A casa dos gritos – Cap 9


Anteriormente:

– Eu sabia! Aquele lobo safado! Os mais quietos são os piores… Olha só… Tentando esconder o jogo!

– E tem mais… – disse o Tiago interrompendo os devaneios do Sirius.

– E foi a Dora que sugeriu a cama. – eu disse agora pulando e novo e rindo da cara do Sirius.

– Safadinha! – escutei o Sirius dizendo.

Pelo sorriso do Sirius eu diria que as coisas vão ficar bem interessantes por aqui.

Cap 9 – Você se lembra?

Narrado por Lílian Evans

O Sirius ficou nos fazendo companhia enquanto preparávamos o almoço e a conversa era leve e divertida!

– E teve aquela vez em que a Professora quase nos pegou. Acabamos nos escondendo em um armário de vassouras e ficamos presos lá. – contou o Sirius rindo.

– Presos por quanto tempo? – perguntei tentando não rir das caretas dos dois.

– Longas quatro horas. – comentou o Tiago fazendo a maior cara de sofrimento.

– Eu e esse veado presos em um cubículo, mal podíamos nos mexer. – reclamou o Sirius.

– E o pior de tudo é que estava um calor horrível naquele dia. – comentou o Tiago.

– O pior de tudo foi ficar em um metro quadrado com um veado que soa igual um porco! – reclamou o Sirius

– Ei! Eu não sôo igual um porco! – reclamou o Tiago irritado. – E é cervo! – ele finalizou revirando os olhos irritado.

Depois desse gesto tão… Lily! Eu não tive mais como não rir.

Acho que fiquei alguns minutos rindo por que fui interrompida pelo Sirius:

– Acho que tem alguma coisa queimando. – ele disse de repente olhando para mim e para o Tiago que estávamos sentados na mesa da cozinha com ele.

Por instinto olhei para o Tiago que também me olhava assustado e logo nos levantamos tropeçando.

– Droga! – eu disse vendo que o arroz tinha queimado um pouco.

– Ficam aí namorando e esquecem da comida! Coitado do meu afilhado quando ele nascer! – reclamou o Sirius.

– Afilhado? – perguntei fingindo de desentendida.

– Claro! Eu vou ser o padrinho do pequeno veadinho. – ele disse sorrindo.

– Meu filho não vai ser um veadinho. – reclamou o Tiago emburrado.

– Claro que não! Eu não vou deixar! – comentou o Sirius. – Só espero que ele não fique nerd como a mãe. – escutei o Sirius cochichando com o Tiago.

– Eu escutei, viu? – eu falei fingindo estar muita brava com os dois.

– Ok! Ele não pode ser nerd igual o tio Aluado. – comentou o Tiago sorrindo.

– Claro que pode! Ele vai ser lindo e inteligente. – eu disse revoltada.

– Com pais como nós como poderia ser diferente? – perguntou o Tiago piscando para mim.

– Ele vai puxar a minha ilustre pessoa por isso é impossível ele nascer feio. – comentou o Sirius sorrindo galante.

– Como ele vai puxar você? Você é só o padrinho! – reclamou o Tiago.

– Só o padrinho? Padrinho é a coisa mais importante na vida de um homem. O que vai ser do meu afilhado se depender de vocês dois?

– Ei! – eu reclamei.

– O que vocês estão discutindo? – perguntou a Marlene entrando na coisa e sentando na outra ponta da mesa.

– Estamos dizendo em como o filho do veado e da ruiva vai ser a minha cara. – respondeu o Sirius sorrindo.

– Como o filhos deles vai ter a sua cara Sirius? – perguntou a Lene sem entender nada.

– Por que as crianças se parecem com a pessoa mais linda e inteligente que ela vê por perto, ou seja, eu! – respondeu o Sirius sorridente apontando para si mesmo com orgulho.

– Prefiro não comentar! – eu disse revirando os olhos.

– E como deixaram o Sirius longe do nosso casal? – perguntou a Lene curiosa.

– Ganhei informações que me fizeram deixar aqueles dois em paz. Agora vim perturbar outras pessoas. – ele comentou piscando o olho.

– Logo o almoço vai estar pronto. – eu disse para cortar o assunto.

– Ótimo ruiva, eu estou começando a ficar com fome. – comentou o Sirius.

– Por que vocês não vêm ajudar com o almoço? – perguntou o Tiago.

– Prefiro assistir. – comentou o Sirius dando de ombros.

– Eu só entro na cozinha para comer. – comentou a Lene.

– Esses dois vão ter que ganhar muito bem. – comentou o Tiago.

– Por quê? – perguntou a Lene.

– Para que vocês comam em restaurante ou paguem alguém para fazer a comida. – respondi.

– Para isso que existem elfos domésticos e amigos ruiva. – respondeu o Sirius piscando o olho para mim.

– Espero me encaixar na parte de amigos que vocês levam para almoçar fora. – respondi rindo.

– Você é a amiga que eu vou visitar todos os dias. – ele me respondeu sorrindo.

– Sei… – respondi cortando o assunto.

A conversa fluiu por mais algum tempo nesse mesmo ritmo animado.

E logo todos já tinham almoçado e foi a vez do Sirius, da Lene e da Dora trabalharem um pouco limpando a cozinha.

A tarde passou um pouco monótona, eu fiquei lendo enquanto o Tiago e o Sirius jogavam xadrez e a Lene fazia uma torcida improvisada para os dois, atrapalhando o jogo.

Quando já estávamos perto das seis da tarde o Sirius disse que tinha uma surpresa e pediu para que todos fossem se arrumar.

Fiquei na dúvida de que roupa colocar, mas quando vi que a Alie não tinha colocado nenhuma roupa diferente na mala acabei colocando uma calça jeans e uma blusinha.

Assim que terminei de me arrumar vi que a Lene olhava pensativa para o espelho.

– Esta tudo bem Lene? – perguntei me sentando na minha cama.

– Só pensando Lily. – ela me respondeu ainda perdida em pensamentos.

– Posso saber no que? – perguntei curiosa.

– A Dora finalmente se entendeu com o Remus e os dois parecem estar se dando muito bem. – ela comentou.

– Sei o que quer dizer Lene, mas se vocês dois não fossem tão orgulhosos as coisas já teriam se resolvido há muito tempo.

– Você também é orgulhosa e aos poucos as coisas vão se resolvendo. – ela me respondeu parecendo chateada.

– As coisas não estão se revolvendo do jeito que você pensa Lene. Nós só estamos tentando deixar as diferenças de lado e ter uma convivência passiva.

– Se fosse só isso você teria brigado com o Sirius e com o Tiago por discutirem como seus futuros filhos com o Tiago vão ser.

– Ok! Concordo com você! E você sabe que gosto dele, mas só gostar não basta. Não vou entrar em um relacionamento com alguém que não confio, quem sabe as coisas possam mudar? Mas por enquanto estamos só na amizade.

– Eu sei, e já disse que você esta perdendo tempo com isso. – me respondeu a Lene com um sorriso fraco.

– Você não pode dizer muita coisa já que esta pior que eu. Por que não aproveita a noite e tenta conversar com o Sirius.

– Lily, o Srius nunca vai mudar, sem contar que ele nunca vai dizer com sinceridade o que eu quero ouvir. – ela me respondeu chateada.

– O dia que o Sirius disser isso para uma mulher tenha certeza que vai ser sincero. – eu respondi tentando animá-la.

– Tem uma reunião aqui e ninguém me chamou? – perguntou a Dora abrindo a porta.

– Entra ai Dora, estamos falando de como o seu namoro esta indo bem. – eu disse na mesma hora para cortar o clima pesado que a minha conversa com o Lene tinha deixado.

– Se não fosse o Sirius as coisas estariam melhores. – brincou ela se sentando na poltrona.

– Ele ainda não parou de perturbar vocês? – perguntou a Lene.

– Parou, e estávamos até agora repondo o atraso. – completou a Dora sorrindo.

– Olha a Dorinha se revelando. – brincou a Lene deixando a Dora vermelha e me fazendo rir.

– Oras… Tenho que aproveitar, não é? Lá na casa da Lily a cavala não vai nos deixar em paz tempo suficiente para namorar… – comentou a Dora me lembrando que logo teria que ver a minha “queria” irmã.

– Nem me lembre que logo estaremos indo para a minha casa. – respondi desanimada.

– Veja o lado bom Lily… Vamos ter uma festa! Alias, duas. – comentou a Lene rindo.

– O casamento da Petúnia não vai ser tão legal. Vou ter que usar aquele vestido ridículo, e nem ao menos tenho par. – reclamei.

– Pensei que casamentos trouxas não precisassem de par. – disse a Dora confusa.

– Precisa só para ficar no altar, mas o problema é que se eu não achar um par a Petúnia que vai escolher com quem vou entrar na igreja. Não quero nem imaginar onde a imaginação dela vai me deixar. – reclamei.

– Mas isso você pode dar um jeito. – disse a Dora sorrindo.

– Como? – perguntei curiosa.

– Você pode ir com o Tiago. – respondeu a Dora sorridente.

– Até parece! Meu pai nunca permitiria. – respondi desanimada.

– Então você iria com ele se o tio deixasse? – perguntou a Lene pensativa.

– Claro que sim, melhor com ele do que com um dos amigos chatos da minha irmã.

– Talvez seu pai goste do Tiago. – comentou a Dora.

– Impossível! – respondi desanimada.

– Tudo bem, eu posso te emprestar o Sirius se seu pai deixar você ir com ele. – comentou a Lene sorrindo.

– Eu posso te emprestar o Remus se prometer não abusar dele. – brincou a Dora.

– Combinado então. – brinquei com elas.

Começamos a rir da nossa própria piada quando o Tiago entrou no quaro.

– Estão prontas? – ele nos perguntou, mas parou de falar quando nos viu morrendo de rir. – Posso saber qual a piada?

– Só estamos falando do casamento da minha irmã. – comentei.

– Espero que seja divertido. – comentou o Tiago.

– Se não for divertido aposto que vocês vão deixá-lo divertido. – comentou a Dora.

– Não é querendo me gabar, mas provável que sim. – disse o Tiago rindo.

– Já podemos descer? – perguntou a Lene.

– Já. Eu vim chamar vocês. – respondeu o Tiago.

– Mas o que o Sirius esta aprontando? Vamos ter uma festa amanhã. Amanhã já é véspera de natal, não é? – perguntei.

– Vocês conhecem o Sirius… Ele não consegue ficar sem aprontar. – respondeu o Tiago dando de ombros.

– E você consegue? – perguntou a Dora.

– Às vezes. – respondeu o Tiago piscando o olho.

O maior charme, devo acrescentar.

Descemos as escadas sem pressa apesar da curiosidade.

Eu só estava imaginando o quando de bebida alcoólica o Sirius conseguiu arrumar em tão pouco tempo. Espero que não muita.

– Bem Vindas a nossa festa. – disse o Sirius assim que chegamos na sala.

Ela estava no mínimo diferente.

O Sirius empurrou todos os móveis para os cantos, os sofás estavam estrategicamente colocados perto de um balcão com as bebidas e da mesa com a comida.

A poltrona agora estava isolada em um canto mais escuro da sala. Acho que o Sirius esta pensando que alguém vai querer ficar se agarrando na poltrona.

– Não vão dizer nada? – ele perguntou depois de alguns minutos que nós três só ficamos olhando a sala.

– Eu achei que ficou bem legal. – comentou a Dora.

– Espero que tenha sobrado doces para amanhã. – comentou a Lene.

– Desde quando você esta planejando isso? – perguntei desconfiada.

– E a ruiva como sempre desconfiada! – reclamou o Sirius.

– Ele esta planejando isso desde antes de falarmos com a Alice para trazermos vocês para cá. – respondeu o Remus.

– Sério? – perguntou espantada.

O Sirius sem sombra de duvidas adora uma festa.

– Vocês vão ficar aí me admirando ou podemos começar a festa? – perguntou o Sirius piscando o olho direito para nós.

– Eu vou ficar aqui te admirando. – comentou a Dora antes de receber um olhar reprovador do Remus. – Só estava brincando. – ela respondeu para o namorado.

– Vamos dançar! – disse a Lene me puxando para o centro da sala.

Eu sei que a Lene é festeira, mas dançar com todo mundo olhando para mim? Em quem mundo o cérebro dela foi parar?

– Dança Lily! – ela pediu já dançando na minha frente.

– Não estou muito confortável com todo mundo olhando para mim. – respondi tentando voltar para o canto da sala.

– Suco? – perguntou o Sirius me oferecendo um copo.

– É suco isso Sirius? – perguntei desconfiada.

– Juro que é suco. – ele me respondeu sorrindo.

Não sei por que, mas não consegui acreditar muito.

Assim que peguei o copo o Sirius tirou a Lene para dançar. Menos mal!

– Acho que ele só me deu o suco para poder ter desculpa de chamar a Lene para dançar. – eu comentei com a Dora.

– Sua teoria faz sentido. – ela respondeu rindo.

– Acha que conseguimos fazer o Sirius e a Lene se entenderem nessa festa? – perguntou o Tiago.

– Devemos deixar que eles se resolvam sozinhos. – respondeu o Remus.

– Isso vai demorar muito. Eles precisam de um empurrãozinho. – comentou a Dora indo para o bar.

– O que ela vai fazer? – perguntou o Tiago.

– Espero que não o que eu estou pensando. – eu disse já me levantando para ir atrás da maluca da minha amiga. – Você não vai tentar embebedá-los, vai? – perguntei para ela quando a vi pegando dois copos.

– Eu não vou tentar Lily. Vou conseguir. Isso aqui vai deixar os dois maluquinhos. – ela respondeu misturando várias bebidas.

– Você não pode dar isso para eles Dora! – adverti.

– Por quê? – ela me perguntou finalmente me olhando.

– Por que é errado. Você não iria gostar que fizessem isso com você.

– Eu não precisei disso para agarrar o Remus. – ela comentou dando de ombros.

– Mas não é por isso que a Lene vai precisar. – eu respondi revirando os olhos.

– Não se preocupe. Dificilmente vão deixar os dois bêbados o suficiente para fazerem tanta besteira. – nos disse o Tiago se aproximando.

– Ok! – respondi me dando por vencida e levantando as mãos.

A Dora sorriu e foi falar com o casal na pista.

Sem ter muito o que fazer fui para o sofá e fiquei por lá, acho que não passou nem dez minutos e o Tiago se sentou do meu lado.

– Entediada? – ele me perguntou bebendo alguma coisa.

– Um pouco. – respondi olhando a Dora e o Remus dançando totalmente fora do ritmo da música.

– Trouxe para você. – ele me disse me entregando um copo. – Não se preocupe, é só suco.

Eu tomei um pequeno gole para ter certeza e o suco estava diferente de antes, mas estava bom.

– Esta diferente. – eu disse sem pensar.

– É que o do Sirius estava batizado. – ele me respondeu dando de ombros antes de levar o copo à boca novamente.

– Batizado? – perguntei quase me engasgando com o suco.

O mala – sem – alça só riu da minha cara.

– Não acredito que você me deixou beber aquilo. – eu reclamei.

– Estava fraco. Um pouco de álcool não faz mal a ninguém. – ele respondeu dando de ombros.

– Você é terrível! – eu disse rindo junto com ele.

Não sei quanto tempo ficamos rindo só sei que já tinha cansado de ficar sentada bebendo, suco batizado, já que o que o Tiago me deu já tinha acabado a muito tempo.

Não sei de onde tirei tanta cara-de-pau, só sei que me levantei e estendi a mão para o Tiago.

– Aonde você quer ir? – ele me perguntou desconfiado.

– Dançar. Aceita? – perguntei e logo comecei a rir da cara de espanto dele.

– Acho que você já bebeu o suficiente por essa noite. – ele me disse aceitando a minha mão.

– Olha só quem resolveu se divertir um pouco. – disse o Sirius assim que cheguei na pista de dança improvisada.

– Foi impressão minha ou foi a Lily que te tirou para dançar Tiago? – perguntou a Lene rindo.

Eu acho que esses dois já estão bêbados.

– Fazer o que se ela não resiste. – ele respondeu passando aquela mão pelos cabelos arrepiando-os ainda mais.

Achei melhor não responder. Só revirar os olhos enquanto os outros riam.

– Vem Lily. Vamos dançar. – me disse o Tiago me puxando para perto dele.

– Oh Droga! – eu disse na mesma hora.

Como é que a burra aqui se esquece de uma coisa dessas?

Não acredito que isso realmente aconteceu! Eu acabei de chamar o Tiago para dançar e eu nem ao menos sei dançar. Alguém me mate!

– O que foi? – ele perguntou se afastando na mesma hora parecendo preocupado.

Ninguém vai me matar? Então posso fingir um desmaio?

– Por que vocês não se beijam logo e param de frescura? – perguntou o Sirius. – Vai lá manica… Você já chamou ele para dançar, o que custa agarrar ele logo? Eu sei que você esta doida para beijá-lo.

Eu já disse que odeio quando o Sirius bebe? Ele já fala besteira quando esta sóbrio, bêbado é mil vezes pior.

Pior do que o Sirius bêbado falando besteira, é um Sirius bêbado falando as besteiras mais constrangedoras e verdadeiras.

Alguém me mate!

Assim que senti meu rosto queimando eu me afastei do Tiago e fui para o bar. Vou me entupir de suco até não agüentar mais.

Burra!

Narrado por Tiago Potter

 

O que deu na Lily?

Primeiro estávamos conversando normalmente, rindo, nos divertindo como dificilmente acontece, em seguida ela me chama para dançar.

Eu sei que eu que deveria tê-la chamado, mas eu não sou tão louco. Se eu a chamasse ela simplesmente iria dizer que não e iria ficar emburrada o resto da noite.

Se ela ao menos tivesse dado uma dica de que queria dançar eu não teria parado para pensar. Eu queria, e ainda quero dançar com ela!

Depois quando minha ficha simplesmente cai e vamos para a pista de dança improvisada a Lily fica estranha e se afasta.

O que será que deu nela?

Depois de meus poucos minutos de reflexão fui procurar a Lily e como não achei resolvi atrapalhar alguém.

– Sabem da Lily? – perguntei para o Remus.

– A última vez que vi ela estava virando uma garrafa de whisky. – respondeu o Remus.

– E você não impediu ela de beber? – perguntei preocupado.

– Ela já esta grandinha para saber o que faz. – respondeu o Remus dando de ombros.

– Relaxa Tiago. Logo a Lily aparece, tirando a ressaca o que mais pode acontecer? – perguntou a Dora.

– Realmente a Lily bêbada só fica depressiva, ela deve estar em algum canto. – eu respondi tentando parecer despreocupado.

Cadê a Lily?

Ok! Agora sim eu posso ter um ataque do coração. Eu aqui olhando para os lados vendo o Sirius e a Lene em um vai-não-vai e logo o Sirius vem falar comigo, alias, só para constar, ele estava bem alegre.

– Veado! Preciso falar com você. – ele me disse se sentando do meu lado.

– Você já não bebeu de mais? – eu perguntei sentindo o cheiro de álcool.

– Ainda agüento mais algumas garrafas. – ele respondeu dando de ombros. – Mas vim aqui falar sobre as garrafas da Lene e não as minhas.

Fui só eu que não entendi?

– Como é? – perguntei confuso.

Odeio quando o Sirius fica alegre, ele às vezes viaja nas idéias.

– Acha que a Lene bebeu o suficiente para não se lembrar de nada amanhã? – ele me perguntou preocupado.

Olhei para a Lene que estava preparando alguma mistura lá no bar. Ela estava sim um pouco bêbada, mas não o suficiente para não se lembrar de nada.

– O que esta aprontando? – perguntei desconfiado.

– Não estou aprontando nada. – ele disse rindo sozinho.

Me engana que eu gosto!

– Sério Sirius… O que esta planejando? – perguntei tentando arruar mais alguma informação.

– A Lene vai se lembrar de alguma coisa amanhã ou não? – ele perguntou impaciente.

– Provavelmente não. – menti. Eu queria saber o que ele iria aprontar. Isso é pecado?

– Ótimo. – ele disse já se levantando.

– Pode ir parando ai. Vai contando o que você pretende. – eu disse o segurando pelo braço.

– Vou ficar com ela. – ele respondeu dando de ombros.

– E por que ela precisa estar bêbada para você fazer isso?

– Não quero que ela se lembre que gosto realmente dela. Isso vai deixá-la com um ego gigante e ainda vou ser zoado pelo resto da vida.

– Mas não é errado você gostar dela Sirius. – eu disse contrariado.

Já disse que odeio o orgulho do Sirius?

– Sirius Black não se apaixona. – ele respondeu dando de ombros.

– Sirius Black já esta apaixonado. – eu respondi.

– E o que importa? Você nunca vai provar para ninguém isso. – ele respondeu virando a cara e indo atrás da Lene.

Bêbado orgulhoso!

Essa noite esta realmente movimentada. Eu fiquei observando o Sirius falando com há Lene alguns minutos e logo os dois estavam se comendo.

Eu digo se comendo por que mal dava para saber onde terminava o Sirius e começava a Lene. Acho que se eu não tomar cuidado vou presenciar uma cena proibida para menores de dezoito, e sinceramente não estou muito empolgado para ver isso.

Claro que nem tive muito tempo para pensar em como manter aqueles dois em um nível de amasso razoável por que logo o a música foi tirada, ficamos alguns minutos nos olhando para saber quem tinha desligado a música, quando outra música começou a tocar no lugar, Heartbreak Hotel – Elvis Presley. Alguém consegue pensar no que aconteceu depois?

A minha querida ruiva entrou na sala, o problema é que ela não estava mais com a roupinha linda e comportada que ele estava usando antes, sabe, eu gostava daquela blusinha branca e da calça jeans, mas ela tinha que vir assim? Não sabe que esta na frente de adolescentes repletos de hormônios?

Eis a minha ruiva com uma saia preta que ia até os joelhos (incrivelmente sexy devo acrescentar), uma bota também preta até os joelhos e uma blusinha de couro com um decote gigantesco. Ela só deveria se vestir assim entre quatro paredes e para mim.

Mas voltando a cena da festa, a minha ruiva que estava tentando me fazer ter uma ataque cardíaco por que ela entrou rebolando na sala.

Não sei quem ficou mais espantado, se eu ou o Remus.

Vi o Sirius sorrindo.

– É isso ai ruivinha! – ele disse rindo igual um bobo.

– O que deu nela? – perguntou o Remus sem nem piscar.

– Olha para a sua mulher que aquela é minha. – eu disse fazendo ele desviar os olhos das pernas da Lily.

– Ela só esta se divertindo. – respondeu a Lene.

– E esta é a Lily bêbada em uma festa. – comentou a Dora rindo.

– Sem depressão? – perguntei preocupado tentando manter meus olhos longe da minha ruivinha encantadoramente sexy.

– Depressão? A Lily bêbada em festas é sinal de diversão e muita risada. – respondeu a Dora rindo.

Outra que esta alegre de mais.

Será que eu sou o único que não bebeu por aqui?

Eu sei que é errado ,mas eu tive que olhar para a Lily. Depois que o Sirius gritou um “É isso aí Ruiva” eu tive que olhar. Ninguém pode brigar por olhar para frente, não é?

E lá estava a Lily sem as botas e com a saia aberta, de costas rebolando para mim e subindo a saia bem lentamente.

Quando eu achei que iria ter um ataque do coração ela colocou a saia no lugar e começou a brincar com a blusa.

Foi quando finalmente comecei a pensar com a cabeça certa. A Lily estava fazendo um striptes!

Um minuto para passar o choque!

Depois que me recuperei do susto e olhei novamente para a Lily ela já estava quase sem blusa.

Duas coisas se passam pela minha cabeça:

– A deixo fazer o show. Eu iria gostar de qualquer jeito, e sei que ela não vai se lembrar de nada disso amanhã.

– Vou lá e acabo com a diversão dela e a minha.

Por que nessas horas eu tenho que ser mais parecido com o Remus do que com o Sirius? – foi o que me perguntei antes de ir até o rádio e tirar a música.

– Quem tirou a música? – perguntou a Lily revoltada.

– Coloque a blusa Lily. – pedi tentando não olhar para o sutiã preto de renda dela.

– Pare de ser chato e vamos nos divertir! – ela me respondeu irritada e indo até o rádio.

– Dá para ligar a música de novo? Estamos tentando dar um amasso aqui. – reclamou o Sirius.

– Por que vocês não arranjam um quarto? – perguntou a Lene.

Logo a música recomeçou e não demorou dois minutos a Lily já estava rebolando de novo. Isso é uma tortura!

– Vamos Lily. – eu a chamei. Melhor dar um banho gelado nela.

– Para onde? – ela me perguntou com um olhar nada inocente para mim.

– Para o seu quarto. – respondi sorrindo.

Melhor ela vir por bem. E logo antes que eu não consiga me concentrar em fazê-la dormir.

– Meu quarto é? Primeiro teria que me oferecer um drinque. Está saidinho hein! – ela respondeu rindo e se aproximando. – Me conquiste!

– Você não vai se aproveitar da situação, não é? – me perguntou a Remus.

– Claro que ele vai! – disse o Sirius se intrometendo.

– Claro que não. – respondi puxando a Lily para o barzinho. – O que a senhorita deseja? – perguntei tentando ser galante e já preparando um café bem forte.

– Uma vodka, por favor. – ela me respondeu sorrindo e mordendo o lábio inferior.

Se concentra Tiago!

– Aqui esta. – eu disse lhe entregando o café.

– Mas isso esta horrível! – ela comentou depois de tomar alguns goles curtos.

– Nunca fui bom com bebidas. – respondi piscando para ela.

Ok, eu sei que isso não é uma cantada, mas ela estava bêbada, não é? Qualquer coisa servia!

– Mas aposto que é muito bom com a língua. – ela me respondeu me aproximando perigosamente.

– Disso não tenha duvidas. – respondi sorrindo. – Mas só posso mostrar meus dons quando estivermos sozinhos. – respondi mais uma vez piscando.

Ok! Eu não sou tão cafajeste assim. Foi só para convencê-la de subir para o quarto.

E também não é nada disso que vocês estão pensando. Só preciso fazê-la tomar um banho gelado e ir dormir. Nada de mais!

Ela sorriu para mim empolgada e me puxou escada a cima.

Quem dera ela não estivesse bêbada!

Ela já chegou ao quarto trancando a porta com magia.

Olha onde eu fui me meter!

– Vou arrumar as coisas para você tomar um banho.- eu disse assim que ela me olhou maliciosamente.

– Tomamos banho mais tarde. – ela me disse tirando a saia.

– Lily ponha a sua roupa, por favor. – eu pedi me virando de costas para ela.

– Quer fazer isso você mesmo? Outra vez você faz isso. – ela me disse se aproximando.

– Banho! – eu disse correndo para o banheiro. – E põe a roupa! – gritei lá de dentro.

Ótimo! Logo quem vai precisar de um banho gelado vou ser eu.

Eu retiro o que disse no começo da festa, um pouco de álcool faz mal para alguém sim. A Lily e a minha sanidade.

– Tiaguinho… Vem para cá! – a escutei me chamando.

Ok! É só respirar fundo e pensar no Ranhoso de fio dental me esperando na cama.

Apesar de isso ser nojento me ajudou.

Assim que liguei o chuveiro fui arrastar a Lily para debaixo dele.

– Vem para a cama. – ela me chamou deitada na cama só de lingerie me esperando.

Pensa no Ranhoso!

– Vem tomar um banho primeiro. – pedi.

– Você e esse banho. Só tomo banho se você tomar comigo. – ela disse fazendo bico.

– Mas é claro que eu vou tomar com você. E por que você não põe a roupa? – perguntei.

– Por a roupa para tomar banho? – ela me perguntou rindo. – Você é tão divertido!

Assim que entrou no banheiro a Lily fez menção de tirar a sutiã, mas se ela tirasse eu juro que não responderia por mim então agarrei as mãos dela e empurrei ela para debaixo do chuveiro.

– Eu joguei pedra na cruz! – eu disse comigo mesmo vende as poucas roupas da Lily ficarem transparentes e ainda mais coladas no corpo.

– Que água gelada! – ela reclamou. – Você não vai entrar? – ela me perguntou manhosa.

– Já vou. Vou fazer alguma coisa para você beber. Vai tomando seu banho, troca de roupa e me espera. – pedi saindo correndo do banheiro.

Fiz outro café forte para ela e voltei para o quarto. A Lily estava deitada na cama já com outra lingerie, mas já dormindo para a minha sorte

A cobri com o cobertor e deixei o café ao lado da cama. Sai e a deixei dormindo.

Assim que fechei a porta do quarto dela a Lene apareceu.

– Tudo certo? – ela me perguntou enquanto eu respirava fundo.

– Eu preciso de um banho frio! – eu disse indo para o meu quarto.

Precisava de um banho frio e uma boa noite de sono.

Narrado por Lílian Evans

Mas que droga de dor da cabeça! Não acredito que bebi de novo!

O que será que eu fiz ontem?

Minha nossa! Já é meio dia e hoje é dia vinte e quatro de dezembro. Preciso fazer a ceia!

Levantei correndo e desci as escadas desesperada.

– Bom dia minha leoa. – me disse o Tiago se virando de costas para mim.

– Desculpa! Perdi a hora. – eu choraminguei.

Ele deve estar chateado, nem quer olhar para a minha cara.

Do que ele me chamou?

– Percebi. – ele respondeu rindo. – Melhor você voltar para o quarto Lily.

Ok! Meu cabelo deve estar uma bagunça. Disfarcei e passei a mão no cabelo, é ele esta uma bagunça.

– Esta com raiva? – perguntei por que ele ainda se recusava a me olhar.

– Lily queria, vai para o quarto antes que alguém te veja assim. – ele me pediu ainda sem me olhar.

– Estou tão feia assim? Caramba, eu só não penteei o cabelo! – reclamei.

Que menino chato!

– Ruivinha, volta para o quarto e põe uma roupa ou eu não respondo por mim. – ele me disse.

O que tem de mais no meu pijama? Eu sei que ele é um pouco curto, mas nem tanto ass…

Ahhhhhhh!

Eu estou sem roupa!

Certo, não sem roupa, mas só de calcinha e sutiã.

– Seu pervertido! – eu gritei para ele e voltei correndo para o meu quarto, escutei ele rindo na cozinha, mas não pude fazer muita coisa.

Que vergonha!

Assim que entrei no meu quarto comecei a reclamar sozinha.

Como eu fui acordar só de calcinha e sutiã? Eu nem me lembro de ter subido para dormir.

– Da para reclamar mais baixo? Estou morrendo de dor de cabeça e pretendo ficar na cama até tarde. – reclamou a Lene.

– Mas já esta tarde Lene e eu estou tendo uma crise! – reclamei.

– O que foi? – ela me perguntou enquanto eu colocava uma roupa.

– Você sabe como eu vim parar só de calcinha na minha cama? E o que eu fiz na festa ontem? – perguntei rezando para ela disser que eu me cansei da festa e vim dormir.

– A última vez que te vi ontem na festa você estava fazendo um stripts e o Tiago cortou seu barato mandando uma colocar a roupa de volta.

– De volta? O quanto eu tirei? – perguntei já caindo sentada na cama.

Não acredito que fiz stripts de novo, e ainda na frente dos meninos.

– Você estava sem blusa, e sem a bota.

– Mas que bota? – perguntei.

– Sei lá. Você trocou de roupa. Ai o Tiago mandou você se vestir, vi os dois conversando no bar e depois você arrastando o Tiago escada a cima. Quando voltei para o quarto você já estava dormindo.

– Você não sabe mais nada? – perguntei suplicando para que eu não tivesse que perguntar de novo para o Tiago o que eu aprontei enquanto estava bêbada.

– Não sei Lily. Estava ocupada de mais agarrando o Sirius para saber. Mas esquece essa ultima parte.

– Pode ir contando. – eu pedi me empolgando.

– depois. Agora vou voltar a dormir. – E se alguém perguntar eu ainda não acordei e não tivemos essa conversa. – ela me disse virando para dormir de novo.

Respirei fundo e voltei para a cozinha. Melhor enfrentar isso logo!

Quando entrei na cozinha o Tiago ainda estava lá e sozinho:

– Quer ajuda? – perguntei receosa.

Ele me olhou rapidamente, acho que para conferir que eu estava vestida.

– Não precisa Lily. Já estou terminando. Quer alguma coisa para a dor de cabeça?

– Eu quero água. Nunca fiquei com tanta cede. – eu disse rindo.

Ele riu junto comigo, mas depois ficou quieto.

– E como foi à festa? – perguntei receosa.

– O Aluado e a Dora ficaram se agarrando em um canto. Bêbados e mais para se levantarem. O Sirius e a Lene se declararam, mas estavam bêbados e provavelmente não se lembram. – ele respondeu ainda cozinhando alguma coisa.

– E nós? – perguntei muito apreensiva.

– Você dançou bastante. – ele me respondeu rindo.

– Esta evasivo hoje. – eu comentei.

– Sério Lily. Esqueça a festa. Não aconteceu nada para você se preocupar. – ele me respondeu olhando finalmente para mim.

– Então eu não aprontei nada? – perguntei desconfiada.

A Lene acabou de me falar que eu fiz besteira…

– Nada que já não tenha dado um jeito na hora. Esqueça Lily! – ele me disse de novo.

Que cisma é essa de esquecer? O que será que eu fiz?

– E o que você precisou dar um jeito? – perguntei mais uma vez tentando arrancar as informações.

– Ruiva, por que você não vai dar uma arrumada na sala? Já estou terminando as coisas aqui na cozinha, logo o pessoal desce e é bom que pelo menos metade da casa esteja arrumada. – ele me disse sorrindo.

– Ok! – respondi meio sem saída.

Narrado por Tiago Potter

Pensei que a Lily nunca iria parar de fazer perguntas.

Eu não posso simplesmente dizer para ela que ela quis me seduzir, sem contar que isso vai ficar bem gay.

Sem chances! Não vou falar nada.

Continuei fazendo a cozinha enquanto escutava a Lily arrumando a sala e reclamando que eu tinha “expulsado” ela da cozinha.

– Bom dia manica. – escutei o Sirius dizendo.

– Bom dia Six. – ela respondeu um pouco desanimada.

– E o pessoal? – o escutei perguntando.

– Tiago esta na cozinha. – ela respondeu ainda mais desanimada.

– Bom dia veado! – me disse o Sirius minutos depois.

– Bom dia cachorro! – eu respondi rindo.

– Por que você está aqui sozinho e a ruivinha esta sozinha na sala? Pensei que depois de ontem… – ele foi dizendo cheio de segundas intenções.

– Não aconteceu nada ontem! – eu respondi.

– Mas… – ela começou.

– Ela estava bêbada. Eu não podia me aproveitar. – respondi.

– Claro que podia! – reclamou o Sirius.

Revirei os olhos. Esse é o Sirius!

– E como foi a sua noite? – perguntei mudando de assunto.

– A Lene disse que me ama. – ele disse empolgado.

– E você respondeu…? – incentivei.

– A verdade, mas não tem problema, eu vou fingir que me esqueci e ela não deve se lembrar de nada então esta tudo ótimo.

– Por que você vai fazer isso? Não acha que já esta na hora de vocês pararem com esse orgulho e se entenderem logo? – perguntei já cansado daquela conversa.

– Não é orgulho veadinho é principio. – me respondeu o Sirius.

– Sei… – respondi cansado.

Vai demorar um pouco para convencer o Sirius de falar a verdade.

Narrado por Lílian Evans

Depois que o Sirius entrou na cozinha eu fiquei em uma discussão interna. Ouvir ou não a conversa?

Acho que andar com os marotos esta me deixando um pouco rebelde, pois eu fui escutar a conversa:

– Não aconteceu nada ontem! – escutei o Tiago respondendo.

O que será que aconteceu ontem que ele esta tão relutante em falar?

– Mas… – começou o Sirius.

– Ela estava bêbada. Eu não podia me aproveitar. – isso não é um bom sinal.

– Claro que podia! – reclamou o Sirius.

Claro que não podia Sirius. Seja lá do que vocês estão falando.

– E como foi a sua noite? – escutei o Tiago perguntando.

Esta aí outra coisa interessante.

– A Lene disse que me ama. – ele disse empolgado.

– E você respondeu…? – escutei o Tiago incentivando o Sirius a continuar.

– A verdade, mas não tem problema, eu vou fingir que me esqueci e ela não deve se lembrar de nada então esta tudo ótimo.

Não acredito!

Preciso falar com a Lene!

Subi correndo as escadas e trombei com a Dora no caminho:

– Aonde vai com tanta pressa Lily? – ela me perguntou.

– Ver a Lene. Preciso saber o que aconteceu ontem à noite. – eu respondi apressada.

– Além de você querer agarrar o Tiago e fazer um stripts? Acho que nada de mais. – ela me respondeu rindo.

– Pensei que você também tivesse bebido de mais. – eu disse automaticamente.

– Bebi! Estou com uma ressaca horrível, mas não estava tão bêbada ao ponto de esquecer tudo. – ela me respondeu dando de ombros.

– Só eu me esqueci o que aconteceu? – eu perguntei mais para mim do que para a Dora.

– E só o Tiago se manteve sóbrio. – disse a Dora achando graça de alguma coisa.

Eu não vi a graça da piada.

– E o Remus? – perguntei para ver se ela parava de rir.

– Ainda esta dormindo. Tem mais alguém acordado? – ela me perguntou.

– O Sirius e o Tiago estão na cozinha. – respondi sem dar muita importância.

– Vou descer então. – ela respondeu já se colocando a andar.

Novamente caminhei para o meu quarto para falar com a Lene que ainda dormia.

Será que ela não vai acordar não?

Narrado por Tiago Potter

Conversa encerrada. O Sirius não vai admitir que esta falando sério quando disse que amava a Lene e espero que ela seja sensata e diga que se lembre de tudo, apesar deu achar que ela também vai optar pela mentira.

Eu sei que a Lene se lembra. Ela não tinha bebido tanto assim.

Não deu dois minutos que terminei a comida e a Dora entrou na cozinha animada.

– Ninguém contou para a Lily o que ela aprontou ontem? Ela estava desesperada atrás de informações. – ela perguntou rindo.

– Melhor que a Lily não saiba. – eu respondi dando de ombros.

– E por que tanta felicidade? Pensei que o Aluado tinha acabado com as suas energias ontem. – comentou o Sirius malicioso.

– Não vê que a felicidade é justamente por causa disso? – perguntei entrando na brincadeira.

Depois da Dora corar incrivelmente ela se acalmou e respondeu:

– Ele deve ser melhor que vocês, já que os dois estão aqui na cozinha sozinhos.

Ai! Essa doeu!

– Não me lembro de nada de ontem à noite. – ele mentiu.

Os dois olharam para mim interrogativos.

– Eu não fiz nada! – eu respondi na defensiva.

– E por que a Lily esta apavorada daquele jeito? – perguntou a Dora desconfiada.

– A Lily esta sempre apavorada. – respondeu o Sirius rindo.

Ficamos conversando por mais algum tempo e logo o Aluado apareceu na cozinha:

– Bom dia! – ele disse se espreguiçando e indo dar um beijo na Dora.

– Boa noite! – respondeu o Sirius sorrindo.

– Na verdade é boa tarde, mas tudo bem. – respondi rindo da cara deles.

– Boa tarde meu amor. Dormiu bem? – perguntou a Dora.

– Que coisa melosa. Vou ficar com diabete assim. – comentou o Sirius.

– Invejoso!  – respondeu a Dora mostrando a língua.

– Bom dia amores. – disse a Lene entrando na cozinha sendo acompanhada por uma Lily emburrada.

– Ela esta bem feliz hoje para quem esta com ressaca. – comentou a Dora sugestiva.

– Fazer o que… A Lily não me deixou dormir mesmo. – ela comentou dando de ombros.

– Então quer dizer que todos nós estamos de ressaca? – perguntou o Remus.

– Eu não estou. – comentei sorrindo.

– Você não conta senhor certinho. – reclamou a Lily.

– Acho que temos uma inversão de papéis aqui. – comentou a Lene rindo.

– A ruiva manica aprendeu com o melhor, eu! – comentou o Sirius sorridente.

– Acho melhor eu nem responder. – comentou a Lily fazendo bico.

– E o que vamos fazer hoje? É véspera de Natal! – disse a Dora empolgada.

– Eu voto por uma festa! – disse o Sirius na mesma hora.

– Outra festa? Ainda estamos ruins por causa da festa de ontem. – reclamou a Lily.

– O que é melhor para curar uma ressaca do que outra ressaca? – perguntou o Sirius empolgado.

– Dormir! – respondeu a Dora animada.

– Podemos fazer a ceia, ai cada um faz o que bem entender. – comentou o Remus olhando para a namorada.

Algo me diz que eles não vão estar na sala à meia noite.

– Por mim tudo bem! – comentou a Lene dando de ombros.

– Podemos dar uma festa sem o casal mel com açúcar. – comentou o Sirius.

– Então vamos fazer a ceia. – comentou a Lily empolgada.

– Eu já fiz a minha parte. A comida esta feita. Só faltam os doces. – comentei.

– Alguém fez o Peru? – perguntou a Lene já com água na boca.

– E tem peru? – perguntou o Aluado pensativo.

– Tem. – eu disse mostrando o congelador.

– Dou um jeito do peru. – disse a Lily desanimada.

– Ótimo! Agora vou arrumar as minhas unhas. – disse a Lene já se levantando.

– Eu vou junto Lene. – disse a Dora no mesmo instante.

– Eu faço a comida enquanto as duas cuidam das unhas. – reclamou a Lily já pegando algumas coisas no armário.

– Eu vou fazer o dever de férias. – disse o Aluado já se levantando.

– Dever em pleno natal? – perguntou o Sirius revoltado.

– Alguma hora eu ia ter que fazer. – respondeu o Remus dando de ombros e saindo da cozinha.

– Vai precisar de ajuda Lily? – perguntei.

– Não. – ela respondeu pensativa.

– Eu posso ajudar. Não tenho nada para fazer. – eu insisti.

– Tudo bem então! – ela respondeu sorrindo.

Olhei para o Sirius esperando que ele inventasse alguma desculpa para sair da cozinha, mas ele ficou lá olhando para a nossa cara.

– E você Almofadinhas? Não tem nada para fazer? – perguntei já que ele não se movia.

Não vê que a melhor coisa é me deixar sozinho com a Lily?

– Não! Vou ficar aqui atrapalhando vocês. Deve ser divertido. – ele respondeu sorrindo.

Odeio quando o Sirius não tem nada para fazer!

Narrado por Lílian Evans

Depois de algumas horas na cozinha finalmente os doces estavam no forno ou na geladeira. O Peru estava semi-pronto e eu exausta.

– Estou precisando de uma boa noite de sono. – reclamei então acompanhava os meninos até a sala, onde o resto do pessoal estava.

As meninas ainda estavam pintando as unhas uma da outra e o Remus já estava terminando a lição.

– E o que vamos fazer agora? – perguntou o Sirius empolgado.

– Você pode me contar como foi a sua noite ontem. – eu pedi.

Eu preciso fazer ele e a Lene admitirem que se lembrar de tudo.

– Eu não me lembro de nada de ontem. – ele respondeu automaticamente.

Olhei para o Tiago que pelo visto entendeu o meu recado.

– Tem certeza Sirius eu me lembro de você dizendo que gostou da noite de ontem. – comentou o Tiago.

Vi o Sirius lançando um olhar irritado para o Tiago e a Lene olhando tudo com interesse.

– Mas aposto que você se lembra Lene. Pelo menos foi o que você me disse quando estava meio dormindo meio acordada. – provoquei.

– Não me lembro de nada. – ela disse me mandando o seu pior olhar.

Aqueles do tipo “Cala a boca ou eu te mato!”

– Mas por que todo esse interesse no que aconteceu ontem? – perguntou a Dora.

– É que ninguém sabe nada sobre a noite do Sirius e da Lene e os dois dizem que não se lembram. – comentei.

– Estranho. Vocês não beberam tanto assim. – comentou o Remus desconfiado.

– E a Lene não é fraca para bebida! – comentou a Dora.

– Muito menos o Sirius. – reforçou o Tiago.

– Vamos lá gente… É impossível vocês não se lembrarem de nada! Não foi um de vocês que disse que se declarou ontem? – perguntou o Tiago sorrindo.

Os dois nos lançaram olhares furiosos.

Acho que se meu plano não der certo a Lene não vai querer olhar para a minha cara por um bom tempo.

– Eu não me lembro de nada! – disseram os dois juntos e revoltados.

Logo a Lene se irritou e subiu para o quarto.

– Acho melhor ir falar com ela. – disse a Dora já se levantando e me puxando junto.

Depois de vários: “Vão embora” a Lene finalmente abriu a porta.

– Você não deveria ter feito aquilo. – reclamou a Lene olhando irritada para mim.

– Você deveria ter dito a verdade e acabado logo com isso.

– Ele pode alegar que disse aquilo por que estava bêbado.

– Mesmo bêbado o Sirius nunca diria que ama ninguém sem realmente amar Lene. – comentou a Dora.

– Como você pode ter certeza? – ela perguntou nervosa.

– O Remus me confirmou quando perguntei. Ele nunca disse nem sóbrio nem bêbado que ama ninguém. Ele disse a verdade para você e não pode mentir, por isso ele também esta fingindo que não se lembra de noite passada.

– Pois eu não vou falar que me lembro. Não adiantar nada. – reclamou a Lene teimosa.

– Você deveria ir lá falar com ele. Vocês se gostam. Você sabe disso melhor do que nós. – eu disse.

– Você não pode falar nada Lily. Você AMA o Tiago e nem por isso esta lá agarrada com ele. – essa doeu.

– Eu só não confio inteiramente nele ainda. – respondi na defensiva.

– Logo a Lily começa a confiar nele Lene, alias, os dois já estão até amigos. E nosso assunto agora é você. – disse a Dora calma.

– Não posso falar a verdade. – ela disse mais uma vez. – E se não for pedir demais eu quero ficar sozinha.

– Mas já passa das sete da noite. – eu disse inconformada.

– Então é melhor você ir ver se não tem anda queimando. – ela me respondeu indo tomar banho.

– Vou me arrumar. E pense no que te falamos Lene. Fala com o Sirius. – disse a Dora antes de sair.

– Depois no falamos. – eu disse antes de sair do quarto.

Vi os meninos conversando na cozinha, mas nem liguei, eles estavam tentando convencer o Sirius a ir falar com a Lene, mas acho difícil eles conseguirem alguma coisa.

E lá vou eu terminar de fazer a ceia!

Narrado por Tiago Potter

 

Eu já disse que o Sirius é mais teimoso que uma mula? Não? Pois ele é mais teimoso que um elefante!

– Já disse que não vou ir lá falar com ela. – ele disse pela milésima vez.

Vi o Remus olhando em direção a cozinha constantemente.

– O que tem na cozinha Aluado? – perguntei desconfiado.

– Nada. Só estou com um pouco de fome. – ele respondeu dando de ombros.

– Então Sirius… – comecei.

– Então nada Tiago. Não vou falar com ela e ponto final. – ele respondeu emburrado.

– Você esta sendo um orgulhoso burro! – reclamei.

– E vou continuar sendo! – ele respondeu irriatado.

– Por que você não vai lá falar com ela? Tenho certeza que ela se lembra. – eu disse tentando convencer o tonto.

– Esta ai outra coisa que você deveria explicar.

– Explicar o que Sirius? – perguntei já perdendo a paciência.

– Você me disse ontem que a Lene não iria se lembrar de nada. – ele reclamou.

– Eu disse que achava que ela não se lembrava. – eu o corrigi.

– Mas estava na cara que ela iria se lembrar. A Lene não estava tão bêbada assim, só um pouco alegre. – comentou o Remus.

– E o Pontas mentiu para mim! – reclamou o Sirius.

– claro que menti Já estava na hora de algum de vocês dar o braço a torcer. – eu disse revirando os olhos.

– Mas tinha que ser eu? – reclamou o Sirius.

– Claro que tinha que ser você. Não vê que a Lene só esta esperando você tomar a iniciativa? – perguntei irritado.

– Não estava! Ela é uma mulher de atitude!

Impossível discutir com o Sirius!

– Deixa o Sirius para lá Tiago. Você também esta errado. – disse o Remus de repente.

– Errado por quê? – perguntei sem entender como a briga foi para cima de mim.

– Você não contou para ninguém o que aconteceu ontem! – reclamou o Remus.

E mais essa!

– Já disse que não aconteceu nada. – eu disse mais uma vez.

Será que ninguém consegue deixar essa história para lá?

– E o que você deu para a Lily no bar? Ela depois saiu correndo te puxando para o quarto. – comentou o Aluado.

– Dei café para ver se ela melhorava. – respondi.

– Café não iria fazer ela te arrastar escada a cima. – comentou o Sirius malicioso.

– Eu precisava fazer ela tomar um banho gelado, mas eu dei café para ela. – completei antes que eles pensassem besteira.

– Então o que você disse para ela?

– Olha eu pedi para ela subir e colocar uma roupa e ela disse que eu estava apressadinho de mais para já querer ir para o quarto que tinha me ofereccer um drink para ela antes. Foi quando dei o café para ela, ela falou algumas besteiras e eu cantei ela, foi por isso que ela saiu me puxando para o quarto. – respondi.

– Então você admite que se aproveitou da situação? – perguntou o Remus revoltado.

– Não me aproveitei. Eu precisava fazê-la tomar um banho frio. E para isso eu precisava que ela fosse para o quarto dela. – me defendi.

– E você acha que vamos acreditar que ela te arrastou escada a cima sem blusa e foi tomar banho e você demorou tanto por que estava velando o sono dela? – perguntou o Sirius cheio de malicia.

– Não foi tão fácil fazê-la tomar banho. – eu me defendi.

– E vai dizer que não se aproveitou da situação? – perguntou o Remus mais uma vez.

– Eu juro que não fiz nada. Tive até vontade. Alias, muita vontade, depois que liguei o chuveiro e fui arrastar a Lily para de baixo dele ela estava só de lingerie me esperando na cama. – eu confessei.

– Esta a prova que você se aproveitou! – disse o Sirius animado.

– Claro que não. – respondi revoltado.

– Você não iria resistir assim. – comentou o Remus.

– Eu tenho uma boa tática. – eu respondi dando de ombros.

– E não vai contar para os seus amigos? – perguntou o Sirius animado.

– Ok! Mas não riam. A situação pedia medidas drásticas! – eu pedi.

– Conta logo! Como a Lily se comportou? – perguntou o Sirius animado de mais para o meu gosto.

– Quando vi a Lily daquele jeito me chamando pedi para ela colocar a roupa, ela disse algo como “da próximo vez deixo você tirar a minha roupa, agora não vou colocar de novo”.

– Olha só quem se deu bem ontem a noite. – comentou o Sirius sorrindo.

– Já dise que não aconteceu nada. Eu simplesmente imaginei o Ranhoso de fio dental. – eu admiti.

– Eca! – disseram os dois.

Escutei algum barulho vindo de lá de cima, mas não deu para confirmar o que era por que o Remus já voltou a falar.

– E deu certo? – ele me perguntou.

– Claro que deu certo. Arrastei ela para debaixo do chuveiro, e adivinhem o que ela tentou fazer? – perguntei deixando o Sirius ainda mais curioso.

– Te agarrar? – ela perguntou empolgado.

– Não. Pior! Tirar o sutiã. Sorte que eu fui mais rápido e tirei a mão dela do feixo e empurrei ela para a água gelada.

– E você tomou banho com ela? – perguntou o Sirius ainda tentando arrumar alguma cena pervertida.

– Eu? Eu sai correndo. Vim para a cozinha e fiz um café bem forte.

– Para mantê-la acordada a noite inteira? – perguntou o Sirius animado.

– Não! Para curar o porre dela, mas para a minha sorte quando cheguei ao quarto ela já tinha trocado de lingerie e estava dormindo.

– Então não aconteceu nada? – perguntou o Sirius desanimado.

– Claro que não. Eu só precisei de um bom banho gelado depois. – respondi dando de ombros.

– Fiquei orgulhoso de você Pontas! – comentou o Remus.

– Até eu fiquei orgulhoso de mim. – respondi sorrindo.

E escutamos um baque na escada e logo uma discussão estava começando.

Vi que a Lily estava sentada na escada reclamando com a Dora.

Será que uma das duas escutou alguma coisa?

Narrado por Lílian Evans

Ok!Meu pânico passou!

Não acredito que eu fiz isso!

Como vou olhar para a cara do Tiago agora?

– Então não aconteceu nada? – perguntou o Sirius desanimado.

– Claro que não. Eu só precisei de um bom banho gelado depois. – respondeu ele dando de ombros.

– Fiquei orgulhoso de você Pontas! – comentou o Remus.

É eu também fiquei!

– Até eu fiquei orgulhoso de mim. – respondeu o Tiago.

Foi quando senti alguém me empurrando e cai de bunda no degrau da escada.

– Opa! – disse a voz da Dora.

– Dora! Não olha por onde anda não? Ai minha bunda! – eu disse irritada.

– Quem manda você ficar aí parada no meio da escada. – ela disse dando de ombros.

– Quem manda você não olhar por onde anda. – reclamei.

– Mas o que você estava fazendo ai parada? – ela me perguntou.

– Nada de mais. – desconversei me levantando.

Ótimo! Por culpa da Dora todos me viram aqui.

– Vejam só… Lily Evans escutando a conversa alheia. – comentou a Dora rindo e continuou a subir as escadas.

Fiz a minha melhor pose e subi para tomar banho…

Acho que esse vai ser um longo natal!

Depois que finalmente me arrumei e contei para as meninas tudo que ouvi na escada já passava das 9 da noite.

– Aja naturalmente Lily. – aconselhou a Dora.

– Agora é só você criar vergonha na cara e ir falar com ele. – comentou a Lene.

– Ir falar o que com ele? – perguntei.

– Oras… Vai me dizer que ainda não confia nele, mesmo depois do que ele fez? – ela me perguntou revirando os olhos.

– Claro que confio, mas… –comecei.

– Sem mais Lily. Cada hora você inventa uma desculpa. – reclamou a Dora.

Dei de ombros e fomos nos encontrar com os meninos na sala.

– Pensei que vocês nunca iriam descer. Estou morrendo de fome. – comentou o Sirius.

– Você estar com fome é normal Six. – comentou a Lene rindo.

Os dois fizeram as pazes e eu não estou sabendo?

– Pensei que eles não estavam se falando. – comentei com a Dora.

– Também pensei – ela me respondeu também sem entender.

Sem mais nada a dizer fomos todos para a cozinha seiar.

Alias, o Tiago cozinha muito bem, e eu também. Vamos virar duas bolinhas quando casarmos!

Ai meu Deus! Eu pensei mesmo isso?

– Tudo bem Lily? – me perguntou o Remus parecendo preocupado.

– Tudo ótimo. – respondi sorrindo amarelo.

Melhor me concentrar na conversa e não ficar pensando sozinha…

Dizer que a conversa fluiu seria pouco para como estávamos nos divertindo, acho que com os marotos por perto não tem como ficar sem rir.

Já passava das onze da noite quando o Remus e a Dora resolveram ir comemorar o natal do jeito deles:

– Nós vamos subir. – comentou o Remus.

– Espera pelo menos dar meia-noite. – pediu o Tiago.

– Damos Feliz Natal amanhã. – ele respondeu dando de ombros.

– E lá vão eles comemorar do melhor jeito possível… – comentou o Sirius vendo os dois subirem.

Ambos é claro que vermelhos de vergonha.

– Aproveitem bem a cama! – brincou o Sirius antes dos dois terminarem de subir as escadas.

– Vamos aproveitar. Não se preocupe. – respondeu a Dora rindo.

– Aí que orgulho do Aluado! – comentou o Sirius fingindo chorar.

– Ai que drama Sirius! – disse a Lene revirando os olhos.

Não se passaram nem dez minutos e a Lene já se levantou do sofá.

– Vou me deitar. – ela disse fingindo um bocejo.

O que deu na Lene?

– Mas esta cedo. Não deu nem meia-noite ainda. – reclamei.

– Estou morrendo de sono. – ela observou fingindo outro bocejo.

– São onze e meia Lene. Fiquei mais um pouco. Logo também vamos dormir. – disse o Tiago.

– Desculpem, mas estou realmente com sono. – ela comentou.

– Deixem ela ir. – disse o Sirius dando de ombros.

O que deu nesses dois?

Acho que não se passou nem mais dez minutos e logo foi o Sirius que começou a fingir sono.

– Também vou deitar. Aproveitem a noite. – ele nos disse.

– Você vai realmente deitar? – perguntou o Tiago desconfiado.

– Mas é claro que eu vou. O que mais eu teria para fazer? – ele nos perguntou com aquela falsa carinha de inocente.

– Você vai aprontar! – eu disse morrendo de vontade de rir da cara dele.

– Vocês só falam mal da minha pessoa. Eu vou dormir! – ele respondeu.

– Sei sei… Vai lá então. – eu disse dando de ombros.

Esperamos o Sirius sumir de vista para podermos voltar a conversar:

– O que deu neles? – perguntei.

– Não faço idéia. – ele me respondeu dando de ombros.

– Acho que vamos ficar só nós aqui. – eu comentei por não ter nada melhor do que falar.

– Até que não é tão ruim. Só espero que eles aproveitem bem o natal senão eu vou ser obrigado a brigar com eles amanhã. – ele comentou rindo.

– Claro… Quem sabe colocar eles para limpar a casa. – brinquei.

– Lily eu queria falar uma coisa séria com você. – ele me disse ficando sério de repente.

– Pode falar. – eu disse na defensiva.

Não é nada bom ele querer falar comigo tão sério.

– Lily eu sei que você escutou quando eu estava conversando com os meninos.

– Escutei o que? – me fiz de desentendida e sei que corei fortemente estragando a minha mentira.

– Não adianta fingir Lily. Sei que você estava escutando a conversa na escada. – ele me respondeu ainda sério.

– Olha Tiago eu não… – eu comecei a me explicar.

– Relaxa! Eu só mão queria que escutasse para não ficar sem graça.

– Na hora eu realmente fiquei. – confessei.

– Eu sei, mas tente não pensar nisso Lily. Você não estava nos seus melhores dias. Eu nem me lembro mais o que aconteceu. – ele brincou.

– Sabe Tiago… Têm coisas que você não entende. – eu disse chateada.

Se ele soubesse o que sinto por ele, tenho certeza que não agiria assim.

– Tem muitas coisas que você pensa que não entendo Lily. – ele me respondeu sorrindo. – Sei muita coisa que você nem sonha que estou sabendo.

– Como o que, por exemplo? – perguntei duvidando.

– Alice andou contando algumas coisas que você não gostaria que contasse. – ele me respondeu ainda enigmático.

– O que a Alice poderia te contar? – perguntei sem conseguir pensar em nada.

– Deixa para lá Lily. – ele desconversou. – Então… O que você espera para o próximo ano? – ele me perguntou mudando de assunto.

Narrado por Tiago Potter

– Sabe Tiago… Têm coisas que você não entende. – ela me disse parecendo chateada.

Mas claro que se ela soubesse que gosto dela ela já teria fugido e não estaríamos tendo essa conversa.

– Tem muitas coisas que você pensa que não entendo Lily. – eu perguntei sorrindo e me lembrando daquele primeiro dia na casa dos gritos. – Sei muita coisa que você nem sonha que estou sabendo.

– Como o que, por exemplo? – ela me perguntou desconfiada.

– Alice andou contando algumas coisas que você não gostaria que contasse. – respondi sorrindo.

– O que a Alice poderia te contar? – ela me perguntou muito curiosa.

– Deixa para lá Lily. – respondi. – Então… O que você espera para o próximo ano? – ele me perguntou mudando de assunto.

Eu sei que mudei totalmente do assunto, mas não posso contar para ela que sei, pelo menos não agora.

– Na verdade muitas coisas. – ela respondeu rindo. – Terminar a escola seria uma delas. – ela respondeu sorrindo.

– O que mais? – perguntei tentando arrancar o máximo de informações possível.

– Não sei… – ela me disse corando.

Eu gosto quando a Lily cora. Significa que ela esta pensando em mim, claro que nem sempre ela esta feliz, mas esta pensando em mim de qualquer jeito.

– E quais são seus objetivos? – ela me perguntou enquanto eu pensava em como ela fica bonita corada.

– Eu quero você! – respondi de uma só vez.

Adoro quando ela cora assim.

Aproximei-me lentamente dela. Essa seria uma boa hora para um beijo.

Vi a Lily olhando em dúvida para mim, mas como ela não apresentou nenhuma resistência continuei me aproximando bem devagar para ela ter chance de reação.

Para a minha felicidade só vi a Lily desviando seus olhos para a minha boca. Perfeito! É hoje que eu me entendo com ela.

Bi-bi bi-bi!

Olhamos para o meu maldito relógio que fez a Lily se afastar um pouco.

– Feliz Natal! – ela me disse sorrindo.

– Um ótimo Natal! – eu disse voltando a me aproximar.

E logo outro barulho nos atrapalhou, mas dessa vez foi um vaso caindo no chão.

– Desculpem! – o Aluado pediu quando olhamos para ele assustados.

– Feliz Natal – disse a Lily rindo.

– Feliz Natal! – ele respondeu constrangido.

Pelo visto não vai ser hoje!

– Aonde vai com a garrafa? – perguntei desconfiado.

– Comemorar o Natal. – ele respondeu subindo correndo as escadas mais vermelho que a Lily.

E lá se foi à última garrafa de champanhe que tínhamos.

A Lily logo se levantou enquanto eu me amaldiçoava por não tê-la beijado logo.

– Podemos brindar com suco. – ela disse voltando com uma jarra.

– Por mim tudo bem. Chega de bebidas alcoólicas por enquanto. – respondi sorrindo.

Colocamos o suco no copo e brindamos.

– Feliz Natal! – dissemos juntos.

Teria sido melhor um final com um beijo…

– Me conte uma história de natal. – ela me pediu se encostando no meu peito.

A abracei e voltamos a conversar como se nada tivesse acontecido, mas já estávamos abraçados, e isso é bom ótimo sinal.

Cap Anterior – Próximo Cap – Menu


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.

Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.