A casa dos gritos – Cap 11 4


Anteriormente:

– Não achei graça. – comentou a Dora.

Vi que os meninos olhavam tudo com atenção e desprezo.

Foi quando o meu olho pousou nele. Acho que o Tiago não vai ficar com tanta raiva, vai?

– Meu namorado é bem mais bonito e educado que aquele porco que você chama de noivo Petúnia. – respondi.

– E quem seria seu namorado? O gasparzinho? – ela perguntou rindo.

– Não! Ele é meu namorado! – eu disse apontando para o Tiago.

O que foi que eu fiz?

Cap 11 – Sr e Sra Evans

Narrado por Tiago Potter

– Por que não vai encher a paciência da sua vó Petúnia? – perguntou a Lene irritada.

– Por que não cuida da sua vida Marlene? – retrucou a Petúnia. – Deixa a encalhada se expressar. Quero ver o que ela vai inventar agora. Já sei… Esta namorando um fantasma. Só alguém morto para gostar de você.

– Não achei graça. – comentou a Dora.

Vi a Lily olhando para nós rapidamente. Ela deve estar muito irritada. Dá para ver isso nos olhos dela.

Foi quando vi ela me olhando estranhamente. Não estranho do jeito que ela me olhou quando chegamos, acho que naquela hora era vergonha, mas agora é diferente.

– Meu namorado é bem mais bonito e educado que aquele porco que você chama de noivo Petúnia. – ela respondeu irritada.

A Lily não deveria mentir tanto. Deveria encurtar a conversar e deixar a irmã para lá.

Alias, pensei que a irmã dela fosse menos pior, apesar de tudo que as meninas me contaram hoje sobre ela.

– E quem seria seu namorado? O gasparzinho? – ela perguntou rindo.

Quem é gasparzinho?

– Não! Ele é meu namorado! – escutei a Lily dizendo.

Vi a todo mundo me olhando estranhamente e quando vi o dedo da Lily estava apontando para mim.

“Ele é meu namorado!” – ela não pode estar falando sério!

E agora?

– Desculpem a demora, estava fazendo bolinhos de chuva. – disse uma senhora ruiva aparecendo na sala.

Acho que estou diante da minha “sogra”.

Vi a Lily me olhar desesperada, só assenti com a cabeça para que não se preocupasse. Não iria desmentir nada até pelo menos conversarmos.

– Até que enfim vocês chegaram! – disse mãe da Lily empolgada indo abraçar as meninas.

– Tia! – as duas gritaram enquanto as três ficavam se abraçando.

Vi a Lily revirar os olhos e se sentar no sofá. E Alias, todos nos fizemos isso, tirando a Petúnia que subiu irritada.

Acho que ela não contava com o “namoro” da irmã.

Sem brincadeira. Acho que ficamos uns cinco minutos sentados esperando as mulheres se acalmarem.

– Desculpe! – me disse a Lily disfarçadamente.

– Depois conversamos. – eu disse sorrindo.

– Agora eu quero vê-los. – escutei a mãe da Lily dizendo e se soltando das meninas.

– Temos novidades tia. – comentou a Lene rindo.

– Não! – gritou à senhora Evans feliz.

– Sim! – gritaram as duas.

Depois de mais uma sessão de gritos que agora eu não entendi.

– Estão comemorando o namoro das duas. – me explicou a Lily.

Agora entendo por que a Lily diz que a mãe é jovem.

Depois a mãe da Lily puxou o Remus para ficar de pé.

– Loiro, olhos claros, arranhões charmosos pelo corpo, alto e magro. Prazer Remus, sou Elizabeth, mãe da Lily. – ela disse abraçando o Remus. – Você prefere que te chame de Aluado? – ela perguntou depois que se afastou.

– Como à senhora quiser. – ele disse inseguro.

– Ele é perfeito para você Dora. Lindos! – ela disse sorrindo.

– Eu disse tia. – comentou a Dora ficando levemente vermelha.

– Ele é tão tímido. Uma graça! – comentou a mãe da Lily nos fazendo rir e fazendo o Remus ficar parecido com um tomate.

– Deixe o coitado em paz mãe. – pediu a Lily revirando os olhos.

– Vou deixar Lily. Olha só quem esta aqui. – ela disse olhando o Sirius sorrindo. – É mais bonito do que pensei Lene. – ela respondeu rindo.

– Eu disse! – comentou a Lily rindo também.

Não sei o que elas tanto riem.

– Vamos ver… Lindo! Cabelos pretos e cumpridos, olhos azuis maravilhosos, e o sorriso mais safado que já vi. Já ouvi falar muito de você Sirius. – comentou a mãe da Lily feliz.

Não quero nem ver o que ela vai falar de mim. Já imagino o que a Lily disse de mim quando me odiava.

– Estou encantado bela dama. – disse o Sirius sedutor beijando a mão da senhora Evans.

– Ainda mais encantador do que pensava. Se fosse mais velho… – ela comentou suspirando.

– Mamãe! –reclamou o Lily.

– Eu sou casada, mas estou viva minha filha. Sem contar que ele é namorado da Lene. Posso achá-lo bonito.

– Vou contar para o papai. – comentou a Lily irritada.

– Só por que você é baixinha de mais para o Sirius? – perguntou a mãe da Lily piscando para o Sirius.

– Viu nanica eu sou irresistível! – comentou o Sirius e seu grande ego!

– É ainda melhor ao vivo! – comentou a mãe da Lily com a Lene.

– Logo o papai esta aí! – comentou a Lily.

A mãe da lily revirou os olhos.

Acho que já sei onde a Lily aprendeu.

– Eu não acredito! É ele mesmo! – disse a senhora Evans olhando intensamente para mim.

– Mamãe, não! – pediu a Lily autoritária.

– Ele não me parece um filhote de cruz credo Lily. – ela comentou fazendo todo mundo rir.

Já vi que minha reputação por aqui não é uma das melhores.

– Esses óculos realmente são um charme. Concordo quando disse que os óculos dão um ar sério que ele precisava. E esses cabelos…

– Mamãe, por favor. – pediu a Lily.

– Gosto também dos olhos. Castanhos com um leve tom esverdeado. Adoro homens com olhos verdes. – comentou ela pensativa.

– Eu disse que ele era lindo, tia. – comentou a Lene.

– Mas é claro que é. Senão a Lily não falaria tanto dele.

– Mãe! – gritou a Lily envergonhada.

Até que estou gostando disso.

– Fique de pé. Anda quero te ver melhor. Por que você não tira a blusa para… – começou a mãe da Lily de novo!

– Mãe! – pediu a Lily de novo.

– Só queria ver se era verdade o que você disse sobre a barriga dele.

Ouvi os risos e vi a Lily escondendo a cabeça na almofada.

– Faço questão que dance comigo no casamento. Esses braços devem ser…

– Mamãe por que não oferece os bolinhos? Aposto que eles estão com fome. – pedi a Lily quase implorando.

– Não posso mais nem admirar meu genro em paz? Eu sabia que cedo ou tarde você iria parar de negar. Depois daquelas rosas ano passado pensei que iria ter a decência de contar para a sua mãe.

– Mãe… – pediu a Lily vermelha.

– Depois eu vou interrogar ele. Vamos comer. Vocês devem estar correndo de fome. – ela disse feliz puxando o Sirius para a cozinha.

Vi que a Lily ficou para trás e fiquei também.

– Olha Tiago eu… – ela começou.

– Depois conversamos. Não se preocupe. Vou fingir que isso nunca aconteceu. – brinquei.

Ela sorriu agradecida e foi para a cozinha.

– Você não vem? – perguntou no vão da porta.

– Já vou. – eu respondi olhando as fotos.

Queria pegar uma dessas fotos para mim.

As sardas da Lily quando ela era criança ficavam mais a mostra, deixando seu pequeno rosto ainda mais inocente. Os cabelos ruivos voando, os olhos verdes com um brilho maravilhoso… Queria tê-la conhecido naquela época para poder apreciar melhor sua beleza.

Fiquei ali uns minutos ou horas apreciando a foto da Lily e da irmã abraçadas em um parque e não percebi quando o pai da Lily entrou na sala:

– Lindas, não são? – ele me perguntou.

Não sei dizer se ele estava sendo simpático ou agressivo.

– Maravilhosas. O senhor deve ter orgulho das duas. – respondi ainda observando as fotos.

– Sem dúvidas. Elas são o meu tesouro mais precioso e não quero ninguém para roubá-lo. – ele comentou um pouco severo.

Fique meio sem palavras. Se ele me trata assim sem saber do plano maluco da Lily imagine quando souber.

– A Lily me falou muito de você. – ele comentou pensativo.

De mim? Coisa boa não deve ter sido.

– Ela disse que você é um bom amigo. Estudioso, inteligente… Uma boa companhia. Não duvido que seja. Você parece ser um bom rapaz. – ele comentou mais uma vez me olhando estranho.

Eu estudioso? Acho que ele esta me confundindo com alguém. Inteligente eu sei que sou, mas estudioso? De onde ele tirou isso?

– Acho que o senhor esta me confundindo. – comentei incerto.

– Claro que não. De tanto a Lily falar de vocês reconheceria vocês andando na rua. – ele comentou sorrindo.

– Que bom… Então já posso me perder que alguém vai me encontrar com facilidade. – brinquei um pouco nervoso com a situação.

– Espero que não se perca. – ele respondeu sorrindo.

Acho que estou no caminho certo.

O pai da Lily olhou para a televisão, mas como o jogo não tinha voltado ainda ele se sentou e ficou olhando para mim.

– Pretende cursar faculdade? – ele me perguntou pensativo.

– Faculdade?  Mais ou menos isso, mas no nosso mundo não temos faculdade, só fazemos cursos, longos cursos. Pretendo fazer curso para ser auror. – comentei.

– Auror? A Lily já me falou sobre isso. São policiais, não é?

– Isso mesmo. – comentei me sentando no sofá.

– Não sei por que vocês têm dificuldades para prender os bandidos. Vocês podem fazer magia. Fica tudo mais fácil. – ele comentou pensativo.

– O problema é que os criminosos também podem fazer alguns truques mágicos. – respondi.

Ele ficou pensativo por um momento, mas não tive tempo de saber o que ele iria falar, já que o jogo começou.

Para não ser mal educado aproveitei para continuar tentando uma conversa, mas claro que dessa vez sobre futebol.

– Falta! – gritamos eu e o pai da Lily alguns minutos depois.

Sorrimos um para o outro e assim se passou mais algum tempo. Acho que o pai da Lily não é tão assustador quando não sabe que quero namorar a filha dele.

Narrado por Lílian Evans

– Eu ainda não acredito que vocês estão namorando e ninguém me contou antes! Vocês poderiam ter ligado.

– Não usamos telefone na escola mãe. – comentei.

– Me mandassem uma carta então. Isso não é desculpa. – comentou minha mãe pela milésima vez.

– Pode deixar que a senhora vai ser a primeira a saber quando a Lene tiver vários Sirius Junior. – comentou o Sirius sorridente.

– Eu ter filhos? Não obrigada. – comentou a Lene.

– Claro que teremos filhos. Pense como irão ser lindos. Teremos que ter seguranças de plantão… Serão tão lindos que todo mundo vai querer ficar na presença deles… Sem contar às mulheres que vão querer come-lo vivo. – comentou o Sirius sorridente.

– Menos Sirius. – comentou a Dora.

– Você esta com inveja. –comentou o Sirius revirando os olhos.

– Vocês são ainda mais engraçados do que imaginei. – comentou a minha mãe.

Foi quando olhei novamente para a sala. Já fazia muito tempo que o Tiago esta lá. Provavelmente meu pai já tinha voltado para assistir o jogo.

– Falta! – ouvimos a voz do meu pai e do Tiago.

– Acho que o Pontas já esta conquistando o sogro. – comentou o Sirius sorrindo.

– Será que seu pai sabe que aquele é o Tiago? – perguntou o Remus quando ficamos espiando os dois.

– Provavelmente não. – comentou a Lene.

– Não pai não seria tão receptivo com um menino. – comentei.

– Então está tudo certo. Não sei se te contaram ruiva, mas ele tecnicamente é uma mulher. – comentou o Sirius com uma de suas piadinhas.

– Acho que você vai ter que contar para o seu pai logo Lily. – comentou a Dora.

– Ele não precisa saber. – comentei me afastando na porta.

– Claro que precisa. Vai lá contar para o seu pai que você agora é uma mocinha comprometida. – comentou minha mãe quase me empurrando para a sala.

– Não tem necessidade mãe. – eu disse tentando me manter no lugar enquanto ela me empurrava para a sala.

– Claro que tem. Seu pai tem que aceitar o namoro. – ela disse séria.

– Mas… –comecei.

– Alguém vai ter que contar Lily. – comentou o Remus.

– Algum de vocês pode contar. – eu choraminguei.

– Só você ou o Tiago podem contar. – comentou a Lene.

Amiga traíra!

– Então o Tiago conta! – eu disse ainda tentando fugir.

– Você conta. – disse minha mãe dando fim na conversa. – Querido, a Lily quer falar com você. – disse minha mãe chamando a atenção do meu pai.

– Oi meu anjo. Espera só um pouco que o jogo já esta acabando. – ele comentou sem nem olhar para mim.

Dei um passo de volta para a cozinha, mas minha mãe fez cara de poucos amigos e acabei indo me sentar no sofá ao lado do Tiago.

Vi ele me olhando e segurando o riso. Acho que ele viu que fui arrastada para a sala.

Fiquei observando os dois assistindo o jogo, pelo menos eles ficaram me ignorando tempo suficiente para o pessoal perder a paciência e voltarem para a cozinha.

Foi quando o jogo finalmente terminou que o Tiago olhou para mim sorrindo. Pelo menos o time do meu pai ganhou, isso é um bom sinal, sinal que ele esta feliz e não vai gritar tanto quando eu falar sobre meu suposto namoro.

Será que não posso voltar atrás? Queria ter ignorado a Petúnia!

– Eu disse que eles são os melhores jogadores. – comentou meu pai com o Tiago.

– Aposto que eles não jogam assim em cima de uma vassoura. – brincou o Tiago convencido.

Não entendi como e nem porque, mas os dois começaram a rir da piada sem graça.

Alguém pode me dizer o que eu perdi por aqui?

Eu sei que meu pai pensa que o Tiago é o Remus… Ai Meu Deus! Vou ter que contar que menti para ele ontem… Ele vai ficar ainda mais furioso. Será que vou ser expulsa de casa por mentir?

– Você esta bem meu anjo? – perguntou meu pai.

– Lily? Você esta bem? Quer alguma coisa? Você esta pálida! – me disse o Tiago preocupado.

Olhei do meu pai para o Tiago e percebi o olhar estranho que meu pai lançou para o Tiago.

Será que se eu fingir desmaiar eles me perdoam depois?

– Eu estou bem. – eu disse desistindo da idéia de desmaiar.

– E o que você queria falar comigo filha? – me perguntou meu pai alguns minutos depois.

– Na verdade nada pai… Eu só queria ver quem ganhou o jogo, e como já vi… – eu disse ficando de pé desajeitada, e pronta para sair correndo.

Vi o Tiago me olhando estranhamente e depois me puxou para o sofá.

– Não fique tímida Lily. – ele disse sorrindo.

– Você sabe que pode me contar Lily. Juro que dessa vez não saio correndo atrás de ninguém. – me disse meu pai me fazendo me lembrar de quando apresentei o Severo para ele.  – Sem contar que gostei do seu amigo. Os outros devem ser iguais a ele.

Olhei espantada para os dois. Meu pai tinha um sorriso bem singelo no rosto e o Tiago estava com aquela cara “Eu sou o máximo!”

– Gostou dele? – eu perguntei impressionado.

– É claro que ele gostou de mim Lily. E por que não gostaria? – perguntou o Tiago com aquela falsa cara de inocente.

Meu pai nos olhou ainda mais confuso, mas não disse nada.

– Já contou as novidades para o seu pai Lily? – perguntou minha mãe traidora colocando a cabeça na porta.

– Que novidades? – me perguntou meu pai um pouco irritado.

– Nossa filha agora tem um namorado. – comentou minha mãe dedu-duro.

Olhei preocupada para o meu pai enquanto ele passava de branco para vermelho em segundos.

– Como isso foi acontecer Lily? Você me prometeu quando era pequena que nunca iria namorar, disse que iria virar freira. – ele disse irritado.

Vi o Tiago segurando o riso e fingindo estar indignado.

– Traga esse rapaz agora mesmo aqui. Quero ver quem é ele. Quem ele pensa que é para namorar a minha filha assim? Por que ele não veio me pedir permissão? Não deve ser um rapaz honesto se nem ao menos teve coragem para vir me encarar. Eu te proíbo de vê-lo Lílian Evans! Estamos entendidos? – ele perguntou já gritando

Vi a cabeça dos meninos e das meninos surgirem no vão da porta enquanto minha mãe vinha para a sala tentar acalmar meu pai.

– Alguma hora ela teria que namorar, até que demorou para isso acontecer. – minha mãe disse revirando os olhos.

– Mãe! – reclamei.

– De onde o conhece? Foi da escola não foi? Você não vai mais voltar para aquela escola Lily. – reclamou meu pai ainda gritando irritado.

Eu sabia que teríamos problemas, mas não tanto.

Narrado por Tiago Potter

Esse não me parece o mesmo senhor que eu estava conversando há segundos atrás.

– Alguma hora ela teria que namorar, até que demorou para isso acontecer. – disse a mãe da Lily revirando os olhos.

– Mãe! – reclamou a Lily.

Acho que toda a simpatia que consegui com o pai da Lily minutos antes está prestes a desaparecer.

– De onde o conhece? Foi da escola não foi? Você não vai mais voltar para aquela escola Lily. – reclamou meu pai ainda gritando irritado.

– É claro que o conheço da escola pai. E é claro que vou voltar para a escola. – disse a Lily irritada.

Pelo menos só vou precisar passar por isso uma única vez. Não queria ter que convencer o senhor Evans que sou legal uma segunda vez.

– Quem é ele? Se for aquele moleque que você trouxe aqui anos atas… – comentou o pai da Lily irritado.

– Eu já te disse que nunca quis nada com o Severo, e eu e ele nem nos falamos mais. – reclamou a Lily.

Não acredito que a Lily teve coragem de apresentar o Severo para o pai.

Alias, pelo menos o Severo não foi aprovado, um ponto a meu favor.

– Não aceito namoro nenhum! – disse o pai da Lily ainda extremamente vermelho e irritado.

– Mas você nem o conhece direito. – ela respondeu irritada.

– E não preciso conhecer para saber que não é um bom partido para você. Ele nem ao menos veio falar comigo. – ele reclamou mais uma vez.

Será que preciso mesmo me intrometer nisso tudo?

A é! Eu sou o namorado! Queria pelo menos ter beijado a Lily antes de ter que me esconder em um beco escuro para continuar vivo.

– Papai… – começou a Lily.

– Não Lily! – disse o senhor Evans.

– Com todo o respeito senhor Evans, mas acho que o senhor não esta dando uma chance para o rapaz. – comentou a Lene.

– Aprecio que esteja tentando ajudar sua amiga Marlene, mas não é necessário. A Lily já desistiu desse namoro, não é? – ele perguntou ainda mais vermelho.

Vi a Lily abaixando a cabeça. Não acredito que ela vai concordar.

Vi o Sirius e o Remus quase me mandando fazer alguma coisa.

– O Tiago não é tão mal assim tio. – comentou a Dora.

– Tiago? O das rosas? – ele perguntou para a mãe da Lily.

Parece que as rosas que mandei ano passado deu o que falar por aqui.

– Esse mesmo. Pensou que sua filha iria querer namorar com quem? – perguntou a mãe da Lily revirando os olhos.

– Não vou permitir que se envolva com alguém como aquele Potter! – reclamou o senhor Evans já gritando.

– Me desculpe senhor Evans, mas achei que o senhor tinha dito que… – vi a Lily quase implorando para que eu ficasse quieto e a mãe da Lily sorrindo para mim. – … que eu era uma boa pessoa. – completei.

Vi o pai da Lily me olhar confuso por poucos segundos e depois ficar mais vermelho ainda, se é que era possível.

– Você! Você mentiu para mim. Disse que era o Lemus. – ele disse apontando para mim.

– Eu disse que achava que o senhor estava me confundindo. – eu comentei na defensiva.

– Ele é o Remus pai. – disse a Lily apontando o Remus.

Vi o Remus dar um sorriso amarelo enquanto todos olhávamos para ele.

– Mas você me disse… – começou a pai da Lily.

– Disse que o Remus avia me trazido em casa. E foi o que aconteceu. – mentiu a Lily.

– Você estava muito longe para ver o menino direito. – comentou a mãe da Lily.

– Mas você não disse que ele parecia um filhote de cruz credo? – perguntou a pai da Lily.

– Eu estava com raiva naquela época pai. – comentou a Lily ficando vermelha.

O pai da Lily se sentou no sofá ainda irritado. Ele conversou em sussurros com a senhora Evans e logo voltou sua atenção para a televisão nos ignorando.

Ficamos cerca de cinco minutos em silêncio, mas o Sirius não agüentou ficar calado:

– Acabou a briga? Pensei que iríamos ter mais ação. – ele brincou com o Remus, mas todos escutamos.

– Ele é inteligente, bonito, educado, atencioso, gosta da Lily, gosta de futebol e o melhor de tudo é que ele não é um Durley. – comentou o pai da Lily dando de ombros.

Vi a mãe da Lily sorrindo e a Lily pulando no colo do pai dela.

– Eu sempre vou ser a sua garotinha pai. – escutei a Lily falando para o pai dela.

Acho que o pior já passou!

Narrado por Lílian Evans

 

– Acabou a briga? Pensei que iríamos ter mais ação. – ele brincou com o Remus, mas todos escutamos.

– Ele é inteligente, bonito, educado, atencioso, gosta de você, gosta de futebol e o melhor de tudo é que ele não é um Durley. – comentou meu pai dando de ombros.

Eu não acredito!

Ele realmente gostou do Tiago?

E por que eu me sinto tão bem com isso se é um namoro de mentira?

Ele gostou do Tiago!

Não me agüentei e pulei no colo do meu pai para agradecer.

Ele mexeu no meu cabelo e cochichou para mim:

– Você sabe que não tem problema em namorar vinte anos se achar necessário.

– Eu sempre vou ser a sua garotinha pai. – sussurrei para ele de volta ainda sorrindo.

Ainda não acredito que meu pai gostou do Tiago pelo simples fato dele não ser o noivo da Petúnia.

Adorei isso! Meu namorado é tão galante que conquistou meu pai ciumento!

Soltei meu pai e fui até a minha mãe.

– Por eu não leva seus amigos para verem a casa Lily? – ela comentou sorrindo ainda mais que eu.

– Claro. – e disse antes de sair puxando a Lene escada à cima.

Vi que os meninos não nos seguiam e parei na ponta da escada.

– Vocês não vão vir? – perguntei sorrindo.

– Achei que nunca iria perguntar ruiva. – comentou o Sirius sorrindo.

Fui mostrando a minha casa, claro que a excursão não durou nem cinco minutos e já estávamos no meu quarto.

– Estava com saudades daqui. – disse a Lene se jogando na minha cama.

– É a sua cara o quarto Lily. – comentou o Remus indo até a pequena sacada.

– Vamos fazer muitas festas aqui. – comentou o Sirius sorrindo.

– Só prometa que não vão ficar se agarrando aqui dentro. O espaço vai ficar muito pequeno se vocês resolverem ficar se agarrando. – comentei.

– Vamos tirar as roupas para que fique com mais espaço e menos calor ruiva. – respondeu o Sirius piscando.

Depois só vi a mão do Tiago voando para a cabeça do Sirius.

– Doeu! – reclamou o Sirius.

– Só fala besteira! – comentou o Remus.

– Me lembro da ultima vez que dormimos aqui. Fizemos um concurso de danças bisaras. – comentou a Dora.

– E claro que a Lene ganhou. – comentei rindo.

– Vocês duas que não sabem dançar! – comentou a Lene dando de ombros.

– Estou vendo que vamos nos divertir muito de noite. – comentou o Tiago.

– Se minha mãe não nos matar durante o dia com os preparativos para o casamento. – comentei desanimada.

– E a Alice? Sabe quando ela vai chegar? – me perguntou a Dora.

Olhei para o Tiago e senti meu rosto esquentar com aquele olhar curioso dele.

Acho que ele já sabe que a Alice me contou tudo. Isso não é bom!

– Na verdade a Alice disse que não vêm. Disse que teve alguns imprevistos e vai ficar com o Frank, mas que vem nos visitar. – comentei ainda olhando o Tiago.

– Aquela traidora! Nos abandonou para ficar com o namorado… – comentou a Lene irritada. – Deixe eu ver essa carta. Vou mandar uma resposta educada para ela.

Olhei na mesma hora para a carta que estava em cima da escrivaninha onde o Tiago estava encostado.

Ele viu meu olhar e o vi dobrando a carta disfarçadamente e colocando no bolso.

– Não sei onde coloquei a carta Lene. Vou procurar e depois te mostro.

– Como você não sabe onde colocou? – reclamou a Lene. – Deve estar aqui nessa sua bagunça. – ela reclamou apontando a escrivaninha.

– Se achar, ela é toda sua. – comentei sorrindo.

– O que tem nessa carta que você não quer me mostrar? – ela perguntou desconfiada enquanto empurrava o Tiago para longe da escrivaninha e começava a revirar tudo.

– Não tem nada na carta sua maluca. – eu comentei dando de ombros.

– A Lene esta meio paranóica ultimamente. – escutei a Dora comentando com o Remus.

– Deixa essa carta para lá Lenezinha. Vamos namorar enquanto a ruiva vai explicar essa história maluca de namoro dela e do Pontas. – comentou o Sirius.

Todos ficaram empolgados e se encostara em algum lugar para ouvir.

Novamente senti meu rosto ficar vermelho. Eles não vêem que não quero falar sobre isso, principalmente na frente deles?

Vi o Tiago segurando o riso por alguns instantes.

– Acho que isso não é um assunto publico. – comentou ele.

– Mas você vai nos contar depois. Por que não podemos ver tudo em primeira mão? – perguntou o Sirius revoltado.

– Por que não podem. – comentou o Tiago dando de ombros.

– Somos suas amigas Lil. – comentou a Dora.

– Isso já é constrangedor de mais para virar alguma coisa comunitária. – comentei.

– Mas… – o Remus abriu a boca para falar e alguém bateu na porta.

Respirei aliviada.

– Pode entrar. – eu disse me sentindo bem melhor.

– Quero um dos meninos fortes e altos emprestados Lily. – comentou a minha mãe sorrindo. – Serve você Tiago. Assim conversamos um pouco. – ela disse já puxando o Tiago pelo braço.

Isso não deve ser boa coisa!

Narrado por Tiago Potter

– Isso já é constrangedor de mais para virar alguma coisa comunitária. – comentou a Lily ficando cada vez mais parecida com um tomate.

– Mas… – o Remus abriu a boca para falar e alguém bateu na porta.

Segurei o riso quando ela suspirou aliviada com as batidas na porta.

– Pode entrar. – ela disse já com um pequeno sorriso ao invés da cara de pânico que tinha há poucos segundos.

– Quero um dos meninos fortes e altos emprestados Lily. – comentou a mãe da Lily sorrindo. – Serve você Tiago. – ela disse vindo na minha direção – Assim conversamos um pouco. – ela disse já me puxando pelo braço.

Foi impressão minha ou ela fez tudo isso de propósito?

– Só preciso que alguém pegue uns cobertores aqui no armário. É muito alto e eu não alcanço. – ela comentou quando chegamos ao quarto dela.

Fiquei um pouco receoso quando a mãe da Lily encostou a porta.

– Agora pode me contar. – ela me disse se sentando na cama.

– Contar? – perguntei sem entender.

– Sei que esse namoro não é de verdade, apesar de não demorar para se tornar real. – ela comentou.

– É claro que é de verdade. – menti.

– Se eu não conhecesse tão bem a Lily teria acreditado em você. Você mente muito bem. Precisa ensinar a Lily há mentir um pouco. – comentou a mãe da Lily rindo.

Sem ter muito o que falar eu sorri para ela.

– Tiago, sei que gosta da Lily e sei que ela gosta de você, como também sei que ela é teimosa e uma medrosa. Essa é a sua chance de mostrar para ela que vai dar certo. – ela comentou pensativa.

– A Lily não é medrosa. – comentei sem ter muito que falar.

– Não é medrosa para tudo, exceto para se envolver com alguém. Você precisa agir como e tudo isso fosse real. Mostre para ela que o namoro pode dar certo, que ela vai ser feliz.

– Eu estou tentando mostrar isso para a Lily há muito tempo. – comentei.

– Na verdade você estava tentando fazer ela acreditar que você gosta dela de verdade e que tinha mudado. E teve sucesso nisso. A Lily acredita em você. – ela me disse sorrindo. – Só que o medo dela ainda não a deixa se entregar a esse amor. – comentou ela pensativa.

– Com a Lily as coisas têm que ir com calma para que ela não se assuste e fuja. – comentei.

– Vejo que não vou precisar me meter. Você a conhece bem. Só vou pedir que siga com esse namoro seja lá o que vocês dois combinaram. Meu marido nunca aprova ninguém para chegar perto das meninas e ele gostou de você. Não jogue isso fora. Isso pode ser um grande ponto para você.

– Não vou decepcioná-los senhora Evans. Luto pela Lily há tempo demais para desistir ou deixá-la desistir. – comentei decidido.

– Agora que estamos entendidos, posso te pedir um favor? – ela me perguntou com uma cara suspeita.

– Pode falar. – eu disse sem me importar.

– Estou muito curiosa para te ver sem camisa. – ela comentou.

Olhei sem entender.

O que a Lily disse para ela sobre mim?

– É alguma brincadeira? – perguntei confuso.

– Eu sou curiosa. Não me culpe se a Lily não falava em outra coisa antes de começarem as aulas.

O que foi que a Lily disse?

– Eu… – como eu saio dessa?

– Mãe! Não acha que já interrogou o Tiago de mais? – perguntou a Lily surgindo na porta.

– Não sabe bater na porta não? – reclamou a mãe da Lily irritada.

– O que a senhora estava aprontando? – perguntou a Lily cruzando os braços e olhando de mim para a mãe dela.

– Nada de mais. Eu só fiquei curiosa. – ela comentou dando de ombros.

Vi a Lily ir de branca para vermelha em um segundo.

Eu tenho uma futura sogra maluca!

Narrado por Lílian Evans

 

– Mamãe! – eu disse já vermelha e irritada puxando o Tiago pelo braço. – Não dê atenção para a maluca da minha mãe. – completei.

– Mas ele não pegou os cobertores que vocês vão precisar. – ela comentou quando estávamos já saindo do quarto.

– Depois eu pego. Eu disse tentado sair o mais rápido possível do quarto. – Aí que mico! – eu reclamei sozinha.

Não acredito que minha mãe tentou tirar a blusa dele só por que eu disse algumas vezes que ele é incrivelmente sexy e gostoso sem camisa.

Entrei no meu quarto ainda arrastando o Tiago e bati a porta irritada.

– O que sua mãe queria com ele? – perguntou a Lene.

– Que ele tirasse a roupa! – reclamei.

Ainda não acredito que tenho uma mãe tarada por caras sem blusa.

– Preciso manter o Sirius longe dela? – perguntou a Lene rindo.

– Eu tenho uma mãe tarada! – reclamei.

– Na verdade a culpa é sua. Se não tivesse ficado falando sobre… – a Dora começou, mas ao ver o meu olhar irritado ela parou. – A culpa é sua. E ela é igual a você, ou seja, não é mais fácil pedir para o seu namorado tirar a camisa logo para ela ver do que ela ficar todos esses dias tentando arrumar situações para o Tiago arrancar a roupa? – perguntou a Dora.

– Se lembra quando a Lily escutou a Hestia falando isso como ela ficou? – perguntou a Lene rindo.

– Me lembro que ela fazia mil planos para fazer o Tiago tirar a camisa. – comentou a Dora rindo.

Eu não estava em mim naquela época. Só por que eu fiz alguns plano para fazer ele tirar a camisa não quer dizer nada, sem contar que foi a Hestia que começou.

– Por que vocês duas não vão salvar o namorado de vocês da Petúnia? – perguntei irritada me lembrando que vi o Remus tentando seduzir a Petúnia.

– O que a Petúnia esta fazendo com eles? – perguntou a Dora assustada.

– Até onde fiquei sabendo o Sirius desafiou o Remus a fazer alguma coisa. – comentei por cima para deixá-las desesperadas.

– Eu vou matar o Sirius! – comentou a Dora irritada.

– Não mate o meu namorado, só se eu quiser matá-lo também. – reclamou a Lene enquanto as duas iam atrás dos namorados.

Assim que elas saíram do quarto eu me sentei na minha cama cansada e o Tiago puxou a cadeira da escrivaninha e se sentou na minha frente.

– Acho que isso é seu. – ele disse me entregando a carta da Alice.

Acho que a conversa vai ser longa!

Alias muito longa!

– Obrigada. – eu disse pegando a carta e posso jurar que meu rosto ficou vermelho.

– Então… O que conversou com a Alice? – ele me perguntou ainda me olhando diretamente.

– Nada. – respondi rapidamente.

– Lily… – ele me chamou se sentando ao meu lado na cama.

– Não conte as meninas. Não sei como elas iriam reagir. – pedi vendo que era inútil negar.

– Não vou contar, mas preciso saber como você vai reagir a tudo isso.

– Eu não entendo você! – eu disse revoltada.

Como ele ainda continuou meu amigo depois de saber de tudo? Por que ele não forçou a barra ou alguma coisa assim?

– Você não estava pronta Lily. Infelizmente você não estava pronta. – ela comentou chateado.

– Foi tudo um plano? – perguntei com um nó na garganta.

Não acredito que tudo possa ter sido um plano.

– Não foi um plano. Eu só te dei um tempo. – ele comentou pensativo. – Você precisava desse tempo. Só espero que não precise mais. – ele comentou rindo.

– Eu… – eu gaguejei começando a ficar nervosa com o rumo da conversa.

Eu preciso de tempo! De muito tempo!

Narrado por Tiago Potter

Ela estava ali do meu lado, me olhando apreensiva. Tímida e receosa.

– Por que disse aquilo para a sua irmã? – perguntei.

Eu preciso saber! Ela poderia ter só ignorado a irmã.

– Eu não sei! – ela disse parecendo perdida.

Ela realmente parece não ter certeza do que responder. Preciso que ela pare de pensar com a cabeça e me responda com os sentimentos.

– Por que não ignorou a sua irmã como sempre faz? – perguntei.

Eu preciso de alguma resposta para continuar com isso. Preciso saber se ela também esta lutando para ficar comigo. Lutando contra si mesma nesse caso.

– Não sei. Eu não consegui. Ela estava…

– Eu sei que ela estava sendo maldosa, mas você não precisava ter se irritado tanto. Por que fez isso? – perguntei de novo.

– Eu… – ela disse ficando vermelha novamente.

Vamos Lily! Preciso que me diga! Preciso que me diga o que esta sentindo. O que sentiu nesse ultimo dia, nessa última hora.

– O que aconteceu Lily? – perguntei a pressionando.

Eu precisava de respostas, ela mesma precisava de respostas para seguir.

– Ela passou dos limites. – comentou a Lily acuada.

Aja com o coração Lily. Não pense, só sinta!

– Ela sempre passa. Por que foi diferente agora? Por que mentiu para o seu pai sobre mim ontem? Por que estamos tendo essa conversa? – perguntei me aproximando cada vez mais.

– As coisas saíram do controle. Eu não sei o que aconteceu. Em um minuto estávamos conversando e no outro… – ela dizia ainda gaguejando.

Estávamos sendo nós mesmos.

– Por que me abraçou quando estávamos nos despedindo? Você já tinha se afastado!

Seja você mesma comigo Lily. Se deixe livre para me amar.

– Não sei. Eu fiquei triste, irritada, não sei… Só queria que você não fosse embora. – ela me disse ficando muito vermelha.

Essa é a Lily que eu quero. Preciso saber o que sente e o que pensas para saber como agir.

– Por que mentiu para o seu pai? – perguntei colocando nossas testas.

– Não sei, só pensei que seria bom ele te aceitar. – ela comentou com a respiração descompassada e tremendo levemente.

Você precisa que ele me aceite para que você nós aceite, não é?

– Por que cedeu a Petúnia? Por que mentiu? – perguntei passando meus braços pela sua cintura.

– Eu não sei! – ela disse desesperada. – Só saiu da minha boca. Eu estava irritada, mas quando te vi foi como se eu não precisasse ser forte, como se nada mais fosse me atingir. Eu não o que aconteceu. Senti-me segura.

Admita para si mesma Lily. Preciso que você admita.

– Você quer continuar com essa mentira ou quer se seja verdade? – perguntei deixando nossas bocas bem próximas.

Ou seja, você quer namorar comigo ou precisa de um tempo para se acostumar com isso?

Senti sua doce respiração se juntar com a minha pela primeira vez, ver seus olhos me encarando antes de vê-los de fecharem. Ver sua boca abrir ligeiramente a espera da minha, seu corpo tremer diante a expectativa e o suor escorrendo pela suas costas de dão nervosa que estava.

– Eu… Eu quero… Não quero… Eu… – ela começou já ficando com o coração acelerado e fazendo sua respiração ficar ainda mais irregular.

Ela quer, mas ainda não sabe se é o certo a se fazer.

– Posso mentir com você até que se ache pronta para a verdade? – perguntei.

Eu tive que perguntar. Não vou agüentar ficar ao seu lado fingindo ser seu namorado se não puder ao menos tocá-la algumas vezes, abraçá-la ou lhe fazer um agrado.

Só preciso de um sim, para continuar.

– Você já esta mentindo comigo. – ela respondeu sorrindo levemente.

Diante dessa breve confirmação não pode fazer outra coisa a não ser beijá-la.

Beijá-la como sempre quis fazer e nunca pude.

Cap Anterior –  Próximo Cap – Menu


sobre Vanessa Sueroz

Autora dos livros Confusões em Paris, Minha última chance, Odiado Admirador Secreto, Presente de Aniversário, Eu te amo mais e Três Botões.


Obrigada pela visita. Por favor, deixe um comentário com a sua opinião, isso é muto importante para nós.

4 thoughts on “A casa dos gritos – Cap 11

  • Name Cáah

    MUITO BOM!!!
    a ultima narração do Tiago..foi MUITO PERFEITA!
    queremos o 12 agora!
    com certeza.

    [Responder]

    Bru Potter Reply:

    CONCORDO!
    finalmente, hein?
    e o Tiago é tãão perfeito!
    não sei como a Lily resistiu tanto tempo!
    se fosse eu nós já teriamos nos beijado a muuiito tempo ;-D

    [Responder]

    Vanessa Sueroz Reply:

    hahahaha realmente Bru!!!

    [Responder]