Amor de perdição 3


Vamos para mais uma indicação, desse vez um livro histórico de Camilo Castelo Branco, escrito em 1862.

Amor de perdição antes de se tornar livro foi uma novela portuguesa que foi inspirada em Romeu e Julieta, narrado em terceira pessoa, apenas identificando-se ao final do livro como filho de Manuel Botelho, irmão de Simão. Possui aspectos autobiográficos. Metalínguagens.

Na literatura estudamos Amor de perdição como segunda fase do Romantismo, onde o amor era levado até as últimas conseqüências.

O livro foi três vezes adaptado ao cinema, incluindo a versão muda de 1921, e duas sonoras, a monumental de Antônio Lopes Ribeiro em 1943 e a versão de Manoel de Oliveira em 1979.

Em 1965, a TV Cultura apresentou a sua versão do romance, em forma de telenovela, também chamada de Amor de perdição.

Resumo da Obra:

Simão Botelho e Teresa de Albuquerque pertecem a famílias distintas, que se odeiam. Moradores de casas vizinhas, em Viseu, acabam por se apaixonar e manter um namoro silencioso através das janelas próximas. Ambas as famílias, desconfiadas, fazem de tudo para combater a união amorosa. Tadeu de Albuquerque (o pai de Teresa), após recorrentes tentativas de casar sua filha a um primo acaba por interná-la num convento…

Capas:

Amor de perdiçãoAmor de perdição 2Amor de perdição 6Amor de perdição 4Amor de perdição 5Amor de perdição 3


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

3 thoughts on “Amor de perdição

  • Clarice Castanhola

    “Amor de perdição” é uma das poucas obras literárias portuguesas que eu li, e não me arrependo nem um pouco. Apesar da incrível semelhança com Romeu e Julieta, o Camilo Castelo Branco garantiu um tom profundamente passional à sua história, fazendo jus à proposta estética do Romantismo e nos presenteando com uma história excelente. Li o livro na metade de 2010, e a cena final não sai da minha cabeça até hoje.

    [Responder]