Acho que não…

– Agora o mestiço também veio se intrometer na conversa… – disse o Seboso parecendo sem paciência.

– Mestiço? – perguntei já irritado.

– Pensam que eu não sei que seu amiguinho esconde um grande segredo. Quando eu tiver certeza todos vão saber, e o Lupin vai ser expulso da escola.

Remo ficou mais branco do que costuma ser. Sirius ficou estático. Rabicho quase borrou as calças, já eu olhei para os lados e vi Lílian parecendo irritada. Será que ela sabia a verdade sobre nosso amigo?

– Ora Ranhoso, acho que você esta lendo livros de terror de mais… – eu disse tentando descontrair e consegui. Logo todos já estavam rindo, menos o meu lírio.

– Eu sei que tem algo a esconder Lupin… – disse o Ranhoso apontando aquele dedo enorme na direção do Remo.

– Acho que você é que esta escondendo coisa de mais Ranhoso… Como fez para aumentar tanto o tamanho do seu nariz? Não é possível que sua mãe tenha dado a luz a um ser tão feio. – disse o Aluado rindo e fazendo uma explosão de risos no local.

– Não Remo… Acho que tudo isso é falta de banho… Devemos dar uma ajudinha para ele… – disse Sirius com um sorriso maléfico no rosto e logo eu já entendi.

– Não podemos deixar de ajudar um amigo… É nosso dever de cidadão… Primeiro… – eu disse sorrindo. – Água! – eu disse fazendo um feitiço e jogando o Ranhoso no lago.

– Segundo: Sabão! – disse o Sirius rindo o enchendo o lago de sabão cor de rosa.

– Depois tem que se esfregar senão não vai adiantar tomar banho… – disse o Remo fazendo aparecer uma escova gigante que ficou afogando o Ranhoso.

Nós três olhamos para o Pedro esperando alguma coisa… E por incrível que pareça, veio:

– E por último, você precisa de um brinquedo para se distrair na banheira. – disse o Rabicho fazendo a lula acordar e começar a querer matar o Ranhoso que se debatia na água.

Ficamos rindo até que a Lily resolveu interferir.

– Potter, Black, Pettigrew, e até você Remo… Tirem ele da água agora! – gritou ela irritada.

– Ele merece Lily! – disse o Sirius ainda rindo.

– A festa acabou. Todos para o castelo! – gritou minha ruivinha para os outros alunos, enquanto nós ainda assistíamos o Ranhoso fugindo da lula. – Tirem ele dá água! – gritou ela mais uma vez já pegando a varinha.

Minha nossa, quando a Lily fica nervosa ela fica mais vermelha do que de costume… Se você não prestar atenção até confunde os cabelos dela com o rosto e…

Dá para voltar para a história?

Como esse Almofadinhas é impaciente. Nem posso mais falar do meu lírio…

– Vão tirar ele da água ou esperam que eu faça isso? – perguntou ela quase cuspindo fogo pela boca… Acho que dessa vez essa ficou nervosa.

– Se acalme Lily… – pediu o Remo calmamente.

– Vocês vão matar ele… – disse ela assustada vendo que a lula finalmente alcançou o Ranhoso.

– Vaso ruim não quebra! – quem disse dessa vez foi o Rabicho… Eu até me surpreendi. Geralmente o único que contraria a Lily quando ela esta nervosa desse jeito sou eu.

– Cala a boca Pettigrew! – disse a minha ruiva lançando um feitiço que deixou o Rabicho sem voz.

– Calminha minha florzinha… – disse o Sirius tirando o Seboso da água.

– Sua florzinha é a mãe, Black!  Gritou ela antes de correr até o Snape.

– O que deu em você para tirar ele de lá? Ele mereceu! – eu disse pro Almofadinhas enquanto via a Lily brigando com o Ranhoso.

– Do jeito que ela ficou nervosa era capaz de azarar nós três. – explicou-se meu amigo.

– Eu não ia deixar… – respondi.

– Você seria o primeiro, Pontas… – disse o Remo.

– Não se preocupe já tenho um plano para nos vingarmos do Ranhoso e para ele nunca mais mexer com o Remo. – disse o Almofadinhas com um sorriso enorme no rosto.

– Rindo do que Black? – perguntou a Lily chegando perto de nós.

– Nada não Lily. – respondeu ele.

Afinal, por que todos a chamam de Lily e eu não posso?

Por que ela te odeia?

Cala a boca Aluado, ela não me odeia… Ela me ama… Só não sabe disso…

Já falei para você não sonhar tanto Pontas…

E já falei que a Lily me ama e algum dia vai se dar conta disso Almofadinhas… Ou não me chamo Tiago Potter!

– Vou conseguir uma bela de uma detenção para vocês… – disse ela sorrindo.

– Você que vai monitorar ruivinha? – perguntei passando as mãos nos cabelos já feliz com a noticia.

– Não enche a minha paciência Potter! – respondeu ela rispidamente, mas eu sei que foi só para que ninguém desconfiasse que ela me ama. – Não se preocupe Remo, vou falar agora mesmo com a professora Minerva… E os cinco estão em detenção até segunda ordem…

– Você não pode me dar detenção Lily! – protestou meu amigo Aluado.

– Não posso, mas o Victor pode. – disse ela mostrando o monitor da Lufa-lufa.

O Remo bateu o pé no chão irritado enquanto o tal de Victor mandava um beijo para a Lil… Espera aí… Ele esta mandando um beijo para a minha ruivinha? Quem ele pensa que é? Eu vou dar um jeito nesse cara agora mesmo…

Eu já estava indo na direção dele quando senti uma mão puxando meu braço.

– Você não é louco de brigar com aquele cara na frente dela, não é? – perguntou o Sirius apontando a Lily que agora conversava com o Victor.

– Mas ele… – comecei a protestar.

– Ela não é sua namorada… – me disse o Aluado.

Não acredito que ele me disse isso… Ele que sempre me deu a maior força para ir atrás da Lily… Agora estão invertendo os papéis? O Sirius que era contra agora está a favor, e o Aluado esta contra… Nunca vou entender esses marotos…

– Não estou contra! – disse o Aluado no instante seguinte.

Como ele adivinhou que eu estava pensando isso? Será que ele é legimente?

– Não sou legimente Pontas, mas esta na cara que foi isso que você pensou.

Acho que estou com a maior cara de bobo do mundo.

– Acorda Pontas.. Você não pode simplesmente chegar lá e brigar com o cara sem motivo… – disse o Sirius sério.

– Mas eu tenho motivo! – eu retruquei.

– E qual seria? – perguntou Remo colocando a mão no queixo.

– Ele esta dando em cima da minha Lily…

– O problema é que ela ainda não sabe que é SUA Lily… Entendeu? – perguntou o Almofadinhas estranhamente sério.

– Depois damos um jeito nele. Agora vamos subir. – disse o Aluado mudando o rumo da conversa.

A ultima coisa que vi a Lily fazendo foi dando um beijo no rosto do Victor e saindo em direção a Marlene.

Anotação pessoal: Descobrir com a Lene o que a Lily viu nesse cara de sapo!

Cara de sapo? Não tinha apelido melhor para o cara não?

Vou ter que concordar com o Sirius… Que apelido mais sem criatividade Pontas… Cara de sapo é muito gay…

Dá para os dois irem dormir e me deixar continuar a minha história em paz? – nossa eu já estou até gritando…

Bom… Subimos para o quarto correndo, estamos mesmo é fugindo da Minerva que ia nos dar uma detenção em pleno final de semana…

Ficamos na cama sem nada para fazer… Remo foi ler… Novidade! – irônico – Sirius foi arrumando o cabelo na frente do espelho… Ele esta parecendo um gay e esta se tarando… Imaginem Sirius Black em frente a um espelho fazendo pose e passando cantadas… Exatamente assim que meu amigo Almofadinhas esta agora…

Eu não pareço um gay…

Como você esta estressado… Só fiz um comentário…

Não se esqueça que o veado aqui é você Pontas.

Mas você esta parecendo um gay Almofadinhas… Desde quando pessoas heterossexuais passam cantadas para si mesmas no espelho?

Nem vou responder

– O que esta fazendo Almofadinhas? – perguntou o Rabicho chegando ao quarto com um monte de comida de baixo dos braços.

– Treinando umas cantadas novas para meninas novas… – respondeu ele confiante piscando galanteador para o espelho.

– Você esta parecendo um gay domesticado… – o Aluado é de mais quando quer.

– Não estou não… Vocês nunca fizeram isso, não? – perguntou o Sirius nos olhando.

– Não! – respondemos os três.

– Vamos mudar de assunto… Lembram que eu falei do plano mestre para acabar com o Ranhoso?

– Resolveu contar? – perguntou o Aluado curioso.

– Pode apostar…

**

– Mas isso é loucura. Não vou fazer isso! – disse o Aluado decidido.

– Eu topo! – eu respondi na mesma hora.

– Por que não Aluado? – perguntou o Sirius com a maior cara de cachorro sem dono.

– Por que pode dar errado.

– Não vai dar errado. É só apagarmos a memória dele depois. É simples. Só queremos dar um susto nele.

– Eu amei a idéia. Por mim a colocamos em prática amanhã mesmo. – eu disse empolgado.

– Não vou participar disso. E se ele morre? – perguntou o Remo aflito.

– Acha mesmo que ele iria morrer? Pontas e eu estaremos lá e não deixaremos isso acontecer…

– Seria legal ver a cara de pânico do Ranhoso… – disse o Rabicho entre um biscoito e outro. – Até o Pedrinho aceitou… Vamos lá Aluado. Ponha seu lado maroto para fora…

– Eu sou monitor chefe e não posso permitir que… – começou ele.

– Você e essa maldição! – eu disse irritado. – Renuncia ao cargo! É inaceitável um maroto monitor!

– Cuidado para não morder a língua Pontas!  Advertiu-me ele.

– Se eu me tornasse um monitor algum dia eu me matava! – respondi fingindo um suicídio dramático.

– Não exagere. Bom marotos vou para o meu dormitório. – disse o Aluado se levantando.

– Promete que vai pensar Aluado? – perguntou o Sirius quase implorando.

– Vou pensar Almofadinhas… Vou pensar… – disse ele se levantando.

– Se ver a Lene avisa que eu quero falar com ela? – eu pedi.

– Claro. Vou indo. Boa noite!

– Estamos te vigiando no mapa seu safado! – disse meu amigo cão pegando o mapa do maroto.

– Podem vigiar. Não vou fazer nada de mais… A não ser ficar em um salão próprio de monitores fazendo relatórios até altas horas com minha amiga Lily.. – disse ele já correndo escada a baixo antes que eu o matasse.

Que amigo traíra. Vai ficar horas com a minha ruivinha e ainda tem coragem de me falar isso.

Cheguei ao salão e me deparei com aquela cabeleira linda:

– Boa noite meu lírio. – eu disse ao pé do ouvido dela. Nenhuma mulher resiste.

– Má noite Potter! E pela milésima vez, me chame de Evans. Não te dei intimidade para mais nada.

– Mas podemos ter intimidade agora se aceitar sair comigo.

– Já disse que NÃO Potter! – gritou ela no meu ouvido. – E não pensa que vai ficar sem detenção. A professora disse que vai pensar em algo para vocês fazerem. – disse ela triunfante.

– Sendo do seu lado… – eu sei que a cantada é velha, mas é que não deu tempo de inventar outra…

Sei…

– Sendo do seu lado vai ser um inferno…

– Isso mesmo ruiva… Quente e pervertido. – eu respondi com a cara mais sexy que consegui.

Adivinhem o que eu ganhei em troca? Um belo de um tapa na cara que dou muito.

– Quem fala o que quer ouve o que não quer! – e disse o Remo enquanto eu massageava minha bochecha.

– Vamos Remo? – perguntou a ruiva me ignorando.

– Vamos Lily. – respondeu o lobo traidor.

– Boa noite Lene! – disse meu anjo.

– Eu não ganho nem um “boa noite Tiago?”

– Má noite Potter! – ela me disse antes de entrar na tal sala dos monitores.

Se curiosidade matasse, eu já estava morto… Queria muito ver como era aquela sala…

– Queria falar comigo Ti? – me perguntou Marlene.

– Queria sim… – eu disse indo me sentar ao lado dela.

– Se é sobre a tal sala dos monitores…  Não sei nada. E também estou curiosa, mas não posso entrar lá. Tem um feitiço na porta. Só podemos entrar lá com a permissão dos dois monitores chefes, e como não tive chance de falar com o Remo ainda… – como ela fala…

– Também estou curioso, mas não era isso. – eu disse meio sem graça.

– Então é o que? Mais um plano para conquistar a Lily? Já vou dizendo que ela esta de TPM e é melhor nem provocar…

– Não é isso também… Estou sem planos no momento… – eu respondi rindo.

– Então diz logo que já to curiosa moreno.

– Sabe aquele tal de Victor? O monitor da lufa-lufa? – perguntei como quem não quer nada.

– Já entendi tudo. Não se preocupe. A Lily não dá bola para ele. Ela só tem olhos para um moreno gostoso que anda por aí.

– Quem? – perguntei irritado.

– Calminha Ti… Estava falando de você.

– Obrigado pela parte do gostoso, mas sei que é mentira. O dia que Lílian Evans admitir de livre e espontânea vontade que me ama vai chover unicórnios.

– Ela não precisa admitir para que eu saiba… – respondeu minha amiga sorrindo marotamente. – Que tal um veracidium na comida dela?

– Não acredito que você me sugeriu isso… Eu nunca faria nada do tipo. Só você e o Sirius seriam capaz de fazer isso com alguém.

– Não me compare com o cachorro do seu amigo… – disse ela levemente irritada. – Então? O que vão aprontar? Quero participar… Faz tempo que não apronto com o Ranhoso.

– Infelizmente não posso contar… Se te contasse ia ter que te matar. – eu respondi sorrindo.

– Se não me contar eu conto pra Lily do mapa do maroto…

– Pode contar. Do jeito que ela é nunca vai acreditar que os “arrogantes” fizeram isso…

– Ainda não sei como você pode conhecer ela tão bem se ela nem fala com você…

– Sou bom observador.

– Não aprontou nada? – me perguntou desconfiada.

– Não… Para te provar que sou bom observador… Vi certos olhares de uma certa morena para um certo cachorro ultimamente.

– Calunia! – disse ela pulando do sofá da minha frente e grudando o dedo indicador no meu rosto.

– Se fosse calunia você não teria ficado tão nervosa. – eu disse afastando ela.

– Marlene Mckinon nunca irá se apaixonar.

– Vou ter que ouvir isso mais quantas vezes? – perguntei para mim mesmo pensando na Lene e no Sirius. – Vocês dois são idênticos! – eu disse já ao pé da escada.

– Não me compare aquele maluco! – gritou ela irritada enquanto eu subia rindo.

– Que sorriso é esse Pontas? – perguntou Sirius assim que eu entrei no quarto.

– Tirando o fato de eu estar perturbando a Marlene? – perguntei ainda rindo.

– Tirando isso… – ele me disse entediado.

– A Lily já deu vários foras no monitor cara de sapo.

– Quem?O da lufa-lufa? – me perguntou o Sirius curioso.

– Esse mesmo. – respondi me jogando na cama.

– Me diz em quem a ruiva não dá um fora? Tirando a minha pessoa linda, que se fosse pedir ela nunca teria coragem para negar, mas como sou seu amigo…

– Nem um pouco convencido. Se ela não me quer… É claro que não iria querer você! – respondi revirando os olhos.

Dá para acreditar em como ele é convencido? E depois ainda fala que eu sou pior que ele, mas eu não acho, eu só conto os fatos!

Se o que você disse não é ser convencido, então o mundo esta perdido…

Depois de ficarmos falando de mulheres por mais algumas horas enquanto o rabicho comia e ria das nossas conversas fomos dormir.

Capítulo Anterior

Próximo Capítulo


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

One thought on “Cap 2) O plano

  • Wateru

    – Sendo do seu lado vai ser um inferno…
    – Isso mesmo ruiva… Quente e pervertido. – eu respondi com a cara mais sexy que consegui.

    Adorei isso :tong:

    Nossa, esse cap foi grande, hein? :thud:
    Mas eu terminei :#1:

    Muito bom – e muito maior :tong: – o capítulo :*O*:
    E, pelo que percebi, os personagens tão muito fiéis à realidade. Que bom que, ao que parece, os estereótipos estão bem definidos e vai ser fácil eu fazer as fics! *.*

    [Responder]