Até que enfim você é minha – Cap 41


Anteriormente:

– Comprei a pouco e ainda não tinha usado. Que bom que reparou! – respondeu sorrindo.
– Eu reparo em tudo em você! – disse ele gentilmente.
– Que fofo! – respondeu ela feliz indo para a cama tomar café.

Depois de um tempo já estavam nas ruas passeando e conhecendo os lugares, pontos turísticos principalmente, era o que atraia a ruiva.

Ficaram três dias no Rio e tiveram que voltar.

Cap 41 – Triângulo

Enquanto o casamento passava Sirius Black teve que escolher entre seu grande amor e sua namorada. Galinha como sempre fora, optou pelas duas, deu uma desculpa para Marlene convencendo a menina a ir para casa e ficou aos beijos com Kely em um canto da sala.

Tudo resolvido? Sirius não teve muita sorte.

– Vamos dançar Sirius? – perguntou Marlene depois que cumprimentaram os noivos.
– Claro. – disse ele ainda observando Kely pelo canto do olho.

– O que aconteceu? – perguntou Marlene de repente parando de dançar.
– Não entendi! – disse Sirius voltando sua atenção pela primeira vez para sua namorada.
– Você esta avoado hoje. Sei que é casamento do meu melhor amigo e você é o padrinho, mas… Esta prestando atenção? – perguntou Marlene vendo ele avoado novamente.
– Desculpe… O que disse? – perguntou ele voltando a si.
– Estou falando de você! O que foi?
– Você venceu… Vou te contar. Não estou nem um pouco a fim de ficar aqui… Por que não vai indo para a minha casa e te encontro lá mais tarde? – mentiu ele parecendo muito convincente.
– Mas se é você que não esta a fim de ficar por que eu tenho que ir e você ficar? – perguntou ela sem entender.
– Oras… Vai esquentando o meu lado da cama… – disse Sirius maliciosamente pensando rapidamente em uma desculpa.
– Por que não vai comigo e esquentamos juntos? – perguntou ela sedutora.
– Bem que eu gostaria, mas infelizmente tenho que ficar pelo menos mais um pouco. Sou o padrinho, não é? Tiago e Lílian vão ficar chateados se eu sair assim.
– Então fico contigo… – disse ela feliz.
– Não! – disse ele na mesma hora assustando levemente a moça. – Quero dizer, vai à frente… Coloca uma roupinha linda para mim, ou melhor, vai tirando a roupa, toma um banho que já vou… – sussurrou ele no ouvido dela galanteador.
– Certo, mas não demora… – disse ela selando seus lábios antes se virar para sair do salão.

O moreno fingiu se dirigir aos noivos que tentavam inutilmente conversar com Valter – noivo da Petúnia Evans – Tiago parecia conversar alegremente, Valter estava parecendo ofender o noivo enquanto as duas damas ficavam a olhar sem entender.

Assim que Marlene saiu do salão, Sirius deu meia volta e foi até o barzinho que fora montado para as bebidas, onde Kely conversava distraidamente com o barman.

Se aproximou sem ser percebido pela dama, e sussurrou em seu ouvido galantemente:

– Posso me sentar?

Kely pareceu entrar em choque por poucos segundos, mas logo se recompôs e sem olhá-lo respondeu:

– Sente onde quiser. – respondeu secamente.
– Alguma coisa para beber senhor? – perguntou o barman.
– Um wishk de fogo! – disse Sirius ainda sem tirar os olhos de Kely. – O que faz aqui sozinha?
– Vamos dizer que meu parceiro me abandonou. – disse Kely para ele ainda sem olhá-lo. – Então Toy, faz o que da vida além de servir bebidas? – perguntou ela ao barman.
– Não vai me dar atenção mesmo? – perguntou Sirius sedutoramente para Kely antes que o barman pudesse responder.
– Não. Vá ficar com a sua namorada. – disse Kely irritada.
– Ela não esta aqui. Foi para casa. – respondeu Sirius com um enorme sorriso.
– Problema seu Black. Me desculpe Toy, já vou indo. – disse a menina se levantando e indo para o outro lado do salão.

Mas antes que Kely tivesse a oportunidade de entrar na pista de dança Sirius a puxou pelo braço trazendo ela para perto e enlaçando sua cintura.

– Por que esta com raiva?
– Por que só me quer quando sua namorada esta indisposta.
– E se eu disser que fui eu que a mandei para casa? – perguntou ele sugestivamente.
– Diria que antes você blefava melhor. – disse Kely tentando se afastar dele.
– Não estou blefando… Falei para a Lene ir para casa.
– Qual foi à desculpa? – perguntou Kely já menos irritada.
– Quer a verdade ou não? – perguntou ele.
– Você que sabe – disse ela rindo.
– Falei que te amava e terminei com ela. Mandei ela embora para não estragar a nossa festa. – disse ele sedutor quase beijando a moça, que se afastou ligeiramente.
– Agora a verdade… – pediu Kely.
– Falei que já ia para casa ficar com ela, mas não parar de pensar em você! Você sabe que me fascina Kely, sabe que foi a única no meu coração.
– Se me ama tanto por que esta com ela? – perguntou e menina chateada.
– Você me mandou ficar com ela. Não se lembra?
– Não! – respondeu Kely irritada.

Flash Back

Sirius e Kely estavam em mais uma de suas discussões:
– Por que não pára de me perseguir? – perguntou Kely irritada.
– Por que ainda te amo. E sei que me ama. – gritou Sirius irritado.
– E você sabe que não deu certo. Por isso terminamos.
– Poderíamos tentar de novo… – pediu Sirius.
– Não quero me iludir de novo.
– Já estamos iludidos Kely.
– Se você parar de me perturbar vou te esquecer…
– Não vai…
– Claro que vou… – respondeu ela nervosa.
– Quer mesmo que eu saia da sua vida? – perguntou Sirius cansado.
– Quero que arrume outra e seja feliz! – disse Kely antes de sair batendo a porta.

Fim do flash back

– Agora se lembra? – perguntou Sirius vendo a cara de decepção dela.
– Não era para você ter me escutado seu cachorro.
– Fica comigo pelo menos essa noite? Vamos esquecer que um dia terminamos. Por favor… Mais um dia ao seu lado sem sentir sua boca eu não vou agüentar…
– E McKinnon? – perguntou Kely.
– Amanhã penso nela. Hoje somos só nós dois. – disse ele antes de beijá-la.

O casal ficou se beijando por alguns minutos enquanto os amigos olhavam sem acreditar.

Só que nem tudo é um mar de rosas da vida de Sirius Black…

Marlene tinha esquecido de pegar a chave da casa do maroto com o próprio e só se lembrou quando já estava na rua, voltou para o salão e encontrou seu namorado aos beijos com a ex.

Marlene ficou uma fera. Partiu em disparada para cima do moreno. Afastou o casal e olhou bem para a cara de cada um:

– Era para isso que queria que eu fosse para casa? – perguntou ela nervosa para Sirius.
– Não consegui evitar… – respondeu ele sinceramente.
– Seu galinha! – disse ela lhe dando um belo tapa no rosto. – E você sua vaca… Não pense que tirou o Sirius de mim. – disse para Kely. – Te espero em casa para conversarmos. – completou pra Sirius antes de sair.
– Belo tapa! – zoou Remo ao passar pelo maroto.
– Pelo menos ela me deixou sozinho com você… – disse Sirius para Kely.
– Ela tem razão Sirius… Você esta namorando com ela… Não é certo o que estamos… – começou Kely.
– Ela sabia desde o começo que eu não a amava. Depois me acerto com ela. Hoje a noite é nossa.
– Posso até me arrepender, mas… – começou Kely.
– Não vai resistir! – disse o rapaz antes de capturar aqueles lábios que tanto desejava.

Ficaram assim até que os amigos vieram avisar que os noivos já estava indo para a lua de mel e foram atrapalhar um pouco.

– Divirtam-se! – disse Kely dando um abraço em cada um.
– Não façam nada que eu não faria! – disse Sirius cumprimentando eles.
– Não façam nada que eu não tenha feito! – brincou Frank.
– Quero noticias! – disse Alice.
– Boa noite de sono para os dois! – brincou Peter.
– Aproveitem bem. – disse Tonks.
– Me diga depois quem é o selvagem! – brincou Remo.
– Remo! – protestou a ruiva vermelha da cor dos cabelos.
– Como se ninguém soubesse o que vocês vão fazer lá! – disse Sirius rindo.
– A ruiva vai conhecer o caminho do céu! – disse Peter.
– Que amigos mais pervertidos eu tenho! Vamos dormir a noite inteira. Lily ainda tem vergonha de mim. – disse Tiago normalmente.
– Esta brincando, não é? – perguntou James chegando.
– E por que estaria? – perguntou Tiago confuso.
– Vocês nunca…? – perguntou Sara.
– A ruiva é virgem! – responderam todos os jovens exceto os noivos!
– Que mico! – disseram as duas ruivas juntas.
– A Lily estar com vergonha eu entendo, mas você Sara? – perguntou James.
– Já mandei mais de três francos de poções contra gravidez para ela… – disse a ruiva envergonhada fazendo todos rirem.
– A conversa esta boa, mas eu quero aproveitar o meu casamento gente! – disse Tiago fazendo todos rirem mais ainda.
– Melhor os deixar viajarem ou vão nos matar! – brincou Remo.

– Agora que os dois já foram… – começo Frank.
– Dá para explicarem o que houve? – perguntou Remo.
– Estamos… Como é que se fala mesmo? – perguntou Kely pensativa.
– Ficando… Estamos ficando. – respondeu Sirius.
– E a Marlene? – perguntou Alice.
– Esta na minha casa me esperando para termos uma conversa.
– Vai terminar com ela? – perguntou Tonks.
– Você fez a pergunta errada Tonks… – disse James.
– Ela é que vai termina com ele. – disse Sara.
– Duvido! – disseram Kely e Sirius juntos.
– Então é oficial ou não? – perguntou Peter.
– Não! – responderam os dois.
– Não entendo vocês… – disseram todos antes de se afastarem.
– Nem nós! – responderam um para o outro antes de se beijarem novamente.

E assim se passou a noite. Quando a festa acabou, lá para as quatro da manhã, Sirius deixou Kely em sua casa e foi para o seu apartamento se encontrar com Marlene.

– Longa noite Almofadinhas! – disse ele para si mesmo antes de entrar em casa.

Assim que abriu a porta Sirius deu de cara com Marlene dormindo no sofá, tentou não acordar a menina, mas assim que trancou a porta ela despertou:

– Sirius? – perguntou sonolenta.
– Oi Lene. Vá dormir no meu quarto, depois conversamos.
– Vamos conversar agora! – disse ela autoritária.
– Você esta com sono e eu cansado, ambos com muitas coisas na cabeça… É melhor conversarmos amanhã.
– Você esta tentando fugir de mim. – disse ela irritada.
– Não estou fugindo, só não quero tomar decisões precipitadas.
– O que seriam decisões precipitadas? – perguntou ela com receio.
– Terminar com você agora mesmo.
– Você não faria isso… – disse ela deprimida.
– Você sabe que sim… Você sabe que não te amo…
– Mas vai amar… – disse Marlene esperançosa.
– Amo Kely e você sabe disso… Não consigo resistir a ela… Você não vai gostar se isso acontecer de novo…
– Já não gostei… Mas tudo bem Sirius. Você matou sua vontade com aquela mulher, agora fique comigo… – pediu Marlene.
– Amanhã conversamos Lene. – disse ele cansado.
– Olha pra mim… – pediu ela quase suplicante. – Fica comigo Sirius… – pediu parando na sua frente.
– Melhor dormirmos. Fique no meu quarto, durmo no antigo quarto do Tiago. – respondeu Sirius tentando passar.
– Eu quero você! Não me importo Sirius. Faça-me sua essa noite.. – pediu ela abrindo o roupão e revelando o corpo nu.
– Não posso fazer isso com você! Sou galinha e cachorro Kely vive dizendo, mas não sou um monstro. Se vista e durma. Amanhã conversamos. – respondeu ele empurrado à moça com delicadeza para o lado e se trancando no quarto do amigo.

À noite para os três não foi muito agradável. Kely estava confusa, sem saber ao certo no que iria dar tudo aquilo. Não achava certo ter ficado com Sirius, porém o amava. Mas para que tentar novamente? Sabia que o namoro não daria certo… Por que o beijou? Por que o deixou beijá-la? Por amor… Amor que não a deixava em paz, amor que a fazia sofrer… Mas ele estava com outra, não poderia fazer isso com a moça, ela não tinha nada a ver com as brigas deles, ela era só uma intrusa… Intrusa! Realmente… Por causa dela Kely não estava com Sirius… Não era totalmente errado pensar assim… Foi ele mesmo que terminou com ela. Marlene não estava no caminho. Foram os dois que se perderam, se perderam por não tentar mais uma vez, por acreditar que era melhor sofrer uma vez do que todos os dias, mas estava errados. Se ficassem juntos mesmo que não dando muito certo eles eram felizes em alguns momentos e agora estava tristes pelos cantos. Lílian e Tiago viviam dizendo que nunca mais viram os amigos felizes como antes. Ela precisava do Sirius de volta, assim como ele precisava dela…

Marlene estava revoltada. Amava Sirius e queria ele ao seu lado. Ele iria amá-la, só precisava de tempo, pelo menos era o que pensava. Mas por que Kely tinha que atrapalhar? Por que ela sempre estava no caminho dos dois? Tantas vezes Sirius a beijava e ao invés da escutar ele dizendo seu nome era sempre o nome dela, Kely, que ela escutava, mas agüentava a tudo por seu amor incondicional. Sirius era perfeito e não iria perdê-lo tão fácil. Não tinha agüentado tudo aquilo para deixá-lo para outra com tanta facilidade. Ela tinha que fazer alguma coisa… Nunca imaginava Sirius Black dispensando uma mulher, nunca imaginou Sirius Black dispensar sua namorada nua na sua frente pedindo carinho, mas ele o fez e ela já sabia como tirar Kely Mrght do seu caminho…

Para Sirius a situação estava muito mais complicada. Tinha sua namorada, Marlene, que ele gostava muito, tinha muito carinho por ela, porém não era o bastante, seu amor por Kely não cedia espaço para Marlene, não deixava os dois em paz. Se ele pudesse escolher… Mas não podia… Amava sua ex, mesmo fazendo de tudo para esquecê-la, como ela mesma aconselhou, mas era impossível, a amava a tanto tempo que seu coração não sabia mais viver sem ela. A procurava em cada canto, lugar, cada gesto que faziam nada fazia esquecer a dona de seu coração.

Mas seria justo fazer isso com Marlene? Traí-la? Largá-la? Mas também estava confuso… Seria justo com Kely mesmo amando-a a deixar? Seria justo com seu coração se afastar da mulher que amava para não magoar a outra pessoa?

Enquanto os noivos tinham a melhor noite de suas vidas, Sirius, Kely e Marlene passaram uma das piores noites, mas para todos, a noite passou rapidamente e logo o sol já estava no céu.

Sirius acordou com gritos naquela manhã. Caiu da cama escutando um grito familiar, mas não reconheceu a voz. Correu para o banheiro e colocou uma calça de moletom. E correu para a sala, que era de ontem vinham os gritos. Se deparou com uma cena que nunca imaginou ver: Marlene estava em cima de Kely que tentava se defender enquanto a primeira a batia com todas as forças possíveis.

Sirius ficou sem reação. Quem ele defendia? Teria que segurar uma das duas… Mas qual estava certa? Marlene estava espancando Kely, o que era injusto, afinal a menina tinha todo um treinamento por ser aurora, porém, o que Kely estaria fazendo na casa dele as… Que horas eram mesmo? Sete da manhã!

Foi quando Kely gritou mais uma vez que Sirius voltou à realidade. Tirou Marlene, que estava furiosa, de cima da amiga. Kely nem ao menos se levantou. Estava toda machucada, estava na cara que nunca tinha brigado com ninguém, muito menos com alguém treinado para matar caso precisasse. O sangue que escorria no canto da boca de Kely denunciava a fúria que Marlene estava. Sirius sentia uma leve dificuldade em conter a moça, mas logo conseguiu acalmar as duas.

– Agora que parou com essa palhaçada, posso saber o que esta acontecendo? – perguntou ele furioso se sentando no sofá enquanto Kely passava um remédio na própria boca fazendo um curativo.
– Nada de mais… Só estava dando um jeito nessa ladra de namorados! – disse Marlene ainda nervosa.
– Não acredito nisso… Ela não te fez nada! – disse Sirius revoltado.
– Lógico que fez. Esta tentando tirar você de mim… Depois de tanto trabalho que tive..
– Não acredito que estou escutando isso… – disse Sirius pasmo. – Mas por que veio aqui afinal? – perguntou se virando para Kely que se mantinha calada.
– Recebi isto logo cedo! – respondeu a menina entregando uma carta para Sirius.

Mrght,

Acho que precisamos conversar.
Você agarrou meu namorado ontem sua vadia!
Não sabe que ele é comprometido? Não sabe que ele é fraco? Que não resiste?
Acorda para a vida e acostume – se… Sirius Black é meu e de ninguém mais.
Se afaste dele. Ou eu mesma cuido disso…
Chegue perto dele novamente e mato você… Entendeu?

Espero nunca mais ver a sua cara,
Marlene Mckinnon.

Sirius não sabia o que dizer. Releu a carta diversas vezes até ter algo para falar. Estava pasmo com tudo aquilo.

– Por que mandou isso? – perguntou para Marlene.
– Não ficou claro na carta? Não a quero perto de você! Ela tem que aprender a parar de dar em cima do homem comprometido.
– Já falei que não fiz nada! – respondeu Kely revoltada.
– Não enche Mrght! – respondeu Marlene irritada.
– Por que você veio? Por que não esperou e conversávamos mais tarde? – perguntou Sirius para Kely.
– Você me conhece o suficiente para saber que depois disso eu não ia ficar quieta esperando você tomar uma atitude que poderia nunca vir a acontecer. – respondeu ela dando de ombros.
– Vai querer apanhar de novo? – perguntou Marlene nervosa.
– O mundo da voltas. Toma cuidado. Não te fiz nada, mas posso vir a fazer, e não precisa ser te batendo.
– Claro que não… Você é fraca de mais para isso. Acho que sua amiga Lílian não te ensinou a brigar…
– Deixe Lílian fora disso! – disseram Sirius e Kely juntos.
– Não falei nada de mais. – disse Marlene dando de ombros.
– O que eu faço com vocês duas? – perguntou Sirius confuso andando de um lado para o outro na sala enquanto as duas ora se olhavam com ódio, ora olhavam para o moreno esperando uma decisão.
– Irá ter que se decidir Six! – disse Kely depois de algum tempo. – E irá se decidir agora. Sua indecisão será encarada por mim como uma escolha a ela. – disse Kely se referindo a rival sentada do outro lado da sala.
– Então já esta decidido! Saia daqui e nunca mais chegue perto do meu namorado! – disse Marlene nervosa.
– Cala a boca! Não estava falando com você. – disse nervosa para Marlene. – Então Sirius… – incentivou a menina para o moreno que estava visivelmente confuso.
– Kely eu…
– Você não vai escolher essa daí, vai? – perguntou Marlene interrompendo o rapaz.
– Marlene eu… – começou ele novamente, mas dessa vez quem interrompeu foi uma a campainha.

Sirius se viu virando e abrindo a porta, e no instante seguinte Moody já estava na sala de estar dos marotos.

– Desculpe atrapalhar a reunião de vocês… – disse ele vendo Kely machucada, Marlene descabelada e Sirius confuso e com algumas marcas de unhas nos braços, arranhões que ganhou ao separar a briga das duas. – Temos emergência, e estamos sem dois dos melhores aurores que temos.
– Você não vai atrapalhar o Tiago e a Lily na lua de mel deles, não é? – perguntou Sirius vendo o supervisor pensativo.
– Espero que não seja preciso. Mas precisamos ir. Estão atacando Londres. – disse Moody aparecendo preocupado.
– Mas eles não costumam atacar a essa hora… – disse Marlene pensativa.
– Também achei estranho, mas temos que ir.
– Me parece uma armadilha.. – comentou Sirius.
– Se for ou não, vamos ter que arriscar. Não podemos deixar mais pessoas feridas.
– Acho melhor eu ir para o hospital. Pelo visto logo vamos ter mais pacientes por lá. – disse Kely antes de sair correndo para o trabalho.
– Ela esta certa. Precisamos ir. – disse Moody antes de sair atrás de menina.

A disputa entre os comensais e os aurores não foi intensa, porém, sim era uma armadilha, mas como os alvos não estavam presentes, os Potter’s, a briga acabou por ser encerrada em instantes. Porém mesmo assim algo ruim aconteceu.

Kely estava de um lado para o outro no hospital cuidando de algumas crianças, saiu para beber uma água e se acalmar. A preocupação era evidente em seu rosto, mas tentava ao máximo se controlar, porém nenhum esforço foi possível quando viu alguns aurores surgirem na porta da frente do hospital.

Assim que viu o chefe dos aurores entrar ficou estática, Moody estava com cara de poucos amigos. Sua perna de pau fazia um enorme barulho no hospital, e que aumentava na cabeça preocupada de Kely.

Afinal cadê o Sirius? – perguntou ela em pensamento.

Não sabia se era bom ou ruim o moreno não aparecer, só podia significar duas coisas, ou ele estava tão bem ao ponto de ir para o ministério arrumar a papelada, ou havia morrido e não tinha nada que o hospital pudesse fazer e a segunda opção a deixava profundamente desnorteada.

Viu a amiga Alice passar voando para abraçar a marido, Frank, que tinha apenas alguns arranhões nas pernas, pelo visto havia caído em algum lugar não muito confortável.

Seu coração parecia que iria sair pela boca. Todos estavam lá, os únicos aurores que não estavam presentes eram Lílian e Tiago, que estavam em lua de mel, e Sirius e Marlene. Será que isso significava o pior? Mas o que seria o pior? Ter Sirius morto ou ao lado de outra?

Uma pergunta difícil de se responder a um coração sem esperanças e sofrido. O que é mais aceitável? Definitivamente a resposta veio para Kely como uma rajada do vento em uma tempestade. Queria Sirius vivo, seja com quem for.

Kely já estava pálida com tudo isso, sua cabeça ia a mil em segundos. Alice vendo que a amiga não estava bem com aquele situação foi ao seu encontro:

– Não se preocupe ele esta bem. – disse assim que se aproximou de Kely.

A menina a olhou sem acreditar em seus ouvidos, assim que teve uma reação melhor pulou nos braços na amiga como agradecimento. Sirius estava bem, e era o que importava.

– Que bom! – disse assim que soltou Alice. – Mas por que a demora? Os aurores sempre vem para cá depois de alguma missão.
– É que aconteceu algo não muito agradável. Logo ele esta aí. – disse Frank triste.
– O que houve? – perguntou Kely preocupada.

Mas não foi preciso Alice responder, no instante seguinte Sirius surgiu com Marlene nos braços. E Kely já entendeu.

Eis a decisão dele… Esta com ela… Ele prefere a Marlene do que a mim… Se conforme Kely… Pelo menos ele esta bem e vai poder velo às vezes… Fique satisfeita! Ele quis assim… – pensava Kely enquanto via Sirius entrar desesperado no hospital.

– Vai ficar aí parada ou vai ajudar? – perguntou Alice vendo Kely olhar Sirius sem ao menos piscar os olhos.
– Vou fazer o meu trabalho. – disse Kely antes de chamar alguns enfermeiros para colocar Marlene em uma maca.

Sirius parecia desconsolado, não era possível descrever a situação do moreno. Ao ver Kely partir com Marlene para prestar os socorros necessários se sentiu inútil por não poder fazer nada além de tirar a namorada de baixo das rochas que a soterraram. Ninguém mais ficou para ajudar por acreditar que a moça já estava morta, mas Sirius por ter um ressentimento para com a moça, não pode abandoná-la e conseguiu tira-la com vida dos destroços.

Kely estava dividida entre sua profissão e dever, e seus sentimentos. Não gostava de Marlene, a pouco ela havia feito tão mal a médica, que esta não tinha certeza se queria salva-la ou não.

Não… Esta tudo errado! – pensou Kely olhando Marlene quase desfalecida enquanto os enfermeiros ligavam as máquinas para que a médica, Kely, pudesse cuidar da moça.

Estava errado mesmo, perder uma vida por uma briga? Não estava certo. A moça poderia ter tirado seu grande amor, poderia ter batido nela mais cedo, ferido seu orgulho, mas ainda era um ser humano e merecia toda a atenção necessária para que pudesse sobreviver.

Kely estava aplicando poções e feitiços em Marlene, mas viu que era inútil, só estava adiando o inevitável, a moça estava prestes a morrer e ela não poderia fazer mais nada. Marlene aos poucos acordou:

– Como se sente? – perguntou Kely voltando a tirar a pulsação da moça.
– Você sabe que não estou bem. – respondeu Marlene quase em um sussurro.
– Me desculpe, fiz o que pude… – respondeu a médica tristemente.
– Eu sei… E quero te pedir desculpas por tudo…
– É melhor você não falar nada. Não gaste suas forças comigo. Tem uma pessoa que te ama muito e quer te ver… – disse Kely antes de se afastar para chamar Sirius.
– Espere! – pediu Marlene segurando levemente o braço de Kely.

A médica se virou para contemplar a moça na cama, a tristeza de ambas era evidente no olhar de cada uma.

– Me desculpe. Sirius sempre te amou e ainda te ama me disse quando estávamos indo se encontrar com os comensais que te ama mais que a própria vida, só que o amo tanto que não pude enxergar que é melhor que ele seja feliz com outra do que sofrer comigo. Desculpe-me por separar vocês, mas só agora vejo o quanto é importante ver quem amamos feliz. Não quero morrer sem que saiba que ele te ama muito e que foi culpa minha, vocês não estarem juntos. Sempre que Sirius pensava em ir atrás de você eu dava um jeito de ele mudar de idéia, ele já estava frágil com tudo aquilo e qualquer palavra fazia ele mudar de idéia. Desculpe-me, não posso morrer sem o seu perdão…

Kely ficou sentida com as palavras de Marlene e pareceu esquecer-se de tudo por alguns momentos, mas voltou a si quando viu os batimentos cardíacos da moça começar a diminuir.

– Balão de oxigênio! – pediu Kely com urgência na voz.

Logo alguns enfermeiros estavam colocando o balão de oxigênio em Marlene. Kely não parava de pensar no que a moça lhe disse… Sirius a amava! Sirius a ama! Sempre a amou! Seu coração não estava acreditando em tudo aquilo.

– Me perdoa, por favor! – pediu Marlene em um sussurro agarrando a mão de Kely que estava distraída.

Foi quando Kely percebeu que os enfermeiros tinham ido para a outra sala e que Marlene parecia melhor.

– Não se preocupe. Esta perdoada. Agora pare de falar. Poupe suas energias. Já volto! – disse antes de sair com os olhos marejados da sala.

Ela me fez tanto mal… Mas… Ela fez por amor a Sirius. Não posso deixá-la morrer.
Mas ela quase me matou hoje… Pare de pensar nisso Kely! Salve aquela moça custe o que custar!
– pensava a moça indo beber uma água no corredor.

Kely estava bebendo uma água para se acalmar, porém foi interrompida por o médico chefe do hospital:

– O que esta acontecendo Mrght? – perguntou ele.
– Ah? – perguntou ela não entendendo o que ele disse por estar absorvida em seus pensamentos.
– É disso que estou falando… Hoje a senhorita esta muito distraída. Acho melhor ir para casa descansar. Como vai cuidar dos pacientes nesse estado? – perguntou ele nervoso.
– Me desculpe senhor é que a moça que esta no quarto 84 é uma conhecida.
– Pelo visto não é sua amiga… Ela quase morreu em suas mãos…
– E me arrependo por não ter cuidado disso antes senhor, mas estava abalada com tudo…
– De novo aquele rapaz Mrght? – perguntou o médico desapontado.
– Ele mesmo. Aquela moça é namorada dele. – respondeu Kely tristemente.
– Mas até onde eu escutei, ele ama você! – disse o médico.
– Escutou onde? – perguntou Kely se animando rapidamente.
– O hospital inteiro sabe que ele te ama… Ele não é auror? – perguntou o médico.
– Sim…
– Então… Ele esta aqui sempre, por causa das missões, e algumas vezes delira, e acaba chamando por você e falando que te ama. As enfermeiras já estão até cansadas disso…
– O senhor esta brincando? – perguntou ela desconfiada.
– Jovens! – disse o médico revirando os olhos. – Claro que não. Já lhe disse que ele te ama. Pare de ficar chateada e preocupada com isso… Você é médica e não pode deixar sua vida pessoal interferir no seu trabalho. Desse jeito vou ter que te afastar e… – mas quando viu a moça já estava correndo pelo hospital. – Aonde vai senhorita? – perguntou ele já gritando por causa da distancia.
– Vou salvar a vida daquela moça. – gritou Kely em resposta.

Sirius esperava aos prantos na sala de espera, tendo Alice e Frank ao seu lado.

– Você tem que se acalmar Sirius… – pediu Alice.
– Vou buscar mais água com açúcar para você! – disse Frank se colocando de pé.
– É tudo culpa minha. Se a Marlene não tivesse com raiva de mim ela não estaria tão distraída na luta e não teria sido atingida.
– A culpa não foi sua Sirius… – disse Frank tentando acalmá-lo.
– Claro que foi.
– O que houve afinal? – perguntou Alice.
– É que…

Flash back

Sirius e Marlene saíram com Moody atrás de Voldmort deixando Kely sozinho no apartamento do rapaz.

– Precisamos conversar Black. – disse Marlene assim que Moody se afastou um pouco para falar com alguns aurores.
– Depois conversamos… – disse ele tentando ir para junto dos outros.
– Tem que ser agora! – disse ela puxando o rapaz pelo braço.
– O que foi? – perguntou ele irritado.
– O que foi? Você me pergunta o que foi… Você sabe o que foi… – disse ela estérica fazendo todos olharem para eles.
– Ela só esta nervosa gente! – disse Sirius tentando sorrir para os outros presentes – Para de escândalos Marlene!
– Você não pode simplesmente me deixar assim…
– Assim como? – perguntou ele nervoso.
– Eu te amo Sirius! – disse ela nervosa.
– Já lhe disse milhões de vezes que amo a Kely.
– E eu sempre aceitei. Sempre lhe disse que vai me amar. – respondeu ela.
– Não adianta mais tentar. Você sabe que é inútil. Estou fazendo todos sofrerem…
– Todos quem? A Mrgth?
– Ela, você e eu! Pare com isso. Não se rebaixe tanto. – disse ele nervoso tentando sair de perto dela.
– Sirius Black se me disser que vai fazer isso eu nunca mais falo com você! – gritou ela vendo ele se afastar
– Melhor ainda. Assim me esquece com rapidez e vivemos todos felizes! – gritou ele em resposta fazendo a moça bufar de raiva
– Ótimo! Quero que você morra! – gritou ela com o rosto vermelho de raiva.
– Se me quer morto é melhor me matar! – gritou ele.
– Parem o dois ou suspendo vocês até segundas ordens. – gritou Moody nervoso.

Fim do flash back

-… Então paramos de brigar, de nos falar e fomos para a missão.
– Não foi culpa sua! – disse Frank.
– Claro que foi. Se eu não tivesse ido atrás da Kely no casamento do Pontas ela não teria ficado com raiva e nada disso teria acontecido.
– Sinceramente Sirius… Você é muito lerdo! – disse Frank rindo.
– Por quê? – perguntou ele levemente irritado.
– Você deveria ter ido atrás da Kely há muito tempo. – respondeu Frank.
– Deveria sim, mas não é hora para conversar sobre isso… Marlene esta entre a vida e a morte naquela sala… Não sei o que fazer!
– Você não tem o que fazer… – disse Kely chegando.
– Kely! – disseram todos surpresos.
– Então…? Como ela esta? – perguntou Sirius com urgência na voz.
– Ela quer falar com você Sirius. Vem comigo! – pediu a menina.
– Mas ela esta bem? – perguntou Frank.
– Não morreu se é isso que queria saber… – disse Kely extremamente profissional.
– O que deu nela? – perguntou Frank assim que os dois se afastaram.
– Esta nervosa. Ela não suporta a Marlene e a menina esta com a vida nas mãos dela… Sei como é isso… Lembre-se que estava estudando para ser médica. Pelo que ela falou Marlene esta bem e vai se recuperar, mas ainda deve correr algum tipo de risco, provável que passe alguns dias no hospital. – respondeu Alice.

– Coloque essa roupa para poder entra na sala. – disse Kely entregando algumas peças para Sirius.
– Como ela esta Kely? Não minta para mim! – pediu Sirius segurando o braço da moça antes dela sair da sala.
– Vai ver por si mesmo. – respondeu a moça se soltando.
– Você esta estranha… – comentou o rapaz vendo ela se afastar.
– Aqui eu não sou sua amiga Sirius. Sou a médica da sua namorada. – respondeu ela antes de sair.
– Então é só ciúme! – disse ele para si mesmo mais aliviado

Assim que terminou de colocar as roupas Sirius saiu da sala e se encontrou com outro médico:

– Cadê a Kely? – perguntou ao sair.
– Mandei ela ir tomar um calmante.
– E você é…? – perguntou Sirius.
– Me desculpe… Sou Mateus. Médico chefe. Por culpa sua minha melhor médica esta uma pilha de nervos. – disse ele sorrindo.

Sirius o olhou sem entender.

– Você não é Sirius Black? – perguntou o médico.
– Sim…
– Então estou falando com a pessoa certa. Você esta deixando aquela moça maluca sabia? Por que não diz logo que a ama?
– Co… Como sabe? – perguntou Sirius surpreso.
– Você delira muito quando fica com febre. – explicou o médico se lembrando das inúmeras vezes que Sirius, assim como os outros aurores, ficavam no hospital, indo em direção a um quarto.
– Sério? – perguntou Sirius assustado e surpreso.
– É… – disse o médico vagamente. – Aqui esta a sua namorada. Não a deixe se esforçar muito. Ela esta muito fraca e ainda corre perigo, mas insistiu tanto para falar contigo e com a senhorita Mrght que achei melhor conceder esse desejo a moça. – disse o médico abrindo uma porta e revelando Marlene deitada na cama.

Sirius entrou bem devagar na sala, olhando a moça com cuidado enquanto o médico saia fechando a porta. Assim que chegou perto da moça Sirius segurou sua mão:

– Não precisa me olhar com essa cara… – disse Marlene tentando sorrir para o moreno.
– Me desculpe… É que…
– Fique quieto e me deixe falar… – pediu ela não deixando o rapaz terminar a frase. – Primeiro, escutei quando disse para Moody que a culpa foi sua eu estar aqui. Eu tinha sido atingida, mas não estou surda Sirius… – disse ela um pouco irritada – A culpa não foi sua. Ninguém teve culpa a não ser eu mesma. Estava distraída… – completou vendo seu amado abrir a boca para protestar.
– Mas Marlene…
– Mas nada Sirius… Pare de se culpar! – disse ela autoritária. – Bem… Queria pedir para parar de se preocupar comigo… Tiago sempre diz que você é um cara decidido, mas não vejo isso em você.
– Aonde quer chegar? – perguntou ele confuso.
– Pare de se torturar por mim. Você mesmo disse que ama a Kely… Demorou em ir pedir desculpas! Eu sei que você não foi ainda por que eu estou aqui nessa cama. Você me disse hoje cedo que iria parar de fazer nós três sofrermos e iria atrás dela. Por que não o fez? Sabia que ela esta num estado lastimável achando que você não a quer? Estive conversando com ela um pouco antes de você chegar aqui. Ela não esta muito bem Sirius. Encarou aquele briga hoje cedo como um adeus.
– Sinceramente não estou te reconhecendo… – disse Sirius confuso ao escutar as palavras da moça.
– Sabe Sirius… Quase morrer faz a gente ver a vida de outro modo. Amo-te muito, mas viver ao seu lado sabendo que ama outra não vai me fazer feliz nunca, não vai te fazer feliz, e mesmo não gostando da mulher que roubou seu coração, ela também não será feliz. Parem os dois com essa coisa boba de achar que só porque então se vêem com freqüência o namoro não vai dar certo… Se vocês se amam, é claro que vai dar certo…
– Acha mesmo que mesmo distantes ainda podemos viver juntos? – perguntou Sirius apreensivo.
– Por que não moram juntos? Sabe, Tiago e Lílian estão em lua de mel e vão morar em uma casa só deles. Você e Kely vão morar sozinhos. Por que não moram juntos? Assim vão se ver mais e quem sabe o namoro de você não volte a dar certo?

Sirius pareceu pensar por algum momento.

– Eu adoro você Lene. Você é uma ótima amiga! – disse ele agarrando o rosto da menina e lhe beijando a face.
– Demorou a falar com ela cachorrinho. Vou ficar bem, sua namorada cuidou de mim…
– Namorada? – perguntou ele confuso.
– Estou terminando o nosso namoro, então você com certeza esta namorando a Mrght agora, só falta ela saber disso… – brincou Marlene.
– Eu… – começou ele sorrindo.
– Não precisa me agradecer. Eu sei! Agora vá logo falar com ela se não eu mesma vou levantar dessa cama e ir falar com ela no seu lugar…
– Já vou. Mais tarde eu volto. – disse ele feliz.
– E não se esqueça de dar a noticia do namoro de vocês para o nosso mais novo casal. – disse ela antes dele fechar a porta.
– Pode deixar! – gritou ele já correndo pelo corredor atrás de Kely.

Sirius correu – o que para ele pareceu uma eternidade – procurou Kely pelo hospital inteiro, mas quando a achou não foi como ele queria. Kely estava escorada nos ombros do médico chefe do hospital.

O coração de Sirius pareceu parar de bater por alguns instantes pensando que a menina já poderia estar com outro, porém ele estava errado, e logo soube disso, pois no momento seguinte viu uma enfermeira se aproximar com uma maca e os dois colocaram Kely nela.

E mais uma vez o mundo de Sirius caiu.

Kely? O que houve? Não… Ela não pode morrer agora… Não agora! Agora mais do que antes sei que a amo… Amo tanto que não conseguiria viver sem tê-la em meus braços. Que Deus permita que não seja nada grave! – pensava Sirius vendo os médicos levando Kely desacordada para um dos quartos.

Sirius ficou algum tempo vendo o corpo desacordado de sua amada se afastando com rapidez, mas logo pareceu retomar a consciência e correu ao encontro do médico para saber o que estava acontecendo:

– Hei! O que houve com ela? – perguntou ele, mas os médicos não lhe deram atenção. – O que aconteceu com ela? – gritou Sirius quando os médicos entraram no quarto.
– É melhor o senhor ficar na sala de espera… – disse um dos enfermeiros.
– Podem deixar. Deixem ele entrar! – disse Marcos.

Sirius entrou rapidamente e foi para junto de Marcos, o pegou pelos ombros e sacudindo o indagou:
– O que aconteceu com a Kely? Ela esta bem, não esta? – perguntou Sirius desesperado
– Se acalme senhor Black. Vamos dizer que a senhorita Mrght vai ficar algum tempo dormindo.
– Dormindo? Mas o que aconteceu? – perguntou Sirius aflito.
– Lembra-se que eu lhe disse que mandei a moça tomar um calmante? – perguntou o médico calmamente.
– Mas o que tem isso haver…?
– Vamos dizer que ela tomou calmante de mais e desmaiou. – respondeu o médico tirando a pressão de Kely.
– Mas por quê? – perguntou Sirius sem entender.
– Já lhe disse… Sabe… Mulheres são sensíveis de mais… Emotivas de mais… A senhorita Mrght estava muito nervosa hoje e exagerou no calmante.
– Culpa minha, não é? – perguntou Sirius cabisbaixo.
– Um pouco! – respondeu o médico com um sorriso amarelo. – Mas não se preocupe. Logo ela acorda. Se quiser pode ficar aqui. – e logo o médico já estava caminhando para fora da sala.

Sirius ficou algum tempo mais na sala vendo Kely dormir tranquilamente. Frank e Alice passaram na sala avisando que já que todos estavam bem eles iam para casa, mas que os deixassem informados.

Após algum tempo Kely começou a despertar e logo Sirius já estava de pé esperando a moça abrir os olhos.

– O que… Sirius? – perguntou ela assustada ao vê-lo
– Que bom que acordou! – disse ele aliviado pegando a mão da moça.
– O que faz aqui? O que eu faço aqui? – perguntou ela percebendo finalmente que estava em um dos quartos do hospital.
– Fui atrás de você para conversarmos e vi você desmaiar os braços do Marcos.
– Eu? – perguntou Kely sem acreditar.
– Você mesmo. Ele disse que você tomou calmante de mais…
– É… Realmente acho que exagerei… Minha pressão deve ter baixado e eu devo ter desmaiado. – disse ela se sentando.
– O que pensa que esta fazendo? – perguntou ele vendo ela se levantando.
– Estou indo cuidar dos meus pacientes. Tenho muito que fazer! – disse ela já de pé.
– Precisamos conversar… – disse Sirius pegando no braço da moça para impedi-la de sair do quarto.
– Sobre o que? Não viu sua namorada ainda? – perguntou Kely levemente irritada.
– Ciumenta como sempre! – disse Sirius com um sorriso maroto.
– Não é ciúme. Eu pedi para que você se decidisse e você se decidiu. Fico feliz que tenha finalmente se decidido.
– Só tem um problema nessa sua dedução lógica Kely. – disse Sirius balançando a cabeça negativamente com um sorriso charmoso nos lábios.
– Que dedução Black? Você me deixa falando sozinha para sair com a Marlene, depois aparece chorando aqui por que ela foi atingida… Quer que eu pense o que?
– Primeiro: não te deixei sozinha para sair com ela, te deixei sozinha por que estava tendo um ataque e eu precisava trabalhar. Segundo: Claro que estava chorando. Marlene se tornou uma grande amiga e pensei que já estivesse morta. Iria fazer o que se Tiago aparecesse aqui ferido? Dar risada?
– Não… – disse ela pensativa.
– Então… É a mesma coisa… – disse Sirius.
– Não quero mais falar sobre isso. Tenho que trabalhar. Sua namorada precisa de cuidados médicos.
– Desculpe, mas não tenho namorada. – disse ele com um sorriso maroto.
– Terminou com a Marlene enquanto eu estive desmaiada? – perguntou ela debochadamente.
– Sim… – respondeu Sirius deixando Kely surpresa.
– Sim? Por quê? – perguntou Kely sem entender.
– Por que quero ser feliz. E para isso eu preciso de uma noiva.
– Veio aqui para me contar que esta noivo dela? Ótimo já fez o que queria. Agora me dê licença. Tenha mais o que fazer de que ser sua conselheira sentimental. Seja feliz com ela. – disse a menina saindo do quarto e batendo a porta.

Sirius sorriu abertamente antes de ir atrás da moça.

– Kely espera! Você como sempre entendeu errado! – gritou ele me meio do corredor do hospital.
– O que eu entendi errado Black? – perguntou ela friamente e sem parar de andar.
– Eu te amo! – gritou ele.

Ela parou de andar assustada.

– Eu te amo Kely! Eu sempre te amei. – gritou ele assim que via a moça parada de costas para ele.
– O que? – perguntou ela se virando para fita-lo parecendo confusa.
– Se ficar mais um minuto sem você eu não tenho vida, não tenho paz, não tenho nada. Você é o ar que respiro, é a água que bebo você é tudo para mim. Eu te amo! Te amei no passado, te amo no presente e te amarei no futuro.

Kely olhava com uma expressão ora confusa ora emocionada para o homem a sua frente, enquanto alguns funcionários de hospital paravam para admirar a cena.

Sirius se aproximou dela. Ajoelhou- se na sua frente. Pegou sua mão e disse:

– Senhorita Kely Mrght, aceita se tornar a senhora Black? Aceita ter um escravo apaixonado aos seus pés e passar o resto da sua vida ao lado dele? – perguntou Sirius segurando a mão da moça delicadamente.
– Eu… – Kely não consegui terminar. A voz não saia. Estava emocionada de mais para falar algo. Lágrimas escorriam livremente de seus olhos e deixando com o rosto vermelho em poucos segundos.
– Me desculpe por não ter um anel, mas é que meu amigo esta de lua de mel e faz questão de me ajudar a escolher o anel, então tenho que esperar ele voltar. E então? Aceita se casar comigo? – perguntou ele mais uma vez.
– Você tem certeza Six? – perguntou ela emocionada.
– Eu sempre tive. Sempre te quis do meu lado! – disse ele romanticamente depositando um beijo na mão tremula da moça.
– Sirius eu não sei o que te dizer… – começou a menina com um fio de voz.
– Só diga sim… – disse ele.
– Sim Sirius. Eu aceito me casar com você! – disse ela sorrindo.
– Então temos uma coisa importante a fazer agora! – disse ele se levantando e se aproximando dela.
– E o que seria? – perguntou ela marotamente.
– Para falar a verdade são duas coisas… Ou melhor… Três! – disse ele antes de beijá-la.

Um beijo mágico para ambos. Um beijo que transmita o que sentiam paixão, desejo, esperança, felicidade, saudades, tudo que um coração apaixonado pode sentir tudo que num coração que ama pode suportar. Um único beijo trouxe todos os sentimentos a tona!

– E o que mais precisamos fazer? – perguntou Kely assim que se separaram.
– Primeiro precisamos ligar para Lílian e Tiago, e depois… Bem depois te pego aqui no hospital para que possamos comemorar nosso noivado. – disse ele piscando um olho marotamente e sorrindo maliciosamente.
– Hoje eu estou de plantão. – disse Kely
– Não tem problema. Assim que você sair. Você vai ser minha! – disse ele sorrindo maliciosamente.

Ela riu e balançou a cabeça.
– Você não pode ligar para o Tiago e para a Lily agora. – disse ela ainda sorrindo.
– Por que não? – perguntou ele sem entender.
– Sirius, são nova da noite. Você acha que eles estão dormindo? Eles estão em lua de mel…
– Eu sou cara-de-pau. Não se preocupe. Faço questão que eles sejam os primeiros, a saber. – disse Sirius feliz.
– Você que sabe. – disse Kely dando de ombros.
– Como faço pra falar com eles? – perguntou Sirius pensativo.
– Lily me deu um celular de presente. Pode usá-lo se quiser. – disse a menina entregando o celular para Sirius.
– Isso que é mulher prevenida! – brincou Sirius lhe roubando um beijo rápido.
– Agora tenho que trabalhar. – disse Kely se afastando dele.
– Só preciso saber que horas você sai daqui… – disse ele.
– Às oito da manhã. – disse ela já meio distante dele.
– Estarei aqui. – gritou ele vendo à loira se afastar.

Enquanto isso no Rio de Janeiro Tiago e Lílian já tinham terminado de jantar e estava voltando para o quarto.

– Que dia maravilhoso! – disse Lílian se jogando na cama.
– Nosso primeiro dia como marido e mulher… – disse Tiago sorrindo e olhando a esposa.
– Não sei por que não me casei antes. – brincou ela.
– Mas podemos compensar o tempo perdido. – disse ele maliciosamente já indo para a cama ficar em cima dela.
– Estou cansada Ti! – disse ela manhosa.
– Não estou fazendo nada… – disse ele fazendo cara de inocente. – Mas agora eu vou fazer… – completou indo beijar o pescoço da ruiva.
– Acho melhor eu ir tomar um banho… – disse ela tentando resistir as caricias dele.
– Amei a idéia! – disse ele sorrindo marotamente.
– Amou? – perguntou ela sem entender onde ele queria chegar.
– Amei sim. Vamos tomar banho. – disse ele pegando a esposa no colo.
– Ai! – disse ela quando ele a pegou. – Quando você disse vamos, você quis dizer eu? – perguntou ela vendo ele caminhar para o banheiro.
– Não. Quis dizer nós! – disse ele já colocando ela no banheiro e prensando ela na parede.
– Não acho uma boa idéia. – disse ela vagamente.
– Por que não? Vai ser bom… – disse ele segurando os braços dela na parede e beijando-lhe o pescoço. – Sei que vai gostar… – disse entre um beijo e outro. – Você esta gostando! – disse ele quando escutou ela soltar um gemido rouco e quase inaudível.
– É melhor agente parar Ti… ago! – disse ela tentando resistir a ele.
– Parar por quê? – perguntou ele segurando agora os braços dela com uma única mão e com a outra percorrendo o corpo da ruiva.
– É melhor… – disse ela em um sussurro. – Olha onde põe essa mão… – disse ela quando ele levantou sua saia e colocou a perna dela em sua cintura.
– Pára de tentar resistir lírio. Você sabe que não pode… – disse ele descendo do pescoço para o busto.
– Mas é que está muito claro aqui… – reclamou ela.
– Ainda com vergonha? Vergonha do seu marido? Que coisa feia! Vou ter que te castigar… – disse ele sorrindo parando de beijá-la.
– Não vai fazer cócegas, vai? – perguntou ela apreensiva.
– Não foguinho! – disse ele antes de tomar seus lábios mais uma vez.

Minutos depois a situação já mudará:
– Vem aqui vem! – chamou Lílian de roupas intimas quando Tiago disse que como castigo iria deixá-la na vontade.
– Não ruiva! Você esta em divida comigo… – brincou ele.
– Não vai mais entrar na banheira comigo? – perguntou ela fazendo bico.
– Não! – disse ele tentando parecer sério, mas com um olhar provocante.
– Já que não quer entrar comigo eu fico aqui com você! – disse ela marotamente passando as mãos no tórax dele.
– A água vai esfriar.. – disse ele sorrindo.
– Não tem problema. Você esta quente! – disse ela abrindo os botões da camisa dele.
– O que vai fazer? – perguntou ele mordendo o lábio inferior provocante.
– Vou fazer carrinho no meu marido… Não posso? – perguntou ela sugestivamente depois que já tinha aberto a camisa dele e o cinto.
– Não sei… – disse ele fazendo se de difícil, mas estava louco para agarrar a ruiva.
– Vou te ajudar a decidir! – disse ela arrancando a blusa dele e abrindo a calça.
– Sabia que estou adorando a dúvida? – perguntou ele sugestivamente com um olhar malicioso para o sutiã da mulher.
– Vem comigo vem… – chamou ela sedutoramente entrando na banheira depois de tirar a calça dele.
– Tudo que você mandar minha rainha! – disse ele encantado com ela.
– Vem! – chamou ela de novo com um dedo e um olhar provocante.

Assim que Tiago agarrou a ruiva e lhe beijou já desabotoando o sutiã dela ele escutou um barulho estranho.

– O que é isso? – perguntou interrompendo o beijo um pouco assustado.
– Me aprece meu celular… – disse ela pensativa. – É meu celular! – disse saindo correndo do banheiro.
– Mas… – disse Tiago segurando seu braço.
– Me desculpe. Tenho que atender… E se for algo importante? – perguntou ela se soltando dele e indo para o quarto.
– Mas que droga! Que hora para ligar! – reclamou Tiago saindo do banheiro atrás da esposa.

– Alô! – disse a ruiva atendendo ao telefone.
– Oi Lily! É o Sirius! – disse Sirius do outro lado da linha.
– Oi Sirius! – disse Lílian sentando na cama.
– O Sirius? – perguntou Tiago irritado. – Tinha que ser. Ele adora chegar na hora errada.
– Aconteceu alguma coisa? – perguntou Lílian preocupada ignorando o comentário de Tiago.
– Deixa que eu falo com ele. – disse Tiago pegando o telefone da esposa. – É bom que seja algo importante, estávamos ocupados!
– Ocupados? – perguntou Sirius rindo. – Sei… Finalmente. E como vai a lua de mel?
– Boa até você atrapalhar. – disse Tiago levemente irritado.
– Pare de implicar com ele Tiago. Deixa que eu falo. – disse Lílian puxando o telefone de volta. – Pronto Sirius. O que houve Estão todos bem?
– Aconteceram muitas coisas hoje Lily, mas vou encurtar a história antes que o Tiago desligue o telefone na minha cara.
– Então diga! – pediu a ruiva – Tiago pare… – pediu ela quando Tiago começou a beijar seu pescoço.
– Não estou te atrapalhando. Só fazendo carrinho… – disse ele inocentemente.
– Sei… – disse a ruiva.
– Manda o Tiago tomar um banho gelado… – brincou Sirius. – Enfim… Só liguei para falar que vou me casar.
– Você o que? – perguntou a ruiva se levantando com o susto e fazendo Tiago cair de cara na cama.
– Vou me casar Lily! – disse Sirius feliz.
– Casar? – perguntou Lílian surpresa.
– Quem vai casar? – perguntou Tiago quando escutou Lílian falando.
– Eu vou casar! – disse Sirius rindo imaginando o susto dos dois.
– Mas casar com quem? – perguntou Tiago pegando o telefone da ruiva.
– Devolve esse telefone Potter! – pediu Lílian irritada.
– Sem chance! – disse ele correndo pelo quarto com a ruiva atrás.
– Só liguei para visar que eu e Kely nos acertamos e estamos noivos Pontas.
– Que legal! Fico feliz por você! Mais um maroto de coleira! – brincou ele ainda correndo da ruiva.
– Bom.. Amanhã quando chegarem conversamos melhor. Acho melhor deixar vocês aproveitarem a lua de mel. – disse Sirius feliz da vida.
– Vamos aproveitar sim. E mande os parabéns para ela. E para você também. Depois quero saber os detalhes! – disse ele antes de desligar. – Pronto Lily. Eu sei quem é a noiva e você não! – brincou ele em cima da cama.
– Pode ir me contando… – disse ela parando e batendo um dos pés no chão.
– Só conto depois que continuarmos de onde estávamos… – disse ele maliciosamente jogando o celular longe a agarrando a esposa.
– Tenho algo para você! – disse ela empurrando ele para a cama. – Mas antes quero saber quem é a noiva…
– Não conto nem sobre tortura. – disse ele sorrindo e vendo a ruiva subir na cama enquanto ele estava deitado e amarrado.
– Nem sobre tortura? Vamos ver quanto tempo você resiste. – disse ela indo ligar o rádio e começar a dançar em cima dele.
– Isso é covardia! – disse ele tentando se soltar para poder agarrar a mulher a sua frente.
– Quem é a noiva? – perguntou Lílian rebolando em cima da cintura do moreno e começando a tirar o sutiã.
– Não… Posso… Contar!
– Tem certeza? – perguntou ela terminando de soltar o sutiã e o segurando com as mãos. Se não contar eu paro de dançar, e vejo que esta bem animado… – disse ela sentando no quadril dele.
– Isso é de mais para mim…
– Quem é a noiva Tiago? – perguntou Lílian mordendo a orelha do moreno.
– A Kely! – gritou ele. – Agora para com essa tortura! – pediu ele suplicante.

Lílian sorriu vitoriosa, mas não soltou o marido. Ficou brincando com ele por mais algum tempo.

E aquela foi uma longa noite para todos. E longa manhã para Sirius e Kely quando se encontraram na saída do serviço da moça e foram para a casa do maroto.

Cap Anterior
Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.

Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.