Até que enfim você é minha – Cap 34


Anteriormente:

Estude muito e mate o Voldmorte e seus seguidores por mim…

Beijo, e sonha com o Tiago!
K.M

P.S. não responde a carta, já sei que me deseja boa noite, e fala pra mim sonha com o Sirius. E também me deseja boa sorte amanhã com as crianças… Deve estar falando que vai matar o Voldmorte por mim… rsrsrsrs

Beijos

Logo as duas amigas já estavam em um sono profundo.

Cap 34 – O segundo grande risco

O tempo passou rapidamente e a guerra já estava aterrorizando toda a população bruxa.
Voldmorte por onde passava deixava vestígios de caos e destruição.

O movimento aumentava a cada dia no hospital para Alice e Kely e duplicava o trabalho para os aurores e estudantes, por que cada vez mais tinham menos aurores.

O natal esse ano iria ser na mansão Potter como de costume, porém não haveria o baile, e sim um jantar em família e poucos amigos.

Estamos no dia 23 de dezembro onde volta a nossa narrativa:

Lílian estava na mansão Potter como todos os domingos, o almoço de família já havia acabado e os dois estavam sentados no jardim admirando a paisagem:

– Estou tão feliz ao seu lado Lily! – disse Tiago abraçando fortemente a namorada.
– Eu não sei como pude ficar tanto tempo sem você Ti! – respondeu Lílian sorrindo.
– Ficou por que é teimosa! – respondeu Tiago rindo.
– Foi por que você só mudou depois que eu pedi! – respondeu ela um pouco séria.
– Você é que demorou para pedir minha ruiva! – respondeu ele lhe dando um beijo na testa.
– Em falar em pedir… Vamos fazer o que amanhã? – perguntou ela.
– Deixa eu pensa… Amanhã é véspera de natal… Festa aqui na mansão…
– Não vai me dizer que esqueceu? – perguntou ela irritada cortando a fala dele.
– Calminha meu lírio. Eu não esqueci que amanhã fazemos um ano de namoro… Só que é complicado.. Seu namorado bobo escolheu uma péssima data para te pedir em namoro… Como vamos comemorar se vamos estar todos juntos?
– Vamos comemorar todos juntos! – respondeu ela rindo.
– Eu queria comemorar a sós. Em um quarto bem gostoso e mal iluminado de preferência. – respondeu ele maliciosamente.
– Esperamos tanto tempo Ti… –começou ela.
– Já sei… Podemos esperar mais… – completou ele.
– Exatamente! Não precisamos ter pressa. – respondeu ela olhando as flores.
– Só me promete uma coisa.. – começou ele.
– O que quiser! – disse ela feliz.
– Que pelo menos na lua de mel você deixa eu pelo menos te ver…
– Me ver como? – perguntou ela se fazendo de desentendida.
– De lingerie? – perguntou ele receoso.
– Pode! – respondeu ela rindo.
– Eu amo você ruivinha! – respondeu ele feliz da vida.
– Eu sei! – respondeu Lílian antes de beijá-lo.
– Interrompemos? – perguntou Kely vindo com Sirius de mãos dadas.
– Claro que não… Estávamos decidindo o que vamos fazer para comemorar um aninho de namoro. – respondeu Lílian
– Sirius e eu vamos comemorar hoje de noite! – disse Kely piscando um dos olhos.
– Pelo visto estão me expulsando do apartamento hoje! – brincou Tiago.
– Ainda bem que você entendeu o recado! – respondeu Sirius rindo.
– Já sei Lil… Podemos almoçar fora… – começou Tiago.
– De novo? – perguntou ela se lembrando de todos os almoços entre o trabalho e o curso.
– Te garanto que vai ser especial. – respondeu ele.
– Combinado então! – respondeu ela sorrindo.
– E ai? Vão liberar a casa? – perguntou Sirius.
– Depende… Será que minha mãe ou a Lily me aceitam na casa delas? – perguntou Tiago.
– Pode ir, mas já sabe a condição! – respondeu à ruiva
– Sem gracinha! Não quero que fique me agarrando! Vamos apenas dormir! – responderam os três imitando a ruiva.

O grupo se separou. Sirius e Kely foram para a casa dos meninos, enquanto Lílian e Tiago foram para a casa das meninas.

A noite passou tranquilamente, e logo amanheceu:

– Acorda meu lírio! – disse Tiago dando um selinho nos lábios da amada.
– Bom dia Ti! – disse ela se espreguiçando.
– Bom dia! – respondeu ele indo se levantar.
– Dormiu bem? – perguntou ela assim que acordou direito.
– Melhor impossível… Dormir com você ao lado faz qualquer um dormir como um anjo.
– Que fofo! – respondeu ela rindo.
– Viu a minha camiseta por aí? – perguntou ele colocando uma calça jeans.

Tiago havia dormido de shorts e sem camisa, afinal não iria dormir de jeans, então pegou um short que tinha esquecido na casa da namorada para dormir.

– Acho que você a largou lá na sala. – respondeu Lílian ainda deitada.
– Vai ficar aí moleza? – perguntou ele rindo voltando para a cama e ficando em cima dela.
– Estou com preguiça de levantar Ti! – respondeu ela fazendo dengo.
– Pois levante. Temos que fazer compras e ter o nosso almoço de um aninho de namoro. – disse ele olhando a nos olhos.
– Esta cedo… – resmungou ela.
– Já passa das dez, Lírio! – respondeu ele rindo. – Se não levantar vou fazer cócegas.
– Não dá para levantar com você em cima de mim. – brincou ela.
– Aproveitando que estou aqui… – sussurrou ele antes de beijá-la.

Enquanto isso na casa dos marotos:

– Parabéns minha loirinha! – disse Sirius assim que Kely abriu os olhos.
– Parabéns Six! – disse ela selando seus lábios nos dele.
– Que tal comermos alguma coisa e continuarmos a comemorar? – perguntou ele.
– Vou tomar um banho primeiro. – disse Kely levantando.
– Pode ir, logo vou tomar banho com você! – respondeu ele. – Vou fazer um café para nós e já vou.
– Vou estar te esperando! – falou ela saindo de baixo das cobertas e revelando sua lingerie preta.
– Eu não tinha visto essas rendas ontem! – resmungou Sirius malicioso.
– É melhor eu nem falar o motivo! – respondeu ela rindo indo para o banheiro.
– Quer alguma coisa especial para o café da manhã? – perguntou Sirius saindo do quarto.
– Quero você meu cachorrinho fofo! – gritou ela em resposta do banheiro.
– Com prazer! – respondeu ele voltando e indo tomar banho com a namorada.

A manhã passou rapidamente para Sirius e Kely que ficaram “deitados”. Já para Tiago e Lílian ela demorou um pouco mais a passar.

O casal não agüentava mais ver lojas, quando finalmente às duas da tarde terminaram de comprar os presentes:

– Quem manda deixar tudo para a última hora! – reclamou Lílian para si mesma quando sentou-se à mesa do restaurante.
– Se acalme e curta o local! – pediu Tiago pegando o casaco da namorada.
– Minha nossa! – disse a menina minutos depois.
– O que foi? – perguntou ele sem entender o espanto.
– Esse restaurante é muito caro Ti! – disse ela ainda observando o local.

O restaurante era cinco estrelas, com direito a música clássica ao vivo e taças. Tudo de elegante e fino que se pode encontrar em um restaurante… Aquele tinha!

Tiago estava preparando a melhor surpresa de todas para a sua amada, afinal tinha prometido superar a surpresa do aniversário de três meses dos dois. E realmente ele conseguiu, mas infelizmente nada saiu como o esperado:

– Nossa que barulho é esse? – perguntou Lílian escutando gritos da rua.
– Tenho até medo de descobrir. – respondeu Tiago apreensivo.
– Vamos lá ver Tiago! – disse Lílian se colocando de pé.
– Agora não.. Quero te mostrar algo.. – começou ele remexendo a mão no bolso.
– Depois você me mostra. Tem alguma coisa errada lá… – mas foi interrompida por um bruxo que foi atirado para dentro do restaurante quebrando alguns vidros.
– Comensais! – gritou uma menina entrando e logo o caos se instalou no restaurante.
– Precisamos ajudar! – disse Tiago.
– Mas não somos formados! – disse Lílian com receio.
– Mas… – começou Tiago, mas foi interrompido por James entrando desesperado no restaurante.
– Sara! – gritou o bruxo que entrou indo até a bruxa que sangrava entre os cacos de vidro.
– Pai! – gritou Tiago assustado ao ver o senhor.
– Vamos ajudar! – disse Lílian empunhando a varinha.
– Pai! – gritou Tiago mais uma vez.

O senhor o olhou, e o rapaz pode ver vários cortes em todo seu corpo, com as vestes rasgadas e seu rosto preocupado, seu pai voltou a caminhar ao local onde a bruxa foi atirada enquanto Tiago e Lílian corriam para vê-la.

– Esta tudo… – começou Tiago, mas ao ver a mãe ali perdeu a voz.
– Sara pelo amor de Merlin acorde! – disse James desesperado.
– Eu vou levá-lo para o St. Mungus. – disse Lílian na mesma hora.
– Obrigada. – agradeceu James para Lílian. – Venha filho… Vou matar aquele idiota! – disse James com raiva.
– Se cuide e fique em casa! – pediu Tiago dando um beijo na testa da ruiva.
– Eu volto logo. Vou deixar sua mãe no hospital e volto. – disse Lílian antes de aparatar levando Sara consigo.

Assim que Tiago saiu viu lojas pegando fogo, pessoas correndo para todos os lados. Gritos. Pavor. Medo. E a marca negra jazia no céu. Viu todos os professores do curso de auror lutando assim como Dumbledore, e os professores de Hogwarts. Viu Sirius ao longe se despedindo da Kely que em seguida aparatou. Aproximou-se do amigo desviando dos feitiços:

– Como chegou aqui? – perguntou para Sirius.
– Eu é que pergunto. Estávamos lá em casa e Alice aparece desesperada falando que Frank veio para cá por causa de um ataque dos comensais e que ela tinha que ir para o hospital ajudar, então vim para cá ajudar também.
– Estava no restaurante com a Lily.. – disse ele chateado.
– Ela esta bem? Pediu ela em… – mas foi interrompido com um feitiço estuporante que o lançou a alguns metros dali.
– Você esta bem? – perguntou Tiago ajudando o amigo a levantar.
– Cadê ela? – perguntou Sirius irritado se levantando sem dificuldade.
– Ela quem? – perguntou Tiago confuso.
– Belatrix. Foi ela que me atingiu. Reconheceria em qualquer lugar. Aquela traidora! – respondeu nervoso.
– Vamos acabar com esses inúteis. Proteja meu pai. Ele ficou muito abalado. – disse Tiago antes de se afastar.

Lílian encontrou Alice e Kely no hospital. Deixou a sogra ao cuidado dos médicos e logo aparatou no meio da briga.

A jovem ruiva olhou tudo muito atentamente. Viu Tiago duelando com um comensal e logo pode perceber de quem se tratava, Severo Snape, reconheceu o comensal pelo jeito que o namorado olhava para ele. Viu também Sirius duelando com um comensal mais ao longe e pela cara dele, não poderia ser ninguém menos que sua prima, viu Frank duelando mais afastado de todos, com um comensal, viu Dumbledore duelando com Voldmorte enquanto Minerva lutava contra dois comensais. Assim que avistou Moody, ia ao seu encontro, mas foi impedida, logo foi atingida por uma pessoa caindo sobre ela.

Lílian viu James se levantando de cima dela.
– Desculpe ruiva. Como esta Sara? – perguntou como se não tivesse sido atingido.
– Esta no hospital, mas pelo que vi, ela não vai demorar a sair. Disse que viria logo te ajudar.
– Ela não aprende. Esta toda machucada e ainda quer lutar! – brincou James e se jogou em cima de Lílian a derrubando novamente para não serem atingidos por um feitiço vermelho.
– Não conte para Tiago que estivemos tão perto. – brincou ele saindo de cima dela.
– Em uma hora dessas e você ainda faz gracinhas! – disse Lílian irritada.
– Igualzinha a Sara! – respondeu James rindo. – Tenho que ir. Se cuide… Isso esta um caos.
– Já vou me formar. Sei como agir. – disse Lílian tentando um sorriso, mas não conseguiu.
– Acredito em você ruivinha! – disse ele antes de sair para duelar com outro comensal.

As lutas estavam cada vez mais injustas. Dumbledore havia sumido levando Minerva desacordada nos braços. Frank já tinha sido levado para o hospital e restavam poucos aurores de pé. Lílian deixou o terceiro comensal desacordado e se dirigiu para onde Sirius estava.

– Quer ajuda? – perguntou ela chegando e estuporando um comensal.
– Seria muito bom… Três contra um não é justo! – brincou ele tentando rir.

Sirius estava duelando com três comensais quando a ruiva chegou para ajudá-lo.
– Viu Tiago? – perguntou desviando de um feitiço.
– Ele estava com o pai dele. Vi quando entraram em uma loja atrás de alguns comensais. – respondeu Sirius. – Estupefaça! – gritou atingindo um comensal as costas de Lílian.
– Obrigado!
– Disponha! – respondeu ele voltando a duelar.

Tiago estava duelando bravamente ao lado do pai. Assim que se livraram de alguns comensais viram outros fugindo para dentro de uma loja de roupas. Correram para lá.

– Fique atento Tiago! – disse James entrando na loja.
– Não se preocupe comigo pai. – disse Tiago esboçando um sorriso.
– Já me basta a sua mãe no hospital, não quero ver você pra lá também.
– Não se preocupe. Só irá visitar a mamãe no hospital. – respondeu Tiago.
– Se sua mãe não der um jeito de sair de lá logo…
– Eles estragaram o nosso natal! – disse Tiago fazendo James rir.
– Somos marotos… Vamos dar um jeito nisso! – respondeu James piscando um dos olhos.

Logo se ouviu a porta sendo fechada com violência, indicando que os dois estavam trancados.

– Que cena comovente! – disse uma voz fria às costas dos dois.

Lílian tentava a todo custo chegar perto da loja, mas cada vez que dava um passo em direção a loja mais comensais apareciam para impedi-la. A ruiva e Sirius não conseguiam se aproximar era um passo para frente e dez para trás.

– Tem alguma coisa errada! – disse Sirius ao ver a porta da loja batendo.
– James e Tiago estão lá… – começo Lílian.
– Vamos dar um jeito de chegar lá Lily! – respondeu Sirius puxando a moça para trás de uma árvore.
– Cadê Dumbledore? – perguntou Lílian abraçando Sirius.
– Foi levar Minerva e Hagrid para o hospital. Alias, ele esta demorando para voltar. – respondeu Sirius.
– Estou com um pressentimento ruim! – disse Lílian antes da árvore que se encontrava ser incendiada e os dois saírem correndo.
– Não vai se esconder de mim priminho. – disse uma comensal.
– Primo? – perguntou Lílian sem entender se colocando atrás de um carro.
– Belatrix esta me perseguindo. Já a deixei inconsciente uma vez, mas não foi o bastante.
– Cadê você Lil? – perguntou uma voz conhecida.
– Lil? – perguntou Sirius com cara de deboche.
– Snape! – respondeu e menina dando de ombros.
– Deixa o Tiago escutar isso… – disse Sirius disfarçando a raiva que estava de Snape chamar a amiga assim.
– Não queremos te fazer mal. – disseram os dois comensais do outro lado do carro procurando os dois.
– Você esta bem Lily? – perguntou Sirius vendo ela com uma cara de choro.
– Estou. Só torci o pé. – respondeu.
– É melhor você ir para o hospital, ver como Sara está.
– Eu vou te ajudar. Ajudar o Tiago e o James… – disse ela antes de Belatrix e Snape surgirem jogando o carro longe.
– Olá! – disse Belatrix com um sorriso falso. – Última chance priminho… Se junte a mim…
– Nunca Bela! – disse ele irritado.
– Então morra! Avada Ke… – mas não conseguiu terminar o feitiço.
– Obrigado Lily. – disse ele vendo a amiga com a varinha apontada para Belatrix.
– Não foi nada! – respondeu ela indo para cima da comensal.
– Parem de drama! Você é meu Black! – disse Snape.
– Merlin que me livre… Esta virando veado Ranhoso? – perguntou Sirius com um sorriso maldoso no canto da boca.
– Cala a boca e duela Black! – resmungou Snape antes de soltar inúmeros feitiços em cima de Sirius.

Enquanto isso na loja Tiago e James tiveram uma surpresa:
– Que cena comovente! – disse uma voz fria às costas dos dois.
– Voldmorte! – disse James antes de se virar.
– Olá Potter… Vejo que trouxe seu filhinho…
– Você me paga… – disse James indo para cima do bruxo.
– Não vai querer que seu filho te veja morrer vai? – perguntou Voldmorte deboxadamente.
– Sara está no hospital… – disse James com raiva esquecendo que Tiago estava lá.
– Com ela por perto eu não poderia dar um jeito em você! – respondeu o bruxo dando de ombros.
– Foi você… – disse Tiago irritado indo para cima de Voldmorte também.
– Se eu fosse você ficaria na sua, miniatura de auror. – disse Voldmorte lançando um olhar penetrante em Tiago.
– Deixe meu filho em paz! – gritou James vendo vários comensais se aproximando de Tiago.
– Que ridículo isso Potter! – disse um dos comensais enquanto Voldmorte ria de James.
– Sua briga é comigo Voldmorte. Deixe Tiago ir. – disse o senhor nervoso.
– Para que? Vai ser bem mais divertido ver os dois morrerem, sem contar que se aquela ruiva aparecer ela terá que escolher um dos dois para proteger. Irá ser interessante…
– Como assim? – perguntou Tiago apreensivo.
– Não costuma contar as coisas para o Junior, Potter? – perguntou Voldmorte sorrindo. – Ruivas tem um dom… – começou Voldmorte.
– E lá vem você com essa história patética de novo… – disse Tiago irritado.
Silenciun – gritou Voldmorte deixando Tiago sem voz. – Assim esta melhor. Já que conhece a lenda vou direto ao ponto. – Fui atacar o idiota do seu pai, mas sua mãezinha nojenta se meteu na briga, resolveu protegê-lo. Fez um escudo em si e aplicou a magia doida dela… Enfim, acertei ela ao invés do seu pai… – disse Voldmorte sentado na escada. – Mas não se preocupe, já dei um jeito nela, e logo mato os dois. Só esperem eu me decidir quem vou matar primeiro! Crucius – disse ele apontando a varinha para James.
– Pai! – gritou Tiago vendo seu pai se contorcendo no chão.
– Alguém cale esse menino de novo! – disse Voldmorte irritado.
Crucius – foi o que Tiago ouviu antes de sentir tanta dor que mal conseguia pensar.

Lá fora Lílian acabava de deixar Belatrix inconsciente no chão e Sirius se divertia vendo Snape implorar para Lílian o ajudar.

– Eu te amo! – disse ele.
– Cala a boca! – disse Sirius antes de lançar mais um feitiço e deixar o comensal desacordado.
– Vamos ver o que está acontecendo. – disse Lílian com a mão no peito.
– Vou junto! – disse uma cabeleira ruiva surgindo.
– Sara? – perguntou Sirius sem entender.
– Fugi do hospital. Tem alguma coisa acontecendo…
– Mas a senhora esta… – começou Lílian.
– Já estou bem. Sirius vou precisar da ajuda da Lílian lá dentro… Você vá atrás de Dumbledore. Fale que Tiago e James estão com problemas.
– Como sabe? – perguntou Sirius.
– Não sei… Eu apenas sei… – respondeu à senhora confusa. – Agora vá! – disse abraçando o menino.
– Já volto! – disse ele antes de aparatar.
– Vamos Lílian. Trouxe isso para você! – disse ela entregando uma capa.
– Onde achou isso? – perguntou Lílian vendo a capa de Tiago.
– Invadi a casa dos meninos. – respondeu a senhora dando de ombros. – Ninguém pode te ver. Só na hora certa.
– Mas por que…? – começou Lílian.
– Não tenho tempo para explicar. Vamos! – disse ela.

Lílian se cobriu rápido com a capa. E as duas ruivas caminharam decididas para a loja que permanecia trancada.

Quando se aproximaram ouviram gritos.
– Eles estão em apuros! – disseram juntas.
Bombarda maxima – disse Sara e logo a porta explodiu revelando vários comensais e Tiago e James jogados no chão.
– Olha quem resolveu aparecer. – disse Voldmorte fazendo sinal para pararem a tortura nos dois.
– Voldmorte! – disse a ruiva com desprezo.
– Sara Potter! Veio me atrapalhar de novo? Prefere morrer ao deixar que eu brinque um pouco com os dois? – perguntou apontando Tiago e James jogados no chão tentando se colocar de pé.
– Você sabe que não conseguira atingi-los enquanto eu estiver aqui… – disse Sara.
– Ledo engano ruiva… – disse Voldmorte com um sorriso nos lábios. – Você só pode proteger um dos dois… E sua proteção só dura quando você esta presente e viva! – disse Voldmorte enfatizando a última parte.
– O que quer para deixar minha família em paz? – perguntou Sara irritada com a varinha em punho.
– Você! – respondeu ele maliciosamente.
– Solte-os e terá o que quiser de mim.. – respondeu ela.
– Proposta generosa.. – disse ele sorrindo. – Mas prefiro ter os dois. Você e eles! – disse Voldmorte. – Assista sua família morrer Sara… – disse Voldmorte nervoso. – Qual iria te fazer sofrer mais? Vamos testar? – perguntou Voldmorte debochando. – Crucio.

A ruiva caiu se contorcendo no chão, e logo James conseguiu se manter de pé e foi para perto da esposa.

– Pare! – gritou ele.
– Escolha correta. A ruiva se desesperou.. – disse Voldmorte parecendo feliz ainda torturando a ruiva com a varinha apontada para James.
– Sara pare! – pediu ele.
– Se prepare Potter! – disse Voldmorte vendo a ruiva perder as forças.

James logo começou a sentir uma dor percorrer seu corpo.
– Sara! Não! Sara! – gritava ele enquanto a mulher se debatia no chão.
– Mãe! – Tiago já estava se juntando ao pai.
– Isso me deixa enjoado! – disse Voldmorte. – Vamos ver quem a ruiva ama mais? – perguntou Voldmorte sorrindo para os comensais e parando de torturar Sara. – Falei para não defender seu marido! Ruivas e a mania de defender o amor da vida delas… Você preferira desviar o feitiço para você… Mas qual dos dois? O do seu filho ou do seu marido? – perguntou ele rindo da cara dos três Potter’s.

Todos os comensais riam.
– Façam suas apostas… – disse Voldmorte. – Quem morrerá primeiro? Temos três Potter’s indefesos.

Minutos depois dois comensais foram chamados a frente:
– Terão a honra de atacar esse dois. – apontou para James e Tiago. – Vamos ver quem a ruiva vai defender. Ela não pode defender os dois e esta fraca, provável que morra tentando…

Logo os comensais apontaram a varinha para os dois homens que olhavam Sara olhando apavorada para os dois, a ruiva murmurou alguma coisa, mas não foi ouvida por ninguém.
Lílian que observava tudo estava confusa:

Então é verdade… As ruivas defendem quem ama… Como ela faz isso? Como ela desvia o feitiço para si?Como ela protegeu os dois? Preciso ajudá-la. Foi para isso que ela me trouxe. Não posso deixar Tiago morrer.. Ele irá morrer esta fraco de mais, não suportará mais uma crucios… Como faço isso? Que Merlin nos ajude! – pensou a ruiva assistindo a varinha do comensal ser lentamente direcionada para Tiago e no instante seguinte uma dor insuportável invadiu seu corpo, ela lutava bravamente para não gritar, ninguém a via e estava segura sem fazer barulho de baixo da capa.

Tiago e James olharam apreensivos quando Sara voltou a se contorcer.
– Mas como ela fez isso? – perguntou Voldmorte irritado.
– Você me paga Voldmorte! – disse James se colocando de pé.
– E quem vai fazer algo contra mim? – perguntou Voldmorte rindo, porém frustrado, pois os dois Potter’s ainda estava de pé.
– Nós! – disse Tiago se colocando de pé.
– Como conseguem os dois estarem de pé? – perguntou um dos comensais.
– Aumentem a intensidade! – ordenou Voldmorte antes de ser atingido por dois feitiços vindo dos Potter’s.
– Os dois comensais logo pararam o feitiço e foram ajudar Voldmorte.
– Saiam de perto de mim. – disse Voldmorte se colocando de pé. – Peguem os Potter’s. – ordenou irritado.

– Sua mãe não poderia fazer isso.. – disse James para Tiago enquanto os dois fugiam dos feitiços.
– Mas Lílian pode! – respondeu Tiago nervoso. – Temos que achá-la. Ela deve estar com algum feitiço para não ser vista.
– Ou com a capa. – disse James.

Logo uma nova luta surgiu, os comensais surgiam aos montes.
– Parece que os aurores não deram pela falta de vocês. – disse Voldmorte que observava tudo.

– Achei alguma coisa! – gritou um comensal minutos depois e logo trazia Lílian amarrada.
– O que temos aqui.. – disse Voldmorte feliz. – Outra ruiva apaixonada… Por isso meu feitiço não deu certo… Tenho dois Potter’s e duas ruivas…
– Solte-a! – gritou Tiago desviando de um feitiço e correndo para perto de Lílian.
– Fuja Tiago! – pediu ela com um sopro de voz.
– Não se preocupem, vão morrer lentamente. Poderam ver o outro por algum tempo… – disse Voldmorte.
– Deixe as duas em paz… – gritaram os dois morenos.
– Que patético! – disse Voldmorte gargalhando e sendo acompanhado pelos comensais.
– Melhor matá-los logo. Logo deram pela falta de vocês… – disse Voldmorte se colocando de pé. – Quem será que vou matar primeiro? As ruivas que iram proteger vocês ou elas preferiram ficar vivas? Malfoy venha aqui… Você terá a honra da casa. – disse Voldmorte.

Os dois bruxos esperaram que os outros comensais amarassem os dois morenos, apontaram as varinhas para os dois:

– Digam adeus aos últimos Potter’s! – disse Voldmorte.
– Não irá conseguir! – gritou Sara.
– Proteja-os e só adiará a morte deles. – disse Malfoy.
– Vou protegê-los custe o que custar. – disse a ruiva irritada.
– Irá proteger qual? Seu filho ou seu marido? Não acha que a pequena ruiva irá seguir seu exemplo e se matar pelo namorado, não é? – perguntou Voldmorte rindo venda a expressão de dúvida da senhora Potter.
– Não faça nada Sara! Se salve! – pediu James.
– Seu filho esta quieto de mais.. – disse Voldmorte feliz.
– Lílian sabe que nunca me perdoaria se ela fizesse isso por mim. – disse Tiago.
– Alguma última palavra ruivinha? – perguntou Voldmorte para Lílian.
– Irá ter que me matar para matá-lo! – disse ela nervosa.
– Não faça isso Lily… – pediu Tiago.
– Tarde de mais… Ela já tomou a decisão dela! – vozeificou Voldmorte rindo da preocupação dos morenos se debatendo nas cordas para salvar as amadas. –Avada Kedabra! – disseram os dois apontado as varinhas para os morenos

As ruivas se concentraram para o ataque desviar para elas.
– Sara/Lílian! – gritaram os dois ao ouvir o feitiço sendo lançado.

No instante seguinte viram um raio verde indo na direção dos marotos e logo foi desviado para as duas ruivas, assim que o feitiço se aproximou das duas uma parede de ferro surgiu protegendo-as.

– Desculpem a demora! – disse uma voz conhecida.
– Iam dar uma festa e nem me chamaram? – perguntou Sirius surgindo na porta.
– Tire eles daqui rápido Sirius! – pediu Dumbledore. – Olá Tom!
– Dumbledore! – disse Voldmorte com muita raiva.

Rapidamente Sirius desarmou os quatro que partiram deixando Dumbledore duelando com Voldmorte, mas assim que os cinco saíram de perigo Dumbledore fez uma saída triunfal, sumindo e fazendo Tom acertar um de seus comensais com uma Avada.

– Maldição! Eu te mato Dumbledore! – gritou Voldmorte assim que Dumbledore e os Potter’s sumiram.

Todos surgiram no St Mungus. Sirius parecia desesperado, mas não se sabe ao certo com quem era tal preocupação. Ora o rapaz estava com Tiago, ora com Lily, ora com os “pais”.

Kely atendeu a todos o por sorte não tinham nada de grave, e foram logo liberados e rumaram para a mansão. Chegando lá se jogaram no sofá:

– Minha nossa.. Mais um segundo e teria perdido minha família! – disse Sirius pensativo.
– Foi tudo pensado! – brincou James.
– Lily sua maluca… Desviou o feitiço para você… – disse Tiago um pouco irritado.
– Claro que sim… Não iria deixar você morrer! – respondeu a pequena ruiva.
– Que natal! – disse Sara.
– São seis da tarde ainda… Dá para termos um ótimo natal ainda… – disse James se colocando de pé.
– Isso mesmo pai. Vamos esquecer aquele idiota e vamos tentar nos divertir em família. – disse Tiago se colocando de pé.
– Amei a idéia! – disse Sirius se animando.
– Comemorar o natal depois de tudo isso? – perguntaram as ruivas sem acreditar.
– Claro que sim… Ainda é natal, mesmo que aquele idiota tenha tentado estragar. – disse James.
– Não sei não… – disse Sara.
– Vamos Sara. Vamos trocar de roupa. Logo Alice, Kely e Frank chegam. – disse James ajudando a esposa a se levantar.
– Ele tem razão… Vamos Lily. Vamos à sua casa. Você toma um banho troca de roupa e volta… – disse Tiago.
– E eu vou me trocar… Depois eu volto! – disse Sirius antes de aparatar.
– Vamos James… Quem sabe um banho me faça relaxar.. – disse ela indo para a escada.
– É assim que se fala ruivinha! – disse James vendo a esposa subir. – Melhor vocês dois não demorarem muito! – aconselhou James para Tiago e Lílian.
– Não vamos… – respondeu Tiago antes de aparatar levando à ruiva.

Na casa de Lílian:

– Você vai para casa ou me espera aqui? – perguntou ela assim que entraram no quarto.
– Não iria adiantar muita coisa eu ir para casa, mas vou sim. Espera-me que passo aqui para te buscar.
– Tudo bem… – respondeu Lílian com um tímido sorriso.
– Te amo Lily! – disse lê dando um beijo na testa dela.
– Eu também. Você nem sabe o quanto…
– Sei sim… Hoje eu sei! Obrigado! – disse ele se afastando.
– Obrigada por estar vivo! – disse ela com uma pequena lágrima caindo pelo canto do olho.
– Já volto! – disse ele antes de sumir.

Na casa dos marotos algum tempo depois:
– E como foi o almoço? – perguntou Sirius terminando de arrumar a gravata.
– Foi bem, tirando minha mãe que foi arremessada pela janela… – respondeu Tiago escolhendo a roupa.
– Pediu a Lily em casamento? – perguntou Sirius curioso.
– Infelizmente não deu. Quando eu estava tomando coragem vi a confusão.
– O que será que passa pela cabeça de um individuo para estragar o natal de tanta gente? – perguntou Sirius pensativo.
– Sei lá… O que será que passa na cabeça de um psicopata para matar tanta gente por diversão? – perguntou Tiago revidando a pergunta.
– Realmente… Voldmorte é maluco! Ainda bem que logo nos formamos e vamos ajudar a combatê-lo.
– Mas hoje vi que ainda não estou pronto… Quase perdi meus pais e a Lily de uma só vez. – disse Tiago triste.
– Não pense assim… A culpa não foi sua…
– Eu sei que não foi, mas eu poderia ter ajudado mais se tivesse treinado mais. – disse Tiago se trocando.
– Treinado mais? Pensa que não vejo você de madrugada treinando na sala? – perguntou Sirius inconformado.
– Você viu? – perguntou Tiago incrédulo.
– Claro que vi, mas não falei nada.
– Sinto que vou precisar me defender muito ainda, e proteger a Lily.
– Lílian sabe se cuidar Tiago.
– Eu sei que sabe, mas tem algo me dizendo que posso mudar algo na minha vida. – respondeu Tiago pensativo.
– Acho que aqueles feitiços afetaram a sua cabeça… – brincou Sirius.
– Só você para me fazer rir em uma hora como esta Sirius! Você é como um irmão para mim! – disse Tiago abraçando Sirius e ambos derrubaram tímidas lágrimas.
– Que cena comovente! – disse Kely.
– Minha nossa… Nem te vi entrar! – falou Sirius.
– Você esqueceu a chave lá no hospital. – disse a menina rodando a chave no dedo. – Vim trazer, mas já estou atrasada. Tenho que ir me arrumar e vou direto para a mansão.
– Vou estar te esperando lá! – disse Sirius indo dar um beijo na namorada.
– Eu não entendo vocês dois! – disse Tiago já mais animado.
– O que foi? – perguntou Kely sem entender.
– Pensei que iam terminar… – falou Tiago.
– Estamos tentando recuperar o nosso namoro! – explicou Sirius.
– E vamos conseguir! – disse Kely esboçando um sorriso, mas não pareceu muito confiante nas suas palavras.
– Desculpa tocar no assunto gente, mas é que estava confuso sobre isso! – desculpou se Tiago.
– Não se preocupe. Lily também esta demorando a perguntar. – brincou Kely. – Já vou indo meninos. Beijos e se comportem. – disse ela antes de aparatar.
– Estou indo para a casa dos nossos pais. Vai passar na Lily? – perguntou Sirius terminando de arrumar o sapato.
– Vou sim… Logo te encontro lá. Tenta animar as coisas por lá viu! – disse Tiago sorrindo.
– Pode deixar! – respondeu Sirius com um enorme sorriso.
– Quando vou ter oportunidade de pedir a Lily em casamento? – perguntou Tiago para si mesmo terminando de se arrumar na frente do espelho.

Assim que Sirius chegou à mansão deu de cara com Frank.
– Alguém viu a Alice? Passei em casa, mas ela não estava por lá. – disse ele preocupado.
– Ela deve estar ainda no hospital. – disse Sirius.
– Vamos lá comigo Sirius? – perguntou Frank.
– Não posso. Vou ajudar o pessoal com o jantar.
– Esta ficando responsável! – brincou Frank. – Vou buscar a minha esposa e já volto.
– Você enche a boca para falar esposa! – zoou Sirius.
– Tem que ser assim, não é? Eu a amo mesmo. E não tenho medo de repetir para quem quiser ouvir! – disse Frank sorrindo.
– Você e o Tiago me enjoam falando das meninas.
– Em falar em Tiago ele já pediu a ruiva em… – começou Frank, mas parou quando viu o casal aparecendo na lareira.
– Vieram de flu? Que estranho! – disse Sirius.
– Achei mais seguro! – brincou Tiago.
– E mais sujo também! – brincou a ruiva limpando as vestes.
– Lily! Tiago! – cumprimentou Frank. – Já volto gente. Vou atrás da Alice.
– Tchau! – disseram os três.
– Que barulho é.. – começou Sara, mas parou de reclamar ao ver Tiago e Lílian.
– Que bom que chegaram… Estava para cumprimentar você pelo… – começou Sara, mas Sirius a interrompeu.
– Pelo excelente trabalho lá na luta. – completou Sirius.

Sara olhou sem entender para ele, mas logo entender que Tiago não havia falado com a menina.

– Tirou as palavras da minha boca! – disse Sara para Sirius.
– Não pareceu! – disse Lílian para si mesma.
– O que disse Lily? – perguntou Tiago.
– Nada não… – respondeu ela.
– Cadê o meu pai? – perguntou Tiago.
– Esta lá no quarto ainda. – respondeu Sara.
– Vou falar com ele. Já volto. Se importa de ficar com o Sirius alguns minutos Lírio?
– Claro que não Ti!
– Cuidado que eu posso gamar na ruiva hein! – brincou Sirius abraçando Lílian.
– Você não esta louco ainda. – disse Tiago subindo as escadas.
– Quem garante? – perguntou Sirius rindo.
– Melhor eu nem responder! – disse Tiago fazendo todos rirem.

Tiago bateu na porta do quarto dos pais:
– Posso entrar pai?
– Claro que sim Tiago, mas estou sem roupa! – brincou James.
– Lily não esta comigo. – disse ele entrando e fechando a porta as suas costas.
– E como foi o almoço?
– Não consegui falar com ela.. – disse Tiago deprimido.
– Já sabemos que ela iria aceitar! – brincou James.
– Era sobre isso que queria falar.
– Diga..
– Não teve medo de perder a mamãe? – perguntou Tiago se sentando na cama do pai dele.
– Acho que você sabe o medo que tive filho. Sua mãe é tudo para mim.
– E eu sou o que? – perguntou Tiago fingindo de ofendido.
– Amo você muito filho, mas sua mãe é a minha vida. Não sei se saberia viver sem ela.
– Então sabe exatamente o que senti! – disse Tiago desanimado.
– Não sei o que faríamos se elas morresse por nós! – disse James sentando ao lado de Tiago.
– Acho que morreríamos pela falta delas… – disse Tiago pensativo.
– E deixaríamos meu novo filho sozinho? – perguntou James rindo.
– Em falar no Sirius… Ele anda tão deprimido ultimamente…
– Ele me disse que as coisas entre ele e Kely não vão muito bem. – disse James.
– Ele me disse também. Só espero que tudo de certo. Ele vai ficar tão mal se tudo acabar em briga com os dois.
– Seu irmão tem a cabeça no lugar. Assim como acho que Kely também tem. – respondeu James.
– Rapazes… Vamos comer? Alice e Kely já chegaram. – disse Sara colocando a cabeça para dentro do quarto.
– Já vamos querida! – disse James.
– Estou indo mãe! – disse Tiago indo dar um abraço nela.
– Esta tentando roubar a minha esposa seu safadinho? – perguntou James rindo.
– Se der mole pego ela para mim. – brincou Tiago.
– Sem chance! – disse James pegando Sara pelo outro braço.
– Vamos? Eu e os homens da minha vida… Só faltou o Sirius…
– Deixa Sirius fora disso… Já tenho que dividir você com esse ciumento aí… – disse Tiago indicando o pai.
– Olha quem fala.. – disse James rindo.

A festa passou na maior tranqüilidade. Todos tentavam ao máximo esquecer o ocorrido a pouco, e por alguns instantes conseguiram.

Cap Anterior
Próximo Cap


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.

Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.