Cap 10. Cine pipoca 7


No cap anterior:

– Eu… Eu… – começou Lílian, mas não achou uma resposta convincente.

– Não ligue para eles… Pode dormir daquele jeito sempre que quiser. – disse Tiago docemente.

Lílian corou furiosamente, e bufou de raiva, mas antes que tivesse oportunidade de dizer qualquer coisa a elfa entrou na sala.

– Senhor, a janta está pronta.

– Já estamos indo, Fifi! – respondeu Tiago gentilmente.

Cap 10. Cine Pipoca

Depois que a elfa saiu, Sirius foi logo se prontificando:

– Então vamos tocar ou não? – perguntou Sirius.

– Veremos isso depois do jantar. – disse Rabicho já puxando Remo para a mesa.

– Será divertido, Pontas! – disse Lupin.

– Por que não tocam sem ele? – perguntou Kely.

– Porque eles não fazem nada sem mim. – disse Tiago divertidamente.

– Não enche, seu veado! – disse Rabicho.

– É cervo! – disse o menino irritado.

– Afinal, por que toda vez você diz isso? – perguntou Lílian.

– Isso o que, meu lírio? – perguntou ele carinhosamente.

– Você sempre fala: “É cervo…” Por quê? – perguntou Lílian sentando ao lado do menino.

– Adoraria te contar, mas se contasse iria teria que contar outras coisas que não posso… Então vai ficar sem resposta, ruivinha. Eu sinto muito! – disse ele passando a mão no rosto dela.

Lílian o olhou desconfiada e afastou a mão do menino de seu rosto com uma certa dificuldade (que não passou despercebida por Tiago), afinal, no fundo, ela não queria fazer isso, e começou a se servir

O jantar foi tranqüilo. Os Marotos ficavam querendo que Tiago tocasse também enquanto ele se recusava a tocar sem a “permissão” da ruiva. Kely se divertia com a situação. Assim que todos terminaram de comer, Kely resolveu mudar de assunto:

– Deixem a banda para depois, afinal vocês vão tocar no baile… Que tal assistirmos um filme?

– É uma boa idéia! O que tem em mente? – perguntou Tiago.

– Dois filmes. Estava pensando em um de romance e um de terror. – disse a menina.

– Romance? Para me deixar na vontade? – perguntou Remo fazendo todos rirem.

– Não! – respondeu Kely tentando disfarçar e apontar para Tiago e Lílian sem a amiga perceber.

– Certo! Romance então… – disse Remo derrotado entendendo onde a amiga queria chegar.

– E por último um terror! – disse Sirius.

– Acho melhor deixar o terror primeiro. – disse Tiago.

– Por quê? Para todos dormirem no segundo filme? – perguntou Peter.

– Certo, então. Romance primeiro. Vou pegar alguns filmes. Vem comigo, Lílian? – perguntou ele gentilmente.

– Tenho escolha? – perguntou ela se levantando.

– Vamos todos colocar o pijama, os filmes vão acabar tarde. – disse Kely levantando também.

Depois que todos já tinham trocado de roupa, Sirius e Kely foram arrumar alguns colchões para todos deitarem no chão, ao invés do sofá, Remo e Peter foram arrumar pipoca, enquanto Lílian e Tiago escolhiam os filmes.

– O que acha desse? – perguntou o menino mostrando um filme.

– Esse filme é lindo. Você tem bom gosto! – respondeu ela.

– Obrigado! – disse separando o filme. – Qual vamos pegar de terror? Alguma sugestão? – perguntou ele.

– Não! Não assisto muitos filmes de terror. – respondeu ela meio constrangida.

– Tem medo? – perguntou ele olhando alguns filmes.

– Não tenho medo de nada! – disse a menina decidida.

– Ainda bem. Então vou levar esse aqui. – disse ele pegando o filme mais assustador que encontrou.

A menina deu de ombros, então voltaram para a sala, que Sirius já tinha transformado em uma grande cama. Havia dois colchões de casal colocados um ao lado do outro, para que todos deitassem, algumas cobertas e várias tigelas com pipoca e alguns copos do lado com suco.

– Por que não trouxeram cerveja amanteigada? – perguntou Tiago ao ver os sucos.

– Cerveja com pipoca? Não é uma combinação muito boa. – disse Sirius sentando.

Tiago colocou o filme de romance e deixou pausado enquanto todos decidiam onde iriam deitar.

– É melhor nós ficarmos na ponta. Deixe as meninas no meio. – disse Remo.

– Por quê? – perguntou Peter.

– Porque o meio é sempre mais quente. – respondeu Sirius pelo amigo.

Deitaram Peter, Kely, Sirius, Remo, Lílian e Tiago, respectivamente.

– Me ferrei! Fiquei do lado de homem! – disse Sirius assim que todos deitaram.

– E eu sou o quê? – perguntou Kely.

– Tenho você de um lado e um macho do outro… Bem desagradável. – disse Sirius se afastando ligeiramente de Remo.

– Pensa que eu gostei? – perguntou Remo sério. – Pelo menos tenho a Lily aqui! – disse passando o braço pelo ombro da amiga.

– Não tem não! – disse Tiago tirando o braço do amigo.

– Está com ciúmes do seu amigo, Tiago? – perguntou Lílian rindo.

– Se você tem ciúmes da sua irmã… Por que não posso ter ciúmes do Aluado? – perguntou Tiago.

– Eu não tenho ciúmes de você! – mentiu Lílian.

– Já te falei que você não consegue mentir para mim. Essas esmeraldas não mentem! – disse Tiago sorridente.

– Dá para colocar o filme logo? – perguntou Peter.

No meio do filme, Lílian resolveu falar com Tiago, bem na cena do beijo dos protagonistas:

– Tiago! – chamou ela baixinho para não atrapalhar o filme.

– Sim, meu lírio! – disse ele olhando para ela.

– O que sente por mim? – perguntou e menina quase no ouvido do rapaz, que se assustou com a pergunta.

– Já te falei e repito quantas vezes você quiser… Eu amo você, ruivinha… Amo você como nunca amei ninguém, você é a minha vida! – respondeu ele ao pé do ouvido da ruiva fazendo-a tremer.

Lílian não disse nada, só abraçou Tiago e deitou em seu peito para continuar assistindo ao filme.

– Viu que lindos? Falei que iria dar certo. – disse Kely o mais baixo possível.

– Realmente! – disse Peter.

– Nosso plano está dando certo! – disse Sirius puxando Kely mais para perto e beijando-a.

Depois de alguns minutos Remo pausou o filme:

– O que foi? – perguntou Lílian sentando.

– Estraga prazeres! – disse Tiago vendo Lílian se afastar e tendo medo que ela não voltasse a ficar abraçada com ele.

– Foi mal, Tiago, mas tenho que trocar de lugar… Esses dois ficam se beijando aqui do lado. – respondeu ele levantando e indo para o lugar de Peter, empurrando o menino para o lado.

– Sirius! – chamou Lílian. – Dá para largar a Kely um minuto? – perguntou tentando separar os dois.

– Você está com inveja… – disse Sirius entre um beijo e outro.

– Calma! Não precisa engolir a menina. – brincou Tiago vendo o beijo dos dois.

– Por que vocês dois não fazem o mesmo? Estão com vontade e ficam ai “chupando o dedo”, deixe-me aproveitar um pouco! – disse Sirius largando Kely.

Tiago e Lílian coraram furiosamente, mas Lílian foi logo tentado arrumar as coisas:

– Eu não quero beijar ninguém. Se quisesse já tinha beijado. – disse ela irritada.

– Não tinha não! Você esperaria o Tiago tomar a iniciativa para depois ter a desculpa que foi ele que te beijou, e ainda iria falar que foi a força. – disse Kely rindo.

– Coloquem logo o filme e parem de discutir. Deixe que os dois se entendam do jeito deles. – disse Remo. – E vocês dois… – disse virando para Sirius e Kely. – Dá para se comportarem? Um beijinho tudo bem, mas não precisam ficar se agarrado tanto! Depois vocês fazem isso… – disse Remo tentando parecer sério.

Peter colocou o filme para rodar novamente, fazendo todos voltarem a assistir, inclusive Kely e Sirius.

Lílian não voltou a deitar no peito de Tiago, mas sempre que podia ela o olhava pelo canto do olho.

”Por que eles tinham que fazer esse escândalo todo? Agora não tenho coragem para abraçá-lo de novo!!! E por que ele não faz isso? Sei que ele quer… Ele está tão lindo… Por que ele tinha que fazer aquilo?? Estaríamos tão bem se ele não tivesse feito tudo aquilo… Por que você foi me trair, Tiago Potter??E eu ainda te amo apesar de tudo… Seu burro!! Por que tem que ser tão galinha?? E tão lindo…?”

“Ela está linda… Esse filme não está ajudando em nada… Queria tê-la em meus braços… Tocar seus lábios… Seus cabelos… Abraçá-la como se o mundo não existisse… Eu ainda mato aquela menina da Corvinal… Tinha que me agarrar bem quando eu estava me entendendo com a Lily?? Se fosse em outra ocasião até não ficaria com raiva, pelo contrário, eu iria me achar o máximo… Mas agora… Quem manda ser galinha?Seu burro!! Ela te ama, você a ama e não ficam juntos porque ela te viu beijando outra… Coragem Tiago abrace-a… Kely está certa… Ela nunca tomaria a iniciativa… Ela deve estar esperando eu fazer isso… Mesmo que depois fale que não queria…”

Mas antes que Tiago tomasse alguma atitude, o filme acabou, fazendo todos se levantarem exceto ele e a ruiva ao seu lado.

– Vou ao banheiro. – disse Remo.

– Vamos dar uma voltinha enquanto isso. – disse Sirius puxando Kely para outra sala.

– Eles pensam que não sabemos o que eles vão fazer… – comentou Peter fazendo os quatro rirem.

– Vamos arrumando aqui para colocar o outro filme. – disse Tiago se levantando.

– Acho melhor deixarmos para assistir o filme outro dia… Já está tarde! – disse Lílian preguiçosamente.

– Não se preocupe. Pode dormir… Depois te levo para a cama. – disse Tiago gentilmente.

– Não vou dormir! – respondeu a menina irritada. – Só que já são quase onze da noite. O filme vai acabar bem tarde…

– Se eu não te conhecesse diria que está com medo do filme! – disse Tiago rindo.

– Ainda bem que me conhece. – respondeu ela irritada.

– Relaxa, ruiva! – disse Tiago ainda rindo.

Depois de alguns minutos todos voltaram e já colocaram a filme para rodar.

Passado nem meia hora de filme, Tiago pausou o filme por que Kely estava gritando:

– Ahhhhhhhhhhhhhhh – continuo a menina a gritar.

– O que foi? – perguntou Sirius abraçando-a.

Kely olhou para os lados confusa.

– Não aconteceu nada. – respondeu. – Pode colocar o filme de novo.

– O que deu nela? – perguntou Tiago para Lílian.

– Ficou com medo do filme. – respondeu a menina fazendo pouco caso.

Tiago percebeu que Sirius estava adorando aquele filme, afinal Kely estava agarrada nele, e depois de mais algum tempo teve que parar o filme novamente, mas porque Sirius tinha gritado:

– Ai! – gritou o menino. – Isso dói, Lily.

– Desculpa! – respondeu ela sem graça percebendo que todos a olhavam.

– Vocês sabem que eu adoro vocês duas, quanto mais mulheres melhor… Mas as duas me apertando, cada uma de um lado, não vai dar certo! – respondeu o menino rindo.

– Desculpe! – disseram as duas juntas.

– Calma, meninas, tem Sirius para as duas! – respondeu Sirius abraçando as duas, fazendo Tiago fechar a cara.

Kely, ao ver Tiago de mau humor por causa disso, foi logo falando:

– Lílian, sinto muito, mas esse Maroto é meu. Se quiser ficar agarrando alguém, vai agarrar o seu Maroto. – disse Kely tirando o braço de Sirius de cima da amiga.

– Tudo isso é ciúmes? – perguntou Lílian rindo.

– Dá para vocês colocarem o filme logo? – perguntou Remo.

– Foi mal, Remo. – disse Tiago apertando play.

Uns dez minutos depois e Lílian já estava agarrada em Tiago.

– Esse ai parece o sinistro da aula de adivinhação! – disse Lílian se escondendo no peito de Tiago.

– Calma! Eu estou aqui! – disse Tiago aproveitando e abraçando a ruiva.

Assim que o filme acabou, Sirius foi logo falando:

– Deveríamos assistir outro.

– Está tarde! – disse Kely. – Vamos dormir. Temos que arrumar isso aqui.

– Acho mais fácil dormirmos aqui. – disse Remo.

– É uma boa idéia. – disse Sirius.

– Estão com preguiça de arrumar tudo? – perguntou Lílian.

– Sinceramente, estou sim. – disseram Sirius e Remo juntos.

– Concordo com eles. Aqui já está tudo certo mesmo. – disse Peter.

– Mas assim que começar a amanhecer vamos acordar por causa da claridade. – disse Lílian.

– Posso dar um jeito nisso! – disse Sirius fazendo um movimento com a varinha o que fez as janelas serem cobertas com um tecido preto, deixando o lugar totalmente no escuro.

– Quer subir? – perguntou Tiago para a ruiva quando sentiu ela o abraçar mais forte.

– Não, tudo bem! Só preciso de uma luz por aqui. – ela disse rindo um pouco e soltando o menino.

– Seu desejo é uma ordem. – disse Tiago fazendo um “Accio” e logo o abajur já estava na sua mão.

– Perfeito! Vamos todos dormir aqui. – disse Kely. – Se me permitem… – e ela fez um movimento rápido com a varinha fazendo uma música lenta bem baixa tocar. – Boa noite para todos! – disse ela abraçando Sirius.

– ‘Noite – responderam todos.

Por dormirem na sala, todos estavam muito próximos, então Tiago sentiu a ruiva tremer.

– Aqui não tem ar condicionado. Vou pegar outro cobertor para você! – disse ao ouvido de sua amada.

– Não! Não quero levantar. – disse ela segurando ele. – Fica aqui, não precisa de cobertor. – disse ela abraçando ele.

– Você deve estar com muito sono para fazer isso! – comentou ele olhando a ruiva se apertando contra ele.

– Você nem imagina o quanto. – respondeu ela pegando o braço dele e passando por sua cintura.

Depois de um tempo, Tiago falou o mais baixo que pôde:

– Te amo! – depois dando um beijo na testa da menina que já adormecera.

Na manhã seguinte, Lílian acordou primeiro que todos, mas preferiu não levantar porque teria que acordar Tiago. Ficou deitada no peito dele, acariciando-o, e pensando na vida quando viu Fifi chegar:

– Já está tarde! – disse a elfa.

Que horas são, Fifi? – perguntou Lílian.

– Passa das onze da manhã! – respondeu a elfa.

– Pode ir arrumando o café, por favor? Vou acordar todos.

– Claro, senhora Potter! – respondeu a elfa antes de sair.

– Será que ela pensa que tenho alguma coisa com ele? – perguntou Lílian para si mesma. – Sirius! Hei! Sirius! Acorda! – chamou Lílian virando-se para Sirius que estava ao seu lado.

– Quê? – perguntou ele abrindo os olhos, confuso.

– Está tarde, Sirius. Acorde, e me ajude a acordar os outros. – disse Lílian.

– Certo. – disse ele se espreguiçando antes de virar para acordar Kely.

Lílian, antes de acordar Tiago, retirou o abajur do chão que estava ao lado do menino e localizou os óculos do Maroto.

– Tiago! – chamou.

– Nunca vai acordá-lo assim. – disse Remo levantando.

– Ela se vira. – disse Kely puxando Sirius para a cozinha.

– Vamos comer! – Disse Peter levantando rapidamente.

– Não vão me ajudar? – perguntou Lílian.

– Se quer mesmo acordá-lo, é só beijá-lo. – disse Kely rindo.

– Tiago! – chamou Lílian mais uma vez.

– Quer ajuda? – perguntou Remo.

– Seria uma boa! – disse Lílian confusa.

– Deixe-a tentar sozinha. Quem sabe ele se cansa e beija-o logo? – perguntou Sirius.

– Ignorando meu amigo cachorro aqui… – disse Remo puxando Peter para perto de Tiago. – Olá, Lílian Evans. Como você está bonita hoje. – disse Remo ao ouvido de Tiago.

– Cadê ela? – perguntou Tiago sentando-se em um pulo.

– É assim que se acorda ele! – disse Remo rindo.

– Pelo menos dessa vez ela está aqui! – disse Tiago voltando a deitar.

Lílian corou e todos a deixaram sozinha com o menino.

– Bom dia! – disse ela entregando os óculos dele.

– ‘Dia, meu lírio. – disse Tiago sorrindo. – Dormiu bem?

– Não foi uma das minhas piores noites. – disse ela sem olhá-lo.

– Passou muito frio? – perguntou ele ainda deitado.

– Não! – respondeu ela simplesmente e se levantou. – Vamos tomar café!

– Mas já? – perguntou ele ainda deitado.

– Claro! Logo estará na hora do almoço. Vamos, levante! – pediu ela.

– Só se me der um beijo de bom dia…

– Levante logo! – falou a menina começando a se irritar, e ele, ao perceber isso, levantou rapidamente.

– Assim está melhor! – disse ela indo em direção a cozinha.

– Espera! – pediu ele segurando o braço dela.

– O que foi? – perguntou ela sentindo ele se aproximar.

– Nada de mais, ruiva! Só quero um beijo de bom dia. – disse Tiago se aproximando para beijá-la.

– Me larga! – gritou ela empurrando ele.

– Se não quer me dar um beijo… Quer ir ao baile comigo? – perguntou ele se recuperando do empurrão.

– Mas é claro que… NÃO! – respondeu ela indo comer.

– Já acordou nervosa!- disse Tiago saindo da sala.

– É porque dormi com você! – respondeu ela irritada.

– Você que quis dormir abraçada comigo! – disse ele sentando para comer.

– Eu não tive escolha! – respondeu ela irritada.

– Dá para os dois pararem? Mal acordamos! – disse Kely começando a se irritar também.

– Desculpa. – murmuraram os dois.

Logo depois do café eles foram arrumar a bagunça que tinham deixado na sala. E o almoço chegou rápido. Durante o almoço estavam discutindo o que iriam fazer durante a tarde:

– Podemos jogar xadrez. – disse Remo.

– Sem chance! Sou péssima nisso. – disse Kely.

– Vamos assistir outro filme de terror. Adorei ver as meninas com medo… – disse Sirius.

– Nem pensar! – disse Lílian

– Podemos fazer um concurso de culinária. – disse Peter. – Eu fico sendo o juiz.

– Sem chance! Não sei cozinhar! Tiago ganharia com facilidade. – disse Remo.

– Podemos ir montar a árvore de Natal. Teremos que fazer isso de qualquer jeito mesmo. – disse Tiago.

– Mas a árvore pode ficar feia até lá. – disse Lílian.

– Lily, nós somos bruxos… É só colocar um feitiço. – disse Kely rindo.

– Certo! Combinado! – disse Remo.

– Então nós cuidamos de achar uma árvore e vocês, moças delicadas, vão pegar os enfeites. – disse Sirius galanteador.

– Acha que não temos capacidade de escolher uma árvore bonita? – perguntou Kely irritada.

– Não é isso! É que vamos arrancar a árvore. E sabe… Isso precisa de força… Sem contar que não temos o menor jeito para enfeites. – disse Tiago.

– Força? Para que força se temos varinhas? – perguntou Lílian fechando a cara.

– Só que ninguém aqui pode fazer magia, só truques… – disse Peter. – Somos menores de idade ainda.

– Tiago não é! – disse Lílian.

– Exatamente… Eu e Pontas vamos cuidar da árvore porque podemos fazer magia e somos fortes… – disse Sirius mostrando os músculos.

– Maldito quadribol que deixa vocês com esse corpo! – protestou Kely. – Certo, então teremos que ir ao Beco Diagonal comprar os enfeites?

– Não! Aqui em casa tem enfeites. Minha mãe comprou novos
ano passado… Só precisamos tirar o pó… – disse Tiago pensativo.

– E onde estão guardados? – perguntou Remo.

– Sótão. Mas não acho muito legal as meninas irem lá sozinhas… Acho que meu tio sem quere soltou diabrétes lá… – disse Tiago ainda pensativo.

– Acha que não damos conta de diabrétes? – perguntou Lílian irritada.

– É que faz tanto tempo que ninguém vai lá que não sabemos se tem alguma coisa. É melhor algum de nós acompanhar vocês… Sem contar que as caixas de enfeites podem estar pesadas… – começou Sirius.

– Peter vai com elas! – disse Remo. – E nós vamos pegar uma árvore.

– Só tem um problema… Como vamos cada um para um lado se estamos com essas cordas? – perguntou Lílian mostrando a corda pressa em seu braço.

– Podemos parar o jogo por algumas horas… Acham que até umas 5 da tarde já fizemos tudo? – perguntou Sirius calculando as horas.

– Acho que é mais que o suficiente. – respondeu Peter.

– Ótimo. Todos concordam em parar o jogo até as cinco da tarde de hoje? – perguntou Tiago.

– Eu concordo! – responderam os demais.

– Então… Jogo adiado. – disse Sirius fazendo um movimento com a varinha e as cordas desapareceram.

– Mãos a obra. – disse Remo se colocando de pé.

– Só vou colocar mais roupas… Lá fora deve estar muito frio. – disse Tiago saindo.

– Ele tem razão. – disse Sirius indo atrás.

– Já voltamos, meninas! – disse Remo.

– Afinal, onde fica a entrada para o sótão? Você sabe, Peter? – perguntou Lílian.

– Não. Teremos que perguntar para o Tiago. – respondeu o menino ainda comendo.

– Vou perguntar para ele. – disse Kely levantando e saindo da cozinha.

– Vou escovar os dentes. – disse Lílian seguindo Kely.

Minutos depois os Marotos já estavam na sala junto com as meninas.

– Entendeu onde fica o sótão, Kely? – perguntou Tiago colocando um cachecol.

– Entendi. E tomem cuidado lá fora. – disse a menina abraçando os três.

– Calma, Kely. Só vamos entrar na floresta aqui perto para pegar uma árvore. – disse Sirius brincalhão.

– É o suficiente para correrem perigo! E se encontrarem um lobo no caminho? – perguntou Lílian preocupada.

– Já estamos acostumados com lobos, Lily. Não se preocupe. Voltamos logo! – disse Sirius docemente.

– Não estou preocupada com você. – mentiu ela. – E sim com os lobos. Vão levar um susto quando te ver… Tadinhos… – respondeu a menina debochadamente.

Todos riram da piada de Lílian.

– Já que não está preocupada, não precisamos manter contato… Sinto muito, Sirius! Nosso espelho ficará guardado hoje. – disse Tiago.

– E no que um espelho iria ajudar? – perguntou Kely.

– Dá para se comunicar através dele. Como pensam que eu e o Pontas nos falamos durante as detenções separadas? – perguntou Sirius rindo.

– Então deixe um espelho conosco. Caso aconteça alguma coisa com você. – disse Kely.

– Nem pensar! Só quando a ruiva admitir estar preocupada conosco. – disse Tiago.

– Pare com isso, Tiago. Você sabe que ela está… – disse Kely.

– Eu estou não! – protestou a ruiva.

– Viu só? Ela não está. Vamos, rapazes. – disse Tiago saindo levemente irritado.

– Nossa, que frio. – disse Remo quando Tiago abriu a porta.

– Vamos afundar nessa neve toda. – disse Sirius rindo. – Que legal! Vamos lá Marotos! – disse ele tomando a frente e se transformando em cachorro.

– Lílian, fala logo com ele. – pediu Kely assim que a porta se fechou.

– Mas… – começou a menina.

– Está caindo uma tempestade de neve lá fora. Pode ser perigoso. Deixe seu orgulho de lado e fale com ele. – disse Kely empurrando Lílian. – Honre o sangue de Grifinória que você tem!

– Você tem razão. Pelo menos temos que saber se estão bem. – disse Lílian indo até a porta.

– É assim que se fala. –incentivou Kely quando a amiga abriu a porta.

– Tiago! – chamou Lílian – Tiago! – chamou novamente saindo da mansão. – Tiago! Ai! – gritou quando afundou um pouco na neve, fazendo o menino sair da sua forma animaga e ir correndo ao encontro dela.

– Você está bem? – perguntou ele ajudando-a a se levantar.

– Ótima! Só queria pedir para que tome cuidado. – disse ela sem olhá-lo.

– Não se preocupe… Faço isso todos os anos. Sempre eu, Sirius e meu pai vamos escolher a árvore. – disse ele abraçando a menina por causa do frio.

– Se cuida! Não quero nem pensar no que pode acontecer… Afinal seu pai não vai com vocês… – disse ela agarrando o menino para se esquentar.

– Calma! Vou ficar bem. Prometo que voltamos inteiros! Pegue isso! Qualquer coisa pode falar comigo. – disse ele entregando o espelho para ela.

– Prometa que vai pedir ajuda para nós se acontecer alguma coisa! – pediu ela preocupada.

– Prometo, meu lírio! – respondeu ele abraçando a ruiva ainda mais forte. – Agora você precisa entrar. Está muito frio aqui. – disse ele conduzindo-a para a mansão.

– Fiquei preocupada quando escutei a Lílian gritando. – disse Kely vendo Tiago e Lílian entrarem.

– Ela está bem. Só precisa de um chocolate quente. – respondeu ele fechando a porta atrás dos dois. – Peter, cuide delas. Se acontecer qualquer coisa com elas, vai ser um rato a menos no mundo. – disse para o amigo seriamente – Tenho que ir. Os Marotos estão me esperando. Voltamos logo! – disse Tiago dando um beijo na testa de Lílian e saindo novamente.

Tiago e Sirius se transformaram em cervo e cachorro respectivamente, para facilitar a caminhada na neve, enquanto que Remo ia montado em Tiago.

Assim que Peter saiu para pegar um chocolate quente para Lílian, Kely foi logo falando:

– Ele é um cavalheiro! Que fofo!

– Cavalheiro fofo e galinha! – disse Lílian

– Ele pode ser galinha… Ele é lindo… – disse Kely sonhadora.

– Pensei que você gostasse do cachorro do Sirius. – comentou Lílian com ciúmes.

– E gosto! Mas tenho que admitir que Tiago também é lindo…

Lílian revirou os olhos, mas nada disse.

As meninas foram pegar os enfeites no sótão junto com Peter, que não ajudou muito. Havia alguns biabrétes como Tiago tinha dito, mas Lílian cuidou deles com facilidade. Logo em seguida, Kely se assustou quando deu de cara com um bichão papão, mas logo o afugentou também, enquanto Peter se escondia atrás de algumas caixas.

Com os Marotos também não teve muitos problemas. Eles só tiveram que cuidar de um lobo, coisa que para eles foi muito fácil. Escolheram a árvore mais bonita que acharam e logo estavam de volta.

Lá para as três e meia da tarde os meninos estava de volta. Carregaram a árvore cuidadosamente para o hall, enquanto Kely certificava-se de que todos estavam bem.

– Cadê a Lílian? – perguntou Tiago assim que entrou e não a viu.

– Está na cozinha. Foi pessoalmente preparar chocolate quente para vocês. – respondeu Kely sorridente.

– E como foi lá no sótão? – perguntou Sirius abraçando Kely,

– Bem. Só encontramos alguns diabrétes e um bicho papão, mas cuidados disso com facilidade. – respondeu Peter.

– Quem cuidou de tudo foi eu e a Lily! – respondeu Kely rindo.

– Também… Mandamos o Peter proteger as meninas… – comentou Remo rindo.

– Ele é um Maroto! Deveria ter cuidado das duas! – disse Tiago irritado.

– Não se preocupe, Tiago… Estamos bem! – disse Lílian voltando com uma bandeja. – E como foi lá na floresta? – perguntou colocando a bandeja em cima da mesinha de centro.

– Muito bem! – disse Tiago servindo-se de chocolate.

– Só um lobo à toa! – completou Sirius sem perceber.

– Tínhamos combinado de pular essa parte da história. – falou Remo se sentando e pegando chocolate.

– Lobo? – perguntaram as duas preocupadas.

– Sirius Black! Eu mandei você ter cuidado. – disse Kely séria tirando algumas blusas do amado para ver se ele estava bem.

– Mas eu tive, meu amor. Tiago que distraiu o lobo enquanto eu e Remo cortávamos a árvore.

– Tiago James Potter! – falou Lílian séria.

– Eu mandei você ficar quieto. – disse Tiago para Sirius pelo canto da boca. – O que foi, meu anjo ruivo? – perguntou ele tirando as blusas de frio e ficando só com uma.

– Você ficou distraindo um lobo? Isso é perigoso! Por que não pediu ajuda? Por que não voltaram? Você poderia ter se ferido. – falou ela extremamente preocupada e nervosa o olhando de cima a baixo procurando um possível machucado. – E você, Remo… Como deixou ele fazer isso? Pensei que fosse mais responsável! – disse a menina se virando para Remo.

– Calminha, ruiva! Tiago sabe se cuidar! Sem contar que não sou a mãe dele para mandar nele! – respondeu Remo extremamente calmo. – E ele está bem… Nós estamos bem. Ninguém se machucou.

– A não ser o Tiago que… – começou Sirius, mas não completou a frase.

– O que aconteceu? – perguntou Lílian se aproximando de Tiago e colocando a mão no rosto dele procurando algum arranhão.

– Calma, meu anjo ruivo… Foi só um arranhão… – disse Tiago se divertindo com a preocupação de Lílian e começando a tirar o cachecol.

– Cadê? Dependendo de como estiver teremos que… – começou ela agora arrancando o cachecol de Tiago e vendo uma marca.
– Viu…? É só um arranhão! – disse Tiago enquanto os outros riam da situação dele.

– Ela está parecendo sua mãe, Pontas! – disse Remo rindo.

– Ela é mais parecida com a mãe dele do que ela pensa. – disse Sirius também rindo.

– Só não vou responder a altura porque preciso dar um jeito nisso. – disse Lílian puxando Tiago escada à cima.

– Já voltamos! – disse Tiago sendo arrastado pela ruiva escada à cima.

– Ela não vai agüentar muito tempo longe dele. – disse Kely rindo.

– Já que eles subiram, que tal levarmos a árvore para o salão de festas? É lá que ela ficará. – disse Sirius.

– É melhor mesmo… Assim já fazemos isso logo. – disse Peter se levantando.

Enquanto todos levavam a árvore para o salão, Lílian arrastava Tiago para o quarto.

– Se queria me trazer para o quarto era só falar. – brincou ele ao entrar.

– Engraçadinho! – disse ela fazendo-o sentar na cama. – Fica aí. Vou cuidar desse seu machucado.

– Não precisa, Lily. Não está nem sangrando… – começou o menino tentando levantar.

– Fique sentado! Se levantar quem vai te machucar sou eu. – respondeu ela indo em direção ao guarda roupas e pegando a caixa de primeiros socorros.

– Já que você foi tão delicada eu fico quieto. – respondeu ele rindo e se sentando no meio da cama.

– Ótimo! – respondeu Lílian se sentando ao lado dele e pegando uma poção.

– E então… O que está achando dessa semana? Está tão ruim quanto achou que iria ser? – perguntou Tiago enquanto a menina passava a poção em seu pescoço.

– A semana nem começou direito… Só ficamos dois dias e meio contando com a noite que seus pais estavam aqui…

– Eu sei… Mas o que achou? – perguntou ele impaciente.

– Não está tão ruim assim. – disse ela ainda com a atenção no machucado dele.

– Melhor do que ficar na escola sozinha? – perguntou ele esperançoso.

– Melhor! – respondeu ela sem olhá-lo.

– Melhor do que ficar com a sua irmã?

– Qualquer coisa é melhor do que ficar com a minha irmã! – respondeu ela rindo – Pronto! Só tome mais cuidado da próxima vez. – disse ela guardando a poção na caixinha.

Mas quando ela foi sair da cama, Tiago a segurou.

– O que foi? Tem mais algum machucado? – perguntou ela olhando finalmente para ele.

– Não, mas preciso de uma coisa ou morro. – disse ele deitando-a na cama e indo em cima dela.

– Sai de cima de mim,Tiago, ou… – começou ela amedrontada.

– Ou? – perguntou ele se aproximando.

– Ou não respondo por mi… – disse ela antes de sentir os lábios dele tocando os dela, e rapidamente ele deu passagem para ele aprofundar o beijo.

Depois de algum tempo se beijando, Tiago se afastou um pouco para pegar ar.

– Tiago, é melhor descermos. – disse ela empurrando ele levemente.

Tiago entendeu o recado e saiu de cima dela.

– Desculpa, Lily! Eu não consegui me conter. – disse ele levantando da cama.

Ela não respondeu, estava mergulhada em seus pensamentos.

”Eu não podia ter deixado ele me beijar… Droga! Por que eu não resisti?… Ele não poderia ter feito isso comigo… Ele sabia que eu não resistiria… Queria beijá-lo… Mas… Que droga Lílian… Você o ama…”

– Lily? – chamou Tiago.

– Ah? Quê? – disse ela saindo do transe. – Desculpa! O que disse?

Tiago deu um sorriso entendendo que ela estava pensando sobre o que aconteceu.

– Estava te chamando para descer. – respondeu ele calmamente.

– Vamos. – disse Lílian saindo do quarto.

”Que droga, Tiago! Você deveria ter resistido!… Agora ela vai ficar com raiva de você… Mas ela nem gritou, ou me bateu… Será que ela gostou? É claro que ela gostou… Ela gosta de você… Só que ela acha que você a traiu… Finja que não aconteceu nada e ela também fará isso…”

Assim que desceram Lílian foi falar com Tiago:

– Cadê eles? Pensei que estariam aqui.

– Devem ter levado a árvore para o salão onde será a festa. – respondeu Tiago guiando a ruiva até o local.

– Uau! Que lugar enorme… – disse a ruiva quando chegou.

– Vamos nos casar aqui! – disse Tiago para ela fazendo-a corar levemente.

– Pensei que não desceriam mais. – disse Kely pegando Lílian pela mão.

– Ainda bem que chegaram. Vamos começar a colocar os enfeites… Estávamos limpando-os. – disse Remo mostrando algumas bolinhas.

– O que estavam fazendo lá em cima para demorarem tanto? – perguntou Sirius maliciosamente.

– Se entenderam? – perguntou Peter.

– Isso não é da nossa conta. – falou Kely parecendo nervosa, estava com medo que aquele comentário fizesse os dois brigarem novamente.

Eles ficaram enfeitando a árvore até quase cinco da tarde.

– Só falta essa estrela e depois colocar os feitiços nos enfeites. – disse Sirius com uma estrela na mão.

– Já enfeitiçaram a árvore? – perguntou Tiago.

– Já! – respondeu Remo.

– Deixa que eu coloque o enfeite. – disse Peter fazendo um Wingardium Leviosa, fazendo a estrela sair da mão de Sirius e voar para cima da árvore

Depois de muitas tentativas de Peter, Sirius resolveu tentar, porém também não consegueiu acertar o topo da árvore, e logo depois Kely, depois Remo, Tiago e Lílian.

– Pelo visto vamos ter que colocar sem magia. – respondeu Kely analisando a árvore.

– As cordas vão voltar a qualquer momento. – anunciou Remo.

E depois de nem um minuto as cordas já estavam no lugar de sempre.

– Certo… Quem é mais alto? Tiago ou Sirius? – perguntou Lílian olhando os dois.

– Não dá, ruiva. Nenhum de nos vai alcançar o topo da árvore. – disse Sirius.

– Não só uma pessoa. – respondeu Kely pensativa.

– O que quer dizer? – perguntou Tiago confuso.

– Qual o mais alto? – perguntou Kely.

– Tiago! – respondeu Remo e Sirius.

– Simples… Lílian sobe no ombro de Tiago e coloca a estrela.

– Sem chance, eu vou cair. – disse Lílian.

– Acho que se você sentar no ombro dele já da a altura. – disse Sirius analisando os dois.

– Vocês só podem estar de brincadeira. – disse Lílian rindo.

– Mas, Lily, a idéia é ótima. – disse Remo.

– Obrigada! – respondeu Kely.

– Vamos lá. Tiago te segura. Ele nunca deixaria você cair. – disse Peter.

– Sou pesada demais! – disse Lílian arrumando desculpa.

– Pesada onde? – perguntou Sirius rindo. – Sinto te informar, ruivinha, mas você é leve como uma pena… Tiago sempre fala isso. – disse Sirius abraçando a amiga e fazendo Tiago corar com o comentário.

– E então? Vai ou não, ruiva? – perguntou Remo.

– Não é mais fácil pegar uma vassoura? – perguntou ela.

– Não! – responderam todos.

– Tia Sara fez um feitiço para que eu e Tiago parássemos de voar dentro de casa. Não tem como usar uma vassoura. – disse Sirius. – Vai ou não, Lily?

Ela olhou bem para Tiago que retribuiu o olhar ansioso e analítico.

– Se você me deixar cair… – começou ela para Tiago.

– Você não vai cair. – disse ele se aproximando do palco. – Sobe aí no palco, fica mais fácil pra subir no meu ombro!

– Sabia que com essa corda eu não consigo chegar até a escada para subir no palco? – perguntou ela olhou dele para o palco.

– Não seja por isso. – disse ele pegando ela no colo e colocando em cima do palco. – Pronto! – respondeu enquanto todos riam.

A menina sentou no ombro do rapaz com muito cuidado, enquanto ele segurava suas pernas para ela não cair.

– Acho que vai precisar disso. – disse Sirius entregando a estrela.

– Obrigada! – agradeceu ela pegando e tentando colocar a estrela. – Tiago… Dá para chegar mais perto? – perguntou ela.

– Estou o mais perto possível. – respondeu ele.

– Lily, se esqueceu que em baixo a árvore é maior? – perguntou Kely rindo.

– É que eu não alcanço. – disse ela jogando o corpo para frente para alcançar o topo da árvore. – Fica quieto, Tiago! – disse ela se apoiando nele para ficar de pé. – Pronto! – disse ela colocando a estrela.

– Só quero ver você descer daí. – disse Sirius rindo.

– Eu não tinha pensado nisso. – respondeu ela.

– É fácil. É só pular! – disse Tiago sem se mexer, com medo da ruiva cair.

– Tiago, se você não reparou, a queda vai ser fatal para a pequena ruiva. – disse Remo rindo.

– Engraçadinho. – respondeu Lílian enquanto todos riam.

– Pula, Lily. Eu te seguro. – disse Tiago.

– Não sei não. – respondeu ela.

– Por que não usamos um Levi Corpus nela e a colocamos no chão? – perguntou Sirius no ouvido de Kely.

– Porque vai ser muito fofo ver Tiago segurando ela. – respondeu Kely ao ouvido de Sirius. – Pule logo, Lily. – pediu a menina.

– Certo! Um… Dois… Três… – e ela pulou, de olhos fechados.

Tiago pegou Lílian no ar, com a maior facilidade, como se ela fosse um pequeno objeto.

– Pode abrir os olhos, Lily. – disse Tiago rindo e colocando-a no chão.

– Que reflexos hen, Tiago. – disse Remo rindo.

– Vocês estão falando com o melhor apanhador que a Grifinória já teve. – respondeu ele ainda sem soltar Lílian. – Você está bem? – perguntou.

– Bem. Obrigada! – respondeu ela fitando-o. – Te machuquei? – perguntou.

– De jeito nenhum. Você é leve como uma pena! – respondeu ele com um enorme sorriso.

– Agora deixem tudo comigo e com o Pontas. Vamos enfeitiçar a árvore. – disse Sirius.

– Alguém pode mandar uma coruja para meus pais avisando que já montamos a árvore? – perguntou Tiago.

– Vou fazer isso! – disse Remo saindo e levando Rabicho junto.

– Para que avisá-los? – perguntou Kely.

– Para todos já irem mandando os presentes. – respondeu Tiago já enfeitiçando alguns enfeites.

Quando os dois já estavam acabando de enfeitiçar os enfeites alguns presentes começaram a aparecer no palco.

– Eles já receberam a coruja. – disse Tiago quando viu os presentes.

– Só falta arrumar os presentes aqui e duplicar a árvore. – disse Sirius.

– Duplicar? – perguntou Lílian sem entender.

– Vamos colocar uma árvore bem menor lá em cima e outra no hall. E para não precisar cortar outra árvore e enfeitar, é só duplicar essa e diminuir o tamanho. – explicou Tiago.

Quase sete da noite a casa já estava enfeitada com as árvores, e com alguns presentes na árvore do salão.

– O que vamos fazer agora? – perguntou Kely.

– Vamos comer! – disse Peter.

– Ele tem razão. Estou com fome também. – disse Tiago.

– E eu também. – disse Remo.

– Então vamos lá! – disse Sirius.

Depois do jantar Lílian e Remo foram ler na sala, enquanto Kely e Sirius foram dar uma volta para namorar, e Tiago e Peter obrigatoriamente foram para a sala junto com Lílian e Remo e ficaram jogando xadrez.

– Já é a quarta vez que eu ganho, Peter! Assim não tem graça. – disse Tiago irritado e feliz ao mesmo tempo.

– Por que não fazem como nós e vão ler? – perguntou Remo sem tirar os olhos do livro.

– Porque vocês são dois CDFs e nós não. – respondeu Peter.

– Não somos CDFs, só gostamos de estudar… – respondeu Remo tranqüilamente.

– Vocês dois fazem um casal perfeito! – disse Peter.

– Não fazemos não! – disse Lílian e Remo enquanto Tiago falava ao mesmo tempo:

– Não fazem não!

– Já entendi, gente. – disse Peter rindo da reação dos amigos.

– Que caras são essas? – perguntou Kely chegando à sala e vendo Tiago, Lílian e Remo de cara fechada enquanto Peter gargalhava

– Eles não gostaram de um comentário que eu fiz. – disse Peter.

– Que comentário? – perguntou Sirius curioso.

– Falei que Remo e Lílian faziam um casal perfeito.

Sirius começou a rir.

– Não teve a menor graça. – disse Kely.

– Também acho. – disse Tiago. – E eu mato o Remo se der em cima da minha ruiva.

– Não sou sua ruiva! E é Evans para você! – disse Lílian irritada.

– Eu nunca daria em cima dela. Ela é minha amiga. – disse Remo.

– É amiga do Pontas também e ele da em cima dela toda hora, que até enche o saco. – disse Sirius.

– Não é bem assim, Almofadinhas. – disse Tiago corando.

– Tiago Potter corando? Tínhamos que ter tirado uma foto. – disse Kely rindo.

– Acho melhor irmos dormir, Tiago. – disse Lílian fechando o livro.

– Você que sabe! – respondeu ele dando de ombros.

– Vamos então… – disse se levantando.

– ‘Noite galera. – disse Tiago.

– Vão ficar aí? – perguntou Lílian parando no pé da escada.

– Vão indo. Logo subimos. – disse Kely.

Cap Anterior

Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

7 thoughts on “Cap 10. Cine pipoca

  • Wateru

    Quote:

    – Porque o meio é sempre mais quente. – respondeu Sirius pelo amigo.

    :oops2:

    Eeeita, esse povo indo dormir junto 😳

    Outra coisa legal que notei na sua história é que você faz assuntos corriqueiros ficarem legais de ler :horror:

    Eu preciso ler os outros! :surto:

    [Responder]

  • POLYANA

    Vc fica em rolando para colocar os capitulos seguintes,
    faz duas semanas que eu queron ler “ate que fim vc é minha” é não tem. Que porcaria de blog esse que fica em rolando as pessoas, a final tem ou não tem os proximos capitolos, se teve coloca logo pra as pessoas ler, sua……

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    Olá Polyana,

    Como já disse em um dos seus cometários, não tenho como colocar só os caps da Até que enfim você é minha, já que outras pessoas querem ler os outros textos também, por isso eu faço um revezamento colocando um cap de cada um. Sinto muito se demora para postar, mas infelizmente não tenho como postar todos os capitulos da fic de uma vez só. E sim, tem final sim. Todos os caps já estão prontos, e estou tentando postar rápido, mas nem sempre dá. Provavelmente o próximo cap vem lá para o dia 02/09. Espero que continue acompanhando a fic e gostando.

    Abraços

    [Responder]

    POLYANA Reply:

    Me descupe é porque esta ficando muito bom a historia é agente fica muito ansiosos pra ler os proximos capitulos. E quando você vai colocar o capitulo 12, fico esperando sua resposta.
    Beijos
    Poly

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    Não se preocupe Poly… eu entendo perfeitamente como é ficar curiosa 😀
    Gostou do cap 11?
    Ainda não tenho o dia certo para o post… só programei os posts até o dia 11 desse mes, mas acho que o cap 12 vem na semana do dia 12, acho que lá pro dia 16, mas qdo tiver uma data certinha eu te aviso.
    Bjinhos

    Vanessa Sueroz Reply:

    Poly,

    o cap 12 esta marcado para o dia 16 desse mês. Desculpe a demora.