A casa dos gritos – Cap 1 1


Cap 1: Porque estamos aqui?

Narrado por Tiago Potter

– E lá vamos nós para uma aula insuportável! – reclamou o Sirius quando saiu dos enormes portões do castelo rumo à aula de trato de criaturas mágicas.

A última aula do dia, mas felizmente não era umas das piores.

– Não é tão ruim assim… – respondi passando as mãos pelos cabelos.

Eu adoro essa aula… Ok! Eu detesto, mas ninguém precisa saber.

– Pontas… Nós estamos no sexto ano. Não deveríamos fazer essa matéria ridícula. – disse o Pedro revoltado.

Acho que o Pedro preferiria estar na cozinha comendo, mas…

– Não é ridícula. – respondi avistando a minha ruivinha conversando com as amigas.

Ela estava tão linda, com aquele pôr-do-sol deixando os cabelos dela ainda mais vermelhos.

– Por que mesmo que estamos nessa aula? – perguntou o Pedro com a mesma expressão confusa de sempre.
– Por que a Lily esta aqui. – escutei o Remo explicando.

O pior é que ele costuma fazer sempre essa mesma pergunta todas as semanas nessa aula.

– E o que isso tem haver? – perguntou o Sirius que estava escutando a conversa.
– Se a Lily esta aqui o Tiago também está. Se o Tiago esta aqui o Sirius também esta. Se o Sirius esta aqui o Pedro também esta. Se todos os marotos estão aqui eu também estou. – respondeu o Remo, mas sinceramente não quis prestar atenção. Estava mais interessado em ver os cabelos da Lily balançando com o vento e seu sorriso lindo.
– O lado bom é que se a Lily esta aqui as amigas dela também estão. – comentei fazendo o Sirius estampar aquele sorriso malicioso.

Os meninos passaram a observar as meninas, claro que eu fiquei lá olhando a Lily, o Almofadinhas ficou admirando a Marlene, o Aluado olhando discretamente para a Dora, vi também a Alice que estava conversando com elas e o Rabicho… Esta estava comendo.

– Ainda não sei o que estamos fazendo nessa aula. Ela é ridícula. Para que vamos querer saber sobre dragões? – perguntou o Pedro revoltado.
– Dragões te matam. –respondeu o Remo cansado de tantas perguntas.

Se ele não quer estar aqui por que não falta a aula e pronto? Não é mais fácil?

– Ela esta muito linda! – eu disse para o Almofadinhas que apenas sorriu.

Vi o Remo fechar a cara. Ele nunca aprende. Sempre com essa história maluca que se eu machucar a Lily ele me mata. Acho que se eu machucar a Lily eu que me mato.

– Eu sei o que esta pensando Remo, mas não se preocupe. Você sabe que eu a amo. – eu disse sem tirar os olhos da minha deusa.

-… O importante é saber sobre isso é que os dragões… – escutei o professor falado ao longe, mas não consegui escutar nada.
– Ela esta linda mesmo. Por que não vai lá puxar assunto? – perguntou o Sirius parando ao lado do Aluado.

E Aluado tem que ir falar logo com a Dora ou vamos morrer de tédio aqui.

– Esta falando de quem? – desconversou o Aluado.

Ele pensa que nos engana!

– Estou falando daquela mocinha de pele clara e cabelos negros que você tanto gosta. Vai lá falar com ela. – me disse o Sirius o empurrando para perto das meninas.
– Vejo que temos um voluntário… – escutei o professor falando.

Acho que o professor interpretou errado… Todos nós olhamos para o Aluado. Ou tiramos ele de lá, ou ele vai ter que subir no dragão.

– Vamos senhor Lupin. Pode se aproximar. Só faça o que eu disse e não o provoque.

Fiquei sem idéia e olhei para o Almofadinhas. Ele tinha que ter alguma idéia para livrar o Aluado.

– Professor! O Remos não estava se voluntariado. Ele só estava indo pegar o livro dele que caiu.

A minha Lily é perfeita! Ela acabou de salvar o Aluado.

– Está aqui Remo. – me disse a Dora pegando um livro do chão e entregando para o lobinho.
– Obrigado! – ele disse ficando vermelho.

Não acredito que um membro dos marotos possa ser tão tímido assim. Ele mal consegue formular uma frase na frente da Dora sem corar. Ô vida!

Vi o Remo abrindo o livro e vimos e bela letra da ruivinha “Lily Evans”, era o livro de feitiços dela.

– O que eu iria ter que fazer? – me perguntou o Remo desinformado.
– Subir no dragão. – respondi sorrindo.

Eu adoro a cara de pânico dele.

– Ainda bem que a Lily existe. – brincou o Aluado sorrindo aliviado.
– Não sei o que seria de mim sem a Lily por perto. – eu comentei sorrindo sonhador.

Algum dia eu consigo essa ruiva para mim.

– Você seria um idiota. – respondeu a Lene chegando ao nosso lado. – Olá meninos. – nos cumprimentou depois.
– Vejo que esta de bom humor. – disse o Sirius se aproximando.

Ele não pode ser uma mulher que fica todo animado, principalmente se essa mulher for a nossa amiga Lene.

Uma coisa em comum que temos é que não podemos perder uma oportunidade de perturbar as damas.

Eu sei que o Sirius afirma que só quer sair com a Lene porque ela é gostosa e todas essas coisas que falamos das mulheres quando elas não estão por perto, e eu concordo que ela é gostosa e tals, mas eu começo aquele cachorro melhor do que ninguém e sei que ele também foi fisgado pelo cupido. Que coisa mais gay!

– Ficaria bem mais feliz se você subisse naquele dragão. – escutei a Lene falando e piscando para mim.

Ela é outro que não perde oportunidade de atormentar a vida do Almofadinhas. Esses dois se completam.

O Almofadinhas fez a maior cara de safado. Espero realmente que ele não esteja mesmo pensando em subir naquele dragão.

– E você sairia comigo se eu fizesse isso? – não acredito que ele caiu nessa história.
– Eu pensaria no caso… – me respondeu a Lene com um sorriso doce.

Doce até de mais, mas aquele não era um sorriso inocente.

– Seu pedido é uma ordem. – disse o Almofadinhas fazendo uma reverencia exagerada para a Lene e saindo em direção ao professor sorrindo.
– Ele não vai fazer isso não é? – escutei o Aluado perguntando.
– Até parece que não conhece o Sirius. – respondi vendo a cara de felicidade da Lene.
– Sirius você esta ficando louco? Ele vai querer que você suba no dragão. – ouvi de longe a Lily preocupada com o Almofadinhas.

Ela só se preocupa com ele por que ele é meu amigo.

Mentira… Ela é amiga dele também, mas ela se preocupa mais comigo.

– Observem… – disse o Almofadinha confiante se aproximando mais do professor.
– Ele é maluco! – escutei o Rabicho dizendo.
– Professor eu quero montar no dragão. – não acredito nos meus ouvidos.

Acho que o Almofadinhas pirou de vez.

Em segundos os sonserinos já começaram a vaiar, e a zoar. Depois no vingamos deles.

– Até que enfim temos alguém corajoso para enfrentar o dragão. – disse o professor sorrindo para o Almofadinhas.

Narrado por Lílian Evans

Ok! Confesso que deveria ter deixado ele cair de cara no chão ou deixar o dragão fazer torrada de Six, mas não consegui deixar as coisas acontecerem, principalmente depois que o dragão chamuscou o cabelo o menino da sonserina.

Assim que vi o Sirius se aproximando do dragão e conversando com o professor em particular, no mínimo sobre a segurança do Sirius, que nessa circunstância não deve ser muito boa, eu corri para junto do resto dos marotos e da Marlene.

Eu sei que o Six não presta e que a Lene é apaixonada por ele e fica dando uma de difícil só para ver se ele muda, mas ela não poderia ter feito isso com o coitado!

– Lene vai lá e tira ele de lá. – eu disse irritada.

Ela iria matar o Sirius!

– Ruivinha… Já estava com saudades. – escutei aquela voz irritante do Potter.

Por que ele sempre tem que me chamar por apelidos? É surdo?

– Evans! – eu disse tentando não me importar com o traste. O assunto importante era o Six e não o mala sem alça. – Vai lá Lene.
– Ele mereceu Lily. – ela me disse dando de ombros.
– O que ele te fez? – perguntei colocando as mãos na cintura revoltada.
– Nasceu! – ela respondeu com raiva.
– Ainda esta com raiva por causa da loira da corvinal? – perguntou a Dora se aproximando com a Alice.
– E por que eu me importaria? Entre o Black e o nada, tenha certeza que o nada é mais útil. – ela respondeu nervosa.

Definitivamente isso tem haver com a loira.

– O Six é igual o Potter. Ambos não prestam! Ponha isso na sua cabeça. – eu disse irritada vendo o Sirius montar no dragão.
– Eu sei que você me ama. – disse o tonto do Potter sorrindo.

Por que ele sempre sorri?

– Se eles são iguais, então por que você é amiga do Sirius e despreza o Tiago? – me perguntou a Alice sorrindo convencida.

Mas ela não vai me pegar nessa.

– Por que o Sirius não fica me chamando para sair toda vez que se lembra da minha existência.

Eu recebo convites para sair do chato até mesmo por carta.

– Se eu te chamasse para sair toda hora que penso em você, você não teria paz. Eu penso toda hora em você.– respondeu o Potter passando a mão no cabelo novamente.

Ele me dá nojo!

– Vai mesmo deixar ele fazer aquilo? – perguntou o Remo que até agora só observava.

Quando olhei para trás vi que o Sirius já estava em cima do dragão e o professor estava soltando as grades.

– Você não vai fazer nada? – perguntei irritada para a Lene.
– Ele vai se sair bem. – ela respondeu sorrindo.

Como ela consegue sorrir desse jeito sendo que o futuro namorado dela pode virar churrasco a qualquer momento?

– Se fosse o Tiago a Lily já teria feito alguma coisa. – comentou a Dora com um sorriso debochado.

Mas é claro que eu já teria feito ele parar. Já pensou se ele quebra alguma coisa? Se o dragão queima o cabelo dele ou coisa do tipo? Isso seria a pior coisa…

Quer dizer… Melhor coisa que poderia acontecer!

– Se fosse o Potter eu estaria incentivando ele a subir.

Eu sei que as meninas ficam inconformadas por eu ainda não cai na lábia do Potter e elas sim. Até parece que eu sou tão burra ao ponto de acreditar no Potter.

– E lá vai ele. – disse a Dora apontando para o Sirius que já tinha subido no dragão.

O Sirius é um maluco! Ele esta tentando se matar?

A Lene finge muito mal. Eu vi a cara de pânico dela olhando para o Sirius.

Por que ela não aproveita?

Eu amo minhas amigas, mas muitas vezes eu tenho raiva dessas duas cabeças de vento…

A Dora fica aqui olhando para o Remo o tempo todo e não vai lá tomar uma atitude!

Certo, enquanto eu me lamento eu perdi o Sirius pousando com o dragão de novo.

Pelo visto ele não se machucou. Pelo menos uma coisa boa nisso tudo!

E lá vai a Lene correndo para abraçar o Six. Ela agora esta parecendo aquelas garotas do fã clube dele. Eca!

– Lene! – chamou a Lily a segurando pelo braço. – Você não disse que não iria ceder?

Eu estou tentando colocar juízo na cabeça oca da Lene. Ela tem que fazer o Sirius ver que ela não é qualquer uma e fazer ele se apaixonar.

Não me matem… Eu sei que isso é quase impossível, como ele mesmo diz “Sirius Black não se apaixona”, alias, acho que o único maroto que é capaz de se apaixonar é o Reminho. A Dora tem uma sorte…

– Me empolguei. – escutei a Lene cochichando de volta.

Vi o resto dos marotos observando sorrindo enquanto o Sirius fazia uma reverencia exagerada.

– Estão dispensados. – foi à única coisa que ouvi da voz daquele professor que entrou na minha cabeça.
– Finalmente! – escutei a Alice dizendo antes de nos arrastar para o castelo novamente.
– Eu nem tive tempo de dizer tchau para o Remo. – escutamos a Dora reclamando.

Como se ela fosse lá tomar a iniciativa.

– Você faz isso mais tarde. Agora temos que nos arrumar. Logo começa o treino de quadribol. – disse a Lene sorridente.
– Eu só quero ver o Frank logo. – disse a Alice sorrindo sonhadora.
– Não acredito que você deixou o Six subir naquele dragão. – eu disse incrédula.

Eu sei que a culpa foi dela. Não sei o que ela disse, mas sei que o Sirius só fez aquilo por que a maluca pediu.

– Era só um teste. Queria ver se ele era capaz de fazer aquilo por mim. – respondeu a Lene dando de ombros.

Realmente… Ou ele fez por ela, ou para se exibir. Aposto que foi para se exibir, mas não posso contar isso para ela. Melhor mudar de assunto.

– Preciso ir para a biblioteca. – disse a Dora timidamente.

Ela só quer na biblioteca para ver o Remo.

– E vai fazer o que lá? – perguntou a Alice rindo.
– O Remo é o goleiro do Time, ele não vai para a biblioteca agora, ou o Tiago iria matá-lo. – eu disse revirando os olhos. Até parece que ela não sabe que a Lene vai nos arrastar para aquele campo de quadribol.
– Por que você só o chama de Tiago quando ninguém vai escutar? – perguntou a Dora um pouco irritada. Ela sempre se irrita comigo quando o assunto é o Potter.
– Exatamente por que ninguém vai escutar. – respondi dando de ombros.

Até parece que vou chamá-lo pelo nome na frente da alguém. Isso estragaria a minha reputação.

– Por que você não admite logo que esta apaixonada por ele? As coisas iriam ser mais fáceis. – me pediu a Alice com a maior cara de Sirius abandonado, ou melhor, cachorro abandonado.
– De quem esta falando? – perguntei me fazendo de desentendida.
– Do Frank… É claro que eu estou falando do Tiago! – respondeu a Alice se jogando na minha cama.
– O banheiro é meu. – disse a Lene empolgada pegando uma muda de roupas e indo tomar banho.
– O que será que ela vai aprontar? – perguntou a Dora curiosa.
– Até parece que não sabemos. – respondi rindo.
– Vai tentar colocar uma coleira no Six. – respondemos eu e a Alice juntas e depois caímos na risada.
– Pelo visto vamos para o treino hoje. – escutei a Dora falando enquanto verificava o guarda roupas.

Narrado por Tiago Potter

– Depois que essa história se espalhar vou sair com todas as meninas de Hogwarts. – escutei o Almofadinhas dizendo mais uma vez.
– Pensei que você já tivesse saído com todas. – comentou o Rabicho rindo.
– Ele só ignorou as do primeiro ano. – comentou o Aluado entediado.
– Só ignorou por que elas são muito novas para ter curvas. – respondi sorrindo.
– Por que não vamos azarar o Ranhoso para nos distrair? Estou com saudades de azarar ele. – comentou o Almofadinhas sorridente.
– Infelizmente fazemos isso mais tarde. Temos treino em meia hora. – respondi ansioso pelo treino.

Os últimos dois treinos as meninas apareceram…

– Está ansioso pelo treino por causa das meninas ou do quadribol? – me perguntou o Aluado rindo maroto.
– Até parece que você não gosta de ver a Dorinha lá na arquibancada acenando para você! – comentei maldosamente.
– Podemos azarar o Ranhoso e depois ir para o treino. – sugeriu o Rabicho com aquele sorriso maroto.
– E um ponto para o Rabicho por ter uma idéia brilhante. – brincou o Almofadinhas rindo.
– Vai mesmo querer se encontrar com a Lene sem tomar um banho antes? Você esta fedendo! – comentou o Aluado fazendo uma careta.
– Depois daquele dragão a Lene vai quere sair comigo. – ele disse dando de ombros. – E eu não estou fedendo.
– Não… Você mais parece um gambá do que um cachorro. – respondi para entrar na brincadeira.

Eu adoro zoar o Almofadinhas.

– Um cachorro molhado já fede o suficiente. Não precisamos de gambá por aqui. – zoou o Rabicho.

O Rabicho nos zoar já vira humilhação!

– Ei! Hoje é o dia nacional de “Tire sarro do Sirius”? – ele perguntou pegando o mapa do maroto na mochila.
– É o dia internacional de azarar o Ranhoso. – respondi sorrindo maroto. – Juro solenemente não fazer nada de bom. – eu disse tocando o mapa com a varinha.
– Segundo andar perto das masmorras. – o Almofadinhas disse sorrindo maroto.

Saímos correndo para o segundo andar assim que o Almofadinhas disse: “Malfeito feito!”.

Narrado por Lílian Evans

– Temos cinco minutos para chegarmos ao campo de quadribol ou não conseguiremos entrar. – disse a Lene impaciente.

Odeio quando a Lene esta com pressa. Ela repete a mesma coisa umas vinte vezes.

– Ainda sou contra ir assistir aquele jogo horroroso. – comentei, mas até parece que alguém se importa com isso.
– Eu adoro. O Frank fica tão lindo concentrado. – comentou a Alice já suspirando.

Não entendo essas pessoas apaixonadas. Elas ficam suspirando pelos cantos parecendo umas idiotas.

– Não precisa disso para impressionar o Remos, Dorinha. Larga esse livro aí. – pediu a Lene já puxando a Dora para fora do quarto.
– E lá vamos nós para mais um treino tedioso de quabribol. – eu comentei para a Alice que ainda sorria.

Ela deveria estar pensando no Frank montado na vassoura.

Peguei meus óculos de sol e uma revista para não ficar tão entediada. Essa será uma longa tarde.

Caminhei o mais lentamente possível.

Só faltei pular de alegria quando vimos que o campo de quadribol já estava fechado.

A única coisa boa nessa história é que ninguém tem autorização de assistir os treinos do time, a coisa ruim disso é que por incrível que possa parecer a Lene consegue milagrosamente que as portas se abram para nós mesmo depois do treino já ter começado.

– Acho que teremos que voltar para o salão comunal e descansar. – eu disse já virando para ir embora.
– Pelo menos o fim de tarde esta agradável. Acho que vou para o lago. – comentou a Dora chateada.

Eu sei que ela queria ver o Remus treinando.

– Com esse sol gostoso dá até para irmos nadar no lago. – comentou a Alice já empolgada.
– Podem ir parando aí. Nós vamos assistir esse treino. – nos disse a Lene olhando incansavelmente para o portão fechado.
– Por que não desiste? Podemos fazer alguma coisa mais interessante do que ver meia dúzia do idiotas voando atrás de várias bolas e ficando
– Vão embora? Já até abri a porta! – nos disse a Lene mostrando a porta aberta.

Essa será mais uma longa e tediosa tarde.

Narrado por Tiago Potter

– As meninas chegaram! – eu gritei para o resto do time, quando terminei de lançar o feitiço para abrir a porta do campo.
– Pensei que elas não viriam hoje. – comentou o Almofadinhas com um sorriso malicioso.
– Sem elas aqui o Remo não agarra nada. – brinquei.
– Eu estava distraído. – se defendeu o Aluado.
– Distraído olhando para as arquibancadas vazias. – comentou o Frank rindo.
– Você não pode falar nada Frank. Pensa que não percebi que os seus arremessos com a goles estão mais fracos e menos certeiros? – perguntou o Aluado.

Impossível se concentrar sem as nossas musas por perto.

– Agora o problema acabou. Olhem elas ali. – eu disse apontando para as quatro garotas da nossa vida que já se ajeitavam nas arquibancadas.
– Agora que o treino realmente começa. – me disse o Almofadinhas antes de sair voando para rebater um balaço.
– Time! Hora de mostrar do que a grifinória é capaz. – eu gritei sorridente.

É hoje que vou impressionar essa ruiva.

Ela pensa que me engana com esses óculos escuros… Eu sei que ela os colocou para disfarçar que não consegue tirar os olhos de mim.

E como ela fica linda com esses óculos, cabelos soltos balançando suavemente com o vento, o sol batendo no cabelo ruivo dela deixando-o ainda mais vermelho, uma perfeição.

Ela pensa que eu não sei que ela não consegue desviar os olhos de mim. Eu sei que por trás daqueles óculos ela esta me observando voar. Sei que ele gosta de me ver voando.

Me perdi na perfeição das linhas de seu rosto. Eu saberia desenhá-la de olhos fechados se preciso. Eu sei onde esta cada traço dela, sei o significado de cada gesto e sei que ela não esta lendo aquele revista, ela esta apenas me olhando, me desejando assim como eu a desejo.

Voltei a olhar para o campo quando recebi um balaço na cabeça.

– Sirius! – briguei.

Ele não viu que estou aqui?

– Acorda Pontas! O treino já começou. – ele gritou de volta fazendo o resto do time rir.

Olhei uma última vez para a minha ruiva e fui finalmente atrás do pomo.

Narrado por Lílian Evans

E aqui estamos nós novamente. Sentadas nas arquibancadas vendo o time treinar.

Olhei para o por do sol que esta mais bonito do que de costume. Acho que é a minha sina ficar aqui.

Fiquei folheando a revista que trouxe para ler, mas sinceramente não faço nem idéia do tema da revista e muito menos do conteúdo.

Não consegui me concentrar na revista. Vi a Lene espiando o Sirius do jeito mais cara de pau que ela encontrou, com um binóculos.

O sorriso das meninas sempre aumentava com os treinos. Não sei para que eu fui dar um binóculos trouxa para a Lene no natal passado. Ela não os esta usando da melhor forma. Usar os binóculos que eu dei para ficar vendo o Sirius e aqueles músculos dele? Perca de tempo!

Tentei não prestar atenção na Alice que já fazia umas musicas esquisitas torcendo para os meninos, como se hoje já fosse o dia do jogo!

– Vai grifinoria vai! Grifinoria é a melhor! Grifinoria vai ganhar! – gritava a minha amiga.

E para ajudar ela ainda fazia algumas dancinnhas esquisitas. Se ela fosse trouxe diria que com toda certeza seria líder de torcida. Ainda não sei como arrumei amigas tão contraria a mim.

Coitada da Dora, ela estava ali disputando o binóculos com a Lene, mas sem muito sucesso. Ela esta tentando ser discreta e olhar para o Remo e tentando não entrar na torcida da Alice quando o Remo defendo os arcos. Não sei o que seria da Dora sem mim. Vou dar um jeito dela e do Remo se entenderem, só não sei quem é mais fácil de se convencer de tomar a iniciativa, se é ela ou se é o Remo.

Me distrai das minhas amigas quando senti aqueles olhos em cima de mim. E lá esta ele, parado naquela vassoura olhando para nós.

Deveria ser proibido garotos morenos e lindos como ele ficarem encarando assim. Dá até arrepios!

Ele fica tão lindo montado naquela vassoura, mas é claro que eu nunca falaria isso para ele. Tiago é metido de mais e isso o deixaria com o ego grande de mais.

Mas não posso evitar que meus olhos corram para ele. É tentação de mais vê-lo com aquele uniforme da grifinoria, será que Dumbledor nunca reparou que os alunos nunca usam o uniforme completo? Cadê a capa dele? Não é nada justo ele ficar desfilando só com aquela camiseta colocada no corpo, e ainda por cima deixando aqueles braços fortes a mostra.

Aqueles braços são a perdição de qualquer garota. Fico me imaginando sendo abraçada por aqueles braços fortes. Deve ser tão relaxante e seguro ali. Ok! Eu já experimentei. A única vez que me permiti deixar o Tiago me abraçar foi quando escutei a noticia que a rua que meus pais moram foi atacada por comensais. Pensei logo o pior, mas graças a Deus nada aconteceu.

Por que ele tem que ser tão bonito? Por que ele tem que me chamar tanta atenção? É quase impossível resistir. Eu disse quase, por que eu geralmente resisto.

Por que ele tem que ser o Potter? O mesmo que sempre faz brincadeiras de mau gosto, o mesmo que arrasa com o coração de todas as meninas da escola, e mesmo que faz parte dos marotos. Isso não é justo. Por que tinha que ser ele o único a chamar a minha atenção?

Distrai-me do Tiago quando o vi levando um balaço na cabeça.  Me segurei para não rir, ninguém poderia saber que eu estava olhando ele de canto de olho através dos óculos escuros para que ninguém reparasse.

– Por que mesmo que estamos aqui? – escutei a Dora perguntando depois de finalmente desistir de pegar o binóculos da Lene.
– Por que o Sirius esta aqui. – respondeu Alice entediada.

Parece que o Frank não consegue marcar gol.

– E se o Sirius esta aqui a Lene também esta. – comentei folheando a revista mais uma vez.
– E se a Lene esta aqui a Lily também esta. E se as duas estão aqui você também esta. E se vocês estão aqui eu também estou. – respondeu a Alice sorrindo debochada.
– Pensei que a Lily estava aqui para ver o Tiago. – comentou a Lene prendendo o riso.

Não achei a menor graça!

– Quantas vezes eu tenho que falar que odeio o Potter? – eu disse já ficando nervosa.

Será que elas perceberam que eu estava olhando para ele e não para a revista?

– Quantas vezes você quiser Lily, mas nós nunca vamos acreditar. – me respondeu a Alice sorrindo. – Isso Frank! – ela gritou em seguida por que o Frank fez um gol.
– Agarra a bola Remus! – a Dora gritou do lado.

É impressão minha ou as duas estão torcendo uma contra a outra?

– Não estou aqui para ver o Sirius. – respondeu a Lene como se aquilo fosse mentira,

Olhamos uma para a outra e nós quatro caímos na risada. Como a Lene é cara de pau.

– Não acredito que você disse isso! – eu disse assim que consegui parar de rir.
– É o que ele tem que pensar que eu não quero nada com ele. – ela respondeu voltando a observá-lo com o binóculo.
– Pelo menos ela admite que gosta dele, não é Lil? – me perguntou a Dora com a maior cara de inocente.

Ela esta querendo que eu fale que sim para dizer que eu não admito que gosto do Potter, mas não vou falar nada disso.

– Se ela tem algo para admitir que admita logo. – respondi sorrindo e voltando a olhar a revista.
– Concordo plenamente senhorita Evans. Se for para admitir que admita logo. Você não precisa ficar nos escondendo nada. – me disse a Alice sorridente.
– Não estou escondendo. – respondi ainda sem olha-las.

Não estou escondendo nada. Não gosto dele! Só o acho muito bonito e charmoso. Isso não é estar apaixonada ou coisa do tipo.

– Ela não esta escondendo. Esta omitindo informações. A gente já sabe que ela gosta dele, só queremos que ela admita de uma vez. – comentou a Dora para a Alice que concordou de imediato.
– Não deve demorar muito para a Lily parar de fingir que o odeia. Afinal logo o ano acaba e ela vai perceber que se não fizer alguma coisa nunca vai irá ver o Tiago. – comentou a Lene sem tirar os olhos do campo.

Como a Lene é exagerada. Não chegamos nem nas férias de natal.

Ainda falta muito para o ano escolar terminar e darmos adeus para Hogwarts.

– Sabemos que você se importa de não o ver mais. – me disse a Alice debochada.
– Imagine como sua vida ser monótona sem ele para te chamar de ruivinha toda hora. – comentou a Dora sorrindo encantada.

Amo minhas amigas, mas quando elas estão apaixonadas e ficam suspirando pelos cantos eu perco a pouca paciência que tenho.

– Vai Tiago! – gritou a Lene empolgada.

Ótimo! Me distrai do Potter e ele agarra o pomo. Por que eu sempre perco a melhor cena? Fico aqui prestando atenção nessas amigas loucas que eu tenho e não vejo a captura do pomo.

Narrado por Tiago Potter

Eu sei que a minha ruivinha estava atenta para cada movimento meu, então com toda certeza ela me viu fazendo acrobacias.

Eu tenho que impressioná-la de alguma forma, e se for para ser voando, não vejo mal nenhum nisso. Tenho certeza que ela adorou a minha captura do pomo.

Fiz questão de dedicar o pomo de ouro para ela e lhe mandar um beijo quando peguei o pomo, mas infelizmente não consegui ver o seu rosto, mas ela deve ter gostado! Pelo menos eu não ouvi nenhum grito, claro a não ser o da Lene.

A Lene pelo menos não fica disfarçando que não gosta do Sirius. Ela vem assistir os treinos com um binóculos, já a minha ruivinha vem de óculos escuros para que ninguém perceba que ela esta olhando para mim.

É… Algum dia ela vai me assistir de camarote e torcendo por mim a cada segundo. Vou arrumar um jeito de convencê-la a se tornar a senhora Potter. Só espero que eu não demore a vida inteira para conseguir isso.

– Dispensados! – eu gritei para o time.

Definitivamente foi um bom treino. Era bom que as meninas estivessem por aqui sempre, assim os meninos ficam mais animados, inclusive eu!

Ver aquela ruiva ali, torcendo por mim, mesmo que discretamente.

Fomos rapidamente para o vestiário. Nada melhor do que um belo banho para deixar a minha ruiva com mais vontade ainda de me agarrar.

Introdução

Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

One thought on “A casa dos gritos – Cap 1